Lembra desse? Homem-Aranha, os desenhos animados - Parte 3 - final

Homem-aranha: A série animada (1990), Ação sem limites, A nova série animada (2003)

José Aguiar
12 de Março de 2002

Os fãs que me desculpem, mas já deixo clara minha opinião: As duas últimas séries do Aranha foram decepcionantes!


Peter Parker mauricinho...

... e baseado em live action

HydroMan

Duende Verde

Lagarto

Gata Negra

Madama Teia

Venon

Beyonder e os aranhas

A origem do Cap. América

Guerras Secretas

Justiceiro

Pai e filho

Antes que me crucifiquem, porém, explicarei por que penso assim. Depois de anos levando chumbo com suas adaptações para TV e cinema , a Marvel, pela primeira vez, acertou a mão com o sucesso do desenho dos X-Men. Essa bola dentro abriu caminho, então, para uma feliz adaptação cinematográfica dos heróis mutantes. Antes, no entanto, em 1992, a DC Comics havia brilhado com a melhor adaptação já feita das aventuras de um certo homem-morcego: Batman - The Animated Series. A iniciativa provou ser possível levar HQs para a telinha com qualidade, requinte e criatividade. E, acima de tudo, respeitando a fonte.

Aí, tornou-se questão de honra: a personagem mais famosa da Marvel tinha que figurar numa série à altura da concorrência. Além disso, era preciso calçar o terreno para a tão sonhada produção cinematográfica do aracnídeo.

E que melhor maneira de se alcançar este objetivo senão seguir o exemplo do sucesso X-Men&qt& A fórmula era simples. Pegam-se os gibis originais, adaptam-se as melhores histórias e assim matam-se dois coelhos (ou aranhas) com uma só cajadada. Conquista-se o respeito dos leitores antigos, graças à fidelidade ao original e cativa-se novo público que, de lambuja, pode assimilar décadas de cronologia sem ter uma indigestão. A estratégia soa perfeita não&qt& Bem, a coisa não saiu exatamente como o esperado...

ANTES DE DESCER O MALHO, OS ASPECTOS POSITIVOS

1. É certo dizer que uma série animada com cinco temporadas (65 episódios produzidos para o canal Fox, entre 1994 e 1998) não pode ser considerada um fiasco. E não foi mesmo. Esta aceitação, sem dúvida, ajudou a manter a popularidade do Aranha nos últimos anos a despeito da qualidade de suas HQ no mesmo período.

2. Os episódios foram produzidos pelo estúdio japonês Tókio Movie Shinza. Todos têm animação competente e são bem dirigidos. Citando alguns: "A noite do Lagarto" (piloto), "A roupa alienígena" (somente a parte 1, as demais são lastimáveis), "HydroMan" (essa personagem idiota não merecia, mas ganhou um episódio bem feito) e os capítulos com o Duende Verde, em especial o que adapta o clássico "A morte de Gwen Stacy", que foi substituída pela namorada do Aranha, Mary Jane. A ruivinha, por sinal, não morre, mas, sim, é lançada em outra dimensão. (&qt&) Infelizmente esse "padrão ISO 9000" de qualidade não se fez presente em boa parte da série. Há episódios onde é vexatória a animação.

3. As personagens deixaram de ser unidimensionais. Houve maior preocupação com a personalidade e psicologia (pelo menos do elenco principal). Esta medida, em geral, não foi muito longe. Quando ia, porém, quase sempre exagerava na dose, com draminhas mexicanos no melhor estilo novelão. Peter Parker, por exemplo, foi retratado como um almofadinha para lá de mauricinho...

PARA QUEM PODE, NÃO PARA QUEM QUER

Se a Marvel almejava o sucesso de crítica e público alcançado pelo desenho do Morcegão, cometeu alguns tropeços imperdoáveis. O primeiro deles foi a escolha das HQs a serem adaptadas e a forma como isso foi feito.

A princípio, tudo indicava que os episódios trariam aventuras soltas em ordem cronológica, narrando fatos relevantes do Aracnídeo. Entretanto, a partir da segunda temporada, optou-se por um escabroso formato mini-série. Foram diversos arcos de aventuras interligadas, que mais faziam lembrar as lambanças da cronologia dos gibis. Se o espectador não assistia a um dos episódios, a meada inteira perdia sentido. Todavia, piores mesmo eram as seqüências nas quais, mesmo perdendo um capítulo, percebíamos que não havíamos perdido nada.

É fato sabido que não se pode adaptar uma história ipsis literis do original ao levá-la a outra mídia. Modificações fazem-se necessárias. Bom senso na dose certa, no entanto, é essencial. O que se viram foram algumas aberrações: o sub-vilão Duende Macabro, descendente do Duende Verde, surgiu antes deste e o insidioso Abutre se "rejuvenesceu" sem mais nem menos. Como se não bastassem tais mudanças descabidas, excessiva atenção receberam bandidecos de quinta categoria como Smythe, Shocker, a ridícula Gata Negra, a infame Madame Teia e ao escrabroso Beyonder. Este último levou a uma mais do que dispensável adaptação da detestável mini-série Guerras Secretas, uma história em quadrinhos que já não parece tão ruim quando comparada à sua versão animada.

Recheada de participações especiais - Nick Fury, Dr. Estranho, X-Men... - até dizer chega, a série desperdiçou episódios valiosos com o já citado Macabro, Carnificina (tão ruim quanto nas HQs), Blade (abrindo caminho para seu filme), o Justiceiro (mais bundão do que nunca), Morbius (antes um cientista atormentado, agora um mauricinho vampiresco) e os Seis Guerreiros Esquecidos. Estes últimos, dispensáveis refugos da Segunda Guerra mundial, marcam ponto apenas para narrar, de maneira hedionda, a origem do Capitão América. Por sinal, tal arco de histórias trata-se do reaproveitamento de um roteiro recusado - graças a Deus - para o filme do Cabeça de Teia. O roteirista dessa "obra" foi John Semper, editor da série animada. Suspeito, não&qt& Ainda, sobre seu crime, ele chegou a comentar: "É muito legal! Eu sempre quis fazer algo como Watchmen". Pretensioso o menino, não&qt&

HOMENAGENS ATROZES

Esteticamente, a série sofria com um desenho de produção pobre. Todas as personagens masculinas tinham o mesmo corpo exagerado. Veículos e máquinas padeciam de uma falta de criatividade absoluta e as tão festejadas cenas com cenários em 3-D não "casavam" de jeito nenhum com a animação tradicional. A propósito, elas eram repetidas à exaustão, fato imperdoável numa "superprodução". E o pior, Peter Parker tinha suas feições baseadas no rosto de Nicholas Hammond, o Aranha bobão da série live action dos anos 70!

Para finalizar esta ode às piores atrocidades aracnídeas de todos os tempos, o último ciclo de aventuras foi a famigerada Guerra das aranhas. Neste arco, de nome tão infeliz em português, nosso herói amarga inúmeras viagens dimensionais encontrando toda a sorte de Homens-Aranha que a (falta de) criatividade humana teve a ousadia de conceber. Confira a imagem e escolha o seu favorito. Para piorar, no último episódio ainda há o cafonérrimo encontro do Homem-Aranha com seu criador Stan Lee. Ambos dão uma voltinha de teia e encerram com chave de titica uma série de equívocos desnecessários.

Enfim, o que essa série conseguiu mesmo foi celebrar tudo o que havia de pior nos últimos quinze ou vinte anos de HQs do Aranha. Em suma, um tremendo desperdício não só de celulóide, mas de oportunidade. Afinal, Batman hoje é um clássico. Já esse Aranha... Bem, tem gosto para tudo.

BOBAGEM SEM LIMITES


O novo Aranha

Ameaças do futuro

Uniforme high-tech

Ei. Não pense que o tormento acabou por aí, não.

Em 1999, a Marvel ainda sacou da manga uma nova criação (quase) original com o seu aracnídeo preferido: Homem-Aranha - ação sem limites.

Imagine que, para resgatar o astronauta John Jameson, filho do dono do Clarim Diário, o Aranha viaja a outro planeta, a Contra-Terra, um mundo igualzinho ao nosso, com a diferença de que lá, a raça dominante são os Bestiais. Tratam-se de animais geneticamente alterados por um cientista intitulado o Alto Evolucionário. Adivinhe quem vai salvar o (outro) mundo&qt& Claro, o Amigo da Vizinhança. Só que agora munido de um novo uniforme hi-tech, todo feito de nanomáquinas, cortesia de Reed Richards, o Sr. Fantástico. Fantástico mesmo, porém, é que no tal planeta, nosso amiguinho encontra as contrapartes de vilões conhecidos por estas bandas como o Duende Verde e o Abutre, sem falar em outras besteiras incluídas apenas para vender novos brinquedos. Tenha dó. Mesmo nas HQs, o Alto Evolucionário sempre foi um vilãozinho chumbregra...

De onde teria vindo idéia tão maravilhosa&qt& Bem, talvez você lembre que a personagem clássica, Fantasma, alguns anos antes, havia angariado razoável aceitação com uma série de animação, que se passava em 2040. Pouco tempo depois, a Marvel lançou o já finado gibi do Homem-Aranha 2099. Além disso, a DC recentemente emplacou também o desenho animado Batman do Futuro. Embora todos apostassem no fracasso deste último, foi o único do gênero que realmente viu a cor do sucesso.

Então, é só somar dois mais dois e teremos o Aranha do Futuro, certo&qt& Ledo engano. Até imagino os executivos discutindo: "Vamos mandar o cara pra outro planeta que não fica tão na cara. Aí recauchutamos o Aranha 2099 e..." Bem, deu no que deu. Apenas 13 episódios exibidos no canal Fox Kids e mais um fiasco para manchar a carreira do sobrinho da Tia May.

O ARANHA 3-D

Desenvolvida através de computação gráfica, a animação The New Animated Adventures foi inspirada na bem-sucedida versão do herói aracnídeo nascido nos quadrinhos: a do filme de 2002, dirigido por Sam Raimi.

Foram utilizadas técnicas inovadoras criadas pela Mainframe, empresa canadense responsavel pelas series Reboot, Beast Wars e Beast Machines. Como prova de que fizeram seu dever de casa, os animadores conseguiram criar um visual bastante original para a série, renderizando cenários e personagens em 3D como se fossem um desenho animado tradicional. O resultado foi bem aceito, apesar de oscilar um pouco em algumas cenas, nas quais a animação parece computadorizada demais.

A história misturava elementos da origem clássica, do filme e da linha Ultimate dos quadrinhos Marvel: Peter Parker é um tímido estudante que é picado por uma aranha radioativa em um laboratório e adquire superpoderes - força e velocidade dos aracnídeos, além de um sentido que o alerta dos perigos. Parker transforma-se no amigão da vizinhança, o Homem-Aranha, e combate o crime, enquanto tenta levar um vida normal como jovem universitário e precisa pagar as contas trabalhando no site do Clarim Diário. Ao seu lado estão Mary Jane Watson, a garota que ele ama desde criança, e seu melhor amigo, Harry Osbourne, que odeia o Aranha por acreditar que ele foi o responsável pela morte de seu pai, o Duende Verde.

Apesar de ser exibida pela casa dos Anjinhos e da turma de Rocket Power, Homem-Aranha não é exatamente um desenho para crianças. Produzido originalmente para a MTV americana, a série tem foco nos relacionamentos entre Peter, Harry e Mary Jane, recém-chegados à vida adulta, utilizando a linguagem mais rebuscada da serie Ultimate Marvel.

A Série teve produção de Avi Arad, Rick Ungra, Marsha Griffin, Morgan Gendel e Stan Lee - o criador do personagem- , e direção de Audu Paden. A trilha sonora ficou a cargo do conhecido DJ John Digweed.



Publicidade

Comentários (12)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Andressa Andressa (28/07/2013 00:05:26)   18 1
Li toda a matéria para poder fazer um comentário justo, então vamos lá:

1 - Quem é José Aguiar? Nunca ouvi falar dele.

Francamente, ainda mais pelo fato do pessoal do Omelete ser fã do Aranha e da série animada de 90, me espantei muito ao ver uma crítica tão parcial, mal elaborada, e acima de tudo, realizada por um cara que à primeira vista, não é fã do nosso querido aranha.

2 - Me atento apenas à série animada de 90 (porque a Série Sem Limites realmente pecou um pouco nos seus episódios em termos de qualidade, tanto que durou apenas 13 episódios), a única coisa que posso dizer é que o Omelete poderia disponibilizar uma crítica mais imparcial, recente, e que não fosse elaborada por um fã da DC, que tem um repertório muito fraco e simplório para sequer citar o nome do Homem Aranha. (Não vou nem citar a parte que o cara menciona sobre "dramalhão mexicano").

3 - Concluindo, a matéria é fraca, ruim, "DC" demais, unilateral demais, e escrita por um cara que obviamente prefere personagens superpoderosos a personagens realistas, humanos, com os quais nos identificamos, ainda mais no caso do Homem Aranha.

Borgo, por favor, faça uma crítica nova para o desenho, pois os fãs agradeceriam muito!





Maldi♱☯ Kakar☯♱♱☯ Maldi♱☯ Kakar☯♱♱☯ (05/12/2012 06:39:22)   1262 0
o tema de abertura do desenho de 2003 é o melhor ja feito. musica muito filé, mais que pena q só dura 30 segundinhos. já rebusquei a net atras de uma versão maior dela mais é só essa mesmo, q pena grande musica. aliás asérie tam bém era demais pena q foi curta



Fraterarez Fraterarez (07/08/2012 13:02:28)   476 2
Concordo que essas séries não são muito legais. Eu prefiro as antigas.



sem avatar Davi (07/08/2012 13:01:11)   40 0
Um desenho que amo, assisti todos os episódios e todos muito bons. Tem muita coisa aí que ele falou que é errado. Alguns episódios eram sim interligados, mas não todos. E por isso não havia problema nesse negócio de deixar de assistir um episódio e ficar perdido. O desenho foi muito bom (aliás p Macabro pra mim o melhor inimigo do desenho!), as piadas do aranha até hoje me fazem rir muito.

O Aranha usava seus conhecimentos científicos de verdade na hora das lutas. O Hidroman não tem nada desse ridículo que ele falou, na realidade um dos inimigos mais difíceis pro homem aranha. Não via nada de mauricinho em Peter Parker, não existia nada de mauricinho, na verdade! Dá revolta o cara falar essas coisas dum desenho tão bom como aqueles!

50 anos de Homem Aranha e o Omelete estraga sua infância dessa maneira. Crítica de 2002, dez anos atrás, merecia pelo menos uma nova crítica, mais imparcial.


sem avatar lucas (10/04/2013 20:42:24)   -1 0
concordo me deu raiva lendo essa critica se o cara nao gosta do homem aranha nao escreve sobre o aranha.esse homem aranha de 1990 é disparado o melhor desnho do aranha ja feito,o episodio que aparece o stan lee é simplismente epico.


Gene Gene (08/07/2012 11:39:27)   788 0
Não curto muito os textos de José Aguiar. Mas essa crítica dos desenhos do Aranha foi pra lá de mal escrita.



sem avatar Thiago (14/06/2012 12:59:36)   -1 0
Fiquei tão feliz ao ver alguém no Omelete comentando sobre as séries do Homem-Aranha... Infelizmente de uma forma lastimável.

Comecei a ler a crítica, e chegou num ponto em que eu não consegui ler mais! Parecia mais um jogar de xingamentos gratuitos a episódios, personagens, e até mesmo HQs!

A série animada do Homem-Aranha dos anos 90 foi uma das melhores que me lembro ter visto na TV. Ousou tratar de tudo quanto é vilão dele, embora tivesse mesmo cometido um deslise aqui ou ali (embora a única coisa que me incomodasse de fato é o fato de todo mundo ser bombado no desenho hahahahaha!)



sem avatar Tallisson (14/12/2011 08:02:38)   0 0
Acho que fã da DC Comics, não tem como escrever sobre Marvel. Assim como eu não conseguiria escrever bem sobre um herói que, tem laser, superforça, sopro gelado, super velocidade, imune a balas, voa. Você não consegue falar bem do super herói com maior senso de humanidade que existe.



sem avatar Müller (18/10/2011 17:04:43)   19 0
Cara! se você não gosta do Homem-Aranha, então não escreve sobre ele! O melhor desenho do Homem-Aranha é o de 1990, a série animada. O Ação Sem Limites realmente estragou um pouco o Homem-Aranha mas é bomzinho. E o que é 3D é muito bom. Procura outra coisa pra fazer em vez de criticar o trabalho dos outros. Você já se autocriticou? Devemos julgar a nós mesmos antes de julgar os outros. E quem gosta do Homem-Aranha, acesse http://mancadasdoaranha.blogspot.com/



Glaucio Glaucio (03/08/2011 08:09:11)   2 2
Cara, sem querer ofender, mas você parece ser um cara bem fresco. Vê defeito em coisas que estão ali pra fazer alegria da criançada que não gosta de perder dinheiro com gibis, e não pra ser perfeito como um filme. O desenho era ótimo justamente pela ação sem limites, participações especiais até dizer chega e o Petter Parker diferente.



Ricardo Maciel Ricardo Maciel (10/03/2011 18:03:33)   50 2
eu gostava do açao sem limites



Publicidade

Omeletop : series-e-tv

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.