Amor Pleno | Crítica

A paixão de Terrence Malick

Érico Borgo
12 de Setembro de 2012

Amor Pleno

Amor Pleno

To The Wonder
EUA , 2012 - 112 min.
Drama / Romance

Direção:
Terrence Malick

Roteiro:
Terrence Malick

Elenco:
Ben Affleck, Olga Kurylenko, Javier Bardem, Rachel McAdams, Romina Mondello, Charles Baker, Cassidee Vandalia, Darryl Cox

Excelente
To The Wonder
To The Wonder

"A vida é um sonho", devaneia um dos protagonistas de Amor Pleno (To the Wonder), o novo filme de Terrence Malick. "Não há o que errar. Você pode ser o que quiser." A ideia retrata de certa maneira o estilo dos filmes mais recentes do diretor, cada vez mais à vontade em fazer seu próprio cinema. Malick filma como um fluxo de consciência, um sonho, ainda que neste filme esteja mais centrado que no anterior, A Árvore da Vida.

Através de imagens, monólogos narrados e música, quase sem diálogo, Malick estabelece duas histórias paralelas. Na do homem e da mulher (Olga Kurylenko e Ben Affleck, ambos desaparecidos nos papéis), um sujeito do interior rural dos EUA leva a namorada e a filha pré-adolescente dela, ambas francesas, para morar com ele. Na outra, um padre com crise de fé (Javier Bardem) busca provas da existência de Deus.

Malick segue explorando os temas encontrados no filme anterior - a família e a religião - mas tira o foco do amor pelos filhos em direção à exploração do amor romântico (não é por acaso que o longa abre em Paris).

O diretor filma os espaços negativos da relação dos protagonistas. Acompanha-os em relances de reações e emoções, flagrantes de decepção, sexo, solidão ou companheirismo. Os fragmentos registrados, novamente pela iluminada fotografia de Emmanuel Lubezki, porém, são dos mais acessíveis de seu trabalho em anos. Há uma história clara aqui, que pode ser tão sentida quanto entendida. Na montagem, ele elimina segmentos inteiros de diálogos ou encerra cenas na metade, alternando cenas de intimidade com imagens da natureza, pistas sutis (em conjunto com o comportamento da trilha sonora de Hanan Townsend) das intenções do diretor.

O cineasta incluiu elementos autobiográficos no filme. Ele morou na França nos anos 1980, onde se envolveu romanticamente, mas retornou para os Estados Unidos e acabou casando-se com uma namorada do tempo do colégio. Com ele, quer entender o amor - e procura-o de maneiras distintas. A mulher ama. O homem também. Mas ele prefere sua própria liberdade a "tornar-se um" com ela. O padre não encontra Deus, não consegue provas tangíveis, racionalizando a fé, mas para o faxineiro simplório não há questionamentos: "você so precisa tocar a luz, irmão. Ela te aquece". E a luz, o elemento mais icônico da cinematografia do cineasta, aqui também segue personagem - e ganha até autorreferências, com os personagens mencionando sua existência (que chega ao ponto da opressão) em diversos momentos.

Para Malick, há um problema nos fundamentos do amor moderno, no novo continente - onde a própria terra é tóxica (o personagem de Affleck faz medições de contaminação do solo), em contraste com o lodo sensual da Normandia, onde o filme começa em sequência de tirar o fôlego, no monte Saint-Michel. Se nem o planeta ama mais seus filhos, como alguém pode entregar-se a outro? Amor Pleno é o filme mais apaixonado de Terrence Malick.

Leia mais sobre To The Wonder
Leia mais críticas do Festival de Toronto



Comentários (38)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

sem avatar Nikolas (22/12/2013 02:37:17)   43 0
Loguei apenas para comentar: MEU DEUS QUE FILME RUIM ! Com 10 segundos de filme que eu saquei q era o mesmo diretor do ainda pior Árvore da Vida eu ja sabia q eu não ia curtir .
Muuuito ruim mesmo ! Não da pra entender nada de nada disso ! O inicio ate que vai, mas depois se perde em meio a tanta coisa
Não percam tempo com isso, serio !



sem avatar Marcio (03/11/2013 21:19:53)   -8 0
Escrito e dirigido pelo cultuado Terrence Malick, Amor Pleno segue a mesma fórmula visual do filme anterior do cineasta. Temos um filme, eu diria que é mais poesia do que prosa. Um filme que não tem uma fórmula fácil, mas é altamente reflexivo.
Neil (Ben Affleck) americano conhece a européia Marina (Olga Kurylenko) em viagem a Europa e os dois resolvem morar juntos nos EUA. Marina tem uma filha de dez anos que vai junto com eles. No meio do caminho deles há Jane (Rachel McAdams) antigo amor de Neil que irá cruzar o caminho deles e poderá abalar o amor entre eles. Paralelo a isso temos um padre vivido por Javier Bardem que tem sua fé desacreditada por si mesmo.
Todos os quatro citados acima estão bem para o papel. Até Ben Affleck por não ter grandes expressões está bem por justamente representar desta maneira. Seu personagem não consegue passar seus sentimentos e por isso essa falta de expressão ajudou a compor o personagem. Malick não filma os atores em planos convencionais e sim de maneira que as paisagens se sobressaem em relação aos atores. Com uma fotografia muito bonita, o diretor usa as imagens para complementar as reflexões ditas pelos protagonistas de maneira que elas acabem se fundindo com as palavras. Através do roteiro ele realiza indagações sobre a vida, sobre Deus, a Igreja e sobre o amor.
Com uma fotografia maravilhosa Malick nos introduz ao mundo contemporâneo em que o tédio acaba fazendo parte de um relacionamento e que em algum momento um vazio pode se formar entre um casal. Então temos uma composição em que percorremos várias fases que podemos encontrar no amor (ou na falta dele) entre um casal. Paixão, amor, ódio, traição... O filme consegue nos passar cada carga emocional em que principalmente as protagonistas estão sentindo em momentos distintos. Outro destaque é para a composição da casa de Neil. Reparem como é sem cor, sem vida e vazia refletindo a frieza e o vazio que irá se instalar na vida dele.
Um filme que praticamente não há diálogos. Há indagações, pensamentos, reflexões e orações. Um belo filme que não busca explicar/responder, mas gerar reflexões através de seu roteiro/imagens.

http://embriagadospelocinema.blogspot.com.br/2013/11/critica-amor-pleno.html



sem avatar Sérgio (08/08/2013 23:24:27)   4 0
Prezados,

Também sugiro a seguinte crítica sobre o filme:

http://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2013/08/08/amor-pleno-2012/

Abraço



sem avatar samuel (02/08/2013 00:19:22)   2 0
E outra 5 Ovos???!! Não vale nem meio ovo de beija flor, e se ele ousar colocar 1 ovo sequer eu coloco de volta pra dentro do brioco dele



sem avatar samuel (01/08/2013 02:24:58)   2 1
Um dos piores filmes que já vi!! Com todo respeito o filme é ridículo, a melhor cena é na hora que um búfalo olha pra câmera,foi o melhor ator do filme!! O único papel que deu algum sentido ao filme foi o do padre. Porque todo resto era sem pé nem cabeça. Parece que o cara que escreveu esse filme fulmou um baseado aí ficou triste pra caramba, e depois escreveu nada com nada. O filme é muito ruim, virou até motivo de piadas e risos zombeteiros na sessão que eu estava assistindo. Uma dica: Não assistam essa imundícia!!!


sem avatar samuel (01/08/2013 03:01:22)   2 0
Tomar um chute no saco é melhor que ver esse filme fundo de quintal!!! Deixei de ver meu Timão ganhar de 2X0 do Grêmio pra ver isso.

Red Leader Red Leader (01/08/2013 18:02:19)   -265 0
Malick não é pra todos.

Os comentários zombeteiros geralmente vem de pessoas mal-informadas que olham pra um Ben Affleck no poster e acham que vão assistir um típico filme americano de 3 atos.

Quem estuda linguagem cinematográfica e dramaturgia sabe o quanto Malick é original com suas rupturas.

Tem um filme do Affleck que eu acho que você vai adorar. Chama-se Armaggedon. Liga pros brothers, abre uma cerva e seja feliz.

Red Leader Red Leader (01/08/2013 18:03:29)   -265 0
Putz, você é corinthiano ainda por cima.

É óbvio que esse filme não é pra você, mano.

sem avatar samuel (02/08/2013 00:13:40)   2 1
Poxa cara que preconceito contra nós corinthianos!! Mas na boa também não gosto de filmes no estilo Armagedom e tipicamente americanos, só que sei lá achei as divagações do filme muito sem graça e sem objetivo, chato pra caramba, ver cimento endurecer é mais divertido. Realmente esse diretor tá com o cú dando bote, com esses filmezinhos sem graça, árvore da vida foi bem melhor, que esse troço aí!!

Roberto Roberto (03/08/2013 23:25:44)   70 -1
Eu sempre acho bobo quando alguns comentam que certo cineasta é para poucos, como fazem com Woody Allen e tal, mas no caso do Malick, isso é um fato: É PARA POUCOS.
Eu, pessoalmente, adorei o filme e concordo em total com a crítica, é uma experiencia que necessita de emersão total e o público de hoje em dia não é acostumado a este tipo de cinema (não é preconceito, é estatística, tanto que aqui no Rio, você só vê o filme em salas especiais).
E Red Leader, esses comentários zombeteiros também me incomodam, eu trabalho com revisões de filmes e mesmo rodeado de cinéfilos, muitos deles não entendem o Malick. E esse é o problema da maioria, não entende e já acha chato ou cansativo, quer que tudo seja entregado de bandeja e explicado, acha que é só sentar e absorver qualquer coisa que é transmitida.



sem avatar Santos D. (27/07/2013 14:45:16)   1260 0
Os criticos americanos não gostaram do filme, mas mesmo assim pretendo conferir.



sem avatar rodrigo (27/07/2013 13:10:02)   -1 0
Belíssima crítica do Borgo, da mesma forma que são alguns filmes de Malick - como "Árvore da Vida" e "Além da Linha Vermelha" e, espera-se, este "To the Wonder"



Gory Gory (26/07/2013 17:00:16)   233 1
Eu assisti em casa com minha mulher, e ela dormiu. Os filmes de Malick tem essa essência de acabar com qualquer insônia.


sem avatar Thiago (29/07/2013 15:31:20)   122 1
hahah concordo


Eduardo Eduardo (26/07/2013 13:25:16)   -312 1
Um filme para assistir com a namorada no cinema!



Cassiano Cassiano (19/12/2012 11:53:57)   21 0
Gosto do Malick, mas ele esta andando em círculos, tudo que vimos nos filmes recentes dele, já tínhamos visto. Tem que mudar o foco.



Publicidade
sem avatar Bruce (29/11/2012 13:53:42)   32 0
Alguém saberia me dizer se existe alguma previsão, mesmo que ínfima, de lançamento deste filme no Brasil? Seja em cinema ou DVD???

Não consigo achar na net :(


sem avatar matheus (26/07/2013 08:32:34)   64 0
Cara, essa pagina do omelete é de lançamentos no Brasil logo pelo que consta o filme vai ser lançado hoje no Brasil, só não sei lhe dizer as cidades

Gory Gory (26/07/2013 16:58:24)   233 0
cara, eu baixei esse filme em qualidade bluray a uns 2 meses atrás. Fuça que vc acha.


Fernando Fernando (13/09/2012 18:56:08)   381 0
Terrence Malick é foda,e essa critica só me deixou mais ansioso pra assistir o filme.



sem avatar Yago (13/09/2012 18:08:47)   35 0
Malick é foda, tomara que esse chegue nos cinemas daqui. Acho difícil, mas vou torcer. Teve bem mais falatório encima de Árvore da Vida e aqui não passou nem a sombra... Imagine esse...



Thyago Roberto Thyago Roberto (13/09/2012 14:06:38)   727 0
Inspirador: Um adjetivo para o que são os filmes do Mallick, verdadeiras visões e estudos sobre relações, tanto como pessoas quanto o ambiente.



sem avatar Vitorio (13/09/2012 09:08:44)   6 0
Eu aprecio os filmes do malick, é dificil perceber as sutilezas que o diretor quer passar, são filmes que não podem ser vistos levianamente, tem que se concentrar e estar com a cabeça aberta, e de preferencia assistir sozinho sem barulhos e tal e coisa.....



Roberto Roberto (12/09/2012 23:13:00)   -27 0
Já assisti a alguns filmes de Malick e não consigo perceber a suposta genealidade que praticamente todo mundo diz que ele tem. "Você pode ser o que quiser" e "você só precisa tocar a luz" pra mim é filosofia barata de auto-ajuda.



André B André B (12/09/2012 23:00:28)   945 0
Uma crítica apaixonada.

E bela.




Felipe Felipe (12/09/2012 21:21:13)   217 0
Os filmes de Malick são quase documentários da NatGeo sobre a natureza, literal e metaforicamente.
A Árvora da Vida foi um dos filmes mais bonitos que já vi no cinema.

Bela crítica Borgo.



nilton nilton (12/09/2012 21:18:42)   -2152 1
esse é o filme para zssistir antes e depois convencer a namorada a ir assistir avengers, superman e ate lanterna verde rs



Conrado Augusto Conrado Augusto (12/09/2012 21:14:53)   53 0
Queria saber como foi a atuação da Rachel McAdams... =/ Amo ela e espero muito pelo filme com ela... :)



Publicidade
Adriano Tenório Adriano Tenório (12/09/2012 21:09:35)   226 2
Dá pra ver que o Borgo foi ver o filme bem acompanhado...



Raul Raul (12/09/2012 20:36:47)   1069 0
Se não estreasse aqui só ano que vem, tentaria assistir.

Malick é um grandíssimo diretor, seus filmes são sempre belíssimos, mas essa obsessão dele por discutir religião ta cansando.



The Bird Is The Word The Bird Is The ... (12/09/2012 19:50:04)   120 1
Mais uma preciosidade do Malick.



Livio Livio (12/09/2012 19:36:58)   56 0
esse é o tipo de filme para se assitir com uma namorada ou esposa....




Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.