Assista Agora

Histórias Cruzadas | Crítica

Dramédia mostra com leveza e simplicidade o lado feminino na luta dos negros pelos direitos civis

Carina Toledo
02 de Fevereiro de 2012

Histórias Cruzadas

Histórias Cruzadas

The Help
Estados Unidos , 2011 - 146 min
Comédia / Drama

Direção:
Tate Taylor

Roteiro:
Tate Taylor

Elenco:
Emma Stone, Viola Davis, Octavia Spencer, Bryce Dallas Howard, Jessica Chastain, Ahna O'Reilly, Allison Janney, Anna Camp, Chris Lowell, Cicely Tyson, Mike Vogel

Ótimo
the help
the help
the help

Histórias Cruzadas (The Help) mostra o drama das empregadas negras nos Estados Unidos durante a conturbada luta pelos direitos civis em meados do século passado. No entanto, o faz trilhando um caminho dos mais intimistas, priorizando as questões pessoais das personagens em detrimento de eventos históricos e políticos que poderiam tornar mais épico - e menos próximo - o tom do filme (ou talvez essas duas abordagens sejam, essencialmente, a mesma coisa, como defenderam as feministas à época, com seu lema "Le personnel est politique").

Assim, é de forma extremamente íntima - como na necessidade de um banheiro separado para as empregadas ou no carinho que essas ajudantes sentiam pelas crianças brancas que criavam -, que somos apresentados ao atrasado estado do Mississipi em 1962. Skeeter, personagem vivida por Emma Stone, é a única de suas amigas de colégio disposta a ver aquelas mulheres negras de forma igualitária. Seu sonho é ser escritora e ela encontra seu primeiro emprego na coluna de conselhos domésticos do jornal local, assunto sobre o qual nada sabe, aproximando-se assim de Abileen (Viola Davis).

Não demora para que ela tenha a ideia de revelar ao mundo como aquelas mulheres se sentem. Mas o único obstáculo para tanto são as próprias empregadas e seu medo de punição caso alguém descubra. Afinal, é na base da ameaça que os segredos das chefes brancas são mantidos. E quão detestáveis são as chefes! Bryce Dallas Howard consegue transmitir tanta maldade (inicialmente velada) com sua Hilly Holbrook que é inevitável se pegar na plateia torcendo contra ela.

Os momentos mais sofridos do filme são de Viola Davis, cujos depoimentos são contados em tom calmo e sofrido. Já Minny (Octavia Spencer) dá os toques cômicos que às vezes são quase exagerados, mas não falham em arrancar risadas da plateia. Este é um filme de mulheres e cada atriz soube entregar seu papel muito bem, com a dose certa de dramaticidade e humor (o espaço para os homens é tão limitado quanto a parede de Abileen: só Jesus Cristo e John F. Kennedy merecem destaque ao lado da foto do filho). O equilíbrio é tamanho que Histórias Cruzadas acerta em cheio em seu objetivo de entregar um feel good movie perfeito, fazendo chorar mas sem deprimir, relembrando um passado sombrio, mas sem levar a qualquer reflexão mais profunda.

O diretor e roteirista Tate Taylor soube extrair o melhor de seu elenco e também do best-seller de Kathryn Stockett. A trama se desenrola sem tropeços, prende e diverte. Muitos se surpreenderam quando The Help chegou ao primeiro lugar nas bilheterias dos EUA e lá ficou por três semanas seguidas (o que não acontecia desde A Origem), superando os blockbusters milionários do momento. No entanto, a verdadeira surpresa é que ainda exista o choque dos executivos quando um ótimo filme, com boas atrizes e orçamento adequado para seu roteiro e sem excessos megalomaníacos, encontre seu público com honestidade.

Histórias Cruzadas | Cinemas e horários



Publicidade

Comentários (66)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

diogo diogo (23/11/2013 19:30:36)   0 0
eu adorei esse filme,porque mostra os dois lados gente negra e gente branca,como são tratados diferentes.



Jorge Luís Jorge Luís (25/05/2012 16:11:47)   76 1
É fácil apontar em “The Help” características marcantes como o acentuado teor dramático, ou mesmo a forma pouco dúbia com que retrata certos personagens tão característicos do Sul dos Estados Unidos em tempos de segregação racial. Não é tão fácil, entretanto levar essas mesmas escolhas até as últimas consequências sem soar apelativo, meloso ou superficial.
Essa é a mágica do diretor Tate Taylor em seu primeiro trabalho de destaque.

Aqui não existe espaço para a relatividade tão em voga no mundo cinematográfico, todos julgam e são julgados a todo o momento, e o preconceito está explícito em toda a sua ignorância e crueldade.

Quem embarca neste drama de época é presenteado com uma produção luxuosa, performances soberbas e especialmente, com uma visão corajosa, que usa cores fortes quando elas são necessárias.



sem avatar Lara (06/03/2012 19:12:37)   0 -1
Não gostei tanto do filme assim...Como já tinha lido o livro esperava um ótimo filme embora sempre o livro seja melhor.A hitória e as atrizes são ótimas mas mesmo assim o filme poderia ter se saído melhor nas mãos de um diretor mas experiente



Jonas Jonas (25/02/2012 22:36:24)   -7 0
Aproximamos-nos da 84th Academy Awards™ e não podemos dizer que temos um filme TÃO FORTE E TÃO PERTO de receber a premiação principal da noite. Nas demais categorias o cenário também está indefinido, prever OS DESCENDENTES dos grandes filmes do ano passado não é uma tarefa fácil. Em meio a tantas HISTÓRIAS CRUZADAS, George Clooney será O ARTISTA vencedor como tudo indica, ou na segunda-feira Brad Pitt será O HOMEM QUE MUDOU O JOGO? A briga será intensa, pode apostar, haverão injustiçados, emocionados, enfim, teremos um campo de batalhas recheado de beldades e brutos, com direito a CAVALO DE GUERRA. Fico feliz de ter sido um ano bom, poder ter acompanhado todos os indicados e preferir que dia 26/2/2012, quando em Hollywood estiver começando a noite e já for mais de MEIA NOITE EM PARIS, sejam beneficiados os que resolveram sobre a sétima arte discorrer, se não for o calado que seja A INVENÇÃO DE HUGO CABRET. Ah, Terrence Malick dissecando entranhas com o seu A ÁRVORE DA VIDA, é um caso a parte.



sem avatar Cláudio (24/02/2012 19:27:43)   2 2
O filme é belíssimo.Por mim levava a estatueta. Única coisa que não gostei foi o título em Português.



claudio claudio (21/02/2012 21:43:03)   20 1
na hora que skeeter(emma stone) indaga sua mãe sobre o paradeiro da empregada que a criou com muito carinho e fica sabendo do destino da empregada eu chorei,chorei como não havia choradfo desde menina de ouro !



sem avatar Reginaldo (20/02/2012 11:09:09)   2 2
Achei muito certeira a idéia da coprofagia involuntária - talvez ali para indicar o quanto estamos intimamente ligados por feses. Isso mesmo. Qualquer sanitarista sério sabe que, por mais avançada que seja qualquer civilização, ainda não conseguimos separar comida e feses.
O idéia caiu como uma luva porque, dentro de mítica da limpeza absoluta puritanista, onde o diferente não cabe, e é excluído em banheiro próprio, achei purificadora a shit daquela mulher, grande e encrenqueira mãe natureza.



Thaina Thaina (16/02/2012 00:37:10)   10 0
Me apaixonei pelo filme, pela Viola e pela Octavia. Sem mais.



Ivan Ivan (12/02/2012 12:14:07)   10 0
Parabéns, Carina, pela crítica!

Concordo em 100% com o que você escreveu, é sua melhor crítica de filmes que já li no Omelete até agora.



Alerson Alerson (11/02/2012 18:17:00)   1342 0
E gostei do encontro das Gwens no final(Emma Stone e Bryce Dallas Howard).



Publicidade
Alerson Alerson (11/02/2012 18:10:09)   1342 0
Adorei o filme,ao mesmo tempo q nos faz rir,nos faz pensar e quem é mais emotivo chorar.As atuações são ótimas, Viola Davis merece o Oscar(ok,além da rooney mara não vi como foram as concorrentes),Octavia Spencer e Jessica Chastain me fizeram rir,seus papeis foram ótimos,Bryce Dallas Howard consegui me fazer odia-la de tão bem q tava como a megera da história,e Emma Stone apesar de tá um pouco apagadinha mostrou seu potencial,o q dizer,ÓTIMO FILME.



sem avatar Bodão (09/02/2012 22:53:37)   15 0
Uma ótima crítica Carina, bem mais sensata do que muitas que vi por aí.

Achei que faltou uma menção à Jessica Chastain. Achei-a tão bem, ou até melhor, do que a Octavia Spencer.

Coloquei uma visão parecida no blog:
http://bodeproducoes.wordpress.com/2012/02/06/critica-historias-cruzadas-the-help-oscar-2012/



sem avatar Júh (09/02/2012 17:44:57)   0 0
Eu particularmente adorei esse filme do começo ao fim a personagem da Octavia Spencer traz leveza ao filme com as cenas cómicas que foram as minhas preferidas super recomendo



sem avatar Raquel (08/02/2012 21:38:21)   10 0
Um ótimo filme, daquele tipo que te faz refletir.
Em nenhum momento vejo como um filme contra o racismo, com super negros unidos contra a supremacia de super brancos, e sim de demostrar a realidade da época.
Do ponto de vista das esferas mais fracas da sociedade da época, donas de casa com pensamento retrógrado subjugando mulheres negras, no único papel que tinham para ocupar na sociedade.

No Brasil talvez o racismo não seja tão brutal quanto nos EUA (ou apenas não pareça), mas se pararmos pra pensar aqui também temos uma segregação, acredito que na casa da maioria das pessoas há um banheiro reservado para empregadas, isso me fez sentir tão mal.

Quando um filme desses causa reflexão nas pessoas, ele com certeza cumpriu seu papel.

Obs.: E quanto as atitudes nada santas das empregadas negras, eu amei, faria mesmo!



Roy Roy (08/02/2012 18:15:32)   18 0
Um filme que pretende combater o racismo colocar negras roubando anéis e cagando na torta dos outros NÃO DEVERIA SER FEITO sob hipótese ALGUMA. Por que como porra um cara que se diz cineasta pode pensar que eu vou me sentir emocionalmente compelido a sofrer com personagens que agem como marginais? Um filme que pretende colocar as negras em pé de igualdade com as dondocas brancas retrata as pessoas assim? E - principalmente - por que é necessária uma garota adolescente (aliás, o filme inteiro é narrativamente e esteticamente adolescente) branca vinda de Nova York salvar toda a comunidade negra do Mississipi? Hum? Será que nenhum afro-descendente teve rebeldia e vontade de viver suficiente naqula merda de estado? Aliás, o único ativista negro que o filme menciona (mas não mostra, o que é ainda mais estranho) é brutalmente assassinado. Mas que porra de filme liberal é esse? A complacência e passividade das "coitadinhas negras" (por que é assim como Tate Taylor trata as negras no filme) em frente as sinhás chega a impressionar. E então, já que o filme quer mostrar gente rebelde contra o preconceito, por que foi escolher logo as empregadas mais submissas da história do Mississippi?

E além disso, TODAS AS PERSONAGENS de Histórias CUzadas são caricaturas de estereótipos sociais da década de 60 (caricatura de estereótipo é escroto, hein?): Bryce Dallas Howard interpreta uma vadia megera que preza pelo "bem-estar" da classe média suburbana norte-americana (um papel semelhante, mas não racista, pode ser encontrado numa série de TV chamada Suburgatory - que é melhor que White People Solve Racism, já que ASSUME que é caricatural), Jessica Chastain faz uma espécie de Stepford wife, sempre bonitinha pro maridinho e vivendo pro lar (só faltram dois pirralhos correndo pela casa). (E vale notar que o Taylor parece saber que é um retrato tão imbecil que TENTA disfarçar a merda que o filme é revelando um "segreeeeedoooo" no finzinho.). E isso pra não falar das negras empregadas, que são um ridículo desenho infantilóide das black m'as do Sul norte-americano (eu creio que Tate Taylor concebeu-as visualmente após ter lido A Cabana do Pai Tomás).


sem avatar Raquel (08/02/2012 22:06:44)   10 2
Esse filme é maravilhoso, não se trata de um obra contra o racismo que vai fazer os negros do mundo inteiro se unirem e marcharem em busca de igualdade.

E sim de algo para vermos e refletirmos sobre como a sociedade pode ser tão imbecil, e achar que cada esteriótipo deve realizar sua função no mundo e não poder evoluir.
Tanto quanto apresenta as donas de casa brancas, presas aos costumes de encontrar um bom marido, ter lindos filhos e ser muitas vezes uma besta cega, assim como as negras, que não podiam ser nada mais do que empregadas, não podiam se misturar com os brancos, nem se quer usar o mesmo banheiro.

Mas há um momento em que isso começa a ser quebrado, isso é representado pela jovem ousada, que quis não seguir seu papel pré determinado na sociedade e busca conhecimento, assim consegue enxergar além do que lhe é imposto e com isso transforma a vida daqueles que a cercam, chegando as mulheres negras de sua cidade, dando voz a elas.

Tanto negras como brancas terem vícios e virtudes neste filme, o tornou mais crível para mim. O fato das empregadas negras, sofridas e subjugadas não serem perfeitas em sua conduta, foi um ótimo ponto no filme, assim como haver algumas brancas que não eram tão megeras assim.


sem avatar Josy (20/02/2012 20:06:30)   1 1
Prezado Roy você tem o direito a ter uma opinião, assim como eu: Quanto pseudointelectualismo e grosseria...



Ana Ana (06/02/2012 02:50:53)   11 1
muito bom! curti mil vezes.



Leandro Leandro (05/02/2012 12:28:47)   160 0
Interessante... me convenceu Carina vou assistir!



Raul Raul (04/02/2012 17:25:59)   1072 1
Assisti ha tempos esse filme. Realmente ótimo. Todas as atrizes muito bem, exceto Emma Stone. Não convenceu, apesar de eu não acha-la má atriz.



sem avatar Ana (04/02/2012 12:43:50)   0 0
O filme é baseado no livro "A Resposta", de Kathryn Stockett. Vale a leitura!



Pedro Paulo Pedro Paulo (04/02/2012 00:10:54)   265 1
O Filme faz rir, chorar, pensar. Se não é disso que o cinema é feito, entretenimento de qualidade , não sei do que é mais.



Publicidade
Felipe Felipe (03/02/2012 16:28:33)   77 2
Minha opinião: Não vi nada de mais nesse filme, tirando a Viola Davis, e a representação brilhante da época, o filme é extremamente mediado, não é ruim, mas também não é um ótimo filme, é só bom, e é bom exaltar que é a minha opinião,


sem avatar Tales (03/02/2012 18:32:51)   4 2
Achei o filme bom também, mas não excepcional.. O que me incomodou foi que muitas vezes os personagens são muito estereotipados, muito forçados. Tipo novela, em que a boazinha é quase um Jesus e a malvada é o capeta.

Nesse aspecto só não é pior que Crash, aquele sim é forçado.

Nelson Nelson (07/02/2012 03:07:45)   181 2
Pois é, a força do filme está no elenco que segura o filme com bom humor, pois o tema é tratado duma forma muito infantil mesmo, querer debater um tema maduro tratando o público como ingênuos é triste.


sem avatar Santos D. (03/02/2012 15:44:18)   1273 1
A julgar pelo texto esse filme tem caracteristicas de ter sido feito sob medida para agradar a Academia de Hollywood, inclusive seguindo algumas pegadas do oscarizado Conduzindo Miss Daisy.
E a estratégia funcionou, pois Histórias Cruzadas concorre ao Oscar de Melhor Filme além de ter mais três indicações para as atrizes do elenco.
Pretendo conferir esse filme quando sair em DVD.



Diego Francisco Diego Francisco (03/02/2012 15:05:59)   900 0
Este filme prova que não é preciso de efeitos especiais ou violência para conseguir bilheteria. Só por isso já ganhou minha atenção.



sem avatar Zano (03/02/2012 14:32:51)   31 0
Comédia???



Daenerys Daenerys (03/02/2012 10:20:10)   2 0
vi e recomendo, muito bom



Mariana Mariana (03/02/2012 09:20:35)   3781 3
Minha ida ao cinema neste fim-de-semana. Finalmente nos cines daqui...



sem avatar Fernando (03/02/2012 08:10:54)   0 0
É uma pena que demorem tanto pra estrear filmes por aqui. Eu ja assisti ele em casa em HD na semana passada. Muito bom por sinal. A torta de chocolate me faz rir toda vez que lembro.



Bruno Bruno (03/02/2012 08:09:51)   66 0
O título original desse filme era "Pessoas Brancas Resolvem o Racismo". Eles decidiram trocar pra não ficar muito "na cara".


sem avatar ronaldo (03/02/2012 11:51:47)   -2 -4
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.

Bruno Bruno (03/02/2012 18:07:13)   66 -2
Sei, e o protagonista do Superman de 77 é o Marlon Brando.

Oh não! Fiz referência a um filme de quadrinhos! Isso quer dizer que sou um nerd bitolado que não entende nada de cinema! É por isso que não entendo a genialidade desse filme!

Pedro Paulo Pedro Paulo (04/02/2012 00:05:21)   265 2
É a personagem da Viola Davis que narra , a maior parte do filme é sobre ela , e ela está concorrendo ao Oscar de melhor ATRIZ , não de melhor ATRIZ COADJUVANTE . Sim , acho que é ela a protagonista.

Bruno Bruno (04/02/2012 10:19:57)   66 0
Ok, sarcasmo não detectado. Mas, na boa, você não acha errado dizer que um filme é melhor que outro por causa do gênero. E não acha errado dizer que uma pessoa só não concorda com vc porque "não entendeu o filme", ou é "mais um nerd que só gosta de filme de quadrinhos", ou, pior ainda, que "só está contrariando pra parecer cool"? Sim , vc gostou do filme e eu não, mas tenho argumentos para isso. Não é birra.

Pedro Paulo Pedro Paulo (07/02/2012 20:35:21)   265 1
Não entendi , você usou sarcasmo para usar sarcasmo? Tipo , sarcasmo duplo? Não há nada de errado em não gostar do filme , e ngm criticou você por isso. Foi apenas uma observação que sim, a Viola Davis É A PROTAGONISTA e não a Emma Stone. Aliás a Emma Stone e a personagem dela estão bem apagadas no filme. Por favor não gostou ótimo, respeite quem gostou e você tmb vai se respeitado.

Bruno Bruno (09/02/2012 14:18:59)   66 1
Eu usei sarcasmo no meu comentário e sarcasmo na resposta, foram dois sarcasmos separados... E desculpe Pedro, meu comentário foi mais direcionado a esse outro doido aí embaixo q estava ofendendo todo mundo aqui que não concordava com ele.

Quanto ao que vc disse, é verdade, OFICIALMENTE, a Viola Davis é a protagonista da história. Porém, ela não é responsável pela ação, ou seja, não é a personagem dela que move a narrativa. Se vc for comparar, pense naquele filme O Segredo de Mary Reily, q conta a hostória de O Medico e O Monstro pela perspectiva de uma empregada do Dr Jekyl. Ela era a protagonista daquela história, mas não na prática, pois é uma personagem completamante passiva, uma mera observadora, representante do status quo do inicio da história. O Dr Jekyl, que fazia toda a ação para alterar o status quo, era o protagonista na prática. Nada de errado de se ter um protagonista passivo e um outro personagem que move a história, mas se vc estender isso para o que Histórias Cruzadas quer passar... não sei, fica meio feio. A comunidade negra acaba ficando com um papael de inepta, e uma garotinha loira vinda do leste liberal é responsável pela grandes mudanças naquele ambiente. Entendeu?

Pedro Paulo Pedro Paulo (14/02/2012 12:10:23)   265 0
Sim, entendo o que você quer dizer. Mas também tinha que ser mostrado que existia alguém na comunidade branca que não tinha preconceito com os negros; Eu sei que parece que "Ah, as empregadas só resolveram contar pq a garota pediu" mas na verdade as pessoas não ligam muito pra isso vendo o filme, ligam mais para a coragem das empregadas em contar. O mérito dado a personagem da Emma é pra mostrar que existiam pessoas brancas que se importavam com a questão do preconceito, entende? Mas as heroínas dessa história na verdade foram as empregadas, tanto que o nome (original) do filme/do livro é "The Help", a história é delas.


Alexandre Alexandre (03/02/2012 08:05:58)   82 0
O que falta é sinceridade em Hollywood, prova disso é esse filme simples e sincero como tantos outros, exemplo disso é o "Querido Frankie", que conseguem levar um grande público ao cinema sem apelar em produções megalomaniacas de diretores, que estão mais preocupados com os efeitos especiais do que com o conteúdo em si.
Um filme sincero muitas vezes causa mais efeitos do que muita produção banal por aí, fazendo com que o espectador saia satisfeito por ter assistido um bom filme e o faça pensar logo em seguida.



Thyago Roberto Thyago Roberto (02/02/2012 23:18:27)   729 1
"...a verdadeira surpresa é que ainda exista o choque dos executivos quando um ótimo filme, com boas atrizes e orçamento adequado para seu roteiro e sem excessos megalomaníacos, encontre seu público com honestidade."

A Carina não poderia ter falado mais sinceramente. Uma prova que filmes simples podem ser surpreendentes! Ganhou por méritos próprios as indicações ao OSCAR. E espero que ganhe. :)



Publicidade
sem avatar William (02/02/2012 22:45:39)   2 -1
Este filme é nojento e RACISTA. Uma jovem garota branca escreve um livro e de repente todas as empregadas negras estão mais felizes, obrigado por tudo garota branca. SERIOUSLY?!

Sim, as atuações são boas, os personagens é que não são. Todos são limitados a uma única característica. É triste ver a crítica se render a um filme tão óbvio.


Romualdo Romualdo (02/02/2012 23:09:13)   1617 3
Hahahahahahahaha.... "Obrigado por tudo garota branca" foi ótimo William!


sem avatar Hugomb (02/02/2012 22:38:12)   0 1
AMEEEEEEII, muito lindo!
só em pensar que essas épocas de racismo realmente aconteceram é de cortar o coração "/


sem avatar Jur4s (03/02/2012 02:03:35)   11 6
Aconteceram? O racismo ainda está ai só que, felizmente, em menor grau e número.


Jetro Jetro (02/02/2012 22:28:13)   216 0
Esse com certeza é um dos melhores filmes de 2011. Não tenho vergonha de dizer que a certo ponto do filme eu me derramei em lágrimas, coisa que não acontecia desde quando vi no cinema... E.T. ?


sem avatar Flávio Bruno (03/02/2012 12:47:45)   11 1
Pô, Toy Story 3... Não?


Rhumas-Jetzer Rhumas-Jetzer (02/02/2012 22:23:51)   1332 5
Assisti no Rio ano passado, o roteiro não tem nada de mais, a direção é modesta mas a atuação, ah... a atuação... A ATUAÇÃO DE VIOLA DAVIS, OCTAVIA SPENCER, EMMA STONE, BRYCE DALLAS-HOWARD E JESSICA CHASTAIN SÃO AS MAIS FODAS QUE EU JÁ VI, VIREI FÃ DESSAS GAROTAS!!!


Rhumas-Jetzer Rhumas-Jetzer (05/02/2012 00:08:24)   1332 1
Uma pessoa que comenta num post que não tem nada a ver (sobre um comentário que eu fiz a 15 dias), que negativa todos os meus comentários e ainda por cima escreve errado e de caps lock? Sério cara? Você não tem noção da sua idiotice, não?


sem avatar Icaro (02/02/2012 22:18:14)   6 0
As únicas coisas que se salvam deste filme são Viola Davis, a Chastain e a Bryce Dallas Howard. Cinemão "bom" americano da pior qualidade.


Bruno Bruno (03/02/2012 08:06:58)   66 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.

Bruno Bruno (04/02/2012 10:46:31)   66 1
Desculpe, mas de onde vc tirou a informação de que predominantemente TODOS os cinéfilos e profissionais amaram esse filme? Vc entende que quem comenta nesse site tem acesso a internet, né? E podemos pesquisar no 0// TODO PODEROSO GOOGLE! No Rotten Tomatoes a cotação de criticas positivas é de 77% - longe de ser todo mundo. E a cotação do X-Men: First Class - vc insiste em comparar Histórias Cruzadas com filmes de quadrinhos, por algum motivo - é de 87%. E olha o que Pablo Villaça, um dos críticos de cinema mais respeitados do país, diz sobre o filme:

http://www.cinemaemcena.com.br/plus/modulos/filme/ver.php?cdfilme=10214

Acho q poderia resumir tudo isso com : Aham, Claudia, senta lá.


Rodrigo Rodrigo (02/02/2012 22:03:37)   16 0
Ta aí um filme que eu queria ver mas não vai dar, por ter outras prioridades, que fique pro home video então, mas deve ser um ótimo filme. Mas todo começo de ano temos que eleger as prioridades, pois chega muito filme bom.




Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.