A Ilha da Imaginação

A adaptação do livro A Ilha de Nim chega ao cinema com mais falhas que acertos

Fábio Yabu
17 de Julho de 2008

A Ilha da Imaginação

A Ilha da Imaginação

Nim's Island
EUA , 2008 - 96
Aventura / Infantil

Direção:
Jennifer Flackett e Mark Levin

Roteiro:
Wendy Orr

Elenco:
Gerard Butler, Jodie Foster, Abigail Breslin

Regular
A ilha da imaginação
A ilha da imaginação
Todo escritor tem um quê de manipulador. Perverso, até. Ainda que o mesmo livro possa causar diferentes sensações em cada leitor, a mente por trás da história deve saber brincar com elas, por vezes ludibriá-las por caminhos sem volta, a lugares encantados ou às rédeas do desespero. E então, com a maior cara-de-pau, levantar-se elegantemente da cadeira no muquifo onde se encontra, desligar o computador e abandonar o leitor à própria sorte.

Bons livros são assim. A Ilha de Nim, que inspirou o novo filme da Walden Media, é assim. Já a adaptação aos cinemas, A Ilha da Imaginação (Nim's Island, 2008), não chegou lá. Ficou num incômodo meio-termo, com boas interpretações, efeitos especiais pontuais mas uma história adaptada que não conseguiu se resolver a tempo.

Nim é a personagem principal, interpretada pela já não tão pequena Miss Sunshine, Abigail Breslin. Órfã de mãe e filha de um biólogo marinho, ela vive com o pai numa ilha secreta que não deve nada à de Lost: tem seus cocos e bananeiras, e também energia elétrica e Internet. É assim que Nim se comunica com o herói de seus livros, o aventureiro Alex Rover, sem saber que ele se trata de Alexandra Rover, uma escritora agorafóbica vivida por Jodie Foster. Quando o pai, Jack (Gerard Butler) desaparece em alto mar, cabe a Alex enfrentar seu medo de contato social para cruzar o oceano e salvar os dois. De quê, não fica muito claro, já que Nim é como uma versão moderna de Píppi Meialonga, personagem literária infantil com quem partilha a coragem sobre-humana e o amor pelos animais.

Ainda que inferior a outras produções da Walden Media, como A Loja Mágica de Brinquedos e o soberbo Ponte para Terabítia (ambos de 2007), A Ilha da Imaginação é um filme infantil acima da média para produções do gênero. Mas, como já vem virando costume, acabou ganhando na sua versão para o cinema um enxerto praticamente inexistente nos livros.

Ao contrário de Terabítia, que permitia um certo espaço para isso, as adições à Ilha da Imaginação acabaram colocando o filme numa crise de identidade. A começar pelo título em português, um tanto equivocado, já que a tal "ilha" e o dia-a-dia de Nim são "reais", enquanto Alex é quem vive conversando com personagens imaginários. É a eterna (e irritante) mania dos distribuidores brasileiros de rebatizar filmes com sobrenomes como "Da pesada" ou "Do barulho", talvez sonhando com uma menção no Hall da Sessão da Tarde.

O pôster também engana muito. Nele vê-se uma bússola (sim, dourada), um navio pirata, um capitão barbudo e até mesmo uma luta de espadas. Absolutamente nada disso é visto no filme. Quando ele começa, com uma lúdica e bem executada sequência de animação narrada pela personagem principal, espera-se uma história de fantasia, mas o roteiro sydfieldiano preocupa-se tanto em explicar os personagens e suas motivações que sobra pouco espaço para ela. E a tal "aventura" prometida no trailer nunca chega realmente a acontecer, até porque, nem no livro ela existe. Quando enfim você percebe que todas as expectativas estavam erradas, nem tanto por culpa da história, mas sim por todo o outro lado que faz Hollywood funcionar - o marketing - já é tarde. O filme acaba e fica aquela sensação de que podia ter sido muito mais.

Obs: Distribuído exclusivamente em cópias dubladas.

O livro - A Ilha de Nim

No embalo do filme, a Editora Brinque Book está lançando o livro que o inspirou - A Ilha de Nim. Sem a necessidade de faturar alto como o cinema para pagar cachês milionários, a obra da canadense Wendy Orr é bem menos pretensiosa. A autora se limita a explicar bem como uma menina pode viver duas semanas sozinha numa ilha, e sua relação com a autora de seus livros favoritos. Não tem nada de piratas que não existem ou personagens que saem de livros. Dentro do seu universo bem construído, tudo é mais factível, fluido e, por isso mesmo, mágico.

Como Alex Rover, Fábio Yabu também é autor de livros infantis.

Assista a clipes do filme



Galeria de vídeos

Comentários (0)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.


ver todas ↓

Imagens (3)


Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.