Assista Agora

Crítica: Stones in Exile

A criação de um clássico... quando clássicos importavam

Eduardo Viveiros
06 de Outubro de 2010

Stones in Exile

Stones in Exile

Stones in Exile
EUA / Inglaterra , 2010 - 61 min.
Documentário

Direção:
Stephen Kijak

Elenco:
Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts, Bill Wyman, Mick Taylor, Martin Scorsese, Sheryl Crow, Benicio Del Toro

Bom
Exile on Main Street
Exile on Main Street

Hoje em dia, álbuns já são chamados de 'clássicos' antes mesmo de a banda (aquela, hit da semana) entrar em estúdio. Já foi a época em que, para uma gravação ganhar um adjetivo assim, precisava de um pacote de muita mítica e suor.

Exile on Main Street, clássico máximo dos Rolling Stones de 1972, é um bom exemplo desses velhos tempos. Um ano antes, encurralada por dívidas milionárias com o fisco inglês, a banda fez as malas e se mandou para a França. Era o tempo de casamentos escandalosos, drogas nos backstages e ódio dos defensores do limpinho bom costume britânico.

Os Stones já eram a grande banda britânica (com uma bela ajuda dos Beatles, debandados dois anos antes). E contava-se que, para um grupo daquele porte, sair da Inglaterra significava a morte artística. Resultado: deram a volta por cima nesse papo e voltaram com seu primeiro disco duplo debaixo do braço, uma mistura louca de rock + blues + country + soul, que seria desancada pela crítica. Antes, é claro, de se tornar um… clássico.

É essa história que Stones in Exile conta, em detalhes prontos para educar os novos fãs e reembalar os velhos, da época do vinil duplo. Cada um na sua época, e os Stones em todas.

Comissionado pela banda para produzir conteúdo extra da reedição de Exile em 2010, o diretor Stephen Kijak dá a voz aos Stones de hoje para que contem sua própria versão dos fatos - e das lendas - de então. Francos e ponderados como só a idade (e a garantia que não precisam mais provar muita coisa) permite, os músicos detalham o processo maluco de gravação que imperava naquela época.

No exílio francês, cada um levou sua família para um canto. O casal Mick Jagger e Bianca, então grávida, se fixou em Paris (não sem antes montar um casamento-espetáculo em Saint-Tropez). O resto da trupe preferiu o sul da França - incluindo Keith Richards e Anita Pallemberg, que ocuparam Nellcôte, um casarão do século 19 na pacata Villefranche-sur-Mer, no litoral, que já servira até de base para a Gestapo durante a ocupação nazista.

A villa na Riviera Francesa, que poderia ser o local mais improvável para sessões roqueiras, tornou-se o QG oficial da família Stones, depois de uma busca infrutífera por estúdios locais. E 'família', sem exagero. Como era trabalhoso que todos se locomovessem pelo país durante as gravações, Nellcôte tornou-se uma comuna (Hippie? Quase…), com a banda, músicos de apoio, produtores, técnicos e respectivos filhos orbitando por ali.

As sessões, nada familiares, tomaram conta do porão da villa. Com o som nas alturas, o equipamento de gravação plugado no lado de fora, uísque e drogas afins, se tornaram o embrião dos "músicos de quarto de fundo" que imperam hoje. Mas com um pouco mais de, digamos, verve.

Stones in Exile ganha brilho pela enorme quantidade de gravações da época, incluindo trechos do polêmico Cocksucker Blues - outro documentário comissionado pela banda na época, bem mais polêmico, que retratava em detalhes a baderna da tour americana pós-Exile, e foi proibido logo depois.

Aí aparecem cenas memoráveis para quem acompanha a mitologia da banda, tanto na França quanto na produção final, em Los Angeles. Charlie Watts improvisando percussão com cabides de metal. Keith e Mick compondo "Rip this Joint" ou "Ventilator Blues" - "Ele é o rock, eu sou o roll", define Richards sobre a dinâmica da dupla. Anita Pallenberg, loira e bela por si só. Ou o ator Jake Weber (do seriado Medium), então com 7 anos, encolhido entre as guitarras, e contando que preparava os baseados da banda.

Apesar dos músicos veteranos, são os coadjuvantes na história que roubam a cena com seus depoimentos. Como Jake, a própria Anita, e o fotógrafo Dominique Tarlé, que viveu por lá e registrou esse período. Da fase moderna, Don Was (que remasterizou os álbuns) e os novos amigos Martin Scorsese e Jack White, tão ligados à recente fase dos Stones, dão seus pitados.

Outros músicos mais novos também aparecem, como Will I Am (do Black Eyed Peas) e Jake Weber (Kings Of Leon), falando sobre sua relação com o disco. Os depoimentos, porém, são xoxos - e só servem pra mostrar o quão chato pode ser o rock atual. Que falta faz um exílio.

Leia mais sobre Rolling Stones
Leia mais críticas do Festival do Rio 2010



Comentários (9)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Richard Richard (06/10/2010 16:30:51)   53 0
Já vi o documentário.
Porra, 3 Ovos? Apapu, o que tem hoje em dia de documentário que seja melhor do que este? Shine a Light?

Apapu.



Lucas Lucas (06/10/2010 15:43:04)   25 0
O.o

Esse Nil vive em qual galáxia? Cara, te desafio a ouvir QUALQUER cd dos Stones e achar alguma música que seja igual a outra, cansativa, ou o que quer que vc quis dizer com "mais do mesmo".



André André (06/10/2010 11:25:56)   25 0
A única crítica que faço a esse DVD, é que ele esta legendando em português de Portugal, grande vacilo de quem o lançou por aqui, sendo que eu já tinha assistido esse documentário no canal Multishow e estava em potuguês(br).



Pignataro Pignataro (06/10/2010 11:18:33)   0 0
Caro "Nil", acho que vc se tornou uma unanimidade pela sua falta de conhecimento musical e noçõe de rock and roll...vc deve ser fã de britney, shakira, beyoce e etc.
Mesmo quem não é fã dos Stones (que não é o meu caso), sabe reconhecer sua importância para o cenário musical mundial, pois eles têm mais de 40 anos de estrada e inúmeros sucessos de público e crítica, portanto, tenha um pouco mais de respeito...ou então evite falar do que não sabe.



LEOPOLDO FELIPE LEOPOLDO FELIPE (06/10/2010 10:47:40)   22 0
Caramba!!! O cara dizer q os Stones só possuem 6 musiquinhas é d+ pra mim. Ô mané vai escutar Beggars Banquet,Let It Bleed, Sticky Fingers, Exile on Main St. e o Some Girls só pra vc começar
a entender um pouco de Rock'n'Roll.



fabio fabio (06/10/2010 09:48:15)   18 0
Este documentário é fenomenal. Apesar de toda a aura de sexo e drogas que sempre abasteceram as lendas em torno da gravação deste clássico, o documentário foca-se no contexto geral da história MUSICAL em torno da composição e gravação do disco. Vendo o filme percebe-se que, entre outras coisas, o Keith viveu a mil por hora na França daqueles dias ao mesmo tempo que seus lanpejos de criatividade em meio a tanto hedonismo convertiam-se em peças geniais. Também percebe-se que o Watts estava extremamente incomodado com a cultura francesa e que isto o aproximou de Keith ao morar em sua casa. Mick Jagger, por sua vez, reforça sua persona de homem do marketing (pessoal e da banda), enquanto que para os músicos contratados tudo era lucro: festas, mulheres, praia e grana.



Howard Howard (06/10/2010 08:14:51)   2 0
"6 musiquinhas boas" tá de sacanagem.
Só esse disco e o let in bleed, já daria um banho em toda a discografia, de uma grande maioria dessas bandas de hoje.



Mr.Natural Mr.Natural (06/10/2010 04:24:27)   669 0
"Rolling Stones e so mais do mesmo"....
puta merda!

queria que tivesse mais desse "mais do mesmo" por ai.




Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.