A Cabana
Filmes - Drama
A Cabana (2016)
(The Shack)
  • País: EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 6 de Abril de 2017
  • Duração: 122 min.

A Cabana | Crítica

Filme baseado em best-seller está mais próximo do culto do que do cinema

De boas intenções o Inferno está cheio. O cinema-parábola também, pois é a partir delas que ele cumpre sua vocação publicitária: vender um quinhão no Céu. Este filão, no qual o risível A Cabana (The Schack) se enquadra, dá conta de um filão audiovisual que tem como marco zero From the Manger to the Cross (1912), de Sidney Olcott, e cuja característica é servir como peça de propaganda a um credo qualquer ao qual se filie, sem a necessidade de abordar a Fé e seus desígnios como narrativa épica. É algo distinto do que se vê em produções como Rei dos Reis (1961), de Nicholas RayO Evangelho Segundo São Mateus (1964), de Pier Paolo Pasolini, ou Noé, de Darren Aronofsky: neles, os relatos bíblicos são empregados como metáforas míticas para uma discussão sobre a condição humana, fazendo do Homem seu foco.

Não é o que se vê em parábolas como Quarto de Guerra (2015), um êxito recente dessa linhagem, que existe para disseminar a onipotência do Senhor. Cabe na definição tanto produções de verve espírita assumida, como Bezerra de Menezes – Diário de um Espírito (2008) e o fenômeno popular Nosso Lar (2010), como homilias católicas como Aparecida – O Milagre (2010). Porém, majoritariamente, essa linhagem é fornida de títulos de evangelização protestante - como sucessos recentes tipo a franquia Deus Não Está Morto (2014-16) - nos quais cada diálogo é uma frase de culto, uma louvação estruturada como um dispositivo para educar. A educação em questão é a dos desígnios da religião ali presente.

Inspirada no best-seller de William P. Young, lançado aqui pela SextanteA Cabana desfia o rosário do cinema-parábola em glória da fé cristã sem nenhum pudor de disfarçar sua verve de propaganda, o que compromete seu vigor dramático. Não há por parte do diretor do longa-metragem - o inglês Stuart Hazeldine, do thriller Exame, de 2009 – nenhum esforço de criar uma dialética e ir além do Pai Nosso Que Estás No Céu. Há um esboço de trama (num registro de suspense) que servirá como espinha dorsal: o carpinteiro Mack Phillips (Sam Worthington) leva sua família para acampar em um bosque e sua filha caçula (seu xodó) desaparece, no que pode ser um rapto. Não tarda para que a suspeita de sequestro se confirme e, para piorar, a menina foi morta por seu raptor. A notícia gera no peito de Pack – um cristão devoto – uma sensação de absoluto desespero o que acaba por desconectá-lo de seus parentes.

Um dia, uma carta aparece em sua caixa de correio convidando-o a voltar ao chalé onde os vestígios da garota foram encontrados. A necessidade de se vingar do homem que sequestrou sua criança arrasta ele de volta à floresta, para a tal “cabana”. Lá, ele tem uma epifania: um encontro com o Divino, representado por três entes místicos que se dizem fatias de Deus (Octavia Spencer numa atuação desleixada; Sumire Matsubara; e o ótimo Avraham Aviv Alush, que garante os únicos instantes de vitalidade do filme). Do papo com eles, Mack se embrenha num rito (alongado à exaustão ao longo de uma hora de flores nascendo nos campos e de sermões intermináveis e repetitivos) de redenção, para reaver a autoestima perdida, a crença (cega) no Pai e o Perdão. Ok, tem Alice Braga (sempre ótima!) numa pontinha, também pregando ao Alto. Mas nada que atenue o mimimi carola que acaba reduzindo o (respeitável) debate religioso a uma caricatura colorida de felicidade plena.

Em quesitos mais técnicos de fotografia ou de edição, A Cabana é puro excesso: todas as cores são saturadas, todos os cortes são bruscos. As atuações parecem pautadas pelo exagero também, com exceção para Braga e Alush. E, em termos de roteiro, há um prólogo, centrado na relação de Mack com seu pai, que parece tentar justificar as escolhas e os sentimentos do protagonista, mas não dá conta da tarefa. Sobra do filme apenas o tédio. Que Deus tenha piedade de seu realizador.

Nota do crítico (Ruim) críticas de Filmes
 

não existe filme para publico especifico... se fosse assim esse não poderia ser transmitido no cinema ou na TV e sim na Igreja...

Confuso é esse filme... que coisa sem sentido isso que vc escreveu... só assiste filme sobre o que acredita? Um tanto esquisito vc...

‘A Cabana’ recicla o óbvio, mas a intenção é válida Existe uma pressão hoje para que a felicidade seja constante, quase que obrigatória. Claro: a vida não é assim. Talvez por trabalhar isso escancarando uma das piores dores humanas e usando a espiritualidade como caminho para superá-la é que o livro, agora tornado filme, ‘A Cabana’ faça tanto sucesso. Mack (Sam Worthington), o protagonista, precisa reviver os fatos que causam uma dor suprema para só então libertar-se verdadeiramente dela. O percurso de Mack passa pelo cristianismo. Afinal, boa parte da história retrata a representação da Santíssima Trindade, representação escolhida para (tentar, pelo menos) estraçalhar estereótipos. Um dos diálogos, no entanto, aponta: Deus não quer a religião como regime escravocrata, no qual ritos e dogmas se sobrepõem às boas ações. Dessa forma, a obra pretende lançar uma mensagem de caráter mais universal. Assim como o livro do escritor canadense William P. Young, o filme dirigido por Stuart Hazeldine mergulha na pieguice e aborda algumas questões óbvias. Nestes tempos, porém, o óbvio parece ser ignorado ou esquecido. Nesse sentido, ‘A Cabana’ investe em lições elementares, mas que nem por isso abandonam a necessidade de serem devidamente relembradas. Dentre elas estão a importância da atenção genuína ao próximo, do poder transformador da verdadeira conexão e da autêntica intenção de ouvir. Há, também, uma exposição do absurdo que representa o julgamento constante do outro sem conhecimento da essência de cada ser humano e das mais íntimas motivações que levam as pessoas a fazerem o que fazem. Sim, nesta obra, o óbvio e o piegas andam de mãos dadas. Mas os frutos dessa união podem, eventualmente, apontar um caminho revelador para muitos. Terapêutico, até.

devia ter se informado mais e não ia perder o seu dinheiro, o filme é baseado num livro e logo não ia fugir dele. como vc quer se emocionar em um filme que fala de Deus se vc nem acredita, me desculpe mais seus argumentos são muito confuso.

tambem gostaria de saber! :)

ta...vc entra na categoria para quem é chato pra caralho uhauhauhauhauh

não muito... mau gosto se escreve com U. Mas vc tá certo... pra quem é religioso o filme é melhor do que para quem não é.

kkkk.. concordo com vc... kkkk muiiiiiiito chato.. é de dormir e roncar !

para quem e fanatico religioso ou com mal gosto melhorou?

Esses filme baseados em livros best sellers tendem a lotar.. justamente pelo sucesso do livro. Mas .. isso não faz dele um filme bom. Assim como o livro ser um best seller também não lhe dá um premio de literatura. O filme tem erros de direção e de atuação do ator principal.

porque audição de superhomem ? ah.. ultra vermelho é uma frequência visível.. se vc queria se referir a uma frequência invísivel aos olhos humanos deveria ter dito infra vermelho, fica abaixo do vermelho e é invisível porém carregada de calor. Não preciso de visão infra vermelho, a luminosidade da tela dentro do cinema basta.. se é a isso que você estava se referindo

Isso eu concordo.. a critica foi feita mais para a religião do que para o filme. O filme por sua vez foi mal feito, mal desenvolvido e mal interpretado.

Eu não sou religioso e achei o filme chato.. arrastado e sem enredo. O diretor e o ator principal são péssimos..

kkkk.. por causa de uma critica ? kkk.... ele é critico tem uma opinião, escreveu aqui e você te a opção de não ler. Agora.. querer que ele queime no inferno por ter feito uma critica negativa significa que vc não aprendeu nada nem no filme

Ele pode ter entendido.. só não gostou. Não é porque vc achou lindo que todos tem que gostar.

Não entendeu nada das lindas mensagens desse filme maravilhoso ... assiste de novo ...

Eu assisti o filme e adorei. Muito bom. Pra mim esse artigo é de alguém muito decepcionado com a fé.

Assisti o filme ontem (17/04/2017) e concordo plenamente com as palavras descritas acima...

Putz, o filme é chaaaaaaato. Piegas até o último frame. Acho que o diretor se equivocou na transposição do livro para a tela, mas, verdade seja dita, é sempre difícil mesmo transpor um bom livro para a tela.

Penso que o filme nos faz refletir sobre a capacidade de perdoar.Se nos prepararmos para esse sentimento,mais qualificados estaremos e menos sofrimento acumularemos ao longo de nossa jornada. O maior inimigo do homem é ele mesmo.Felizes os preparados de espirito,pois vencem todos os seus obstáculos.

Sobre não mostrar a minha imagem, fiz uma conta só para o omelete. Confesso que nem sei como coloca foto aqui. Mas se colocasse, deixaria aqui mais "feio"....hahahahahaha

Concordo completamente com você! Achei a critica sobre o fato de ser religioso, pois pra mim, o filme foi excelente, passou a mensagem que tinha que passar e pronto.

Simone, na sua primeira resposta, você começou falando que pessoas religiosas são complicadas, que não gostam de beijo gay, que não são intelectuais suficientes para entender o texto e por ai vai (o ataque começou ai). Eu te respondi numa boa tentando contra-argumentar sua opinião. Nem entrei no mérito se você tem alguma religião ou não. Acho que isso não importa. Seu argumento não será mais ou menos válido se tiver ou não alguma fé. Já a sua segunda resposta, você falou que religioso é chato, sem noção, modinha, que sofre lavagem cerebral, preconceituoso, machista, formalista (?) e intolerante. Isso sem eu nem ter falado se tenho religião ou não. Generalizar que toda pessoal religiosa é daquele jeito é sim preconceito. Não estou defendendo o filme. Ele pode merecer 1 ovo mesmo. Mas a crítica se preocupou mais em criticar o tema do filme do que do filme em si. Sei que a temática do filme é cristã, mas se colocar alguém que não "sabe de nada" sobre isso para criticar justamente a temática, acontece o que aconteceu com essa crítica. Como eu falei, é a mesma coisa que minha vó fazer uma crítica sobre a temática de filmes de super heróis. Gostei mais da pequena crítica que você fez agora do que da do Omelete. Só uma "crítica" a sua crítica. Se é bom ou ruim o filme fazer uma publicidade a Igreja Cristão, vai depender do ponto de vista de cada um. Para os cristãos isso é bom, mas para os não cristãos é ruim. Por isso, acho que críticas especializadas (tipo do omelete) não deveriam entrar nesse ponto porque vai do "gosto" de cada um. Acho que um crítica boa deveria tentar ao máximo não levar em consideração gostos pessoas. Sei que é impossível ser 100% imparcial. Desculpe se fui arrogante ou ataquei a sua pessoal. Não foi a minha intenção. Tentei criticar uma atitude que você teve e não você como pessoal.

Olhe quem está atacando quem na discussão! Sei usar ponto e vírgula, porém não estou produzindo um texto valendo nota ou vaga de emprego, estou discutindo com uma pessoa que nem a própria imagem mostra. Você mostrou-se uma pessoa totalmente arrogante, fala sobre a liberdade de dar sua opinião, divulgue sua opinião e mostre seus argumentos. Em que trecho do texto ele ataca religiosos ou alguma religião? Críticas são criticas, o filme é religioso, logo vai haver criticas sobre a abordagem religião que é dada no filme. Discorda da crítica? Faça sua critica positiva sobre o filme, ao invés de ficar criticando a critica. O filme pra mim e pra muitos foi visto e entendido como a versão do critico, o filme realmente parece ser uma publicidade a Igreja Cristã, infelizmente usaram uma trama de um livro que tinha tudo pra ser um filme bom em algo pra tentar educar e levar pessoas a igreja, não vi no filme algo emocionante ou estimulante, algo que nos coloque a pensar, a refletir sobre a fé, sobre o perdão, todas as falas dos atores eu já ouvi dos pastores. Estou muito curiosa pra ler sua opinião sobre o filme, quais partes gostou, o que te emocionou, qual ator ou atriz se superou em atuação, gostaria mesmo de ler seu ponto de vista sobre o filme em questão. Aguardo ansiosa sua resposta!

Filme muito bom, tremenda lição de vida, mas para senti-lo de fato há que se ter coração no lugar da caixa registradora! Não possuo nenhuma religião, portanto vi o filme de forma imparcial, somente com os olhos do coração. Lindo!

Interessante aqui: "Vies da confirmação" O viés de confirmação é o pai de todos os erros de pensamento — a tendência de interpretar novas informações de modo que sejam compatíveis com nossas teorias, visões de mundo e convicções. Em outros termos: filtramos novas informações que estão em contradição com nossas visões (na sequência designadas como evidência desconfirmatória (disconfirming evidence). Isso é perigoso.... Segundo: Devido à sua inconsistência, convicções religiosas e filosóficas são solos extremamente férteis para o viés de confirmação. É onde ele se espalha descontroladamente. Os que creem sentem a existência de Deus confirmada a cada passo. O fato de Ele não se apresentar diretamente — a não ser diante de analfabetos em regiões desertas e em aldeias remotas nas montanhas, mas nunca em uma cidade como Frankfurt ou Nova York — deixa claro quão forte é o viés de confirmação. Mesmo a objeção mais concludente é filtrada e descartada. Terceiro: Ataques pessoais (argumentum ad hominem) Ataca-se pessoa que apresentou um argumento e não o argumento que apresentou. A falácia ad hominem assume muitas formas. Ataca, por exemplo, o caráter, a nacionalidade, a raça ou a religião da pessoa. Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa, por ter algo tem algo a ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas suas companhias. Ou Seja esqueceram de atacar a opinião do Critico e começaram a atacar a Pessoa em si questionando sua qualificação... ao invés de seus argumentos... Quarto: Mais uma vez somos vitimas das nossas limitações.

Exatamente! Essa gente pensa que sabe tudo ou que sabe demais. Aliás, uma das lições do livro (e do filme) é sobre isso.

Como obra cinematográfica não gostei muito, deixou mesmo a desejar. Já o livro é maravilhoso!!!!!! Porém, parece que o autor desta crítica misturou as bolas. Nota 5 de 0 a 10 pra crítica e tb pra alguns comentaristas aqui.

Ponto e vírgula deveriam ser algo popular, mas tudo bem. Já percebi que você é daquelas que preferem atacar a pessoa do que as ideias. Nenhum momento falei se tenho ou não religião, mas insiste em me atacar. E eu que pensei que os "religiosos" que fossem os intolerantes. Nem vou contra-argumentar seus ataques porque vi que não vai adiatar de nada. Você vai voltar com mais ataques pessoais sem nem me conhecer. Típico de gente preconceituosa. Mais vou te falar uma coisa que acredito: liberdade. Assim como eu tenho direito de fazer uma crítica a uma crítica de filme, você tem o direito de elogiá-la e até criticar a minha crítica. Agora, ataques pessoais demonstra que você age da mesma maneira daqueles que critica. Espero que sua filha, assim como meu filho, possam crescer em um país onde as pessoas possam pensar diferente sem sofrerem ataques pessoais.

leia e releia qntas vezes precisar... ou então mostre onde ele ataca a religião ou a fé... escrevo de uma forma popular mesmo... principalmente pq aqui não é uma discussão de intelectuais... pq até se fosse estariam discutindo sobre coisas mais importantes do que esse filme tosco... vcs religiosos são chatos e sem noção... agora virou "modinha" ser cristão no Brasil... haja paciência pra aguentar vcs na web... coloquem na cabeça uma coisa... a lavagem cerebral q deu certo contigo, não deu e nunca dará comigo... e não sou obrigada a aturar suas ladainhas sobre religião na web... assim como vcs não qrem ver casais gays na tv ou na web eu não qro q meus filhos sejam influenciados pelo preconceito, machismo, formalismo e intolerância de vcs...(mesmo eu sabendo q não influenciam pois minha filha de 12 anos tem a mente mais aberta que os mais velhos de vcs) ... OHHHHHHHH GENTE CHATA E SEM NOÇÃO...

Achei o filme ótimo. Muito bom ver críticas ruins. Normalmente é o contrário, como este.

Obrigado Richard. Agora, fazendo um rápido comercial, quando puder visite meu canal no youtube. https://www.youtube.com/channel/UCYMxerdtsVLwuGyX1J-Fu8w

A escolha de um crítico deveria ser por seu conhecimento na área (cinema no caso). E parar ter esse conhecimento é preciso estudar tanto história do cinema como aspectos técnicos. Em nenhum momento eu falei qual era a minha fé (ou se é que tenho alguma). Agora, religioso tem o direito de reclamar da que quiser, assim como você tem direito de reclamar da religião dos outros. O problema é que essa crítica deveria ser sobre um filme e não sobre a fé. Esse é meu ponto. Entro no Omelete parar ler sobre cinema e vídeo games que é o que o site propõe e não para ler a opinião de um crítico sobre a fé. Acho que você que deveria reler o que eu escrevi antes de sair atacando "religiosos". Se eu precisar ler várias vezes uma crítica para entender demonstra que o problema está em quem passa a informação e não quem recebe. Princípio básico de comunicação. Acho que você não leu o livro para achar que precisa ser intelectual para entendê-lo. "acho que ele deveria ter usado palavras e sentenças mais populares pra vcs entenderem..." hahahhaah...não sei não, mas a forma como escreve, acho que isso se aplicaria a você.

kkk

boa pergunta... seria um ataque a nosso ateísmo?

Vc sabe como é escolhido um crítico? Não vi em momento algum do texto ele criticando sua fé... Religiosos são pessoas complicadas... caso se trate de um filme da Disney que tenha um personagem gay, vcs criticam um monte, uma beijo gay na tv, nossa é o apocalipse chegando, comerciais que mostram que produtos são vendidos a todos, da família formal a um casal gay com filhos (qm consumir esses produtos adoram o diabo)... Mas criticou um filme que fala do cristianismo (nossa esse critico está atacando a minha religião)... Filmes são feito a todos... de beijo gay a sermões religiosos... todos passiveis de criticas boas e ruim... leia por várias vezes q vc vai entender a critica... acho q ele fez uma descrição que leigos em criticas de filmes dificilmente entenderiam... principalmente pq não é um filme onde a maior parte do público são intelectuais... acho que ele deveria ter usado palavras e sentenças mais populares pra vcs entenderem...

Realmente a atuação dela foi a melhor... tanto que nem ouvi a ladainha da fala dela... fiquei olhando ela como se ela fosse um marionete... certamente a fala era algum mimimi cristão, ou então algumas falas prontas de pastores da universal... ela é linda e uma boa atriz...

Exatamente, gaste seu tempo indo menos a igreja e estudando mais, vc está totalmente equivocada... mas não sou quem vai lhe dar aula de história... aqui também não é uma discussão sobre fatos históricos ou sobre a Bíblia, é sobre o péssimo filme "A Cabana"... Fique em paz criança, ainda tem muito o que aprender...

Muito, mas muito ruim! Os 5 momentos péssimos são : 1-a canastrice do protagonista; 2-o pianinho irritantes nas cenas melosas; 3- a péssima atuação da Alice Braga; 4-o enredo enfadonho; 5-o tema piegas e irreal. Joguei dinheiro fora.

Soh pq o filme eh religioso não eh preciso gostar, existe sim excelentes filmes religiosos, exemplo: A paixão de Cristo. A cabana eh um filme horrível, mal dirigido e contado.

Isso não está na Bíblia não, Simone. O que é triste ver você atacando todas as pessoas que tentam gerar uma discussão em pleno século XXI, onde as cada pessoa está tendo mais voz e mais respeito! Para mim já deu de gastar energia aqui! A gente gasta com quem merece!

kkkkk... boa..

Eu me diverti mais com a sua... rsrs.. Mas entendi, vc teve aula de história com o pastor... vc está falando sobre o que está escrito na bíblia e não fatos históricos catalogados por historiadores... realmente tenho pena da sua inocência e ignorância... é triste ver garotas como vc em pleno século XXI... vc precisa de um professor de história urgente...

Me diverti com a sua resposta!

Quem é esse Rodrigo ridículo Fonseca?Que filme ele já fez?Nunca ouvi falar desse Rodrigo ridiculo Fonseca!!!Que Deus tenha piedade e de vc figurinha!!!!

Rodrigo, fui ver esse filme ontem meio a contragosto, pois já havia lido sua crítica e, por mais que eu tentasse, estava enviesado e acabei desmerecendo essa profunda obra. Minha namorada estava muito afim de ver e outro casal de amigos que estava comigo e, juntos, conseguiram sacar o filme e extrair importantes significados. Se você curte Starwars, Senhor dos Anéis e afins, esse filme nada mais é do que a Viagem do Herói de Campbell. Dá pra encontrar todos os elementos, desde, por exemplo, "o chamado" (a carta na caixa de correio), o encontro com o sobrenatuaral (representada pelas figuras da trindade) e a incrível experiência na caverna (as provações) onde, aliás é idêntica - conceitualmente - àquela que Luke Skywalker teve que enfrentar no Império Contra Ataca! O problema que pega pra muita gente, inclusive para mim, é o contexto cristão. Mas, ao mesmo tempo, essa era a realidade do personagem central, sua linguagem cultural, sua forma de ver a vida. Os elementos religiosos do filme são apenas aparências simbológicas e devem ser vistas apenas como alegorias que atuam num cenário mais profundo e desafiador. Enfim, não vou citar aqui toda a jornada do protagonista, mas o filme termina com o retorno do herói ao mundo com o elixir (sabedoria adquirida). Resumindo, um baita filme! Aconselho à você, Rodrigo, a revê-lo! Aliás, à todos vocês!!!

Acabei de assistir e pensei a mesma coisa. Achei mais um filme filosófico do que religioso, até porque não sigo nenhuma religião. Vi como um processo de superação de trauma baseado na análise de todos os contextos,e não senti em momento nenhum como se o filme estivesse tentando me "converter". Gostei principalmente do fato de "Deus" ser interpretado por uma mulher negra, Jesus por um homem de descendência árabe, que inclusive diz que não se encaixa no ideal cristão. Não achei tão evangélico quanto o crítico não, e me surpreendi ao gostar do filme.

Filmão da porra! Pra quem quiser ler o livro, fica a dica ;) http://compre.vc/v2/e6c8b26a

rapaz, difícil viu. Tem uma galerinha ai com doutorado e pós-doutorado que até afirma ser impossível :)

acho que o ponto da crítica é que o filme não passa de uma tentativa de evangelização mal feita. O problema não é a tentativa como ele bem afirma exemplificando com o Nosso Lar, é porque foi mal feito mesmo.

sim, essas citações a filmes antigos me incomodam muito. É uma crítica e não um texto acadêmico, mas não sei ao mesmo tempo é bom ouvir falar dessas obras....

Algumas críticas ficam filosofando com filmes antigos, ao invés de usar uma linguagem que se aproxime do público, apenas resaltando aspectos bons e ruins do filme analisado. Ninguém é menos ou mais intelectual por ter assistido um filme do Andrei Tarkovski.

Desculpe, Não sou fanática religiosa, sou kardecista, me emocionei muito, adorei a msg, refleti muito sobre os questionamentos, penso que o filme cumpre o seu papel, transmitiu a msg e me fez refletir. Assistiria de novo e recomendo. Amei

O filme tem um público específico, como o do mel Gibson. O texto não levou isso em consideração.

Ou simplesmente são diferentes um do outro

Não assisti o filme ainda, mas essa crítica foi péssima. Ele apenas criticou o filme por ser cristão e nada mais... Onde estão os bons críticos desse site....Muito ruim esse Rodrigo Fonseca...

Concordo plenamente

vc leu a critica? a critica foi ao filme...nao a porra do livro crentes chatos viu...jesus deve ter muito saco pra aguentar vcs..por isso q nao voltou ate hoje

vc leu a critica? a critica foi ao filme...nao a porra do livro crentes chatos viu...jesus deve ter muito saco pra aguentar vcs..por isso q nao voltou ate hoje

Nossa amore, tenta disfarçar a raiva pessoal de condenar a abordagem do tema pq ficou bem feio no que deveria ser uma crítica.

Alguém pode indicar um site com BONS críticos? Ultimamente está difícil passar do segundo parágrafo dessas críticas babacas do Omelete.

O filme é sensacional! Impossível não se emocionar com a história, com alguns diálogos e situações do roteiro. O filme, apesar de transparecer muito da religiosidade cristã, passa uma mensagem que transcende a própria religião. A importância do perdão para continuar a viver, perdão esse tão difícil de ser sequer considerado em certas ocasiões. O fato de deixar a tristeza invadir e tomar conta de nós, nos aprisionando em um mundo onde nada mais faz sentido ou diferença na vida. Claro que, o filme ensina a superar essas dificuldades mais objetivamente através de Deus. As mensagens passadas pela trindade são mensagens para o bem viver, prezando acima de tudo o amor. Só que a grande sacada é que ninguém é obrigado a crer em algo para seguir aquelas palavras, pois ao analisar o quanto aqueles "conselhos" podem lhe fazer bem, fica óbvio qual o caminho certo a ser seguido. Os questionamentos que Mack faz a si próprio e a Deus retratam a realidade. Quantas pessoas já não passaram por situações de grande dificuldade na vida e não se fizeram as mesmas perguntas que Mackenzie se fez? Quantas pessoas já não questionaram Deus da mesma forma que o protagonista do filme? Claro que as respostas dessas questões não são de fácil interpretação, até mesmo Mack relata isso ao conversar com "papai". Mas a questão é que essas situações aproximam o filme com situações reais. Isso nos emociona é muito. Destaco também a trilha sonora que foi muito bem escolhida em todas as vezes que apareceu no filme. Em resumo. O filme é muito bom. Na minha opinião, pessoas que seguem a fé cristã terão mais intimidade com o filme, mas pessoas de outras religiões, ou até mesmo que não creiam em uma divindade (como eu), irão gostar da trama.

Rodrigo Fonseca, aprenda a separar seus gostos e suas crenças das suas críticas cinematográficas.

Que a alma do sr. Rodrigo Fonseca queime pela eternidade no fogo do inferno pela glória do Criador!!! Faça-me o favor...

Querida! Não sei se devo responder ao seu comentário, fiquei com pena da sua ignorância, de onde tirou esse absurdo que religiosos eram atacados? Que eram mortos por não negarem a Cristo? Onde está o professor de história dessa garota? Por favor!!!!

Não , não foi. A narrativa do filme não foi bem desenvolvida pelo diretor. Em um livro o ponto alto são os diálogos.. a transferência de informação se dá através de palavras, não há imagens e o autor então descreve a cena para que o leitor viaje até a locação. Em um filme o diretor tem o recurso das imagens a mão. Se não usá-lo o filme torna-se monótono. Claro, as imagens são belíssimas.. mas elas não mudam durante vários diálogos compridos.. falha de direção.. acompanhada da péssima escolha do ator principal que não é conhecido pela expressividade.. isso dá o tom arrastado do filme.

Eu Achei o Filme ótimo, não concordo com a forma que a critica foi colocada, sobre não gostar do filme, ai é outra historia, gosto é gosto, independente se o critico acredita ou não em Deus, é o trabalho dele, se foi lhe dado esse filme para fazer a critica, ele vai fazer com o conhecimento dele, claro que após isso entra a questão do gosto dele, e isso tem que ser respeitado. impor algo só porque eu não concordo é burrice. respeito a opinião diversa, respeito quem é ateu e quem não é. eu sou Cristão, não sou nenhum fanático religioso, não me defino por religião e sim por acreditar em Deus, simples assim. e nesse sentido o Filme foi muito bom pra mim. não sou critico de cinema, então não levo em conta detalhes que eu possa não ter gostado, eu vejo num contexto geral e nisso o filme foi muito positivo na minha visão, passou a mensagem que gostaria e ponto. agora sobre os comentários, imposição é uma coisa chata, acho que cada um que viu o filme tem a sua opinião e pronto, besteira perder tempo criticando alguém só porque gostou ou não do filme. respeite ao próximo, isso não doí nada e ainda é de "grátis".

Oi Leonardo!!! Estou muito feliz que te fiz sorrir. =) E, bem, não precisa ser de um gênero de cinema específico, porque cinema é cinema. Eu acredito que para todo o filme a gente precisa assistir com uma visão da obra da qual ele foi adaptado (quando existir), seja ficção, drama, romance... O fato de ele ter achado ruim não significa que o filme é de todo ruim. É só a gente ler os diversos comentários tanto positivos quanto negativos para saber disso, e de pessoas bem diferentes. Cada obra é uma obra. Amei Batman vs Superman, curti O Destino de Júpiter e achei genial Prometheus. São filmes que não agradaram a todos, mas é cinema, e são diferentes. Abraços! =)

Não para cada gênero, mas existem assuntos que precisam de um cuidado. Esse filme trata sobre Deus. Se a pessoa não acredita como vai levar isso a serio?

Será que não te deu sono pelo assunto? Sabemos que não é um assunto que interessa a muitos.

Ele critíca a religião a partir do momento em que ele desrespeita pensamentos religiosos onde nós, cristãos, baseamos nossa fé. Religiosos são sim atacados desde antigamente até hoje, mas diferente de como vc colocou, sempre houve imposições religiosas, havia um tempo onde quem não negava a Cristo era morto. Do mesmo jeito que o crítico colocou a opnião dele, temos os espaços dos comentários para colocar a nossa e debater, não discutir e atacar. O texto tem 5 paragrafos, onde só no ultimo ele resolve tratar de fotografia e edição. Não digo que o filme é perfeito nesses quesitos, já comentei abaixo que ele não é. Mas a crítica acima não foi feita ao filme e sim pela mensagem que ele traz, que é religiosa.

Eu acho que vc não leu meu comentário. Eu digo e repito(concordando com vc), o filme não é perfeito em roteiro e fotografia e essas outras coisas. O ponto que coloquei foi o desrespeito religioso da parte da crítica.

Paulo.. me convenceu. Agora concordo com vc. A crítica deve ser segmentada... assim como é o Oscar, roteiro, fotografia, direção... e por ai vai. O critico deve embasar a sua crítica , para isso ele estuda. "Não gostei porque... " e por ai vai. Agora concordo com vc.. o roteiro deve ser analisado quanto a sua fidelidade ao livro, uma vez que o filme tem o mesmo título e se apresenta como uma adaptação ao livro. Se a intenção do diretor ou produtor não era ser fiel ao livro ele deve deixar claro ao apresentar o filme, caso contrário pode ser acusado de plágio ou coisa assim. Mais uma vez.. parabéns. Me convenceu. Ele deveria ter lido o livro para somar mais um elemento de crítica. E, sim. sempre achei isso.. o crítico se perdeu quando ao invés de criticar o filme resolveu criticar a religião. Não se ateve aos elementos básicos da crítica que ele deve ter aprendido na escola. Outra coisa, sim, no Brasil as pessoas não leem absolutamente nada.. basta ver a quantidade de erros de português absolutamente primários que vemos aqui.

kkkkkkkkkkkkkkkKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Anderson.. aqui é um forum de discussão sobre o filme, é o que estamos fazendo é justamente isso. .Utlilizar o basico de valores humanos é uma frase um tanto quanto vaga

kkkk.. eu só não sai porque dormir.. demais.. era sessão da meia noite.. fime chato.. dorme mesmo

Eu só não sai antes porque dormi.. era sessão VIP.. caraca.. tava confortável pra dormir

Richard, o que foi discutido não foi o fato de o crítico ler ou não o livro. Embora eu ache que se você é um crítico profissional deveria sim ler a obra para julgar o filme, uma vez que o roteiro adaptado deve ser levado em consideração. Outra, se um filme é feito baseado em um livro, entende-se que o roteiro deva ser fiel ao livro pelo menos em 60% da história. Mas enfim. O que foi discutido é que a crítica fez menção apenas a fé, a religiosidade e às metáforas. E em nenhum momento a critica ateve-se ao que realmente importa, se a proposta do livro foi mostrada no filme. Mas sim entrou com comentários tipo "ateu todynho" o que mais vemos hoje. Mas não adianta falar em livro em um país onde as pessoas não leem por preguiça ou simplesmente por não ter o hábito de ler. Eu mesmo fiz um vídeo no meu canal no Youtube falando sobre isso, pena que não somos um pais de leitores https://www.youtube.com/watch?v=6j3w3xmO3Vc&t=46s

Eu assisti.. não fui curado do sono .. credo.. não conseguia manter os olhos abertos.. que coisa chata

Aqui em São Paulo ninguem aplaude nada.. não temos esse costume.. ou estava todo mundo dormindo !

O filme não tem que ser analisado porque aparece ou não deus ou qualquer outra divindida.. é analisado como um filme.. e como filme é ruim.. arrastado e chato.

é um filme.. se é filme o critico tá fazendo o trabalhinho dele.. analisando como um filme. Concordo que ele se perdeu um pouco enquanto falou de religiosidade.. mas no final o que sobre é.. o filme é chato!

Mais um que concorda comigo.. foi dificil manter o olho aberto. depois que ele chega no raio da cabana foi dificil viu..

Me desculpe mas não concordo.. o filme é feito de elementos como roteiro, fotografia, direção e outras coisas. Por isso o oscar é segmentado. Para que o filme seja bom todos devem ser bons.. no caso do filme a Cabana.. ele pode maravilhar muitos pela mensagem .. mas está longe de ser um filme bom. É um filme chato

Não sei o critico.. mas eu dormi.. e muito.. nossa.. que filme de dar sono !!

Desculpe.. mas não tem nada a ver. A critica é ao filme, independente do livro..o filme tem que passar sua mensagem e contar sua história sem a necessidade do livro . Eles não foram feitos para se completar. E tem mais .. o critico é critico de cinema, não de literatura

Concordo com a Simone. vc não tem que ler o livro para fazer uma critica ao filme. Teria que ler o livro se vc for avaliar se o filme é fiel ao livro.. mas para dizer se o filme é bom .. de jeito nenhum. O filme tem que passar a mensagem por si mesmo sem o auxilio do livro

pra quem fanatico religioso o filme ta otimo

não entendi nada dessa crítica, achei o filme bom. Acho que eu e o crítico vivemos em mundos diferentes.

O filme da sono !!! É arrasadíssimo !!! Nossa difícil ficar acordado !

Comparar com power ranger é sacanagem... mas o filme é arrastado. É de dar sono

Ah sim .. visto o sucesso do livro era esperada essa bilheteria. Mas bilheteria não é prova de bom filme ... vide velozes e furiosos ... é uma boa diversão mas não é um bom filme. A sala na qual eu asissti estava lotada mas muita gente dormiu

Era sala VIP... tava confortável pra dormir !

A sala tava cheia lá também mas grande parte das pessoas dormiu muito no filme. Talvez varie de lugar pra lugar ... aqui foi um sono só ..tinha gente que roncava na cadeira..

Não li o filme, não assisti o livro e não gostei

Acho que você ainda não percebeu que quem está sendo intolerante aqui é você. Uma vez que eu dei a minha opinião sobre a crítica e você me atacou dizendo que a minha opinião era sem sentido. O debate é bom, mas não entendi o que o beijo gay tem a ver com isso. Não mude o foco do debate. Tenha sim argumentos para defender. Sobre religião: Será que o site faria uma crítica se fosse um filme que falasse do Islamismo?? Ou sobre Maomé?? Acho que não né! Portanto qualquer debate religioso perde a força quando os únicos atacados são os cristãos. Se vc é ateia, eu lamento por você. Eu não tenho fé o suficiente para ser ateu, uma vez que ser Ateu é acreditar que tudo que está a sua volta é fruto de uma aleatoriedade. Acredite, eu não sou religioso, mas acredito que Deus é toda a realidade que me cerca. Voltando a crítica, você tem a sua opinião e eu tenho a minha. Mas não coloque a causa gay no debate porque assim você muda completamente o foco e eu já entendi com quem estou lhe dando. Defenda a sua causa em outro debate porque a única pessoa que está sendo intolerante aqui é você. Não só na minha resposta como em todos os outros aqui que você tenta "entubar" o que você pensa que acredite. Fique com Deus... Ops, desculpe... Fique com o que você acredita, se é que vc crê em alguma coisa. Um abraço.

Parece que o Rodrigo Fonseca ficou com raiva do filme fazer propaganda cristã e desandou a criticar tudo no filme (menos Alice Braga, talvez pq ela seja brasileira). Talvez essa seja a intenção do filme e não tem problema nenhum nisso. Senti um certo mimimi sem sentido nessa critica. Não dá pra levar a sério.

Ah, claro, agora devemos chamar um crítico de gênero de cinema específico pra cada filme que estreia. Só rindo.

Curioso... Eu assisti o filme. Provavelmente eu não tenho o intelecto super desenvolvido do crítico. OU não tenho toda a bagagem de filmes dos mais variados tipos e tempos (Na critica ele cita pra mais de 10 filmes...)... OU então não tenho o "estudo cinematográfico" que o crítico aqui em questão tem. Minha visão é completamente diferente desta crítica. Gostei e muito do filme. Não porque sou católico, mas sim porque o filme me emocionou e me fez questionar algumas coisas pessoais. E pelo visto eu não fui o único. Minha namorada gostou muito, além de ter se emocionado (e também saiu com a mesma sensação de se questionar alguns paradigmas). Provavelmente eu e ela não somos os únicos. A grande maioria que estava no cinema se emocionou. Várias pessoas enxugando as lágrimas durante e depois do termino do filmes... Mas, provavelmente não somos "evoluídos" ao ponto de enxergar tantos problemas assim no filme. Na minha opinião, ele é perfeito? Não... a atuação do "Sam" achei fraca. Mas o conjunto do filme eu achei MUITO BOM! Pra mim, soa bastante arrogante uma crítica que fica citando sabe lá quantos filmes, a nível de comparação... Pra mim, minha "crítica" sobre a crítica do filme acaba sendo bem semelhante. Péssima...

Bom, assisti o filme, teve desenvolvimento muito bom dos personagens. Fechou bem o primeiro arco da historia, abriu bem o segundo arco. Se o final achei pouco desenvolvido, poderia ter esperado um pouco mais para fechar o segundo arco, nem deu para notar o fechamento do mesmo. Bom, é um filme para quem busca um relacionamento com Deus, quem realmente vive isso. Mas o filme é melhor do que Guerra civil, o qual quase dormi, melhor que power ranger. Digo isso pelo que vi e não por questões religiosas.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus