Cinderela (2015)
Filmes - Fantasia
Cinderela (2015) (2015)
(Cinderella)
  • País: EUA
  • Classificação: livre
  • Estreia: 2 de Abril de 2015
  • Duração: 105 min.

Cinderela | Crítica

Kenneth Branagh faz bom filme, mas esquece da "magia" dos contos de fadas

Desde A Princesa e o Sapo, a realeza da Disney não é mais a mesma. As mocinhas deixaram o posto de donzela a ser resgatada e ganharam desfechos mais complexos do que o casamento com um príncipe encantado (vide Frozen - Uma Aventura Congelante). Quando o estúdio resolveu revisitar os seus clássicos, essa tendência feminista ganhou ainda mais força. Alice se tornou uma empreendedora e Aurora foi apresentada a outras formas de amor verdadeiro nas novas adaptações de No País das Maravilhas e A Bela Adormecida.

Na versão em carne e osso de Cinderela, porém, o roteirista Chris Weitz foge à nova regra. Ainda que não seja a mesma do filme de 1950, a personagem não foi completamente remodelada como as suas colegas. Na pele de Lily James, Cinderela é tão bela, gentil e justa quanto a princesa da animação. O filme apenas redimensiona a sua história, a tornando mais humana em um mundo surreal.

Kenneth Branagh dá pompa ao conto de fadas, seguindo o estilo das suas adaptações shakespearianas. Sob a sua direção, os cenários e os figurinos (assinados por Dante Ferretti e Sandy Powell) ganham um quê teatral. Tudo é artificial, das paisagens aos dentes brancos do príncipe. Branagh, contudo, sabe coordenar todos os elementos às suas mãos e casa o visual exagerado com a história e as atuações, criando uma peça genuína com ingredientes falsos.

O elenco é o componente mais importante nessa receita. James passa uma doçura calculada, que evita que a sua Cinderela se transforme em uma tola que conversa com os ratos da casa. Richard Madden é a encarnação do príncipe encantado, com uma ingenuidade corretamente ajustada para uma realidade de amores à primeira vista (ainda que não mais tão imediatos). A fada-madrinha de Helena Bonham Carter, longe da maternal versão animada, compensa pelo exagero nas suas expressões e gestos a falta da clássica Bibbidi-Bobbidi-Boo no momento da transformação da gata borralheira em princesa (no filme, a canção é apenas uma palavra mágica).

A atração principal, entretanto, é Cate Blanchett. Sua madrasta má tem o mesmo tom caricato e sombrio da versão animada dublada Eleanor Audley. Seca e charmosa, foi  levada à vilania pela incompetência das próprias filhas (as ótimas Sophie McShera e Holliday Grainger). Cinderela é tudo o que ela e seus frutos não são e Blanchett sabe com incorporar a inveja disfarçada de desprezo em cada cena, em cada olhar.

Para Sempre Cinderela (EverAfter), a versão estrelada por Drew Barrymore em 1998, já havia brincado com a ideia de uma gata borralheira “realista”. Talvez isso tenha afastado a Disney da modernização da princesa, mantendo-se fiel ao espírito do próprio clássico. A nova Cinderela, porém, funciona apenas longe das comparações às adaptações anteriores. Branagh entrega um filme redondo e competente, mas falta a “magia eterna" dos contos de fadas, o motivo para ver e rever a mesma história da mocinha apressada que deixa para trás um sapatinho de cristal. 

Veja também (aqui) a nossa opinião sobre Frozen: Febre Congelante, o curta-metragem exibido antes de Cinderela.

Cinderela | cinemas e horários

Nota do crítico (Bom) críticas de Filmes
 

Nao gostei em nada do.filme.

O filme foi na contramão da emancipação feminina q ta rolando, se manteve apegada ao clássico, só teve cuidado de mostrar a Cinderela como uma personagem mais humana e palpável. Não sei se gosto disso, mas no geral foi muito bom. O filme mais "Disney" que vi nos ultimos tempos. O elenco inteiro é ótimo e bem sintonizado, sem exceções. Pra quem gosta de teatro é um prato cheio. História redondinha, tem um bom ritmo, enfim. Daria uns 4 ovos.

Bom filme, é bobo, mas é também uma bela adaptação visual, gostei ! E realmente, Cate Blanchett rouba a cena !

Eu também!! Quando lembro, aahh que sensação boa, de leveza... e trilha sonora é a coisa mais linda! Os atores, o figurino, cenários, fotografia... A Disney tá de parabéns por esse filme, por mais live actions assim e menos como Malévola.

Pensei que só eu tinha pensado dessa forma! Acho que a simplicidade que faz a arte acontecer de fato, disse tudo! Estou encantada até agora haha <3

E você sabe? kkkkkkkkkkkkk

Você fala como se soubesse que o Diabo não existe.

Achei bom o filme, porém meio seco, sei lá, faltou algo, não era tão mágico como o original, mas não deixa de ser bom. A madrasta má dá realmente raiva na gente, sofri muito com a maldade sem limites dela, Cate fez um ótimo trabalho. Adorei a Helena como fada madrinha (de bruxa das trevas a fada toda loirosa vestida de branco, legal kkk) queria que ela tivesse cantado Bibbidi Bobbidi Bu no filme, a versão dela ficou maravilhosa (link: https://www.youtube.com/watch?v=Q23Z2CRSNzs). Enfim, é bonzinho, recomendo para quem gosta de contos de fada e para quem tá afim de ver algo fofo.

Amore eu acho que vc tá confundindo os contos de fadas, o Lúcifer é o vilão da historinha de jesus etc, etc, na historia da Cinderela ele é só um gatinho. Tem nada haver uma coisa com a outra. Alias eu achei lindo esse nome, Lúcifer, vou comprar um gato angorá e chamar ele de Lúcifer também. n_n

Disse tudo, lindo filme.

Filme é ótimo, foi um dos melhores que vi esse ano, vale a pena.

É muito bom, eu senti a magia da Disney desse filme, Cate Blanchett um espetáculo a parte. Muito bom!

Só não gostei do nome do gato...Lúcifer (nome de Satanás quando ainda era um um anjo do senhor).

Tirou as palavras de mim, justamente por isso o filme é tão bom.

Podem falar o que for, mas esse filme foi espetacular!! O fato de ser tão especial é porque é tradicional e simples, e não essas adaptações sem noção que vemos hoje em dia. De longe o melhor live action da Disney já feito! É pura magia, tão lindo e a simplicidade do filme que o torna tão especial como é e como o clássico. Não tenho palavras para descrever o que senti assistindo esse filme, ver a magia da animação ganhar vida na minha frente não teve preço, foi uma das melhores experiências da minha vida que até me emocionou. Dessa vez a Disney acertou a mão e não foi como a adaptação de Malévola e Alice no País das Maravilhas que pra mim sinceramente não deveriam ter sido feitas. No fim da sessão todo mundo aplaudiu e gritou e ver toda aquela gente torcendo pela Cinderela e vendo um conto tão amado na cinema realmente foi mágico, não tem preço! Recomendo!!

a graça do filme é ser justamente tradicional.quase ao pé da letra da história original, nesses dias de hoje com essas adaptações nonsense(e que nunca acertam)

Amei o filme, todos os atores escolhidos bem como sua adaptação para versão em live-action. Não acho que o destaque se deva a Cate Blanchett, pois todos os atores interpretaram muito bem. Ainda bem que a outra atriz escolhida, Emma Watson, desistiu. Não tenho críticas a fazer e, se não fosse esse final, gostaria imensamente de ver uma continuação do filme, assim como as versões originais, em animação.

Concordo com vc! Não achei que o filme peca por traze uma protagonista passiva, pois esse é o propósito da história original. O filme tem que ser bem parecido com o original porque foi feito um live-action. Eu adorei as adaptações. Achei lindoo demais o filme e já assisti várias vezes.

Pois é!

Ela é considerada uma princesa da Disney sim.

50% é a Cate Blanchett.

Concordo plenamente com vc. O filme é lindo. Achei tudo lindo no filme

Mulan não é princesa Disney, mas eu entendi seu ponto de vista! ;)

Amei o filme! Tem aquele ar gostoso de saudosismo. Um sorriso bobo vindo diretamente da infância daquelas que sonhavam(e sonham) com o amor de conto de fadas

Achei um belo filme, só ainda muito na contramão do movimento de emancipação feminina. Gosto mais de "Para Sempre Cinderela" que só a brincadeira com Da Vinci já vale.

Em tempos de filmes de estúdio: filme autoral não tem magia.

Amei o filme...simples e lindo!!!!

É simples, não lê.

:)

:) !

Roteiro bem simples visual brilhante. 3 ovos de muito bom tamanho. O que mais gostei do filme foi ele ter tido coragem, nesse mundo de realismos mil, de abraçar o fru fru e esquecer essa pegada mais verossímil.

Ué? Mas a nova regra que o filme foge é a de tentar uma abordagem diferente em relação as princesas. LOGO, se vc vem aqui reclamar do texto e não entendeu algo que foi dito no primeiro paragrafo fica difícil,né senhor?

Bela crítica! Aliás, são sempre muito bem escritas, as críticas da Natália. Gostei muito! No mais, só sinto falta de uma menção à Mulan. Lá atrás, antes de Frozen, Enrolados e Valente, a Disney já havia feito uma princesa forte e decidida, e que não deve em nada as atuais princesas...

crítica perfeita escrita pela nossa eterna princesa Natália bridi

Bridi, suas críticas são sempre impecavelmente escritas. Parabéns :)))

Eu sempre alimentando á esperança de poder ler um texto dissertativo da Natália com coerência e sempre me decepcionando, e não tem nada á ver com o filme analisado porque com Kingsman foi pior ainda á leitura. Esse filme é só uma tentativa frustrada de resgatar os valores cinematográficos do gênero, ficou igual o Grande Gatsby estética exuberante e enxuta e roteiro que é bom nada. Mais alguns trechos do texto da Natália como esse soam como encheção de linguiça sem respaldo ou relevância alguma :" Sob a sua direção, os cenários e os figurinos (assinados por Dante Ferretti e Sandy Powell) ganham um quê teatral", é óbvio Natália, porque á proposta do filme é essa mesma, algumas coisas sem necessidade como esse : "Na versão em carne e osso de Cinderela, porém, o roteirista Chris Weitz foge à nova regra." Como assim cara? O filme é um clichê atrás do outro. Depois quando eu elogio os textos do Borgo ou do Hessel á galera acha que é lamber o saco, mais putz fica difícil, ler uma análise tão óbvia e redundante !

"Kenneth Branagh faz bom filme, mas esquece da "magia" dos contos de fadas"... todas as críticas que eu li disseram exatamente o contrário, que o filme se sobressai justamente porque nos faz lembrar dos contos de fada de antigamente. Como muitos disseram a história peca por ainda trazer uma protagonista passiva, mas não sei de que forma poderia ser adaptada sem que remetesse diretamente ao filme com a Drew Barrymore. Temos que lembrar que é um filme para crianças e, embora não passe a mensagem (muito importante) de que garotas não devem ser submissas, traz outros tópicos indispensáveis como o de ser sempre gentil, algo que anda faltando para todos nós nos dias de hoje.

Acho que 3 ovos foi pouco, hein? Parece que esse filme foi muito bem avaliado lá fora.

"Branagh entrega um filme redondo e competente, mas falta a “magia eterna" dos contos de fadas, o motivo para ver e rever a mesma história da mocinha apressada que deixa para trás um sapatinho de cristal. " Se faz um filme que a mocinha é coitadinha é anti-feminismo, se faz um filme que a mocinha é forte, é feminismo... mas sem o doce dos contos de fadas. Putz, que às vezes estes críticos não sabem o que querem mesmo. O filme é bom, mas nem tanto porque falta algo, o que é que falta? Ninguém sabe ao certo, mas falta... kkkkk

Para Sempre Cinderela ou esse filme? qual o melhor?

Talvez me interesse em ver por causa do Kenneth Branagh na direção. Fora isso, sei não...

"...A atração principal, entretanto, é Cate Blanchett..." Ah vá!! Não brinca...

Uhuuu, tava esperando essa crítica. A Cate de fato é a melhor coisa do filme, ela é incrível.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus