Filmes

Malévola | Crítica

Angelina Jolie brilha, mas reinvenção do conto de fadas não a acompanha
-
2
2

4
4

5
5

3
3

1
1

Cuidado com os possíveis spoilers!

 

Malévola foi concebida como a “senhora de todo o mal” e, desde 1959, reinava como a mais cruel e poderosa das vilãs da Disney. Em 2010, porém, o estúdio decidiu destituir a personagem do seu posto. Seu nome podia evocar a crueldade daquela que, por despeito, condenara uma bela princesa ao sono eterno, mas sua verdadeira história não era assim tão maniqueísta.

Para transformar a antagonista em heroína, contrataram Linda Woolverton, responsável pelos roteiros de A Bela e a Fera, O Rei Leão e do Alice no País das Maravilhas. Robert Stromberg, mais conhecido por seu trabalho como designer de produção em AvatarAlice no País das Maravilhas e em Oz: Mágico e Poderoso, faria sua estreia na direção, assumindo o posto recusado por Tim Burton, David Yates e David O. Russell.

O nome essencial para a criação da nova Malévola, entretanto, foi Angelina Jolie. A atriz, citada já nos primeiros estágios do projeto, assumiu sobre seus ombros o peso da produção, cuidando pessoalmente de cada detalhe da sua personagem. Sua encarnação é precisa. Honra o filme original, acertando o tom malicioso da dublagem de Eleanor Audley, e é tão elegante quanto os traços definidos pelo animador Marc Davis. Ainda assim, sua Malévola não é um cosplay requintado. Jolie domina cada fala, se diverte, criando um trabalho único. É uma pena, então, que o seu esforço não encontre um filme à altura.

Logo nos minutos iniciais, Stromberg apresenta o espalhafatoso reino dos Moors. Um mundo que, apesar da natureza exuberante, é habitado por criaturas em computação gráfica sem carisma. Malévola, então uma garotinha (Isobelle Molloy), protege a floresta encantada da inveja dos homens. Aqui, a personagem troca o maligno preto por tons terrosos e seus já conhecidos chifres são acompanhados por asas. A história da fada-anjo se transforma quando ela conhece Stefan (Michael Higgins na infância e Sharlto Copley na vida adulta). O jovem humano ganhará sua confiança, jurará “amor verdadeiro” e a enganará para passar de reles plebeu a rei.

Malévola, portanto, não é mais uma fada-madrinha ressentida por não ser convidada para uma festa, é uma mulher traída. Quando lança a famosa maldição contra a filha de Stefan, a princesa Aurora (Elle Fanning), ela busca vingança contra aquele que roubara a sua inocência. Essa transição de boa para má é brusca. Um punhado de cenas que muda didaticamente o seu figurino, mas não desenvolve o seu estado emocional. Com 97 minutos, o filme se afoba para percorrer o arco de mocinha-vilã-heroína e esquece de dar a prometida tridimensionalidade a sua história e aos seus personagens.

As fadas Fauna, Flora e Primavera, rebatizadas Thistletwit (Juno Temple), Knotgrass (Imelda Staunton) e Flittle (Lesley Manville), perderam completamente o encanto, por exemplo. Seja nas suas versões bizarramente reduzidas em computação gráfica, ou nos seus disfarces “civis”, que usam para criar a princesa longe do castelo e protegê-la da maldição, as três personagens são exageradas e servem apenas como ponte para criar a ligação maternal entre Aurora e Malévola.

A princesa, apesar do talento de Fanning, também não consegue o espaço necessário para se desenvolver. Quando chega à adolescência é apenas uma menina excessivamente ingênua, que não esboça qualquer reação ao descobrir que seu pai é o grande vilão da história. Dieval (Sam Riley), o metamorfo ajudante de Malévola, também merecia mais tempo em cena. Não fossem tão rápidas, suas interações com Jolie, além de criar um alívio cômico pontual, dariam corpo à revelação da verdadeira índole da protagonista.

Malévola é fruto de uma nova safra da Disney que repensa seus clássicos para educação de uma nova geração, descartando arquétipos de princesas frágeis e heróis galopantes que salvam o dia com um beijo. Depois de Alice no País das Maravilhas e Frozen, foi vez da rainha das vilãs revelar ao público que existem outras formas de “amor verdadeiro” além daquelas que oferecem os príncipes encantados. Ainda que a intenção seja louvável, na pressa para criar uma nova moral, Malévola esqueceu de contar uma boa história.

Nota do crítico (Bom) críticas de Filmes
Galeria de imagens (131)

Gostei do filme, os efeitos especiais são bons, a história é bem interessante e a atriz interpretou bem o papel, mas... A Disney tentar converter a Malévola num personagem benigno não cola. Desde o primeiro e único desenho “A Bela Adormecida” a Malévola é tida como a vilã mais poderosa e cruel da Disney, quem não assistiu, veja. Tanto isso não deu certo, que recentemente a própria Disney lançou um filme chamado “Descendentes” (assistam), onde a vilã principal da história é a própria Malévola. Existe também um jogo que foi lançado após o filme “Malévola” chamado “Disney Infinity”, onde a Malévola também é a vilã.. e nem precisam jogar para perceber isso, podem ver o trailer no YouTube “Maleficent and Merida – Disney Infinity”. Sem mencionar o grande e famoso jogo de sucesso chamado Kigdom Hearts onde existem vários vilões de jogos em jogos, mas a Malévola aparece em 99% deles SEMPRE e querendo dominar tudo e matar todos. E tem outros desenhos da Disney também em que ela faz aparições especiais como “House of Mouse”, etc... sempre como vilã. Então assim, a Disney querer que as pessoas acreditem que um ser de chifres pretos, que usa roupas pretas, que anda sempre com um corvo junto e tem o nome de Malévola seja visto como herói é uma ideia um tanto ousada... que obviamente não deu certo. Não confundam o filme ter feito sucesso por causa da Angelina Jolie ter feito o papel, com as pessoas terem amado a Malévola ser “Benévola”. Malévola será eternamente a vilã mais poderosa e maligna da Disney, e nenhum filme pode mudar isso.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus