Elenco / Direção

Duro de Matar: Um Bom Dia para Morrer

A Good Day to Die Hard
(Regular)

Ação

  • Estréia: 22 de Fevereiro de 2013
  • País / Ano de Produção: EUA / 2012
  • Duração: 96 minutos
Publicidade

Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer | Crítica

Quinto filme refaz as graças consagradas mas não entende o espírito da franquia

21/02/2013 - 18:14 - Marcelo Hessel

John McClane sempre foi um anacronismo, o policial à moda antiga (workaholic e marido ausente) que sabota planos modernos de vilões sofisticados porque recusa-se a aceitar que ficou obsoleto. Se, como McClane, a franquia Duro de Matar tende à longevidade mesmo depois de três ótimos filmes, é porque sua graça está justamente nessa teimosia.

Lançado em 2007, Duro de Matar 4.0 é um filme que funciona. Embora fizesse concessões à geração 2000, como o ajudante geek vivido por Justin Long, era o estilo analógico de McClane, em contraste com essas modernidades, que continuava valendo. Já o quinto filme, Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer (A Good Day to Die Hard), não tem essa percepção. É uma continuação que reproduz as piadas internas consagradas (os bordões, o herói preso no trânsito) mas não entende o espírito da franquia.

Na trama, McClane (Bruce Willis, cada vez mais com cara de quem acabou de voltar das férias) viaja para a Rússia para tentar ajudar seu filho, Jack (Jai Courtney), que está preso sob acusação de homicídio. Em Moscou, McClane descobre que o rapaz trabalha para a CIA numa operação de tráfico de armas nucleares. E Jack é bom no que faz. Se o quarto filme tentava dialogar com a geração web, Duro de Matar 5 joga para o público pós-Bourne, pós-Black Ops.

E não há nada menos familiar a John McClane do que esse mundo dos agentes supertreinados e superarmados. Ao invés de desenvolver um contraponto entre o pai cabeça dura (cujo maior talento sempre foi a resistência à dor) e o filho eficiente (tão eficiente quanto os vilões sofisticados que McClane combatia), o filme nivela os dois.

Esse nivelamento fica claro quando McClane assume as rédeas da ação e resolve fazer as coisas do seu jeito, no improviso (é risível como Jack simplesmente deixa de telefonar para seus superior da CIA depois do meio do filme). Antigamente, esse jeitinho envolvia isqueiros, silver tape e, com sorte, a metralhadora subautomática que McClane tomava do bandido. Agora o "improviso" se limita a gastar toda a infinita munição que sobrou na mão do herói.

Transformaram o cara numa máquina de atirar, enfim.

O fato de Duro de Matar 5 adotar efeitos visuais estilizados à moda Zack Snyder no clímax - em estranha dissonância com a destruição em estilo documental do começo do filme - é o derradeiro malentendido. Ver e acreditar em John McClane machucado era um dos principais apelos da franquia, um fator de catarse. Aqui, isso se perde em meio à computação gráfica, ao exibicionismo*. Nem fingir dor o elenco sabe direito.

Se o cinema de ação virou um porta-malas cheio de granadas e fuzis, que sequer é preciso arrombar, então talvez esteja mesmo na hora de John McClane se aposentar.

*Há informações de que trechos mais gráficos, que mostram sangue em tiros e socos, foram suprimidos fora dos EUA (onde o filme pegou classificação 17 anos) para permitir censura 12 anos em alguns países. No Reino Unido o órgão que classifica os lançamentos reconhece essas mudanças. Procurada, a 20th Century Fox do Brasil - onde a classificação também é 12 anos - diz que não foi informada pela matriz americana de quaisquer alterações.

Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer | Omelete entrevista Bruce Willis

Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer | Omelete entrevista Jai Courtney e Yuliya Snigir

Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer | Cinemas e horários

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade