Assista Agora

Diário de um Jornalista Bêbado | Crítica

Depois de Medo e Delírio, agora Johnny Depp encarna Hunter Thompson como um proto-gonzo idealista

Marcelo Hessel
19 de Abril de 2012

Diário de um Jornalista Bêbado

Diário de um Jornalista Bêbado

The Rum Diary
EUA , 2011 - 120 minutos
Comédia

Direção:
Bruce Robinson

Roteiro:
Bruce Robinson, Hunter S. Thompson (romance)

Elenco:
Johnny Depp, Amber Heard, Michael Rispoli, Giovanni Ribisi, Aaron Eckhart, Richard Jenkins, Amaury Nolasco

Bom
the rum diary
the rum diary

Embora tenha sido publicado apenas em 1998, Diário de um Jornalista Bêbado é o segundo romance que Hunter S. Thompson escreveu, logo depois de trabalhar brevemente, em 1960, como repórter em um jornal em Porto Rico. Embora o criador do jornalismo gonzo já tivesse, àquela altura, dois anos de experiência de campo, o livro acusa a inocência com que Thompson ainda encarava o ofício - era um jornalista romântico, como o próprio reconheceu anos depois.

O filme Diário de um Jornalista Bêbado (The Rum Diary), que o amigo (e ótimo imitador) de Thompson Johnny Depp insistiu por anos para que saísse do papel, exacerba esse romantismo. Depois de emular Thompson na fase mais surtada do escritor, em Medo e Delírio (1998), agora Depp faz Paul Kemp, alter-ego de começo de carreira do gonzo. Kemp arruma um vaga em um jornaleco em San Juan, Porto Rico, e logo se vê num dilema moral: seguir as ordens do patrão (e dos endinheirados dos EUA) e reportar as maravilhas paradisíacas do Caribe ou investigar a especulação imobiliária que está tirando o poder da terra dos portorriquenhos.

Como se esperaria, há em Diário... muito rum, cabeças inchadas e insolação, com as tiradas certeiras do escritor preservadas ("Porto Rico parece aquela pessoa que você comeu e ainda não saiu debaixo de você") e um elenco bastante inspirado (especialmente Depp, com seu timing cômico, e Richard Jenkins), apesar da timidez com que o diretor Bruce Robinson se arrisca na comédia física. O que dá o tom do filme, porém, não é a acidez ou o cinismo - que hoje em dia parece ser norma - e sim a melancolia e o idealismo de Kemp.

Como a subtrama que gira em torno da paixão de Kemp pela bela Chenault (Amber Heard) a certa altura domina o filme, esse ideal localizado - livrar a loira doce do vilão burocrático e dar a ela um amor à altura da sua alegria de viver - irradia-se por toda a relação que Kemp mantém com Porto Rico e sua gente (também exótica e viva, com suas rinhas de galo, seu carnaval e suas feitiçarias). Mas essa relação só vai até certo ponto. Diário... é mais um filme sobre a descoberta súbita do outro do que sobre a descoberta de uma possível influência que se pode ter sobre esse outro.

É como se estivéssemos diante de um Hunter Thompson Begins (e o final inconclusivo reforça isso). Em outras palavras, é o proto-gonzo - já que, por definição, o jornalismo gonzo implica um observador que invade e altera de tal forma seu objeto de observação que ele torna-se protagonista da própria pauta. Aqui, Kemp/Thompson é mais um figurante (inclusive servindo de "intérprete" para o espectador, no ingênuo diálogo em que o jornalista pergunta se o conchavo dos poderosos não seria ilegal) do que propriamente esse protagonista.

O que o filme de Robinson tem de mais interessante, portanto, é um dos momentos exatos em que podemos perceber a gênese do gonzo: quando Kemp (depois de ter bebido o filme todo, o que favorece) experimenta ácido e, sob a influência do piscotrópico, "altera" literalmente a realidade ao seu redor. Medo e Delírio leva isso ao extremo; é a ordem física do mundo alterada por completo na viagem - individual e intransferível - do LSD. Em Diário de um Jornalista Bêbado, essa transformação do entorno é mais sutil, mas não menos definitiva e definidora.

Diário de um Jornalista Bêbado | Johnny Depp fala do filme

Diário de um Jornalista Bêbado | Trailer

Diário de um Jornalista Bêbado | Comerciais

Diário de um Jornalista Bêbado | Cinemas e horários



Comentários (32)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Jorge Luís Jorge Luís (01/10/2012 15:49:21)   76 0
“The Rum Diary” é um daqueles filmes que registram uma época específica, sem deixar de ser também atemporais. Narra o início da carreira jornalística de Paul Kemp, em plena capital de Porto Rico, na agitada década de 60, em um periódico a beira da falência.

Mais importante do que os fatos narrados propriamente ditos, o importante aqui é se deixar levar pela atmosfera um tanto anárquica, que rende algumas excelentes sequências cômicas – como a viagem alucinógena de Kemp e seu fiel escudeiro, após experimentar um estranho psicotrópico, ou ainda a tentativa desesperada de fazer funcionar um carro caindo aos pedaços.

A produção que investe pesado no trabalho do ótimo elenco (Johnny Depp, Michael Rispoli, Giovanni Ribisi e Richard Jenkins têm desempenhos irretocáveis) acerta quando abraça a atmosfera de uma aventura juvenil despreocupada, mas não tem a mesma sorte quando tenta adquirir um tom mais sério e político.

Em seu entrecho final algo no quebra-cabeça da trama não se encaixa apropriadamente, mas mesmo assim o saldo é positivo, em meio a tanta gente talentosa, que parece estar se divertindo acima de tudo.

8.0/10.0



sem avatar Emanuell (04/09/2012 14:42:19)   0 0
Que lixo de filme! Já lia as críticas do omelete mas nunca loguei pra comentar nada. Porém, ver que esse filme ganhou 3 ovos me causou indignação, o filme não tem nada com nada, sem dúvidas o pior filme que eu já vi na minha vida, falo sério: NÃO PERCA 2HORAS DA SUA VIDA! Tirando uma frase(sobre Deus e a humanidade) e duas cenas não dá pra aproveitar mais nada do filme.


sem avatar Marcio (07/01/2013 09:55:02)   -1 0
Penso exatamente a mesma coisa. Vi esse filme ontem com a minha namorada e quando ele terminou fiquei me perguntando "Sim? E aí?".
Filme superestimado so porque conta com Depp no elenco!
Totalmente sem sentido, entra em porto rico sendo ninguem e sai sendo po**a nenhuma. O "romance" dele entao, toda aquela frescura de estar apaixonado para render 1 beijo no chuveiro e ela sumir do filme sem mais nem menos. E a proposito, quando o vigarista lá (Eckhart)fala que ele "estragou tudo", o que ele fez exatamente? Enfim, filme tosco


Fábio Rennó Fábio Rennó (04/05/2012 12:48:52)   -1 0
Para mim, não foi depp não salva o filme, deixando realmente a trama importante por si só e não pela escolha ética do personagem. Ainda que seja um bêbado e isso ele faz muito bem.



Thiago Thiago (21/04/2012 07:56:13)   184 0
Gostei muito, tanto do filme quanto da crítica.

E é sempre bom ver o Johnny Depp em um papel normal (na medida do possível) pra variar um pouco. Aqui ele prova que não só é um grande ator como também tem o tom certo pra comédia desse tipo.
Os diálogos são fantásticos, naturais, daqueles que da gosto ouvir e entender as sacadas do Thompson.

De negativo, apenas o final meio corrido e mal explicado.

O Depp podia aproveitar que é a segunda vez que ele interpreta um alter-ego do Hunter Thompson e adaptar logo toda a obra do cara.
Uma pena que o filme foi fracasso de bilheteria, merecia muito mais atenção.



sem avatar bruxo (20/04/2012 19:06:04)   -75 1
realmente esta critica esta pior que ressaca de fim de semana. só tomando outra...


sem avatar Joao (20/04/2012 19:22:05)   0 0
Acho que já saiu de moda ficar reclamando do Hessel heim

sem avatar bruxo (20/04/2012 19:39:52)   -75 0
reclamando? eu adoro esse cara.


Red Leader Red Leader (20/04/2012 18:24:33)   -265 0
Crianças, não confundam jornalismo gonzo com pornografia gonzo.



sem avatar Maran (20/04/2012 15:34:18)   1379 1
Estranho a distribuidora VINNY FILMES ter feito um concurso p/ a escolha do nome e ter escolhido o mesmo nome que eles já haviam pensado, ou seja, o nome do livro aqui no Brasil.

Imagine quantas pessoas nao mandaram esse nome e apenas uma ganhou.



sem avatar Paulo Cesar (20/04/2012 12:52:24)   0 0
Um bom filme, mais pela parte que toca Deep. Esperava muito mais do texto de Thompson.
www.cineposforrest.blogspot.com

www.acessa.com/cultura/cinematográfica



João Vitor João Vitor (20/04/2012 12:42:46)   435 0
"Diário... é mais um filme sobre a descoberta súbita do outro do que sobre a descoberta de uma possível influência que se pode ter sobre esse outro."

Entendi porra nenhuma.



Lu1z Lu1z (20/04/2012 10:20:51)   82 0
é um bom filme e nada além disso...tem umas boas tiradas devido ao ótimo elenco e uma boa direção.



Publicidade
Diego Francisco Diego Francisco (20/04/2012 09:33:02)   897 0
A critica americana massacrou o filme, mas fazer o que, a critica americana é muito exagerada, vou conferir.


Narayana (Rodrigo) Narayana (Rodrigo) (20/08/2012 10:53:39)   160 0
É que o filme realmente mostra que o Sonho Americano nunca existiu. E se existe pode ter certeza que é explorando os outros. Quando não conseguem ser melhores acabam ficando de beiço.


É que me escapoliu.... É que me escapoliu.... (20/04/2012 09:17:28)   16 0
Um filminho mediano, mas que vale a diversão...pelos atores/personagens (muito divertidos e bizarros), o lugar que ´esensacional e claro a bela loira fatal que deixa o Deep doidinho...

Não vai mudar sua vida, mas vai deixa-la mais divertida...

E o super mega rum que eles fabricam..duraram muito, diante da vidinha que levavam...



Waine Waine (20/04/2012 05:23:24)   -6 -1
Johnny Depp é sempre Johnny Depp, mas nesse filme, quem arrebenta é Michael Rispoli ("Bob Sala"). Em todo caso, o filme é muito bom!



Milena Milena (19/04/2012 23:39:50)   561 -1
Gostei muito da critica , pretendo ver o filme no sábado..Como fã de Johnny Depp eu não poderia perder..:)



Romualdo Romualdo (19/04/2012 23:39:23)   1617 1
Eu vou ver se consigo ver o filme... o ruim é que esses filmes passam longe e dá muita preguiça de sair hahahaha!



Comentarista Comentarista (19/04/2012 22:58:57)   500 0
CONTADOR DE "GONZOS": 6



sem avatar Santos D. (19/04/2012 21:52:22)   1260 0
O ultimo filme dirigido por Bruce Robinson havia sido o suspense Jennifer 8 em 1992.
Ele passou quase 20 anos afastado da cadeira de diretor.Talvez por isso tenha dirigido o filme de uma forma mais contida, sem arriscar arroubos.



Roger Roger (19/04/2012 21:36:24)   66 0
Apesar de eu ser fã do Depp, achei esse filme ridículo de tão chato, não acontece absolutamente nada nesse filme. Chega a ser entediante.

Só o Hessel mesmo pra dar três ovos pra esse filme. Merecia no máximo um.



Helton Frazão Helton Frazão (19/04/2012 21:11:34)   206 0
Muito boa critica,bem construida.



Ricardo Ricardo (19/04/2012 21:07:59)   144 1
Hessel, vc é um cara bacana, mas não entendo nada que vc escreve.



Publicidade
Raul Raul (19/04/2012 20:27:50)   1069 3
Johnny Depp + rum? = Assisto fácil.



sem avatar bruno (19/04/2012 20:26:47)   47 1
Só tem o Hessel pra fazer criticas nesse site? Cade os outros críticos? Contratem o Pablo Vilaça uhahuahu ele sim não é de modismos.



Jefferson José Jefferson José (19/04/2012 19:55:47)   1525 2
Hessel, confesso que andei magoado contigo por causa da 'crítica sinopse' de Motoqueiro Fantasma 2, pela 'crítica opinião' de Redenção e pela pistola da Viúva Negra. Mais você é um cara legal e muito inteligente. Adorei essa crítica e to muito ansioso pelo filme. Pena que ele foi mal de bilheteria.




Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.