Elenco / Direção

Fúria de Titãs (1981)

Clash of the Titans
(Regular)

Aventura, Fantasia

  • País / Ano de Produção: EUA / 1981
  • Duração: 118 minutos
Publicidade

Crítica: Fúria de Titãs

Personagens mal-desenvolvidos e atuações ruins estragam o que poderia ter sido um novo clássico

20/05/2010 - 16:00 - Érico Borgo

Aguardado com ansiedade pelos fãs do original, verdadeiro clássico da "Sessão da Tarde", o novo Fúria de Titãs (Clash of the Titans, 2010) fica devendo àqueles que exigem de seus filmes de ação algo mais que cortes rápidos e lutas vertiginosas.

O épico pega do longa de 1981 apenas a história básica: um embate entre deuses, liderados pelo todo-poderoso Zeus (Liam Neeson), e sua maior criação, os humanos - de quem passaram a depender através de orações. A maior cidade dos mortais, Argos, é colocada em xeque pelas divindades quando exigem seu tributo de fé: o sacrifício da bela princesa Andrômeda (Alexa Davalos). Do contrário, o lugar será devastado pelo pesadelo monstruoso e colossal chamado Kraken. Em seu caminho já apenas um semideus relutante: Perseu (Sam Worthington).

O Fúria de Titãs (Clash of the Titans, 1981) produzido por Ray Harryhausen, além de um clássico das matinês - ao lado dos filmes de Simbad e Jasão -, é de certa maneira uma produção corajosa. Na época de sua execução, afinal, George Lucas já havia revolucionado os efeitos especiais com Star Wars - e o animador, expoente máximo da stop-motion, escolheu desenvolver a aventura mitológica grega apenas com as ferramentas que dominava. O resultado é um universo riquíssimo e duradouro. Não há quem tenha visto o filme em sua infância que não se recorde da corujinha dourada de Atena ou da maneira como Perseu decapitou a Medusa.

Visualmente, o novo Fúria de Titãs, de Louis Leterrier, pode até eventualmente vir a desfrutar de destino semelhante. As imagens, criadas com computação gráfica e cenários grandiosos, são empolgantes. Criaturas fabulosas como harpias e escorpiões gigantes fazem o abre-alas para o maior monstro já visto nas telonas, o Kraken. Todas têm peso e presença, as batalhas contra elas são frenéticas e bem coreografadas e equilibradas com um alívio cômico aqui e ali. Enfim, a receita do sucesso dos filmes recentes de aventura.

No entanto, o longa padece de problemas sérios de roteiro (o original também, mas eram tempos muito mais simples para o cinema de ação). Apesar de não se apressar em jogar Perseu e seu bando na busca pela única arma conhecida capaz de fazer frente ao Kraken, nenhum personagem é suficientemente desenvolvido. Dessa forma, como todo o texto se apoia sobre a ideia de sacrifício, fica difícil lamentar o destino de Andrômeda, afinal, ela teve apenas uma cena para ser apresentada. "Matem-na e salvem Argos de uma vez..." é a impressão que predomina.

Os novos personagens criados para o filme são igualmente dispensáveis. Tentando dar ao gênero alguma novidade e mulheres fortes, os roteiristas deslocam o interesse romântico de Perseu para Io (Gemma Arterton), humana amaldiçoada com a imortalidade, que age como guia do guerreiro em sua jornada. Io surge sem aviso, convence Perseu de sua divindade rapidamente e é aceita pelo grupo sem questionamentos. Um bando, vale lembrar, liderado pelo imponente Draco (Mads Mikkelsen), alguém que a história já havia mostrado ser um sujeito absolutamente desconfiado de estranhos.

Não ajuda também o fato do elenco inteiro estar péssimo. Worthington tem aqui seu pior papel desde que despontou em Exterminador do Futuro: A Salvação. Careteiro, insosso... só consegue empolgar quando brada frases de efeito, como "não olhem nos olhos da vadia". Ele é acompanhado em sua mediocridade por Arterton (olhos lacrimejantes o tempo todo) e todos os demais. Aos sempre competentes Neeson e Ralph Fiennes (Hades) resta um ou outro diálogo caricato e a certeza que Leterrier não fez o menor esforço em fazê-los trabalhar como sabem. E melhor nem falar do pobre Danny Huston, que aparece 10 segundos em cena como Poseidon...

Fúria de Titãs, claro, não poderia ser um filme de ação dos anos 2010 se não empregasse a tecnologia do 3-D estereoscópico, tendência dos últimos anos tornada obrigatória depois que Avatar (também com Worthington) mobilizou o planeta. Mas a decisão chegou tarde demais, quase no final da pós-produção (o filme foi até adiado em um mês por causa disso)... convertido na montagem, o filme é talvez o pior a empregar essa tecnologia. A profundidade funciona nas cenas rápidas, na ação, quando harpias voam na direção da plateia ou quando os tentáculos do Kraken se esticam na direção do rosto do espectador. Mas nas sequências de diálogos, no campo e contracampo, com o quadro mais estático, chegam a tirar a atenção do que os personagens estão dizendo. É tão ruim que em várias dessas cenas as cabeças dos atores parecem cortadas, como se o rosto estivesse em um plano e a parte de trás do cabelo em outro, unidos por um a membrana de cabelo. Bizarríssimo. Isso também acontece em planos médios, quando o rosto e peito estão na mesma linha e o pescoço parece muito mais fundo do que deveria. A estranheza é constante quando a câmera se acalma. Prefira a versão em 2-D.

Com ótimos valores de produção e com personagens instigantes, o novo Fúria de Titãs poderia ser um clássico instantâneo. Mas o descaso de Leterrier com a direção de atores e o roteiro fraquíssimo reduziram o filme a uma bela sucessão de quebra-paus. Ao menos isso o diretor sabe fazer com estilo, justificando o ingresso para alguns. De qualquer maneira, fica o lamento pelo que esse embate de figura mitológicas poderia ter sido.

Leia mais sobre Fúria de Titãs no especial do filme
Saiba onde Fúria de Titãs está passando

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade