Elenco / Direção

Arraste-me Para o Inferno

Drag Me to Hell
(Ótimo)

Suspense, Terror

  • Estréia: 14 de Agosto de 2009
  • País / Ano de Produção: EUA / 2009
  • Duração: 99 minutos
Publicidade

Crítica: Arraste-me para o Inferno

Sam Raimi volta aos temas - e às trucagens - do começo de carreira

13/08/2009 - 17:00 - Marcelo Hessel

Incensado como a volta triunfante de Sam Raimi ao gênero do terror, depois de sete anos dedicados só a Homem-Aranha, Arraste-me para o Inferno (Drag me to Hell, 2009) é também um retorno do cineasta ao básico - que já fica explícito pelo logotipo antigo da Universal antes dos créditos iniciais.

Há no filme computação gráfica (talvez até demais, já que algumas situações "molhadas" pediam efeitos práticos), mas o clima é essencialmente insinuado com trucagens de som e luz. O grudento leitmotif - tema sonoro que acompanha um personagem - composto por Christopher Young e executado no violino dá o tom, enquanto efeitos de sombra e vento cuidam de instalar o suspense em certos trechos do filme.

É como se Raimi se desafiasse a jogar com os instrumentos mais elementares do gênero, para ver se não perdeu a mão. A própria trama é bem genérica (o argumento lembra A Maldição do Cigano, de Stephen King) e seus rumos, previsíveis. A gerente de crédito bancário Christine Brown (Alison Lohman) sonha com uma promoção, e quando aparece na sua frente a sinistra Sra. Ganush (Lorna Raver) implorando pela extensão do financiamento de sua casa própria, Christine nega, para impressionar seu chefe, Sr. Jacks (David Paymer). Para seu azar, acaba ganhando da velha alguns beijos babados e uma maldição.

Originalmente, Raimi queria Ellen Page para o papel principal, mas Lohman se sai muito bem como scream queen, com sua cara redonda cheia de pavor e sua mão de dedos finos e compridos espalmada diante do perigo. Os movimentos de câmera rápidos e a troca também veloz de planos e contraplanos - marca das cenas de ação de Raimi desde Evil Dead até Rápida e Mortal - mostram que o diretor ainda manda bem nos fundamentos, particularmente no ritmo desses clímaxes.

De certa forma, Arraste-me para o Inferno se resume a esse exercício de estilo. Não é um suspense floreado como O Dom da Premonição (2000) nem indica novos caminhos para o gênero. Pelo contrário, o receituário gore-mais-comédia permanece o mesmo de 30 anos atrás, e os diálogos seguem deliciosamente cafonas ("Você consegue ser forte?", "Eu vou tentar."), assim como algumas ambientações (as palmeiras no fundo do cenário quando tudo parece ter se resolvido são impagáveis).

Aliás, Raimi parece tirar sarro das condições mambembes do começo de carreira: há evidentes erros plásticos de continuidade (Lohman ora ensopada, ora seca) e exageros na sonoplastia, como os latidos inseridos no grito da velha bruxa.

No fim, o espectador mais saudosista pode ficar com um gosto agridoce na boca ao ver o diretor substituindo os galões de gosma por fluidos de CGI. Em compensação, não dá pra reclamar de alguém que resgata bigornas como objeto de cena. Só assim pra gente lembrar como faz falta um bom humor de bigorna.

Assista aos clipes

Saiba onde o filme está passando

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade