Turma da Mônica: Laços | Crítica

Irmãos Cafaggi fazem graphic novel meio Pixar, meio Goonies


28/06/2013 - 13:19 - Érico Assis

Acho que é Dave Gibbons quem diz que, inconscientemente, a primeira coisa que nosso cérebro registra numa HQ é a cor. Faz parte do nosso sistema de percepção, acontece antes de reconhecermos as formas. A primeira coisa que o cérebro "consciente" quer saber de uma HQ, porém, é quem desenhou.

Turma da Mônica: Laços já chama atenção nessa primeira olhada inconsciente: é um desbunde de cores. A segunda olhada, mais consciente, também é de deslumbrar. E, no caso, desenho e cor são obra dos mesmos autores. Não dá pra contestar que as páginas de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi são absurdamente lindas.

Passando à segunda, terceira e demais olhadas, você começa a perceber outras qualidades. Os irmãos Cafaggi - que também assinam o roteiro - afinaram traço, cor, expressão e narrativa numa série de produções independentes. Vitor fez mais, como as conhecidas tiras de Puny Parker, Valente e o pequeno álbum Duotone. Lu só tem no currículo a minúscula Mixtape e algumas colaborações em antologias e na Internet. Felizmente, foi o bastante para os dois desenvolverem técnica e sensibilidade para chegar a Laços.

Como prega a divulgação, a inspiração dos Cafaggi para a graphic novel veio de filmes infanto-juvenis dos anos 80, como Conta Comigo e Goonies. (Nos extras ao final do álbum, há inclusive a sugestão de que ele poderia ter se chamado "Meninos Perdidos", talvez por referência ao também oitentista Garotos Perdidos.) A trama: Floquinho, o cachorro do Cebolinha, está perdido. A Turma da Mônica resolve se unir para encontrá-lo, numa aventura que envolve brigas com uma turma rival, uma noite acampados no parque e vários sustos.

Assim como nos bons filmes, o roteiro segue uma fórmula mínima, consistente, com poucos rodeios e sem gorduras. Em alguns momentos há a impressão de que os autores seguiram um manual de Jornada do Herói. Por exemplo quando encontram um sem-teto no parque que parece apenas cumprir papel de "guardião do portal" ou algo similar - e nem volta na trama.

Seguir uma fórmula de roteiro não é demérito. Ajuda a dar estrutura e consistência à história, que se desenrola de forma extremamente suave. A Pixar também é exemplar em usar fórmulas prontas nos seus roteiros: um esqueleto pronto sobre o qual os animadores - ou, no caso, os quadrinistas - podem aplicar sua própria expressão, sem que se perca o fio da meada.

E isso os Cafaggi fazem muito bem. Servindo-se aqui e ali de referência a histórias clássicas da Turma da Mônica, eles não têm receio de mexer com as "origens" de Cebolinha, Mônica, Cascão e Magali - mesmo que as personalidades permaneçam as que você já conhece. Por outro lado, eles acrescentam ideias inéditas à criação de Maurício de Sousa. Eu, pelo menos, nunca tinha visto aquela estratégia infalível contra a Mônica.

Voltando à comparação com a Pixar, talvez essa possa ser uma definição do álbum. Assim como o estúdio de animação criou marca com um processo artesanal em cima de uma Disney criativamente falida, os Cafaggi conseguiram uma "versão Pixar" da Turma da Mônica: emocionalmente sincera, coalhada de boas referências e visualmente fascinante.

O álbum só peca na impressão. Quem comparar imagens digitais de divulgação vai notar que tantos as páginas de Lu quanto de Vitor têm uma textura própria, que deixa explícito o material de desenho, e que a gráfica não conseguiu reproduzir. Quanto mais escura a cena, mais parece que as imagens perderam resolução, ou que o ponto de impressão é muito grande para a qualidade de desenho. Não é culpa dos autores, mas é um cuidado que poderia buscar-se para eventuais próximas tiragens.

Independente disso, a vontade que dá ao terminar o álbum é voltar e ver só as imagens, para prestar atenção em cada detalhe que os autores deixaram. (E torcer para que saiam pôsteres da página 1 ou da página 56.) Com todo o respeito a Maurício de Sousa e às décadas de autores que escreveram e desenharam por ele, a Turma da Mônica nunca esteve tão bonita.

Laços é a segunda HQ do projeto Graphic MSP, com releituras da Turma da Mônica em formato de graphic novel. Nós comentamos a primeira, Magnetar, com o Astronauta, no OmeleTV #199.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade

Imagens (6)

Omeletop As 5+

  • Lidas
  1. 1 - Guardians of the Infinity | Marvel anuncia HQ com gerações de Guardiões da Galáxia

    Guardians of the Infinity | Marvel anuncia HQ com gerações de Guardiões da Galáxia
    Série apresentará a inédita equipe Guardians 1000
  2. 2 - DC teria pedido a seus criadores que parem de "invencionice"
  3. 3 - Eaglemoss publicará graphic novels do Batman e Superman - veja as capas
  4. 4 - John Romita Jr. deve deixar a HQ de Superman
  5. 5 - DC revela personagem que entrega ao mundo a identidade de Superman
  6. Ver todos
Publicidade

Fotos

Gotham-2a-temporada-elenco-12.jpg
Gotham
124400.jpg
Vingadores-Era-de-Ultron
Guardians-of-Infinity-1.jpg
all-new-all-different-marvel
Sherlock-Holmes-Comic-Con-2015.jpg
Sherlock
Star Wars Shattered Empire.jpg
star-wars-marvel
Batman-Europa-Lee-Bermejo.jpg
batman-europa
Justice-League-43-p1.jpg
liga-da-justica-hq
13725_gg.jpg
Millennium-livros
Girl-With-The-Dragon-Tattoo-preview_f02.jpg
millennium-hq
6qXu7giquTawG8hMcDXxcXWBj6o.jpg
millennium
Agents-of-SHIELD-SDCC2015-poster.jpg
Agents-of-SHIELD
medusa.jpg
inumanos-de-a-a-z
Publicidade