Elenco / Direção

O Poder e a Lei

The Lincoln Lawyer
(Ótimo)

Drama

  • Estreia: 27 de Maio de 2011
  • País / Ano de Produção: EUA / 2011
  • Duração: 119 minutos
Publicidade

O Poder e a Lei | Crítica

Nada como um policial barato para refazer a imagem do macho americano

26/05/2011 - 19:00 - Marcelo Hessel

A bilheteria nos EUA de O Poder e a Lei (The Lincoln Lawyer), US$ 56 milhões ante um custo de US$ 40 milhões, surpreendeu não apenas por se tratar de um lançamento discreto, mas principalmente por apontar o que muita gente acredita ser uma reação do público adulto contra a produção infantilizada de Hollywood.

É difícil dizer se existe de verdade uma tendência de mercado aí, mas o fato é que a adaptação ao cinema do livro Advogado de Porta de Cadeia (publicado pela Editora Record no Brasil), de Michael Connelly, lida com um elemento poderoso nestes tempos de Taylor Lautner sex symbol: a reafirmação do macho americano à moda antiga.

Matthew McConaughey não é Robert Mitchum, mas veste à perfeição esse tipo de papel que pede mais carisma e presença de cena do que talento em si. Ele é Mick Haller, pai de família separado, advogado que circula em Beverly Hills com seu motorista negro em um Ford Lincoln. Vem a ele um playboy (Ryan Phillippe) acusado de espancar uma garota de programa, e Mick aceita conduzir o caso, mesmo incerto da inocência do cliente.

O eterno garoto Phillippe é o contraponto ideal para fazer McConaughey parecer mais maduro, até mesmo mais sábio, com suas olheiras pouco a pouco mais fundas. O diretor Brad Furman não desperdiça planos e trabalha com close-ups o tempo inteiro, até o limite do bom senso. Essa escolha, normalmente discutível, gera para O Poder e a Lei dois dividendos: é um filme em suspense constante por conta desse corpo a corpo; e McConaughey, com suas frases de efeito e seu sotaque carregado, se sai melhor nas conversas ao pé do ouvido.

De nada serviria esse teatro se não fosse o texto de Connelly. Bom personagem de noir, o convencido Mick Haller é passado para trás no jogo que dominava - e como todo filme policial é antes um conto moral, a volta por cima de Mick exige que ele reavalie seus valores. Furman sabe matizar esse arco que já chega pra ele muito bem definido, das noites cor de âmbar em que Mick bebe até cair aos dias ensolarados no parque, com o advogado fazendo um churrasco para a família.

É disso que trata o ideal americano do macho: não importa o seu grau de alcoolismo, contanto que você saiba grelhar um bife para sua prole. No caso de Mick, ele personifica o justiceiro, que zela da varanda por sua família, e também o capitalista liberal, cujos pequenos golpes perdoamos por sua iniciativa agressiva. São dois tipos caros ao imaginário local, e que ao longo de O Poder e a Lei são trabalhados na fronteira da canastrice.

O melhor momento do filme não poderia, portanto, ser outro senão a farsa no tribunal, em que o galã aplica outra camada a essa canastrice (sem detalhes aqui, para não estragar o filme). O Poder e a Lei tem consciência dos signos que está manipulando - os motoqueiros, o promotor coxinha, as mulheres fragilizadas, tudo contribui para elevar o macho alfa - e é difícil imaginar outro ator-objeto servindo a esse propósito no lugar de Matthew McConaughey.

O Poder e a Lei | Cinemas e horários

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade