Meu Namorado é um Zumbi

Elenco / Direção

Publicidade

Meu Namorado é um Zumbi (Warm Bodies)

(Bom)
País: EUA
Lançamento Brasil: 08/02/2013
Duração: 97 minutos

Publicidade

Meu Namorado É um Zumbi | Crítica

Nostalgia do pulso

Érico Borgo
07/02/2013 - 21:00

Outrora favoritos de um nicho fanático por terror, os mortos-vivos seguem sua dominação da cultura pop - e sofrem mutações diversas no caminho.

Meu Namorado É um Zumbi (Warm Bodies, 2013), adaptação do livro Sangue Quente, de Isaac Marion, é o mais recente capítulo na história dessas intestinas criaturas. Nele, anteriormente motivados pela fome, "pela dor de estar morto", os cadáveres renascidos agora enfrentam a nostalgia do passado vivente.

O filme é ambientado no pós-apocalípse zumbi, quando os últimos humanos refugiaram-se em uma cidade murada. Liderados pelo competente general Grigio (John Malkovich), os sobreviventes realizam diversas missões exteriores, com o intuito de coletar comida e medicamentos. Os mortos-vivos são a grande ameaça... mas eles não se veem dessa maneira.

Um desses monstros, R (Nicholas Hoult), passa os dias arrastando-se por um aeroporto, introspectivo e contemplativo. Quando a fome bate, caminha até a cidade em busca de cérebros frescos, ao lado de seus companheiros. Em uma dessas incursões faz uma amizade improvável com uma humana, a namorada (Teresa Palmer) de uma de suas vítimas.

O romance é um curioso amálgama de gêneros. R é uma defunta mistura de Wall-E, Romeu e vampiro Edward. Mas a ideia não é tão absurda quanto parece. Sob a direção interessada de Jonathan Levine, Hoult dá uma certa comicidade à existência zumbi que funciona como uma paródia bem-vinda em tempos de overdose dessas criaturas. O romance é contido, sem a pieguice de um Crepúsculo (fora uma ou outra cena de raio-x no coração...), e pontuado com sequências de ação razoáveis, tornando Meu Namorado é um Zumbi uma experiência suportável, simpática até, perto de outras produções semelhantes.

O sentimento nostálgico, por sua vez, soa forçado. O zumbi R prefere vinil a digital (sim, ele ouve música e gosta de Bob Dylan), "pelo som mais vivo". É uma ideia um tanto irônica se considerarmos a deturpação - a modernização homogeneizada, em busca da geração "crepuscular" - que o próprio filme oferece do mito do morto-vivo. De qualquer maneira, qualquer filme que apresente Bob Dylan à deficitária de atenção geração Z, irônico ou não, merece respeito.

Meu Namorado É um Zumbi | Omelete entrevista Teresa Palmer e Nicholas Hoult

Meu Namorado É um Zumbi | Cinemas e horários

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade