O Escafandro e a Borboleta

Julian Schnabel gasta seu repertório estilístico para nos botar do casulo de Jean-Dominic Bauby

03/07/2008 - 17:00 - Marcelo Hessel

Colocar o espectador na posição do protagonista é o objetivo de toda narrativa dramática, mas como fazer isso plenamente quando o protagonista é alguém como Jean-Dominic Bauby?

Editor da revista Elle francesa, Bauby sofreu um derrame cerebral e perdeu sua locomoção. Tirava seu sustento do mundo das aparências e de uma hora para outra seu corpo se tornou um constrangimento. Dentro desse "escafandro", Bauby raciocinava normalmente, mas precisou aprender a se comunicar com o mundo de forma restrita. Mais exatamente, com o olho esquerdo. Piscar uma vez é "sim", duas vezes é "não".

A história real de Jean-Dominic Bauby é diferente de outras tragédias por seu modelo de superação. Ele chegou a ditar um livro inteiro - as suas memórias, que dão nome ao filme - só de piscar. E aí volta-se à questão primeira: como O Escafandro e a Borboleta (Le Escaphandre et le Papillon, 2007) pode contar uma história dessas sem banalizar a condição de Bauby?

O diretor Julian Schnabel, em seu terceiro longa-metragem, o primeiro depois da consagração com Antes do Anoitecer (2000), começa com truques de câmera. Passamos o início todo do filme - Bauby, logo após o derrame, imóvel na cama do hospital - com uma única perspectiva subjetiva: a câmera fazendo-se passar pelo olho esquerdo dele, tentando entender o redor. Mudanças de lente e de foco ampliam o mal-estar, a sensação inicial que Schnabel nos impõe.

Demora mais um bom tempo até que tenhamos o contraplano, que vejamos o rosto do ator Mathieu Amalric (em atuação com a usual entrega). Na verdade, Schnabel só mostra o rosto torto de Bauby na metade do filme - não por acaso, no momento em que o personagem decide parar de ter pena de si mesmo, momento em que a "borboleta" sai do casulo. É um trajeto ético, acima de tudo, esse que o cineasta nova-iorquino divide conosco.

Ético não só na forma como nos aproximamos de Bauby, mas também dos seus familiares. A importância do toque perdido entre pai e filho, implícita na cena desta primeira foto ao lado. O momento de vazio em que o pai precisa aguardar silencioso no telefone as piscadelas traduzidas por uma enfermeira... A sensibilidade com que O Escafandro e a Borboleta trata todas as pessoas atingidas pela tragédia é bastante tocante. E não é uma emoção fácil, mas trabalhada, dura por vezes, como na hora em que a ex-esposa precisa servir de intérprete no telefone às confissões da namorada de Bauby.

É uma curiosa coincidência que O Escafandro e a Borboleta esteja estreando no mesmo dia de Do Outro Lado. O segundo levou o prêmio de melhor roteiro em Cannes em 2007, e o primeiro o de melhor direção, porque ambos chamam atenção para si mesmos, como se dissessem ao espectador "olha que genial essa solução de roteiro" ou "veja como eu uso a câmera nesta cena". É um filme francamente mais poético e menos choroso do que seus pares de gênero, mas quem não gosta de direção pesada pode se incomodar com a obra de Schnabel.

Já quem se conforta com demonstrações abertas de estilo - e é evidente a evolução do cineasta como esteta de cinema espetaculoso - pode até reconhecer que O Escafandro e a Borboleta é um filme sem igual.

Veja também:
O Escafandro e a Borboleta
O Escafandro e a Borboleta
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade

Omeletop As 5+

  • Lidas
  1. 1 - Esquadrão Suicida | David Ayer publica foto de toda a equipe para celebrar término das filmagens

    Esquadrão Suicida | David Ayer publica foto de toda a equipe para celebrar término das filmagens
    Longa chega aos cinemas em 2016
  2. 2 - Vingadores: Guerra Infinita | Josh Brolin promete levar a ira de Thanos a todos os heróis da Marvel
  3. 3 - Homem-Aranha | "Sempre quis que herói voltasse para a Marvel no cinema", diz Andrew Garfield [ATUALIZADA]
  4. 4 - Guns N' Roses | Formação clássica da banda pode se reunir em 2016
  5. 5 - Expresso do Amanhã (2015)
  6. Ver todos
Publicidade

Fotos

Captura de Tela 2015-08-22 às 11.45.19.png
Capitão América: Guerra Civil
mUtCgk.jpg
Capitao-America-Guerra-Civil-supostas-artes-conceituais
dHXEnc7.jpg
Maze Runner: Prova de Fogo
Arrow-4a-temporada-31Ago2015.jpg
Arrow
Caca-Fantasmas-17ago2015-1.jpg
Caca-Fantasmas
Goosebumps-cartaz.jpg
goosebumps
Gotham-2a-temporada-elenco-12.jpg
Gotham
The-Walking-Dead-6a-temporada-30Jul2015-08.jpg
The-Walking-Dead
Homem Aranha mascaras 52 anos
homem-aranha
Concussion-poster.jpg
Concussion
wes-craven-and-drew-barrymore-on-set-scream-1996.jpg
wes-craven
CNrK-ztWsAAKmVX.jpg
Star-Wars-VII
Publicidade