300

Adaptação da HQ de Frank Miller revoluciona os épicos

29/03/2007 - 16:40 - Érico Borgo

Zack Snyder não tem medo dos nerds. Egresso do mercado publicitário e dos videoclipes, o cineasta logo de cara encarou as feras e refilmou um clássico do terror, O despertar dos mortos (Dawn of the Dead, 1978), e agradou crítica e público com o resultado. Agora repete a dose, adaptando outra obra cultuadíssima, 300 de Esparta, graphic novel de Frank Miller e dos melhores e mais elaborados trabalhos do autor.

A exemplo de Sin City - Cidade do Pecado - também uma adaptação da obra de Miller -, cada frame de 300 é arrancado das páginas dos quadrinhos e convertido em imagem em movimento. Traços e cores aquareladas fiel e lindamente emulados.

Fãs do quadrinista não poderiam ficar mais satisfeitos - a transformação nas mãos do empolgado Snyder é praticamente literal, algo que só é possível porque Miller, que escreveu e ilustrou a obra original, pensa os quadrinhos muito diferente de outros profissionais da área. Enquanto um mestre como Will Eisner dava aos seus painéis uma perspectiva quase teatral, Miller tornou-se famoso por encarar o trabalho como se fosse um imenso storyboard de longa-metragem. Fica mais fácil então para um sujeito talentoso como Snyder - que domina recursos de estilo e tem extremo bom-gosto para saber quando empregá-los - carregar esse material base e torná-lo vivo nas telonas.

O resultado é um alucinante balé de violência estilizada, atitude e design. Cada frase cuspida no cinema - muitas delas transcritas direto da obra do historiador grego Heródoto - estremece o cinema com uma macheza que não se via há décadas na tela grande. Aliás, o efeito de 300 no público só pode ser comparado ao que deve ter sido o dos grandes épicos do passado. Não há um filme recente do gênero comparável a este. Gladiador, talvez o que mais se aproxime, recuperou o gosto do público pelas sandálias e espadas, mas é 300 o filme que insere definitivamente o épico na era do iPod, Wireless e Plasma.

E a revolução prometida por este "neo-épico" não pára por aí. Empregando com inteligência todo o potencial da computação gráfica, aliada a uma história poderosa - uma das mais célebres batalhas de todos os tempos -, cineasta e produtores conseguiram uma grandiosidade visual e narrativa inquietante. Tudo ali é pensado para provocar uma resposta emocional quase primitiva no público - dos corpos nus (a cena de sexo entre Leônidas e Gorgo é verossímil e sensual como poucas!) ao excelente "heavy metal medieval" de Tyler Bates (Seres rastejantes) na trilha sonora, passando por um enérgico banquete visual completo com câmeras lentas, aceleradas, pausas dramáticas, edição frenética...

"Linguagem de videoclipe", reclamarão erroneamente os mais ranhetas e puristas. Mas há uma diferença crucial aqui, em 300 e na arte de Snyder. Enquanto esses recursos costumam ser empregados para esconder falhas, facilitar coreografias, abreviar movimentos, forçar um estilo onde muitas vezes não existe, nesta obra eles são usados para evidenciar a virtuose do diretor. Snyder, por exemplo, não explora apenas o primeiro plano - ele tem uma profundidade de campo notável. Não há figurantes em ação, apenas dublês e atores treinados, cada qual com sua relevância, sua própria coreografia, que inclui séries de movimentos sem cortes. É o corpo do balé citado acima rodeando a primeira-bailarina.

E o que dizer da história? Difícil acreditar que Hollywood levou 40 anos para recontá-la nas telonas, desde Os 300 de Esparta (de Rudolph Maté, 1962). A resistência do rei espartano Leônidas (Gerard Butler, monstruoso no papel que deve colocá-lo na lista "A" dos astros), sua guarda de elite e uns poucos gregos livres nas Termópilas contra centenas de milhares de conquistadores persas do Imperador-Deus Xerxes (um imponente Rodrigo Santoro, com voz e estatura alteradas digitalmente), é inspiradora. Se o cinemão vive de histórias de sacrifício, honra e coragem, onde é que os 300 de Esparta estiveram enfiados? Talvez faltasse o romance, onipresente na Meca do Cinema do ocidente, mas isso Snyder e o co-roteirista Kurt Johnstad resolveram facilmente. Escolheram uns poucos quadros da HQ em que a bela e forte Rainha Gorgo (Lena Headey, lindíssima) aparece e seguiram a partir daí, criando uma história própria de sacrifício, honra e coragem para a regente, paralela à resistência de seu marido na Grécia Central. Em 300 cabe a ela convencer os velhotes e engessados políticos espartanos da necessidade de romper com a tradição (na época festiva-religiosa da Carnéia não se guerreava) e permitir que o exército ajude Leônidas em sua defesa do país.

Mais ou menos o que Zack Snyder está fazendo com seu filme - arrebentando paradigmas. Reconheçamos, portanto, um revolucionário clássico na ocasião de seu lançamento.

Veja também:
300
300
300
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade

Imagens (6)

Omeletop As 5+

  • Lidas
  1. 1 - Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

    Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
    Um ex-ator de cinema, famoso por interpretar um icônico super-herói, chamado Birdman, que monta uma peça na Broadway para tentar reconquistar suas glórias passadas. A trama se passa no transcorrer de três dias, em que o ator lida com problemas com a família e a carreira. Michael Keaton, que viveu o Batman no cinema nos dois filmes dirigidos por Tim Burton, em 1989 e 1992, estrela o longa.
  2. 2 - O Exterminador do Futuro: Gênesis | Assista ao trailer do Super Bowl
  3. 3 - Vingadores: Era de Ultron ganha seu primeiro comercial
  4. 4 - Star Wars | Rooney Mara, Kate Mara e Tatiana Maslany fazem teste para o filme derivado [ATUALIZADO]
  5. 5 - O Duplo | Adaptação de Dostoiévski com Jesse Eisenberg cartaz nacional
  6. Ver todos
Publicidade

Fotos

Run All Night 07jan2015 03
run-all-night
Poster O Duplo2_Alta.jpg
o-duplo
Star Wars VII Tie Fighter arte conceitual 2Jan2015
star-wars-vii
Game-of-Thrones-S05-set.jpg
game-of-thrones
Jurassic-World-29jan2015-04.jpg
jurassic-park-4
Agents of SHIELD Adrianne Palicki como Harpia
agents-of-shield
Louis-Drax-01.jpg
The-9th-Life-of-Louis-Drax
Foo-Fighters-capa-do-album-Wasting-Light.jpg
foo-fighters
O-Pequeno-Principe-Cartaz.jpg
pequeno-principe-filme
ted-2-amanda-seyfried-mark-wahlberg-600x254.jpg
ted-2
Insurgente.jpg
insurgente
Exterminador do Futuro Genesis teaser.jpg
terminator-genesis
Publicidade