Lixo Extraordinário

Elenco / Direção

Publicidade

Lixo Extraordinário (Lixo Extraordinário)

(Bom)
País: Brasil, Inglaterra
Lançamento Brasil: 21/01/2011
Duração: 94 minutos

Publicidade

Lixo Extraordinário | Crítica

Vik Muniz é salvo pelos objetos de sua arte

Carina Toledo
20/01/2011 - 21:30

Um trecho do Programa do Jô abre Lixo Extraordinário (2010). Assim Vik Muniz é apresentado à plateia pela voz do senso comum que é a televisão. Nada mais condizente com um artista cujas obras mais famosas são reproduções - ou remakes, para usar a palavra da moda - de criações de outros artistas, mas em material inusitado.

Todo artista passa pelo processo de procurar sua técnica e, enquanto estava no meio da contrução de uma Mona Lisa com catchup, entre outros exercícios, Muniz tornou-se famoso sem criar uma obra que fosse conceitualmente sua - sintoma dos tais 15 minutos de fama previstos por Andy Warhol, cujas obras também ganharam releituras de Muniz. Foi na série de fotografias Crianças do Açúcar, em que fotografou filhos de cortadores de cana-de-açúcar no Caribe, que ele passou a fazer arte de cunho social.

Muniz decidiu então explorar as possibilidades do Jardim Gramacho, bairro do município Duque de Caxias, região metropolitana do Rio de Janeiro, que abriga o maior aterro sanitário da América Latina. Seu objetivo era fotografar cenas do lixão e reconstruí-las com o material reciclado coletado pelos catadores. Ele só não imaginava que acabaria se envolvendo tanto com a comunidade local.

Conhecer as pessoas que trabalham no lixão é um dos pontos mais interessantes do documentário. É a partir dali que aquelas pessoas observam o mundo. Classificam o que é lixo de rico e lixo de pobre, imaginam uma pessoa com base na sua mala-direta e têm acesso à literatura de peso e passam a criar suas próprias interpretações - "Ah, Nietzsche era um cara que tinha uma filosofia muito maneira", explica Tião, presidente da Associação dos Catadores do Jardim Gramacho.

À medida que os catadores passam a fazer parte do processo de criação de Muniz fica evidente que não há como sair inalterado do encontro com outros modos de vida e com a arte. É o choque pós-moderno da casta marginalizada com o artista best-seller, como se estivessem saindo da caverna pela primeira vez.

Caridade à parte, a cineasta Lucy Walker, que assumiu a direção depois da passagem de Karen Harley e João Jardim, foi muito feliz em focar o documentário naqueles que são o objeto da obra, humanizando um filme sobre arte. É a espontaneidade daquelas pessoas que salva Lixo Extraordinário, pensado comercialmente para o exterior e narrado por Muniz em inglês, idioma que prevalece também nas conversas com sua esposa e seu assessor, todos brasileiros. E, sem entrar no mérito da arte de Vik Muniz, os enquadramentos pensados pelo artista conseguem encontrar no lixão sua beleza.

Lixo Extraordinário | Cinemas e horários

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade