Colunistas

Cultura Pop no Brasil | Gramado discute preconceito contra dublagem

E mais: vídeo exclusivo do novo filme de Ingrid Guimarães
-

Versão brasileira de Clint EastwoodMorgan Freeman e Nick Nolte, celebrizado no imaginário infanto-juvenil dos anos 1990 como sendo a voz-título de The Tick e de Batman: A Série Animada, o mineiro Márcio Seixas construiu, só com o gogó, a reputação de ser um dos mais inventivos atores da história do cinema brasileiro, com 42 anos de serviços prestados à dublagem. E é em nome dessa arte que ele vai se posicionar, no próximo dia 28, na mais popular das mostras competitivas do nosso audiovisual, o Festival de Gramado (cuja 44ª edição começa sexta que vem, na Serra Gaúcha), advogando contra o preconceito que existe contra a arte de dublar.

O ator vai participar de um colóquio de Gramado sobre a importância dos dubladores para a sedimentação da arte audiovisual num país que, em suas dimensões continentais, sofre com questões de analfabetismo de cabo a rabo de sua extensão. Mas sua fala vai mostrar que o boom de filmes dublados na TV a cabo não se deve apenas a dificuldade de uma polpuda parcela de nossa população em ler legendas e sim ao carisma que os talentos vocais de sua geração (e de gerações mais contemporâneas) estabeleceram com os tímpanos e os corações de todo o Brasil. 

A discussão sobre o preconceito contra a dublagem é importante pois ele talvez nos leve a uma pista sobre o porque dessa arrogância contra nossa arte existe, uma vez que o público adora filmes dublados”, diz Seixas, que cedeu seu gogó a Leslie Nielsen na franquia Corra que a Polícia vem aí!além de ter dublado três 007s: Sean ConneryRoger Moore Timothy Dalton. “Logo que eu cheguei ao Rio de Janeiro, no início dos anos 1970, já trabalhando em rádio, como locutor, eu li num jornal um comentário maldoso que dizia assim: ‘Esta noite vai passar o filme Camelot, com Richard Harris na televisão. Só lamento ter que ouvir Harris com um sotaque do Méier’. Esse tipo de comentário é desagradável e reflete um certo incômodo relativo aos anos 1940 e 50, quando os filmes brasileiros careciam de sincronia entre as vozes e as bocas dos atores. Só não entendo porque, passados tantos anos, essa campanha contra a dublagem permanece”. 


Num ano em que Gramado concede homenagens à atriz Sonia Braga (estrela de Aquarius, o filme de abertura do evento), ao ator Tony Ramos e ao diretor José Mojica Marins, o eterno Zé do Caixão, a palestra de Seixas acaba ganhando, simbolicamente, um status de tributo ao papel formador da dublagem no Brasil. Além de simbolizar uma chance rara para o público de conferir o rosto, o corpo e a doçura de um astro que encantou multidões, por quatro décadas a fio, sem nunca ser visto. De quebra, ele ainda estrela o primeiro exemplar do programa digital A Cara da Voz, que o cineasta André Pinto (de Uma Professora Muito Maluquinha) prepara para a web.

Eu comecei a dublar em março de 74, falando uma frase em francês, na versão brasileira de As 24 Horas de Les Mans, num estúdio cheio de veteranos que nem olhavam para mim, aquele mineirinho iniciante. E, de lá para cá foram tantos filmes, tantos desafios, tantos sonhos”, diz Seixas, que dublou Charlton Heston na versão de 1959 de Ben-Hur e em Os Dez Mandamentos, ocupando-se hoje com as chamadas diárias de rádio e TV dos supermercados Prezunic. “Quando as emissoras a cabo começaram a se encher de documentários, eu encarei alguns desafios, sobretudo um general de porta-aviões que falava de um jeito muito específico. Mas uma das maiores dificuldades foi dublar Liam Neeson como Qui-Gon Jinn em Star Wars – Episódio I: A Ameaça FantasmaTinha um mexicano, Javier, emissário de George Lucas, que ficava no estúdio interferindo na dublagem, na frente do nosso diretor. E esse cara me fazia repetir coisas como ‘Anakin, venha cá!’ umas dez vezes. Cheguei a perder a paciência uma hora. Mas aí ele desabafou: ‘Tente me entender... você não sabe o que é trabalhar para George Lucas. Se eu deixar passar um erro...’ E fomos. Fizemos. Como fiz tantos outros papéis. Com dedicação. Com amor pela dublagem”.  

Yoga.doc 

Em vias de filmar a HQ Tungstêniode Marcello Quintanilha, o cineasta Heitor Dhalia acaba de concluir as filmagens de um documentário rodado em língua inglesa: On Yoga: The Architecture of Peace. Trata-se de um mergulho metafísico e visual no universo da Yoga, com imagens captadas na Índia e em Nova York.

Cálice de leite para Fagundes

Com sucessos como Carandiru (2003) em seu currículo, Flávio Tambellini vai produzir a versão para as telas de um dos mais aclamados romances de Chico Buarque:Leite Derramado. A direção será de Lula Buarque de Holanda (O Vendedor de Passados) tendo no elenco duas gerações da família FagundesAntonio e seu filho Bruno.   

De pernas pro ar no mundo dos youtubers 

Esta é uma pílula exclusiva pro Omelete do filme Um Namorado Para Minha Mulher, com a rainha nacional das bilheterias, Ingrid Guimarães: 

No filme, dirigido por Julia Rezende (Meu Passado Me Condena), com estreia marcada para 1° de setembro, Ingrid é Nena, uma jornalista que está sem trabalhar, empurrando a vida sem qualquer emoção. Todo mundo acha graça em seu humor ácido, menos Chico, seu marido (vivido por Caco Ciocler), que já deixou de se divertir com ela há muito tempo. Mas um amigo do casal, Gastão (Paulo Vilhena) sugere que ela comece a trabalhar com internet e é quando surge o primeiro programa da moça para o YouTube: Gastando o Verbo, no qual ela comenta sobre diversos assuntos do cotidiano como redes sociais e dieta, sempre com ironia.

Vai que agora cola com Marcus Majella

Ladrão de cenas no teatro e no cinema com seu jeitão irreverente de representar as situações do dia a dia, o comediante Marcus Majella (de Vai Que Colavai estrear como protagonista nos cinemas: ele será o astro de Um Tio Quase Perfeito, que começa a ser rodado neste sábado de agosto no Rio, sob os auspícios da rainha das comédias: a produtora Mariza Leão (titular das franquias De Pernas Pro Ar  Meu Passado Me Condena). A  direção é de Pedro Antonio Paes. Na trama, Majella é Tony, um trambiqueiro que vive de pequenos bicos (faz estátua viva, finge ser cartomante, ataca de pastor) com o aval da mãe, Cecilia (Ana Lúcia Torre). Quando ele é despejado, a saída é procurar sua irmã, Ângela (vivida por Letícia Isnard). Mas ele será obrigado por ela a tomar conta de seus três sobrinhos, encarando situações dignas das que Robin Williams viveu em Uma Babá Quase Perfeira (1993).  

Da cor da inclusão

Exibido com elogios no Festival de Berlim de 2010, Bróder fez do diretor paulista Jeferson De uma referência mundial na discussão das causas raciais na América Latina, representando a condição do negro brasileiro para além de arquétipos. Agora, De faz uma aposta no humor em seu terceiro longa-metragem, a comédia Correndo Atrás, que começa a ser rodada neste domingo.  Com produção de Clélia Bessa, da Raccord Filmes, o projeto será estrelado por Ailton Graça (o Majestade de Carandiru), que faz seu primeiro protagonista do cinema. No filme, Graça é Ventania, um malandro que quer mudar de vida e tenta de tudo para melhorar sua situação. Escrito por De e pelo eterno casseta Helio de La Peña, que também participa como ator, o filme traz em seu elenco Lázaro RamosJuliana Alves Tonico Pereira. A estreia está prevista para 2017. 

Há algo de autoral no reino da 

A partir da semana que vem, São Paulo vira um reduto audiovisual da Escandinávia no Brasil, com uma mostra de 12 longas-metragens inéditos feitos na região e seus arredores, em frentes na Suécia, Dinamarca, Islândia, Finlândia , Noruega e até a Groenlândia. O evento foi batizado de Festival Ponte Nórdica e acontece de 25 de agosto a 7 de setembro na Caixa Belas Artes e também na Caixa Cultural SP, tendo entre suas atrações imperdíveis a comédia dramática A Comunidade, de Thomas Vinterberg, que ganhou o prêmio de melhor atriz (dado a Trine Dyrholm) no Festival de Berlim, em fevereiro. 

CURTA ESSA: Estilhaços: Responsável por uma revolução no cinema de animação de Portugal com filmes como A Suspeita (2000) e Passeio de Domingo (2009), José Miguel Ribeiro volta às telas brasileiras no Anima Mundi (25 a 30 de outubro no RJ; 2 a 6 de novembro em SP) com um ensaio sobre o poder destrutivo das guerras. 

Compartilho da mesma ideia. Exemplo foi que acompanhei a série House of Cards dublada, mas da quarta temporada em diante foi praticamente insustentável seguir. Precisei me readaptar ao legendado porque simplesmente as vozes (mudaram alguns dubladores e outros novos que chegaram não acompanharam a mesma qualidade) perdiam com entonações, sincronia e carisma.

Muitos bons dubladores no mercado...eu só assisto filmes dublados e adoro...

Minha opinião é que a qualidade das dublagens caiu muito, talvez o principal motivo do "preconceito" de alguns, 1 ou 2 estudios ainda fazem uma boa dublagem, o resto é muito ruim, não há e pelo visto nunca mais haverá uma dublagem como a da AIC SP por exemplo, boas dublagens marcam o personagem para sempre, as pessoas identificam o personagem através da voz, poderia citar aqui diversas que ficaram para a história, hoje em dia a maioria estraga o filme assim que o personagem abre a boca rsrs é por isso, mas nem tudo está ruim, um exemplo é a série Elementary, a dublagem é excelente e o personagem de Sherlock Holmes é muito melhor dublado que na versão original, mas são raras exceções hoje em dia.

Pois é, felizmente algumas dessas vozes são bastante versáteis e até me espanto quando percebo que eram as mesmas, tamanha foi a interpretação dos textos para os respectivos personagens.

o fato da repetição de vozes também me incomoda bastante, mas fazer o que né, os caras precisam trabalhar e precisam dublar outras coisas, quem derá se pudesse ter um dublador unicamente exclusivo pra cada ator que existe

um caso triste também envolvendo o Márcio Seixas foi a dublagem de os Incríveis, que teve a voz alterada nos DVD's pq ele teve umas desavenças com o estúdio e a própia Disney resolveu redublar o Sr Incrivel

eu sempre assisti coisas tanto dubladas quanto legendadas,(dependendo da qualidade da dubladem) assisto um pouco dos dois, um belo exemplo foi a série Mr Robot, eu assisti um pedaço da série dublada e quando escutei a voz do protagonista eu alternei pro legendado pq eu detesto a voz daquele dublador e pra mim não combinou em nada, a partir daí eu só passei a assistir a séries legendadas pela força do hábito

Marieta Severo também arrasou na dublagem dessa animação, não é atoa que é uma baita atriz

nem me lembre, o que me deixou mais puto no filme do Esquadrão Suicida foi terem escalado o dublador do Adam Sandler pro Coringa, detestei, além da voz também não combinar em nada com o ator (só pra ressaltar que eu não tenho nada contra esse dublador)

que filme é esse que você viu dublado? não acredito que fizeram isso kkkk "JANELA"

eu já sabia que muita gente ia comentar que dublagem é coisa de gente preguiçosa

A pergunta é, porque devemos gostar de dublagem? Eu não gosto e isso não é preconceito!

Eu prefiro o áudio original com legendas, mas também gosto e respeito a dublagem brasileira. Quando vou ao cinema, assisto a próxima sessão seja dublado ou legendada. Pra mim não há problema.

Querido Marcio o consumidor aprecia como quer e não existe proibição de ter a obra original no cinema, é que filme dublado vende muito mais do que legendado, no modo financeiro jamais uma rede de cinemas ia perder tanto dinheiro pela minoria que quer assistir legendado, essa é a verdade!

O problema não é valorizar ou desvalorizar a dublagem. É tirar a opção do consumidor de apreciar a obra em sua forma original. Deveriam, ao menos, existir no cinema a mesma proporção entre filmes dublados e legendados. E todos os canais por assinatura deveriam dar a opção para o consumidor assistir a versão legendada ou dublada. Quando se impõe a dublagem, do jeito que as distribuidoras e canais a cabo estão fazendo, é que existe o problema.

Na boa, o Brasil está numa situação crítica por si só do brasileiro, porque se não valorizamos nem a dublagem nossa, imagina outras coisas?

dublagem de desenho e ate de drama ainda vai, mas de comedia, onde a maioria das piadas s'ao intraduziveis eh foda. tbm sou contra essa historia de ficar contratando artista da globo ou do porta dos fundos pra fazer dublagem. temos dubladores excelentes, mas esse pessoal sem experiencia que dubla so pra dar ibope tinha que ser proibido. outra, uma das razaos que eu aprendi ingles eh pq nao tinha opcao queria assistir tv a cabo tinha que ser com legenda, o que eh benfefico pra treinar o ouvido. essa historia de ser tudo dublado rouba esse aprendizado.

Só quem já esteve imerso num trabalho de tradução, seja lá qual for o idioma, sabe as dificuldades e os esforços inerentes à prática... se até nos, nativos em relação ao português enquanto idioma, sentimos dificuldades de nos expressarmos, de encontrarmos os melhores predicados, imaginem quem se empenha no trabalho de tradução, dublagem. Confesso que certas dinâmicas só podem ser apreciadas realmente, quando conseguimos compreender a obra no seu idioma original (isso fica muito perceptível com o idioma alemão). Em outros casos, existe a perda, no entanto ela não prejudica nocivamente o filme, ou o que seja. Só acho muito fácil e oportunista, mediante ao quadro do Brasil - onde não é preciso ir muito longe, basta ir ao centro das grandes cidades e notar a quantidade de pessoas analfabetas - tecer analogias idiotas como se, misticamente a culpa de existirem muitos filmes dublados fosse toda das pessoas e das próprias dublagens. Estão em jogo fatores sociais, muito mais complicados e delicados que mera "preguiça dos jovens" em assistirem filmes legendados. Não me sinto confortável em cobrar de uma pessoa que mal entende textos em português, sendo brasileira, a ir assistir filmes legendados. Em todo o caso, a entrevista foi boa exatamente por levantar essas reflexões. No Brasil as pessoas dizem que preferem assistir filmes com o áudio original (pois a voz sendo uma das dimensões da atuação, estariam desrespeitando o ator em ouvir-lo dublado). No entanto, já pude observar por experiência própria que a maior parte dos que dizem isso não são fluentes em inglês... rsrsrs é aquele ditado: o brasileiro é um eterno paradoxo.

já traduziu uma letra de musica internacional ?? notou como as cações não fazem sentido ?? já participou de grupos de tradução como o Legendas.tv ?? se sim ?? já notou como fica meio estranho as traduções ?? você não acha que os tradutores não fazem adaptações como os Dubladores fazem, que na verdade eles já pegam de alguém que também adaptou ?

vai culpar os pobres agora ?? pela sua falta de argumento ? como eu disse é necessário uma lei obrigando o empresario a exibir o que lhe dá prejuízo ? isso significa que a pessoa que não quer assistir a filmes legendados são preguiçosos e não gostam de ler, se pregarmos este seu ponto de vista estamos realmente numa verdadeira ditadura de opinião pois na Europa só assistem filmes dublados como nos EUA e japão e mesmo assim eles não são chamados de analfabetos . Veja a lista dos 30 países que mais leem no mundo e mesmo assim não assistem filmes legendados Fonte: http://br.blastingnews.com/cultura/2015/09/leitura-em-ranking-de-30-paises-brasil-ocupa-27-posicao-00548961.html Então este publico é burro ?? Alemães e Japoneses que possuem um nível de leitura e Educacional melhor que a Brasileira, preferem assistir as copias dubladas do que legendadas. E detalhes copias legendadas saem muito mas muito mais baratas do que as versões dubladas. Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/reuters/ult112u30253.shtml E não é um projeto de lei que obriga o cidadão a assistir o que ele não quer simplesmente por que uma pequena minoria quer. E donos que Cinema não querem ter prejuízo, impor alguém a algo que ele não quer não vai mudar esta situação, sei lá cara faça assim monte um grupo de pessoas que preferem legendado marquem para sair todo mundo junto para assistir o filme legendado para ao menos fazer volume sem prejudicar quem quer assistir dublado só assim você vai ter mais opções legendadas.

Quanta desinformação amigo. Primeiro já existe uma lei que define a exibição tanto de filmes dublados quanto de legendados para o mesmo filme. Segundo, claro que é lei da oferta e procura nos cinemas onde há apenas filme dublado e é nisso que eu me apego, digo novamente esse fato está atrelado diretamente ao grau de escolaridade regional que circunda aquele cinema. Onde eu moro (Bairro Nobre de Pinheiros) todos os cinemas dos shoppings possuem filmes legendados em sua maioria (Shopping Eldorado, Villa Lobos, Iguatemi, Vila Olímpia, JK, Pátio Higienópolis, Bourbon) agora vai na periferia, pega ZL e Osasco e vai ver só filmes dublados porque o povo dessas regiões tem baixa escolaridade e preguiça de ler. O povo é burro nessas regiões na sua grande maioria por isso existem apenas salas dubladas. Entendeu?

mas alguém o esta o obrigando a assistir dublado ? você sabe o que é oferta de mercado? lei da oferta e procura ? sabe por que não ha tantas salas de cinema com opções com copias de filmes legendados ? POR QUE NÃO TEM PUBLICO, a regra é esta para se manter uma sala funcionando necessita de X pessoas assistindo periodicamente determinado filme, se ele não alcançar ele perde dinheiro, demite funcionário e fecha as portas. Faça um comparativo com o Gerente dos dois cinemas no qual citou e ele vai te mostrar os números, que não da para se manter uma sala funcionando só por que 10 ou 15 pessoas querem assistir legendado, enquanto a maioria que gera lucro prefere as copias dubladas faça um comparativo das exibições de StarTrek que estreia hoje e veja as filas para assistir as copias Legendadas e Dubladas, e veja em qual delas tem a maior procura ? E não vai ser com preconceito bobo de que legendado é melhor, não vai melhorar este quadro, não é exigindo uma lei que obrigue as salas terem copias legendadas, e você sabe muito bem o que isso pode acarretar.

Tenho 40 anos, cresci vendo sessão da tarde, tudo dublado (muito bem, por sinal), mas, hoje, pessoalmente, não gosto muito de filmes e séries dublados, prefiro assistir com legendas ou só no áudio original (quando em inglês, que até me viro, embora ainda perca o sentido de algumas palavras). E isso vale também para animações, por mais estranho que pareça. Até porque a legenda também me ajuda a, caso algum chato comece a querer fazer um discurso ou algo parecido do meu lado no cinema (ou ocorra um barulho muito grande em casa), eu perca um trecho do diálogo - o que para mim é importante. E nas dublagens, muitas vezes, a mesma voz acaba sendo a mesma para três ou quatro atores (outro dia, estava em casa e ouvi passar um diálogo na TV, no outro cômodo, e pensei: filme com o Mel Gibson?! (lembrei da voz dos filmes de máquina mortífera e outros dos tempos da sessão da tarde - como me divertia -. Fui ver, e era filme com o Jack Nicholson heheheh). Então, hoje, para mim, importa o áudio original, sim. Mas não posso deixar de reconhecer que a dublagem nacional faz ótimos trabalhos (dependendo do estúdio), e tem uma qualidade muito boa, e, sim, em muitos casos, acaba passando melhor o sentido das palavras usadas no original que as legendas (que precisam ser adaptadas para caberem na tela em um determinado tempo, e também devem observar a classificação indicativa para o filme e outros detalhes). Acho que quem perde muitos detalhes lendo a legenda e não se importa tanto com as expressões em inglês, ou com a piada em inglês ou francês (as vezes por não entender ela) e prefere ver toda a imagem e ter a piada adaptada para o português, assiste dublado. Quem consegue ler e assistir ao mesmo tempo (a gente acostuma) - ou não se importa de perder alguns pequenos detalhes - e se importa com as vozes originais e o áudio original, assiste com legenda ou sem legenda mesmo (no caso de TV por assinatura). Mas temos que ter a possibilidade de escolher, o que está cada vez mais difícil nos cinemas (não tenho TV por assinatura em casa). Ah, defendendo as dublagens (e para fugir daqueles comentários de que defender a dublagem no Brasil é nacionalismo de terceiro mundo ou qualquer coisa parecida) me parece que, por exemplo, os franceses assistem aos seus filmes no cinema dublados (por lei), havendo poucas opções de locais para assistir legendados. Então, gente... Há vantagens e desvantagens em ambos os sistemas, cada um acha o melhor para si. Mas temos que lembrar que deve ser mantido o direito de escolha (tanto para legendas como dublados), e se as empresas têm mais lucro com os dublados (e o objetivo de uma empresa é o lucro, eu sei), que pelo menos coloquem as sessões com filmes legendados em um horário "decente" e não apenas nos piores horários possíveis, em respeito aos consumidores que gostam de filmes legendados. E na TV por assinatura, por favor, se vão demorar dublando uma série ou filme, aproveitem e façam a legenda do mesmo episódio ou filme (ou baixem da internet mesmo e façam as correções necessárias, qualquer criança sabe fazer isso), de forma a poderem disponibilizar as duas opções aos seus consumidores. ;)

Você não entendeu o texto. Não sou contra a dublagem. Sou contra os cinemas dos shoppings em que apresentam as películas unicamente dublado sem ter a opção legendado e isso está diretamente ligado a regiões mais pobres que por lógica está ligada ao analfabetismo brasileiro. Vá ao Shopping União e Super Shopping e entenderá o que estou dizendo. Acho sim que um filme tem que ter as duas versões (dublada e legendada) para os seus devidos públicos. Agora só apresentar a versão dublada e não ter legendada é sim sinal de analfabetismo ainda mais presente em regiões periféricas de SP.

Em nenhum momento eu disse que sou contra a dublagem. O que eu afirmei e reafirmo é a presença unicamente de filmes dublados nos cinemas em regiões periféricas. Você não entendeu o texto. Lógico que a opção é de cada um, mas para haver tal opção tem que ter disponibilidade do mesmo filme em legendado e dublado. Você já foi no cinema do shopping União? E do cinema do Super Shopping? Se foi entenderia o meu argumento. Quanto a recomendação para estudar inglês eu acho que você antes de sugerir alguém para estudar, deveria aprender a entender um texto e a escrever melhor a sua própria língua materna.

ta serto entao...

Acho que essa questão da dublagem envolve varios fatores.. eu gosto de ver dublados e legendado.. boa parte legendado.. porque eu gosto das vozes e ingles.. e a voz e um fator brutal numa interpretação.. mais uma animação eu vejo tranquilo dublado.. o problema e que os cinemas não oferecem alternativas tanto dublado quanto legendado.. para ambos os gostos.. e outro o mais serio.. pra mim.. E que as pessoas se acham superiores porque ve legendado..e menospreza quem ve dublado.. sendo que o trabalho do brasil na dublagem e excelente .. Enfim e uma questão para um bom debate.. mais e fato que os distribuidores precisam oferecer tanto dublado quanto legendado... e que o povo brasileiro tem que parar em sua maioria com esse teor superior idiota porque ve legendado um filme.. o que não e nada demais

Forçar filmes dublados emburrece cara sem falar que força um nacionalismo ridiculo. Porque vc acha que o governo ta nessa? Eles querem a populacao burra

Eu preciso citar uma fonte de pesquisa que indique que ler mais melhora a habilidade de leitura? O.o E sim, estão obrigando sim. Quando você quer ver um filme no cinema legendado esta ficando mais dificil. E sim, as legendas sao alteradas, mas grande parte do seu conteúdo é coerente com o que está sendo falado. Nao preciso estudar ingles, porque, gracas a Deus assisto filmes legendados desde criança e posso assistir sem legenda hoje ;)

cala a boca cara,isso e tudo falacia de gente que se acha melhor que os outros por assistir legendado,eu falo ingkes fluente mas prefiro legendado,eu sou burro e preguiçoso tambem?,entao para de falar besteira e de ser hater.

Vale sim. E o meu direito de escolha?

Dublagem brasileira: continua sendo a melhor do mundo? Para algumas pessoas que me conhecem, eu sou fã da dublagem brasileira. Quem nunca viu um filme, e no inicio escutou, “Versão Brasileira....”. O Brasil já teve (é, isso mesmo, já teve) a melhor dublagem do mundo. Quando vejo alguns filmes antigos, fico maravilhado com a dublagem. Hoje, o que vejo é o ramo sendo cada vez mais dominado por não profissionais da área, e afastando cada vez mais aqueles que realmente entendem do assunto. Há dois anos, morria o saudoso Herbert Richers, criador do antigo melhor estúdio de dublagem do MUNDO com seu mesmo nome. Ele foi grande amigo do famoso diretor de filmes Walt Disney, foi com ele que conheceu o mundo da dublagem. Ele criou os estúdios da Herbert Richers para poder levar, ao público brasileiro, filmes em que não precisavam se preocupar em ler legendas e assistir ao longa ao mesmo tempo. Logo a dublagem no Brasil cresceu, e, com ela, vários estúdios foram nascendo. AIC em São Paulo, VTI no Rio de Janeiro, Álamo também em São Paulo. Hoje a quantidade de estúdios é enorme, e com isso o ramo da dublagem no Brasil, sua qualidade e prestígio estão indo embora. Após a morte do Herbert Richers, seu estúdio de dublagem começou a entrar em crise. Muitas produções, que eram confiadas ao seu estúdio começaram a serem levadas para outros que cobravam mais barato pelo trabalho. Isso fez a qualidade da dublagem no país diminuir bastante. Em 2010, a Herbert Richers fechou as portas. Antes dela também fecharam a AIC e a VTI, outros dois grandes estúdios desse país. Quem nunca viu o filme, e no início ouviu, “Versão Brasileira...Herbert Richers”? Sessenta anos de dublagem jogados fora por distribuidoras que querem o melhor negócio, mesmo que isto não seja o melhor negócio para o público. A empresa Richers continha a melhor estrutura, possuindo os maiores estúdios da América Latina com mais de 10 mil m². Infelizmente, em 2011, mais uma empresa de dublagem fechou as portas. O famoso estúdio Álamo. Era considerado o melhor estúdio de dublagem de animes. Quase quarenta anos, também foram embora por causa de dinheiro. A Herbert Richers e a Álamo eram os mais caros estúdios de dublagem do Brasil, digo até a dizer da América Latina. Com a criação de outros estúdios que cobravam mais barato pelo trabalho de dublagem, as duas infelizmente chegaram ao fim. O mercado de dublagem, apesar de estar crescendo em número de trabalhos, pelo fato de empresas televisivas terem que disponibilizar conteúdo dublado na sua grade, em qualidade caiu numa velocidade incrível. Não vou ser apenas um crítico chato, também tenho que elogiar alguns trabalhos das empresas de dublagem atuais. Depois do fechamento das duas grandes, melhor dizendo das quatro grandes (Herbert Richers, Álamo, AIC e VTI), acredito que os melhores estúdios brasileiros são a DublaVídeo em São Paulo e a Delart no Rio. Porém, nenhuma dessas duas chega ao nível que eram as quatro grandes. A DublaVídeo fez grandes trabalhos recentemente, em Planeta do Macacos – A Origem e X-Men: Primeira Classe. A Delart geralmente faz ótimos trabalhos com desenhos animados. Mas agora vejo uma queda da Delart. O estúdio dublava os filmes animados da Disney, e o diretor contratado pela própria Disney era o Garcia Júnior, dublador famoso e que dirigiu grandes dublagens de filmes da Walt Disney. Mas esse ano, com o filme Enrolados, Garcia deixou de trabalhar com os filmes da empresa norte-americana, sendo esse filme seu último trabalho de diretor de dublagem da Disney. Essa saída pode estar relacionada com a contratação de Luciano Huck, pasmem, Luciano Huck para dublar o protagonista principal da animação. Acredito que ele não concordou com a empresa do Mickey e aceitou dirigir este filme, mas sendo o último. O filme Carros 2 também veio com péssimas surpresas. Claudia Leite, Emerson Fitipaldi e Luciano do Valle foram convocados a dublar. Resultado, umas das piores dublagens que já vi. Com o fechamento da Álamo, por exemplo, os filmes da Saga Crepúsculo perderam em cheio. Os três primeiros filmes foram dublados na Álamo, que ajudou a deixar os filmes bem melhores do que o original (acreditem, é verdade), mas com seu fechamento, a Paris Filmes, distribuidora do longa no Brasil, levou o quarto filme da saga a ser dublado na Delart, que fez aquela temerosa dublagem de Crepúsculo para a Rede Globo, onde virou chacota internacional, vários países e empresas de dublagem do mundo ficaram surpresas com uma péssima qualidade de dublagem vinda do Brasil. Infelizmente, o mercado da dublagem está sofrendo. Estão morrendo grandes estúdios de dublagem e os menores, estão sobrevivendo. Pelo menos, ficamos com o ótimo trabalho feito pelos dubladores, que continham sendo os melhores do mundo, por enquanto. Irei fazer mais post sobre a dublagem, seus méritos, dubladores, e também novamente, sobre a decadência da qualidade dos estúdios. Falarei sobre o processo de dublagem em filmes, novelas, seriados, desenhos, animes e muito mais. Irei falar do preconceito que muitos têm pela dublagem, criticando, dizendo que o filme perde todo o seu conteúdo original, suas vozes. Mas enganam-se aqueles que pensam que todo filme estrangeiro não é ele próprio dublado. Vocês acham realmente que Johnny Depp gravou todas as cenas em Piratas do Caribe com um microfone embutido, ou que também foi a um estúdio e dublou a ele mesmo?! Explicarei na próxima semana tudo isso. http://encarandoolimbo.blogspot.com.br/2011/11/dublagem-brasileira-continua-sendo.html

tu viu isso aonde ?? cite a fonte de pesquisa que filmes legendados ajudam na leitura kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk cara aceita Dublado chegou para ficar, ninguem o esta obrigando a assistir filmes e series Dubladas tem uma opção no controle que muda e quer saber mais ? estude inglês, pois até as legendas sofrem nas mãos dos tradutores que tem também que adaptar as frases em sincronia com o filme e não tomar a tela toda e você perder o filme.

e o meu direito de escolha não vale ??

desculpe até me sensibilizo pelo seu caso mas uma empresa ela tem que gerar lucro e não prejuízo, a escassez de filmes legendados principalmente os infantis é por causa do publico, e o empreendedor ele tem que visar aquele publico algo que vai gerar lucro para ele continuar no mercado e se o mercado exige que o publico quer assistir filmes dublados ele vai investir nos dublados, você já viu a fila das sessões de filmes legendados e dublados ? viu que a de filmes dublados são bem maiores ? Agora imagine tal situação na qual a sua namorada seja agraciada pelo poder onipresente do ESTADO obrigando as salas de cinema a reservar uma sala para os deficientes visuais. E justamente eles reservam uma copia legendado para somente 6 ou 10 pessoas assistirem a uma animação legendada numa sala de 400 pessoas ? que em sua maioria vai preferir levar para ver em uma sessão dublada. Nesta hipótese só vejo duas consequências 1.º O Custo para exibição deste filme seria repassado para aqueles que assistem as copias dubladas. 2.º O Dono fecha logo as portas pois vai estar infringindo a lei pois não tem como manter as sessões e a sala de cinema perde para a concorrência.

alguém o obriga a assistir a um filme ou serie dublada ?? cara é facil mudar o áudio não ha dificuldade quanto a isso, é um direito de escolha não só minha mas de muitos e isso não tem nada haver com analfabetismo e sim com o direito de escolha de cada um, eu mesmo gosto e adoro filmes dublados, já assisti muitas series legendadas e outras prefiro assistir dubladas como o caso de GoT prefiro dublado e Dexter prefiro Legendado é tudo questão de escolha e não de analfabetismo. E quando você fala em descaracterização do personagem eu recomendo que estude inglês pois a mesma pessoa que traduziu o filme ela traduziu da maneira que ela encaixa as frases na tela para não ficarem muito grandes da mesma maneira que existe na dublagem.

tenho 39 anos e sou da época do VHS e detestava filmes dublados, por que filmes legendados tinha uma ar cult e intelectual e ai eu só alugava filme legendados e deixava o lançamento como coração valente dublado de lado e deixara para pegar a versão legendado no outro dia. Bem mas ai veio o DVD e as escolhas que tínhamos entre dublado e legendado, e passei a experimentar as versões dubladas e boommmm adorei viciei em filmes dublados passei a entender o trabalho dos dubladores e o quanto as suas vozes são marcantes como Marcelo Torreão,Christiano Torreão, Wndel Bezerra e tantos outros com suas vozes marcantes me deram liberdade de escolha como a tv por assinatura esta dando e por isso que ha este boom nos filmes e series dubladas, até canais tradicionais como a Warner que só passava series legendadas viu seu publico aumentar quando passou a dublar as suas series. E mesmo como o mimi você acreditam que um monte de babacas protestaram simplesmente por que não sabia mudar o áudio da sua serie favorita e até ameaçaram boicotar kkkkkkkkkk...

Deve ser queimador de rosca da escolinha do Wolf Maia...

A dublagem não precisa de atores famosos pra evidencia-la gênio! Todos os dubladores profissionais também são atores! Seu paga pau de Globo e derivados!

O problema não é preguiça cara,quando você vai ver um filme legendado que você tem um conhecimento basico do idioma,você vai ter dificuldade pra ver o filme,pois vai ficar o tempo inteiro lendo a legenda e não vai ver os detalhe,a expressão do ator,os cenarios,e vai acabar perdendo grande parte do filme,esses dias eu fui ver um filme de animação frances legendado,e tive uma experiencia muito ruim,pois é muito bom ver os detalhes da animação,a por isso acabava sempre perdendo o texto,e tinha que voltar a cena só pra ler Então não é questão de preguiça

Defendo e é um argumento válido. Como eu disse, celebridades que não são atores conduzem trabalhos ruins, mas atores podem e devem participar da dublagem pois fazem valorizar a prática e evidenciá-la pra essas pessoas que acham que dublagem não vale nada.

Existe sim uma comoção sobres estes casos Rafael, e está ganhando força nas redes sociais. Mas é importante salientar que isso não é culpa da existência da dublagem e sim das distribuidoras e dos donos das salas de cinema que visam apenas o lucro e esquecem da inclusão. O correto seria haver uma divisão 50/50% de salas com as duas opções para agradar e proporcionar ambas as experiências aos espectadores. É a favor disso que eu, você e sua namorada devemos lutar! Cultura também é importante e devemos exigir nosso direito de apreciá-la como gostamos e/ou podemos!

É exatamente contra falas preconceituosas e taxativas como essa que o Marcio Seixas vai falar. Reduzir a dublagem a mero efeito do analfabetismo brasileiro e , consequentemente, taxando-a como atividade de valor menor que serve para "preguiçosos", menos "nobres" e de baixa renda é uma falácia preconceituosa e segregadora sempre repetida, e que de maneira nenhuma reflete a uma "verdade absoluta". Esta falácia cai justamente quando falamos de animações, onde "dublagem pode". Existe a obra original e existem suas adaptações pelo mundo todo. Embora a dublagem possua este caráter acolhedor cultural, também representa o trabalho, esforço e interpretação dos atores envolvidos, que possuem liberdade algumas vezes para criarem sua própria interpretação em cima da produção, liberdade essa concedida pelos próprios criadores e detentores da obra audiovisual, haja vista que em muitos filmes de grandes estúdios a dublagem dos principais mercados deve se aprovada pelo próprio diretor do filme(fato que poucos conhecem), conferindo muitas vezes uma aproximação maior do cotidiano do espectador, com seus trejeitos, sotaques, gírias e maneirismos, muitas vezes estudadas de antemão pelo tradutor para tentar obter de forma adaptada uma conceitualidade proxima á do idealizador original. Claro que existem trabalhos de péssima qualidade, frutos de baixo investimento e corte das distribuidoras, tratamento geralmente dado a produções de menor alcance, mas que de maneira nenhuma podem depreciar o esforço de grandes e reconhecidos trabalhos que existem em maior quantidade. Sou fluente em inglês, cinéfilo, profundo admirador da língua inglesa e suas variações, ainda assim, sou também um grande admirador da dublagem nacional, não erroneamente considerada a melhor do mundo, que confere uma visão agradável e próxima da obra cinematográfica, assim opto por curtir as duas experiências em sua totalidade. De maneira nenhuma considero a falácia acima uma "verdade".

Vem defender com papinho furado não cara! Alguns atores até mandam bem na dublagem, como o próprio Rodrigo Santoro, que é bem profissional e o elenco de A Era do Gelo... mas na maioria das vezes são atores sem experiencia nenhuma de dublagem e vozes que não combinam nada com os personagens! E foda-se celebridades, nem comento sobre isso! Absurdo chamarem esse tipo de gente, como Luciano Huck e cia pra dublar filmes!

Sim, eu fiz outro comentário sobre isso. Tem muitos canais focando no dublado atualmente, e não concordo com isso. Para mim, esses canais de TV fechada teriam que por obrigatoriedade ter e opção de tecla sap e legendas. Afinal, o pessoal paga por esses canais, eles tem que fornecer a melhor qualidade e as melhores opções para todos.

"país com uma das melhores dublagens do mundo"...disse ele no país da Marshmallow kkkkkk

As dublagens antigas da Herbert Richers e BKS até eram boas. O problema é que surgiram novas empresas nos últimos 20 anos e uma é pior que a outra. O resultado foi que pioraram muito as dublagens. Há estúdios que fazem dublagem "à rodo" e não têm o mínimo cuidado com o trabalho, com o som da dublagem e com a sincronia, mal dá pra entender o que o ator fala. Quando anuncia,por exemplo, dublagem da Marshmallow, eu já mudo o canal pois é muito ruim. Tem uma outra que consegue ser pior mas agora não lembro o nome, mas ao ouví-lo num programa, já mudo o canal, consegue ser pior que a Marshmallow, se lembrar coloco aqui.

Não fazem, ou fazem poucas, sessões de animações legendadas pois são filmes voltados mais ao publico infantil, e as crianças que vão assistir ao filme muitas estão em idade de alfabetização também. Imagino como deve ser chato para uma criança ficar lendo legenda o filme todo. A razão é essa. Mas concordo que poderiam colocar ao menos uma sessão legendada na semana para o caso que você citou ou para quem curte legendado mesmo.

A questão da dublagem está diretamente ligada ao analfabetismo popular brasileiro. O brasileiro por cultura tem preguiça de ler, principalmente os jovens da atual geração, portanto sempre irão optar por filmes dublados. Prova disso é constatado nos cinemas de periferia onde as salas dubladas, predominam sobre as legendadas, quando até algumas vezes são inexistentes, como por exemplo no Cinemark Shopping União (Osasco). Por outro lado, vemos que em regiões nobres onde há um índice de escolaridade maior, as salas são predominantemente legendadas havendo espaço para dubladas, porém em menor número. Particularmente prefiro filmes legendados, pois, assim consigo captar toda entonação dada na fala dos atores aperfeiçoando assim a experiência cinematográfica. Ademais, também ajuda a praticar meu inglês. Nada substitui as vozes originais. Filme dublado acaba descaracterizando totalmente o filme com falas erradas, entonações diferentes e vozes não condizentes com os atores. Essa é a verdade.

É complicado, tenho uma namorada com deficiência auditiva. Ela adora animações, mas não pode ver nenhuma no cinema porque é tudo dublado. Uma coisa tão simples de se resolver, principalmente na tv, e tantas vezes isso é desrespeitado. Existem tantas leis de inclusão para deficientes e ela continua sendo desrespeitada por essa deficiência...

Tenho uma namorada com deficiência auditiva. Ela adora animações e estava super animada para ver Procurando Dolly. Não havia um única cinema exibindo legendado. Ela não pôde ver. Isso é preconceito com dublagem também? Pra esses casos ninguém se importa, né?

Em TV à cabo você tem opção de escolher entre dublado e legendado. Então por que a reclamação? Você diz que não vê benefício na dublagem. Se diz isso de forma geral está sendo preconceituoso sim. Porque, como citei no comentário acima, há muitos benefícios. Pode não ter pra você, mas pra muita gente tem!

Sim, eu quiz dizer se eu, BRASILEIRO, pegasse um filme nacional e colocasse dublagem americana por cima porque eu não gosto de ouvir português Isso sim seria preconceito com o trabalho nacional.

Milhoes de analfabetos assistem TV à cabo? E por sinal, filmes legendados ajudam no desenvolvimento da leitura e escrita, portanto... Aí você já tá pegando um grupo de pessoas onde dublagem não é opção, é necessidade. E aí é óbvio que eu concordo. Mas não é porque eu acho que essas pessoas em específico deveriam ver dublado que eu pense que todo o Brasil deva ver dublado. Não, não vejo. Você perde qualidade sonora, você não tem a entonação e interpretação do ator que estava realmente na cena e sendo dirigido pelo diretor do filme e às vezes fica refém de dublagens terríveis. Preconceituoso como e contra quem?

Sim, está certíssimo

Existe preconceito quando uma pessoa que prefere legendado começa a criticar um trabalho de dublagem sem sequer ter visto o tal trabalho. E isso é bem comum. Existe tanto a "questão de gosto" quanto o "preconceito".

Atualmente os atores estão melhores, mas, sim. A dublagem de Sobrenatural sempre foi muito boa. Alguns erros de tradução aqui e ali, mas, normal... As escalações sempre foram certeiras.

Se esse filme for distribuído nos EUA, não, amigo. É somente adaptação à cultura do espectador.

Há dois lados dessa moeda tb. Globais dublando? Depende. Se for um ATOR global, não há problema nisso, até pq o requisito mínimo e principal para trabalhar na dublagem é ser ator. Imagine que uma distribuidora vai colocar um filme no cinema, uma animação, por exemplo. O filme terá basicamente só cópias dubladas, ou a maioria. Aí, essa empresa decide fazer testes e escalar o Rodrigo Santoro e a Giovana Antonelli pro casal principal do filme. São dois nomes grandes do cenário nacional que vão vender publicidade e atrair o público, inclusive, pra dublagem. Mas, óbvio, o trabalho tem que ser bem feito. Botar o pessoal do Pânico pra dublar é que não vale.

A qualidade da dublagem brasileira caiu, de fato, pq houve um sucateamento da prática. Os distribuidores buscam estúdios baratos, geralmente menores ou novos, o que resulta numa qualidade bem mais baixa. Isso sem contar nos prazos criminosos que os profissionais de dublagem geralmente recebem.

Eu não entendo todo esse "desprezo" pela dublagem. Eu acho que cresci mal acostumado com programas dublados. Então até hoje eu não tenho problemas com isso. *_* Mas eu assisto algumas coisas legendadas também. Depende muito.

E quem já leu alguma "crítica" do pedante Pablo Villaça sabe que ele é um dos nomes que sempre faz campanha para acabar com a dublagem no Brasil!

Supernatural também acho que foi salvo pela dublagem. Pelo menos Sam e Dean!

O preconceito não vai de quem não gosta de assistir a filmes dublados, mas sim de quem diz que não vê benefício na dublagem (como um cara ali comentou) ou que a dublagem devia acabar. Isso, além de acabar com muitos empregos, tira a experiência do cinema para analfabetos, cegos, idosos e crianças....

Concordo que não seja preconceito de algumas pessoas. Mas muitos abominam a dublagem e pedem que acabe com esse tipo de serviço, sem pensar em analfabetos, crianças e idosos que não conseguem mais ler as legendas

Na verdade a versão dublada consegue ser mais fiel que a versão legendada. Isso eu posso te dizer...

Geralmente as versões dubladas tem uma tradução melhor do que a versão legendado. É um mistério do qual não consigo entender!

Não vê benefício na dublagem em um país com milhões de analfabetos? Não vê benefício na dublagem onde idosos já não conseguem acompanhar mais as legendas rápidas com seus olhos cansados? Não vê benefício na dublagem em um país com uma das melhores dublagens do mundo? Seu comentário além de ridículo soa preconceituoso e burro!

Existe sim uma segregação até que imposta pelos cinemas, imposta certamente por causa do retorno financeiro, pois se você for em shoppings mais populares é quase impossível encontrar sessões legendadas, enquanto em shoppings de alto nível social é muito mais fácil. No meu caso sempre prefiro legendado pois por mais que os dubladores façam um bom trabalho nunca será a mesma coisa que ouvir a interpretação original do ator. Outra coisa que me incomoda são as adaptações no texto feitas para que a dublagem se conecte com a imagem. E algo que não entendo são as traduções, no caso da legendas, que só de ouvir o ator em inglês, você sabe não foi aquilo que realmente ele disse.

Povo tem preguiça até de ler legenda, imagina ler livros.

Fato cara, não existe preconceito nenhum em querer assistir a obra na forma como ela foi criada. Preconceito seria eu pegar um filme nacional e colocar dublagem americana por cima

sim... o ideal é aprender o idioma da obra que está assistindo... o que me lembra que preciso aprender japones... o povo da legenda dos animes (aos quais agradeço muito pela não cobrança por sua atividade) pela natureza não (eu acho) remunerada de seus serviços deixa a desejar na observancia a correta grafia de algumas palavras em nosso idioma.

Não é infantil, é fato. Legenda tira atenção de quem não está acostumado. E não estou falando de qual incentivo é correto ou não, estou dizendo do que acontece. Eu aprendi a falar ingles só com filmes e séries legendados cara. Todo mundo que eu conheço que assiste filme legendado se dá bem com ingles. Quem eu conheço que é travado com inglês sao justamente quem só assiste filme dublado.

meio infantil sua alegação... legendas tiram sim parte de sua atenção a obra... para alguns isso não faz diferença alguma (eu me incluo nesse grupo) para outros isso é importante, por essa a razão a preferencia pela dublagem. O incentivo correto para a leitura sempre foram jornais, revistas e livros e hoje a internet (que eu não recomendo, muita gente escreve errado pelos mais diversos motivos... eu me esforço para escrever certo...acho...)

As legendas não são não fieis... não seja ingenuo... percebi ultimamente um grande aumento na tradução literal, direto do roteiro de falas para o tradutor automático... pra quem entende o idioma original da obra isso fica bem claro a preguiça no trabalho de legendar, que pode prejudicar a interpretação da obra para aqueles que não entendem o idioma original da obra.

Comentário show. Vlw Ultraman.

Não existe sistema perfeito. Na dublagem, de fato, se perde a interpretação vocal do ator (se bem que no caso de Silvester Stalone, Arnold Scharzneger entre outros, é uma vantagem), mas ganha-se na íntegra do texto falado e em uma maior atenção à visualização da cena como um todo, já que não há a necessidade de se ler vários textos ao mesmo tempo em que se tenta prestar atenção às imagens ao fundo. Já na legendagem, ocorre-se o oposto, ganha-se a entonação e a interpretação original do ator (o que vale muito em se tratando de Ian McLean e Anthony Hopkins), mas perde-se a integralidade do texto pois, muitas vezes, o texto tem de ser resumido para caber na tela e na secundagem da cena, isto sem falar na divisão da atenção entre leitura e cena, como já visto hoje. Os dois sistemas tem méritos e deméritos e é do gosto pessoal a preferência por um ou outro, sem nenhuma necessidade de depreciar que tem uma escolha diferente da nossa.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Janela 7...

Problema de dublagem é que favorece a preguiça do público e também perde muita qualidade de efeitos sonoros. Filmes com legenda, além de te proporcionarem o áudio original você ainda lê mais, melhorando qualidade gramatical e de bandeja acumula conhecimento em ingles. Sinceramente, não vejo benefício nenhum de dublagem

Sim, as legendas são. Já vi um filme dublado em que havia um técnico que formatava computadores aí um homem entrou na loja e disse: Você formata computadores? O técnico: Eu formato computadores com o sistema janela 7, janela 8 e janela 10... Depois disto só passei a assistir filmes e séries legendados, até porque as dublagens BR's poucas são boas, é questão de se contar nos dedos.

E as legendas são fiéis? É apenas uma pergunta, sem maldade alguma.

Geralmente dublagens brasileiras não são fiéis as falas originais, por isto que não vejo nada dublado.

Questão de opinião. Assisti a Esquadrão Suicida no cinema e não tenho nada de ruim pra falar da dublagem.

A dublagem brasileira que era considerada boa decaiu MUITO de uns anos pra cá. Diversos filmes atualmente estão inacistiveis dublado, como no caso do Esquadrão Suicida. Até as dublagens fod4s das animações estão dificeis de digerir...

Depende. Existem ótimos dubladores que conseguem passar boa parte da emoção na dublagem. Mas em alguns casos, perde mesmo.

Sem dúvida. 'De volta para o futuro' basicamente é um filme que eu só consigo assistir dublado. Certas experiências são insubstituíveis...

A questão não é nem preconceito. 50% da atuação se encontra na entonação de voz, e na dublagem perde-se essa metade.

Concordo 100%

O que cria o preconceito são os textos veiculados na mídia contra a dublagem, tal como o que foi citado pelo dublador na matéria, que foi publicado em um jornal no ano de 1970: "Esta noite vai passar o filme Camelot, com Richard Harris na televisão. Só lamento ter que ouvir Harris com um sotaque do Méier". Isso mostra que o preconceito está arraigado na nossa cultura, já existe por aqui há muito tempo. E com a liberdade de voz dada a todos pela internet, isso só piorou. Mas viva a liberdade.

Não tenho preconceitos contra dublagem! Na verdade, eu adoro.. quantas lembranças maravilhosas da infância! Eu sou contra é ator global da voz de cu dublando essas novas animações.. aí o jeito é recorrer ao legendado! Selton Mello é foda porque ele começou como dublador!

A preferência de cada um tem que ser respeitada. Há quem goste do original sem legendas, por entender a língua inglesa. Há quem prefira assistir com legendas e, por último e não menos importante, quem prefira dublado, como eu. A tolerância quebra qualquer preconceito. Aceitar o gosto dos outros sem violar o seu próprio é primordial. Cada um decide como quer assistir e pronto, simples assim. Não critiquem o que difere do seu gosto, cultura ou costume. E sejam felizes. O que eu acho muito mais importante dessa discussão, é a manutenção dos empregos para os profissionais da área de dublagem. E não são apenas os dubladores. Inclui também diversos outros profissionais, como os de edição de áudio, entre outros. Respeitem esses profissionais e o gosto alheio, mas continuem assistindo às obras do jeito que bem entenderem.

algumas vezes até dá certo zootopia e divertidamente são exemplos disso,mas por outro lado temos o exemplo da Pitty e do Roger

Tenho a impressão que o problema passa longe de preconceito. Sinto que a dublagem brasileira, de um modo geral, caiu muito em qualidade. Produtos entregues nas mãos de diretores de dublagem sem tempo de aprofundar o conhecimento da obra original (e pra piorar, quase sem briefings ou com roteiros superficiais em mãos que pouco ajudam) e sem tempo e autonomia de conduzir melhor seus dubladores (caso super comum em videogames). Culpa, acredito, dum mercado apressado e competitivo, que força estúdios a terceirizar, no modelo de freelancers... a apertar nos prazos... a economizar no casting... e a gente vai ficando com falta de profissionais mais experientes, como ficou comum personagens mais velhos serem interpretados por dubladores jovens. E por aí vai...

pois é.. geração mimimi.......

Por isso que amo a Netflix....e na falta da série.. procuro na internet...

não acho isso preconceito.. e sim questão de gosto....assim como tem gente que prefere ver legendado, tem pessoas que preferem ver dublado... Acho que o tema "Gramado discute o preconceito" acaba reforçando isso

As vezes o problema dos filmes dublados é dar preferência por gente famosa no lugar de colocar dubladores ,digamos profissionais,o que na minha opinião é algo que tira a graça de um filme ou animação.Já vi muita dublagem ruim por causa disso.

Colocação infeliz e tema do evento também... Na minha opinião tem público para todo gosto... na minha adolescência curti muito as dublagens de Curtindo a Vida Adoidado, De volta para o futuro, Caça Fantasmas e etc.. hoje já prefiro assistir com legendas, já de olho da atuação e vozes originais como do Kiefer Sutherland e nos jogos, prefiro por exemplo a voz original do Nathan Drake....Insistir em colocar como preconceito ao contrário, estará reforçando isso

Márcio Seixas não tem apenas uma boa voz mas também é um ótimo intérprete, o que não ocorre com a maioria de seus colegas que atuam hoje no mercado. Esse é um dos motivos da dublagem ser tão mal vista. Pior é quando ocorre a substituição de atores: o próprio Márcio dublou muito bem o Alfred em "Batman Begins" e foi substituído nos filmes seguintes.

Eu estou meio farto do amor e ódio recomendado a todos em 2016, sobre tudo relacionado a cinema, e sobre esse assunto, que sempre foi recorrente, não seria diferente. Dublagem também é atuação, não é só ler a tradução por cima. Existe uma adaptação do texto, do tempo e da entonação para que encaixe e faça sentido, alguma coisa pode se perder nisso, mas por não sermos nativos podemos perder coisas legendadas também. A representação completa é com a voz original, mas a dublagem é um trabalho importante e alguns filmes eu acabo preferindo assistir, pelo menos na primeira vez, dublado, seja pelo horário da sessão ou pelo 3D. Tem gente que não gosta de ler porque tira a atenção completa que poderia ter à imagem, porque não está afim de ler naquele momento ou porque simplesmente gosta e não porque não sabe ler ou porque não dá importância a voz original. Pois é, só me incomoda repetirem muito as vozes.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus