Assista Agora

A Pele que Habito | Crítica

Pedro Almodóvar faz as pazes com o cinema de gênero em seu Frankenstein moderno

Marcelo Hessel
03 de Novembro de 2011

A Pele que Habito

A Pele que Habito

La Piel que Habito
Espanha , 2011 - 117 minutos
Terror

Direção:
Pedro Almodóvar

Roteiro:
Pedro Almodóvar, Thierry Jonquet (romance)

Elenco:
Antonio Banderas, Elena Anaya, Blanca Suárez, Jan Cornet, Marisa Paredes

Ótimo
a pele que habito
a pele que habito
a pele que habito

"Por que você está me barbeando?", questiona o paciente ao cirurgião plástico Robert Ledgard (Antonio Banderas). "Essa é uma boa pergunta", responde o médico, antes de passar-lhe a navalha pelo pescoço.

A cena diz muito sobre A Pele que Habito (La Piel que Habito), o novo filme de Pedro Almodóvar (Má Educação, Volver), que está cheio de perguntas aparentemente simples, respondidas com enigmas. As intenções do cirurgião ficarão claras mais adiante, mas, naquele momento, uma navalha é só uma navalha - ela está ali não por conter alguma conotação rara, ela está ali por ser um instrumento de terror. O contexto vem só depois.

De início sabemos que, desde que perdeu sua esposa, Robert Ledgard se dedica a construir a pele perfeita, capaz de resistir à dor, misturando DNA humano com suíno. Embora negue, este Dr. Frankenstein moderno está tentando recriar a sua mulher por meio da ciência, é mais do que evidente. Mas, como na outra cena, a evidência é só uma primeira camada...

Quando decidiu adaptar ao cinema o livro Tarantula, do escritor francês Thierry Jonquet, Almodóvar disse que faria um filme de terror sem gritos ou sustos. A Pele que Habito é justamente isso - antes de surgir da consequência dos atos, o terror e a violência estão presentes na própria natureza dos objetos, seja uma lâmina, um pano rasgado ou um rabo fálico de tigre. É um terror mais puro, por assim dizer, e mais angustiante, porque é o pavor do mal-estar, nós o sentimos sem saber direito o porquê.

À medida em que os enigmas vão sendo respondidos, A Pele que Habito inevitavelmente perde um pouco do seu encanto. Até lá, porém, Almodóvar manipula bem os elementos que são típicos do terror (o cientista louco, a cobaia, o voyeurismo) e faz as pazes com o cinema de gênero.

É verdade que o cineasta espanhol nunca o largou, mas em seus trabalhos recentes, especialmente no instável Abraços Partidos, o cinema de gênero (naquele caso, a trama de mistério) termina sufocado pelo "autorismo". Todo objeto e toda situação vêm carregados de tanto simbolismo que a ação, em si, se esvazia de sentido. E cinema de gênero existe em função da ação, não dos significados dessa ação.

Como em A Pele que Habito continua valendo a lógica da lâmina - o símbolo pode eventualmente surgir na interpretação do espectador, mas não é inerente ao objeto - Almodóvar consegue expurgar o autorismo e retornar a uma certa clareza da ação. Repare como as situações de morte, no filme, nunca são apenas uma ameaça - elas se consumam. Afinal, lâminas foram feitas para cortar e armas, para atirar.

Mesmo os objetos mais simbólicos do mundo, os falos, neste filme são apenas isso: falos. O médico louco tem uma coleção deles, pintos de muitos tamanhos. E não são meros enfeites, emblemas da virilidade etc. Falos também foram feitos para ser usados, e em A Pele que Habito eles são. Não deve haver terror maior.

A Pele que Habito | Trailer
A Pele que Habito | Clipes
A Pele que Habito | Cinemas e horários



Publicidade

Comentários (87)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

G. brucew G. brucew (26/12/2013 21:55:05)   2045 0
Destaque para a sensacional cena da tentativa de fuga de collant preto e máscara.



sem avatar Paula (20/08/2013 19:44:57)   0 0
Vamos por partes. Acho que o filme incomoda mais os homens sim, por motivos óbvios (meu namorado ficou pra morrer, tadinho). Mas o filme é excelente.

Ah, o filme é repugnante: Era pra ser
O filme é nojento: Era pra ser
O filme é perturbador: Era pra ser.

É um dos filmes mais ousados que já assisti, não sei onde Almodóvar vai parar com tanta ousadia.
Que bom que o filme é perturbador, que incomodou. Numa época de filmes tão fracos, poder dizer que um filme é perturbador é um privilégio.

É um filme exótico, tenso, inquietante, é Almodóvar puro.



Jefferson Jefferson (22/10/2012 18:20:59)   -1 1
Esperava mais deste filme tão aclamado pela crítica. É o tipo de filme que termina e te deixa envolto em uma nuvem de perguntas sem resposta. A entrega da vítima, sua sujeição ao algoz e de certa forma , amante, é algo inaceitável no meu ponto de vista. Não se pode conceber suas atitudes conformadas perante a uma realidade tão perturbadora. Talvez a obra seja mais profunda do que isso, no entanto, o nível mais raso de humanidade do personagem é simplesmente descartado, o que pra mim, o tornou frio demais. Assistam mesmo assim, vale a pena...



sem avatar rafchliszt (13/10/2012 19:36:21)   3 1
O filme é legal enquanto material para debate, possui questões interessantes para se pensar, mas para mim não passa disso. Antes do ápice do filme eu já tinha sacado a ideia e o resto não passou de uma conclusão para uma história que não faço questão de recomendar para alguém. Esse filme me lembrou Laranja Mecânica, que é muito bem feito, levanta questões sociais relevantes e dá um certo estranhamento. "A pele que habito" acho que é um filme que de certa forma afeta mais os homens.



sem avatar Fábio (27/08/2012 21:13:28)   1 2
Acho que a melhor palavra para qualificar esse filme é PERTURBADOR.

O texto do Hessel é abrangente, sim. Vocês é que são chatos.

Aliás, VÃO PRA PQP COM ESSES SPOILERS! Contar a surpresa (e que surpresa!) do filme nos comentários é o fim da picada!



sem avatar Sarah (24/07/2012 22:45:27)   1 1
FILMAÇO! sem mais... Almodóvar arrasou



Demetrius Demetrius (29/05/2012 18:21:44)   24 1
Dá pra medir o "tamanho" do campo de visão de uma pessoa pela reação a um filme como esse ou Oldboy.



sem avatar keila (22/05/2012 10:22:34)   -3 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.

Douglas Douglas (08/06/2012 16:21:17)   20 2
o problema não está no filme mas em você

sem avatar Fernando Morais (08/08/2012 13:01:42)   8 0
o problema nao esta no filme mas em voce(2)

sem avatar Cinéfilo (21/07/2013 18:56:20)   37 0
Eu concordo um pouco com a Keyla.no MÁXIMO 2 ovos. Se você fica pasmo com qualquer coisinha vai achar um grande filme.Mas não tem nada de mais.talvez se você achar interessante se relacionar com um trans ou querer ser um você goste bastante!


sem avatar Fernando (27/03/2012 22:34:46)   0 0
Nao é de hj que acho que o site tem feito críticas fracas e rasas. Mas o Hessel é campeao.


sem avatar rafchliszt (13/10/2012 19:36:08)   3 1
Concordo, até parece que ele não viu o filme.


sem avatar VIVIANE (26/02/2012 17:24:50)   -6 -2
neste filme o cara (Antoni Banderas) mutila o corpo do rapaz, abusa do corpo masculino (transformado em feminino no sentido pejorativo (feminino=sofrido=culpado), no fim acaba tudo em morte, e o cara mutilado (sim, pq aquilo é mutilação inclusive psicológica) fica sem rumo nehum….fora abuso sexual sem noção…

pQ ELE NÃO IMPLANTOU UM PÊNIS EM UMA MULHER?? AÍ NÃO SERIA TÃO SOFRIDO USÁ-LO NÃO?


sem avatar VIVIANE (27/02/2012 20:46:04)   -6 -4
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.

sem avatar Sergio Henrique (09/04/2012 07:23:23)   1 1
"princípios ideológicos e morais". Almodóvar, assim como cinema, tem a função de dar uma outra visão para as pessoas. Nem sempre é aquela de que partilhamos ou gostamos. Ficou chocada? Volta pra igreja querida!

sem avatar Jardel (10/05/2012 04:33:01)   1 1
A intensão clara do personagem de Antonio Banderas era transformar o menino em mulher, para que ele sofresse o que a filha dele sofreu. Por isso o abuso sexual. Ele achava que o Vicente tinha estuprado sua filha, o que na verdade, nao aconteceu.


Publicidade
Zack Blazer Zack Blazer (26/02/2012 04:32:02)   227 0
almodavar GÊNIO!



Rômulo ,the Joker Rômulo ,the Joker (25/01/2012 00:40:35)   1445 0
Vi esse filme com meus pais ,meu pai comprou pirata porque tava todo mundo falando bem é ,bizarro ,pertubador e genial ,adorei o filme ,já meu pai falou que era um lixo e que ele tinha se arrependido de gastar dinheiro com esse tróço ,minha mãe ,então ,dormiu o filme inteiro.


sem avatar Vercetti (14/03/2012 19:50:14)   64 0
Rapaz, fascinante a reação dos seus pais perante esse filme. Com eu queria saber disso.

sem avatar Jardel (10/05/2012 04:38:14)   1 0
Desculpa intrometer aki, mas na verdade a resposta é pra viviane, do post acima. Minha filha, caso vc nao percebeu na "suruba" que ocorre durante o casamento, todas as mulheres estão sentindo prazer. A filha do Personagem de Antonio Banderas não sente prazer e se desespera em função de sua fobia social. Vera não sente prazer porque é obvio. Almodovar faz cinema de genero, sabe o que é isso? Antes de fazer uma critica mal feita, estude sobre o assunto.


Vinicius Vinicius (24/01/2012 22:22:55)   21 0
Tenso do início ao fim. Vale conferir.



sem avatar Claudio (16/01/2012 14:57:33)   0 0
Caraca!!.. eu vivo em um universo paralelo? foi só eu que vi metade das pessoas saindo antes dos 25 minutos? eu assisti tudo, mas foi o pior filme que vi na vida.. previsível.. foi a globo que fez?


sem avatar Bruno (20/01/2012 01:14:25)   0 1
Se este foi o pior filme que você viu na vida só deve ter visto obras-primas até agora...




sem avatar Fabio (13/01/2012 17:24:03)   -1 -2
Achei esse filme muito incensado. Não o considero ruim. Mas, pessoas reagindo mal aos que riram em certos momentos: desculpem, eu faço parte deles— e na maioria das vezes ri por "vergonha alheia". A primeira cena de agressão sexual ri pelo contexto em que se encontrava Banderas, que era absurdo. E considero que tenha até um toque genial transitar entre provocar o horror frente a um estupro e migrar para o tragicômico, como qdo ele dá a noticia do pós-operatorio. Quanto às alegorias "sutis" de anulação e supressão: a navalha, o bonsai, o collant de tigre e o cor de pele, o próprio collant etc..ok, estão lá...so what?

O que mais me incomodou foi a evolução fraquissima de Vera: de uma pobreza e falta de tato, maior do que qqr falo presente no filme (já que é assunto recorrente, pelo visto). Qdo o filme acabou pensei: se eu entendi bem é o sexismo suprimindo a própria condição do gênero, é isso? E ri, de novo, dessa vez pelo inconformismo por esperar mais.

Almodovarianos, por Deus, não odiei o filme...mas, para mim, ele peca na intenção...não escracha e nem amplia o drama e fica na superfície.



sem avatar Abenon (07/01/2012 12:19:03)   0 0

O belíssimo filme “A pele que habito”, 2011, do diretor e roteirista espanhol Pedro Almodóvar, inspirado no livro "Tarântula", do escritor francês Thierry Jonquet, retrata uma versão atualizadada e combinada da novela Frankenstein de Mary Scheller, escrita entre 1816 e 1817 e publicada pela primeira vez em livro em 1818, com a novela O Médico e o monstro* de Robert Louis Stevenson, escrita e publicada, também em livro, em 1886.
Os enredos destes dois clássicos da literatura universal servem a Almodóvar como pano de fundo para que ele possa realizar uma articulação entre o cômico e o trágico ao introduzir o seu ponto de vista e, ao mesmo tempo, abrir o debate, sobre temas atuais e polêmicos como a condição homossexual e as questões éticas acerca do que pode e do que não pode a ciência em tempos de bioética, clonagem e transexualidade.

continua no link:


http://www.recantodasletras.com.br/artigos/3356406


Patrícia Patrícia (25/01/2012 18:03:37)   8 0
Acabei de ler o livro. A história é em parte diferente. A crueldade e os jogos psicológicos são melhores sentidos. É agonizante.

No fundo foi legal, porque foi surpreendente, mesmo eu sabendo da trama em si com antecedência.


Patrícia Patrícia (22/12/2011 00:58:42)   8 1
Que filme! Que filme! Bizarro, agonizante, genial, inquietante!

E que seja, com pintos ou sem pintos, é uma forma de se contar uma história. Todos são adultos e um pinto não devia ser algo tão chocante assim.


Quanto a rir nas cenas de drama... Confesso que no fim, virei pro meu namorado e disse: "eu sou o João". :P
Mas já fazem 2 horas que saí do cinema e ainda estou inquieta. Num ano cheio de filmes pirotécnicos bobos, poucos se salvaram.



sem avatar edilson (14/12/2011 18:37:28)   0 0
alguém comenta abaixo sobre a necessidade do almodovar de pica... eu entendo a necessidade... e entendo q ela já é mais q motivo pra não interessar ao público homem/mulher... resolvi conferir para confirmar o q já imaginava... é tudo o q imaginava.
A necessidade q não entendo é dos críticos omelete (alias.. todos os críticos)... é escrever um texto longo descrevendo coisas q não existem nos filmes.. elevando a obra de arte, coisas totalmente nulas. tipo comentar/criticar exposições de arte (pinturas e objetos toscos sem sentido)... atitude de mané discorrendo sua embromation.



sem avatar Luiza (24/11/2011 16:59:33)   7 1
Eu adorei o filme, imprevisível, chocante, perturbador, meio na linha de cisne negro, na questão de mexer com seus nervos! Eu somente não entendi pq ao final as pessoas em vez de ficarem emocionadas e sensibilizadas, riram...quero dizer acho que sei sim, a maioria dos brasileiros são extremamente preconceituosos e jamais entenderiam algo tão complexo quanto esta história...


Carolina Carolina (25/11/2011 22:00:37)   7 0
Verdade Luiza, realmente não dá pra entender!

sem avatar Fabio (13/01/2012 17:22:17)   -1 1
Desculpe, Luiza, mas rir faz parte de sentir. Eu ri em alguns trechos pelo absurdo do contexto. E acho até que isso seja algo genial: transitar pelo tragicômico sem perder MUITO a mão. Ou vc acha, sinceramente, que Almodovar esperava uma reação solene na cena dos consolos graduais? ou da notícias do pós-operatório? Desculpe se ofendo, mas eu me permiti a rir.
De resto, o filme pertuba um pouco, mas nada que dure até a porta do cinema—por mais que devesse.

Rômulo ,the Joker Rômulo ,the Joker (25/01/2012 00:46:24)   1445 0
Eu só ri naquela parte dos vibradores ,porque foi realmente engraçada.

Patrícia Patrícia (25/01/2012 18:06:09)   8 0
Faço minhas as palavras do Fábio. Li o livro e a parte em que o Vincent acorda e se descobre com uma vagina é horrível, agonizante. Fechei o livro na hora. O riso nervoso que tive no filme foi obra do Almodovar mesmo.


Alan Alan (23/11/2011 23:40:07)   -2 0
Bom filme!
Tenso e fora da linha dos "Blockbusters Enlatados".
Já fazia tanto tempo que o Antonio Banderas não atuava em um filme bom que, enquanto via os créditos finais, tinha certeza que veria a frase "Antonio Banderas agradece a Santa Rita de Cassia pela graça alcançada!"
Recomendado! =D



Publicidade
Joroalgu Joroalgu (14/11/2011 18:56:24)   0 0
Não sei o que aconteceu comigo! Diferentemente de todos aqui eu DETESTEI esse filme. Nossa!!! MUITO RUIM. Faz pelo menos 20 anos que assisto filme do Almodovar e ele continua usando sempre a mesma fórmula... Sempre. Igual. Tirando isso A Pele Que Habito entra para a minha lista de pior filme que eu vi na minha vida. A perda de IDENTIDADE foi muito mal tratada. Cenas de morte pasquim! Filme mal cortado. Na verdade esse filme parece o filme dirigido às cegas do filme de Woody Allen. "Graças a Deus que existe os franceses!!!" Não acredito que tem tanta gente que aplaude qualquer porcaria... É chique dizer amou o filme do Almodóvar???


Carolina Carolina (15/11/2011 13:52:26)   7 3
Para alguns até pode ser chique, para mim, não o é! Primeiro, tens todo o direito de detestar o filme. Só acho que te falta argumentos fortes. Comecemos contra argumentando os seus: esse foi, sem sombra de dúvidas um dos melhores filme do Almodóvar. Ele se ateve há detalhes e, acabou controlando sua enlouquecia (coisa que já demonstra em Abraços partidos e Volver). Não estou me referindo a cenas de sexo, pq, independente do que todos acham, Almodovar não é só sexo. Voltando, deixa sim as cores fortes e quentes para trazer cenas com cores sóbrias e frias no intuito claro de trazer incomodo à platéia. Tudo isso acompanhado de uma trilha impecável, cortes precisos e dentro da narrativa da história, com uma fotografia que beira a arte. Então, ele mudou sim a forma como nos conta uma história, e não é de agora! De resto, sua assinatura está presente em alguns momentos do filme (algumas vezes mais contida como na casa do médico, em algumas pinturas e objetos; nas relações maternas, na força dos personagens femininos e em algumas mais fortes como na loucura do amor); inclusive nas cenas de morte propositalmente "Pasquim". Mas, na minha opinião, não é esse o foco do filme. Cenas de morte e horror. O horror de A Pele que Habito é algo maior, que não cabe dentro da ação. Por isso não considero esse um filme do gênero terror/horror. Quando a existência dos franceses: finalmente concordo. Adoro-os, tanto no cinema, quanto na literatura. Não ficou bem claro o que quis dizer com perda de identidade (não colocaste exemplos e tals)por isso não debati. Comparação com Woody Allen... Bom, estilos diferentes, completamente diferentes! Bem, era isso!

Gabriel Gabriel (15/11/2011 13:59:18)   44 2
Não se trata em nenhum momento de um filme terror escrachado, se queres isso vai ver "Jogos Mortais". "A Pele que Habito" é uma tentativa muito bem sucedida de terror psicológico, mesmo que alguns não tenham idade mental de decifrá-lo (me refiro as pessoas no cinema que riam em cenas como o estupro da filha do Banderas ou o Hessel aqui em cima, e não você Joroalgu). Talvez o maior problema seja o fato das pessoas estarem indo ao cinema no intuito de ver Almodovar (Faz pelo menos 20 anos que assisto filme do Almodovar e ele continua usando sempre a mesma fórmula) e não apenas um novo longa proposto a ideias diferentes. Sem falar que a direção de arte do filme é perfeita o cenário bem colocado contrapondo quadros com corpos de mulheres nuas e imagens deformadas, e quando Robert olha por aquela janela que é a televisão que usa para supervisionar Vera como um artista analisa sua obra. Só pra concluir esse complemento ao comentário da internauta "Carolina" uma navalha é muito mais que uma navalha basta prestar atenção no filme pra entender isso.


Carolina Carolina (13/11/2011 13:55:10)   7 4
Gente, que tristeza ler isso!
Pedro Almodôvar é, erroneamente, considerado um cinema de gênero (infelizmente) isso já é sabido. Mas ver essa crítica tão rasa, fundamentada em percepções e frases do diretor, isso assusta. Principalmente em um espaço que diz considerar o cinema uma arte. Primeiro, que leu a obra em que o filme se baseia sabe que o fundamental não é o horror de sentir o mal estar, nem a loucura de um cirurgião plástico. O horror do livro é a perda total de identificação, a ausência de ser, de existir, seja provocada pela vingança ou pelo desespero. O filme de Almodôvar captura isso. E quando tudo é revelado, o filme não pede a graça. Apenas quem, erroneamente limita tudo ao gênero de horror, pensa isso. Quando os segredos são revelados vemos a assinatura brilhante do diretor, na inversão total de pensamentos e sentimentos. Somos jogadas na humanização dos personagens e nos apaixonamos. Por todos. Então, ler isso irrita tanto a ponto de me cadastrar no site para pedir encarecidamente: vamos nos aprofundar mais na arte que vocês dizem admirar. Afinal, ressaltar o uso de falos é, além de sexista (olha, foi um moço que escreveu isso), extremamente fácil (já que do filme esta é a cena mais didática)! A agonia está em não mais se pertencer e Almodôvar desvenda isso brilhantemente, e talvez seja a hora de tirarmos o próprio diretor do "gênero" e analisarmos seu brilhantismo quanto a captura das cenas e, principalmente, das emoções.


Gabriel Gabriel (13/11/2011 14:57:21)   44 2
Finalmente alguém com cérebro.

sem avatar Marcos (28/11/2011 11:15:48)   1 1
Nossa...Não é preciso dizer mais nada!

sem avatar Vincent (15/03/2012 10:41:24)   6 2
Concordo com vocês. Deviam aprofundar mais a crítica desse filme. Bom que há outros sites que fazem análises mais minuciosas e aprofundando sem se tornar prolixo.


sem avatar Ana Clara (13/11/2011 11:20:33)   0 0
É sério que só eu achei que essa moça do poster fosse a Natalie Portman? :O Que lerda hahah



sem avatar Pedro Henrique (10/11/2011 20:36:18)   3 0
Essa cena que o Hessel citou não existe. O Bandeiras sufoca o paciente até ele desmaiar. Mas enfim...

"E cinema de gênero existe em função da ação, não dos significados dessa ação."

"o símbolo pode eventualmente surgir na interpretação do espectador, mas não é inerente ao objeto"

É exatamente isto. Muito boa a crítica.



sem avatar Bruno (08/11/2011 10:33:38)   0 0
Filme muito bom pqp, curti muito, adoro esses filmes que te fazem repensar o acontecido. O filme é loucura total em todos os sentidos.
Abraços.



sem avatar Isadora (07/11/2011 17:21:01)   52 0
Geralmente acho esse Almodóvar uma mala superestimado, mas confesso que esse filme é muito bom!



sem avatar Luciano Carneiro (07/11/2011 14:00:49)   1 1
Cinema de gênero e cinema de autor, onde uma navalha pode representar alguma coisa ou pode existir simplesmente pelo bem do gênero (fazer suspense, enfim). Masculino, feminino e além; questões como identidade, sexualidade e amor (nós não amamos as pessoas, mas as suas peles). Um terror puro; doentio, terrível. Mas também sensível, como não poderia deixar de ser, visto quem está por trás. Em Almodóvar, tudo é duplo (ou triplo, ou pluri): o mundo bizarro dele funde-se com o mundo real. O kitsch anda de mãos dadas com o austero. E o feio com o belo.



Marcio Marcio (05/11/2011 19:43:30)   11 1
Melhor filme que vi esse ano,
genial.



@alexeyhonorio @alexeyhonorio (05/11/2011 00:31:54)   21 1
Uma palavra pra esse filme do Almodóvar: GENIAL!



Leonardo Leonardo (04/11/2011 15:22:40)   39 0
Dificilmente Almodóvar me decepciona...Vamos ver



Publicidade
sem avatar Leonardo (03/11/2011 22:22:40)   11 0
Pronto. É nesse tipo de filme que o Hessel tem que "atuar", acho até que deveriam refazer a crítica de A Origem... rsss



sem avatar sandro (03/11/2011 22:17:59)   -32 1
Essa visão artística da obra é sempre complicada, pois cada um pode interpretar de uma forma e muitas vezes não consegue nem ver os simbolismos que estão na sua frente. Eu prefiro o terror mais explícito, mas com certeza verei esse.



Breno Breno (03/11/2011 21:43:00)   605 0
Gostaria de ver este filme, mais pelo que estou vendo o filme foi muito criticado por se arrastar em torno da melancolia, etc...



Calebe Calebe (03/11/2011 20:29:43)   388 0
No filme há uma agonia que não tem TAMANHO!

Huhauahuahuaha.
[quem lê entenda. Quem gostar, assista]



Thaina Thaina (03/11/2011 12:18:11)   10 1
Já vi quase todos os filmes de Almodóvar, amo seu estilo e aposto nesse novo filme, ainda mais sendo com o Banderas. Esse filme parece ser agoniante, realmente.
É, Almodóvar é bem safadinho, nunca vi igual, hahaha.


sem avatar Paula (20/08/2013 19:46:38)   0 0
É safadinho como 99% das pessoas, só que ele não tem a vergonha que 99% das pessoas tem. #Almodovarsafado kkkkk


Rachel Rachel (20/10/2011 01:21:19)   46 1
Tem comentários aqui que citam pau, píca, rola, punheta e outros adjetivos que o pessoal aqui desse site deixa pra todo mundo ver. Agora, aqueles que pedem uma critica mais construtiva são logo deletados. Queria saber qual é o problema desse pessoal. Obrigada.


sem avatar iarru (04/11/2011 16:43:54)   -1 0
ADJETIVOS?!?

Dzi Alê Dzi Alê (08/11/2011 10:35:26)   15 0
ADJETIVOS?!?(2)


Douglas Douglas (08/10/2011 23:14:55)   16 0
O vcs tem contra pintos?

Preciso ver!



sem avatar Luis Fernando (08/10/2011 22:44:48)   -314 0
Travis punheteiro, altas bronhas com a ultima ceia tb, kkkkkkkkkkkkkkkkk.



Felipe Felipe (08/10/2011 19:24:19)   77 2
Almodóvar, como diz meu professor de Geografia, o cara pode até ser bom mais que ele é safadinho, oh se é (como se uma coisa atrapalhasse a outra).


Thaina Thaina (03/11/2011 12:06:18)   10 2
Por isso que é querido por muita gente, rs.


DR. Zaius, ministro da ciência e defensor da fé! DR. Zaius, ministro da ... (08/10/2011 15:09:22)   1031 -1
Se o Almodóvar dirigisse um batman ele seria o Joel Shumacker...


André B André B (08/10/2011 15:30:51)   948 1
Na boa, não dá pra comparar Almodóvar com Schumacker.

Ou dá.

Mas a diferença de qualidade é bem grande.

Joel Schumacher Joel Schumacher (08/10/2011 15:45:05)   444 1
Bem... se isso acontecesse certamente haveria um pinto na roupa do Batman.

André B André B (08/10/2011 16:06:43)   948 4
heheh... é verdade. E a tara do Schumacker é por mamilos.

Dark Dark (04/11/2011 12:26:11)   633 0
Se o Almodóvar dirigir um filme do Batman teremos uma cena do Coringa estuprando o Robim! Sera um filme gay mas sem as cores dos anos 60 e brutalmente realista!


Publicidade
Zack Blazer Zack Blazer (08/10/2011 14:48:33)   227 1
Geeente ! pra que tanto pinto ? almodavar vamos fazer uma aposta agora ! proximo filme , zero de PINTOS !



Carlos Carlos (08/10/2011 00:14:03)   1823 0
Deve ser um ótimo filme mesmo...

Fiquei muito curioso com os trailers!



Felipe Felipe (07/10/2011 21:47:44)   -1 1
O filme parece ser interessante, mas eu tenho meod quando o Marcelo dá notas altas e faz umas críticas mais, vamos dizer, complexas como essa. Eu não sou muito cult, e da última vez eu me ferrei com o Tio Boonme - 5 ovos ele ganhou, mas pra mim, não merecia nenhum.



Renan Renan (07/10/2011 19:20:07)   2463 3
Parece ser bom, não gosto muito do Almofovar mas este eu vou dar uma chance.

E eu também não gosto dessas obssessão do Almodovar por rolas, todo filme dele tem que ter uma pica, tá loko.


Zack Blazer Zack Blazer (08/10/2011 14:37:39)   227 2
Filme do almodavar é certeza de Pica ! isso que mata ! mais ele é monstro !


Joel Schumacher Joel Schumacher (07/10/2011 19:02:47)   444 3
Boa crítica, Hessel.

Mais um bom filme de Almodóvar, a única coisa que me incomoda são esses pintos aí no filme, mas o resto parece ser show de bola.



sem avatar Gabriel (07/10/2011 18:26:59)   124 -1
não suporto o estilo do Almodóvar, mas esse parece ser legal, a primeira vez que ele fará algo diferente, pq os filmes dele são tudo igual sempre.

e boa crítica mesmo, Hessel.


Thaina Thaina (03/11/2011 12:11:18)   10 1
Igual? Tudo bem que vc não goste, mas daí a dizer que é tudo igual??


Raul Raul (07/10/2011 17:52:08)   1071 0
Parece ser agoniante...




Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.