Elenco / Direção

A Nightmare on Elm Street

A Hora do Pesadelo
(Regular)

Terror

  • Estréia: 7 de Maio de 2010
  • País / Ano de Produção: EUA / 2010
  • Duração: 95 minutos
Publicidade

Crítica: A Hora do Pesadelo

Novo Freddy Krueger é limitado pela busca do realismo no personagem


06/05/2010 - 17:27 - Érico Borgo

A Platinum Dunes de Michael Bay, Brad Fuller e Andrew Form segue com sua onda de refilmagens dos clássicos do terror dos anos 1970 e 1980. Já são cinco produções do gênero: O Massacre da Serra-Elétrica, A Morte Pede Carona, Horror em Amityville, Sexta-Feira 13 e este A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 2010).

Os resultados são absolutamente instáveis - salvam-se apenas os dois dirigidos pelo estiloso Marcus Nispel, O Massacre da Serra-Elétrica e Sexta-Feira 13. Os demais são pálidas, ainda que cheias de recursos, cópias dos originais. Parece que falta entendimento à produtora e aos cineastas contratados por ela sobre o que realmente assusta o público, o que efetivamente o faz encolher-se na cadeira.

Ainda que o diretor de videoclipes Samuel Bayer tenha seu próprio clássico no currículo, "Smells Like Teen Spirit", do Nirvana, sua estreia na direção de longas-metragens com o remake de A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984), repete os problemas citados acima - e ainda adiciona mais alguns.

Na refilmagem do antológico terror dirigido por Wes Craven sobram sustos e efeitos especiais e falta criatividade, suspense e a imprevisibilidade. Bayer chega ao cúmulo de trocar a paleta de cores quando o filme adentra o mundo dos pesadelos, arruinando a incerteza (o personagem está acordado ou dormindo?) que Craven explorou de maneira tão brilhante na década de 1980.

Na trama, um grupo de jovens começa a dividir o mesmo pesadelo: um homem desfigurado com garras metálicas que os atormenta. Quando um a um eles começam a morrer, os sobreviventes partem numa corrida desesperada para descobrir quem é Freddy Krueger - e como impedi-lo.

O Freddy Krueger de Robert Englund era uma criatura asquerosa, lambia os beiços de antecipação aos seus assassinatos oníricos. O asco pelo monstro não vinha tanto de sua aparência, mas do prazer sádico que ele sentia em estripar aqueles jovenzinhos que, coitados, tinham no endereço seu único pecado: habitavam todos a Rua Elm. Para a refilmagem, resolveram que a fórmula criada por Christopher Nolan em Batman Begins, um suposto realismo, funciona também no terror fantástico, por mais absurdo que isso possa parecer.

Dessa maneira, o esforçado Jackie Earle Haley (o Rorschach de Watchmen) é levado a criar seu monstro de maneira restrita. O engessado novo Freddy, cujo visual foi criado a partir de retratos de pessoas queimadas, nutre apenas ódio pelas suas vítimas, sentimento oriundo de acontecimentos passados. O mestre dos pesadelos é humano demais, tanto no físico como no interior.

Pior que, inadvertidamente, esse "realismo" parece migrar também para os assassinatos de Freddy. Está bem estabelecido na série que a criatura pode mudar de forma, atacar sem restrições espaciais. Não há limites para seu alcance no cenário enquanto mestre do mundo dos pesadelos. O novo A Hora do Pesadelo explora muito mal isso (sem falar que pouco cita a Rua Elm). Há meros dois vislumbres das habilidades de Freddy - e ambos são homenagens ao original que só fãs vão entender.

Sem a inventividade, todas as mortes ficam parecidas: a vítima olha para um lado, olha para o outro e o monstro surge atrás com suas garras... tremendo desperdício do potencial de um dos maiores ícones que o terror já criou.

A Hora do Pesadelo - Especial do Filme

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade