Dona Flor e Seus Dois Maridos
Filmes - Comédia Dramática
Dona Flor e Seus Dois Maridos (2016)
  • País: Brasil
  • Classificação: 16 anos
  • Estreia: 2 de Novembro de 2017
  • Duração: 95 min.

Dona Flor e Seus Dois Maridos | Crítica

História de Jorge Amado volta aos cinemas com primor e um pouco de safadeza

O cinema brasileiro é vasto. As comédias costumam ganhar mais destaque por conta da alta bilheteria, mas o país produz também dramas, filmes de ação, suspense, infantis e mais uma quantidade enorme de gêneros. É um mercado que cresce a cada dia e todos se beneficiam. Dentro dessa diversidade, estreia nos cinemas o ousado Dona Flor e Seus Dois Maridos, uma nova leitura da obra de Jorge Amado.

Quando chegou aos cinemas pela primeira vez em 1976, a história de Dona Flor chamou a atenção e gerou controvérsias. Afinal, envolve muito sexo, nudez e uma libertação do desejo feminino que era novidade até então. As coisas estão diferentes hoje, mas o novo filme também tem suas polêmicas para criar.

Não há spoilers sobre essa história: Flor é casada com Vadinho. Como o próprio nome diz, ele é um vadio, que vive em festas, baladas e jogatinas. É um leão na cama e faz Flor feliz, mas também a mata de preocupação e vergonha com suas bagunças pelo mundo.

Um dia, sem nenhuma explicação, Vadinho morre e a pobre Flor fica viúva. Depois de algum tempo sozinha, ela tenta o casamento novamente, dessa vez com Teodoro, o farmacêutico da cidade que é o oposto de Vadinho: calmo, trabalhador, dedicado e um amante questionável. Com saudades dos momentos de amor intenso, Flor chama por Vadinho e o morto volta como um espírito para completar a mulher que ama.

O diretor e o elenco do novo filme afirmam que não assistiram ao antecessor e se basearam apenas no livro de Jorge Amado. Apesar disso, as duas produções possuem cenas bem parecidas, que repetem até mesmo alguns ângulos de câmera. Isso não é um demérito, afinal são bons planos para serem repetidos, mas é interessante ver como o livro foi interpretado de forma tão semelhante pelas duas equipes em épocas tão diferentes. As diferenças ficam por conta principalmente na fotografia quente do nordeste, que evidencia muito bem o cenário, os protagonistas e ajuda a estabelecer o clima da história que é contada.

Um dos grandes acertos de Dona Flor e Seus Dois Maridos é sua protagonista Juliana Paes. Veterana de novelas, ela expressa com uma exatidão dolorosa as dúvidas morais de Flor sobre ter seus dois maridos e a vontade de se sentir completa com aqueles homens. Assim como muitas jovens, Flor foi criada para ser uma mulher “direita” e se deixar levar pelo desejo físico é uma falha em seu caráter. Ou pelo menos é isso o que o mundo quer que ela pense.

Sobre os demais protagonistas, Marcelo Faria reprisa o papel que fez por anos no teatro e convence como o homem que gosta de curtir a vida, mas ama a mulher que lhe espera todos os dias. Vadinho não é santo e o filme não diminui seus defeitos, mostrando inclusive uma cena forte e injusta do marido com a esposa. Ainda assim, com todos os seus erros, ele é muito carismático e conquista o público assim como conquistou Dona Flor. Leandro Hassum tem muitos momentos de humor - talvez alguns que não precisassem existir - e faz um Teodoro calmo, apaixonado, mas apagado demais. Ao lado de Vadinho e Flor, ele fica em segundo plano.

Como na adaptação original, Dona Flor acerta ao falar abertamente sobre o desejo sexual da mulher e tratar disso sem rodeios ou piadas. Flor gosta de sexo e sexo bom. E não há problema nenhum nisso. É possível dizer que em 2017 as mulheres possuem mais liberdade do que em 1976, quando o primeiro Dona Flor chegou aos cinemas. Porém, o recente retorno do puritanismo mostra como é importante ter essa história novamente nos cinemas. Quando percebe que será feliz realmente com seus dois maridos, Flor dá um tapa na cara da sociedade e em nós também.

O novo longa provavelmente não terá o impacto de seu antecessor, mas levanta questões importantes. Por que três pessoas não podem ser felizes em um relacionamento? Aliás, o que os outros têm a ver com isso? Essa é a mensagem que Dona Flor passa com louvor: a vida é curta para se ter medo de ser feliz. Sempre haverá alguém para apontar o dedo e ditar o que é um relacionamento “certo” ou “errado”, mas não vale a pena ser infeliz por isso. Dona Flor e Seus Dois Maridos faz o que o cinema faz de melhor: usa fantasia para enxergar a realidade. E tudo isso sem medo de ser um pouco safado.

Leia mais sobre Dona Flor e Seus Dois Maridos

Nota do crítico (Excelente) críticas de Filmes
 

"Triste caminho o qual a sociedade está tomando..." Triste caminho o qual a sociedade está tomando? Meu filho, a sociedade já tomou esse caminho faz tempo. Tudo começou com os casamentos arranjados, pra agradar famílias, religiões e outras baboseiras. O passado era UMA BOSTA. Só não vê isso quem não quer. Essa onda de poliamor (sim, uma baboseira) não nasceu por geração espontânea. Pode ver que a maioria dessa galera que apoia essas coisas são pessoas frustradas, vindas de, no mínimo, uma criação com pelo menos um processo de separação dos pais nas costas. Vocês, que defendem o passado como se fosse a melhor época de todas, só fazem esse tipo de crítica para se eximir de qualquer culpa. Nunca propõem nada de fato. Os únicos decadentes aqui são vocês.

Lendo os comentários vejo que ainda tem gente que acha que cinema brasileiro é só aquelas comédias da Globo.

Infelizmente, oq vc pode fazer é manter pra si. Se as pessoas estiverem feliz, ela não vai querer sua opinião. O mal das pessoas é achar que pq vc tem sua opinião que as outras pessoas vão querer ouvir. Ficar calado é uma grande virtude que muitos ainda precisam aprender. Quem sabe um dia chegamos nesse nivel...

Leu oq eu escrevi ou quer audio? Eu não viveria uma relação poligâmica, mas vive quem quer e não é da sua conta ou da de ninguém, a não ser que vc seja um dos envolvidos.

Cinema brasileiro é vasto? Faz um levantamento dos filmes que saíram desde o início do ano e verá que são comédias na sua maioria... Não chuta..

O que querem dizer com: não assistiram o filme original? falam como se nunca tivessem visto o filme mas é claro que já viram alguma vez na vida..é um classico!!

faz tempo.

parceria entre o omelete e a globo tá rendendo muito $$$$$.

A gente percebe com facilidade,quando uma crítica positiva é comprada.

Sônia Braga hoje >>>>>>>> Juliana Paes

A critica foi incoerente. Afirma que: “Apesar disso, as duas produções possuem cenas bem parecidas, que repetem até mesmo alguns ângulos de câmera”, e “Leandro Hassum tem muitos momentos de humor - talvez alguns que não precisassem existir”. Por muito menos o Omelete detonou filmes bons. Parece que o mérito do filme é pregar o amor livre. Nada contra isso, entretanto, isso não faz do filme excelente.

Quer ousadia? Crie roteiros inéditos que não sejam remakes, adaptações ou reboots. É esse tipo de ousadia que eu gostaria. Mas aí é difícil, né? Melhor colocar um "novo olhar"(risos) em obras alheias.

Tua namorada é gata? Divide ai o poliamor dela comigo?

É Algumas fagulhas não dão em nada. kkkkkk

Sim sim, só que já faz 5 anos esse incêndio kk e o diretor nem no Brasil tá mais

so tem uns bostinha aqui aceita que o filme é excelente

Beleza, mas a de convir que um incêndio pode começar de uma fagulha.

5 ovos? menos, muito menos

hahahaha...é verdade. Mt difícil competir com sonia Braga novinha. Era uma mulher mt sensual

o mbl sabe da existência desse livro e filmes??

3 ovos no máximo e num dia bom....

Falou o cara com foto de Zé Colmeia. Questão de gosto. Eu vi a versão original, excelente, porque sinceramente, não lembro de muita coisa ruim feita pelo Wilker - agora é uma tristeza vc citar leite com pera meu velho - estou longe disso (o que é uma pena, hehe) - mas acredite, uma nova versão trata-se de um novo olhar sobre a obra e não para diminuir sua força. Acho que o que falta é exatamente essa ousadia algumas vezes no cinema brasileiro - ir além e ousar um pouco, principalmente no roteiro.

Não acho Juliana Paes bonita assim como dizem. As vezes acho que é bastante superestimada. Tem outras grandes atrizes jovens e da idade dela por ai. Querer transformar ela em Sonia Braga é uma coisa... conseguir é outra e nisso estão bem longe.

Ah, bom, eu achei que você estivesse dizendo que o pessoal que se informa pelo omelete não tem acesso a esse tipo de conteúdo.

Fera, deixa eu te contar uma coisa: na vida real, todo mundo, TODO MUNDO julga, a todo momento, a todo instante. É automático, lutar contra é impossível.

Gostei da Critica, Camila. E fez bem o seu trabalho, pois fiquei interessado pelo filme. Vou assistir!

HAHAHAHAHAHAHAHA a maldita mania de julgar os outros pelos seus próprios olhos. Não teria um relacionamento aberto, nem a três ou qualquer outro além do monogâmico, mas isso é comigo, eu acho que não seria feliz se fosse de outro jeito. Mas quem sou eu pra julgar como as pessoas devem viver suas vida ou como devem buscar a felicidade. É aquela mania de viver a vida dos outros, se todos estiverem de acordo, sendo feliz e não prejudicando ninguem vc tem nem direito de opinar

Na verdade, estava falando da percepção do grande público, onde só se soube de filmes como o da Polícia Federal, O pior Aluno da Escola, etc., pra fazer esse julgamento sobre o cinema nacional este ano. Gabriel e a Montanha, O Filme da minha vida, Pendular e Como Nossos Pais, apesar do buzz da crítica, ainda são filmes que foram pouco assistidos.

Sonia Braga jovem > Juliana Paes Alguém tem que vir falar umas verdades, ainda mais pra essa geração leite com pera e ovomaltine que não assistirá ao clássico por ser "filme velho".

Sonia Braga jovem > Juliana Paes Assim fica difícil competir, fera

Por favor, cite exemplos de bons filmes nacionais que passaram despercebidos esse ano, só pra eu testar uma coisa aqui...

Uma das piores coisas que existe é quando tentam "modernizar" obras clássicas para agradar as novas gerações leite com pera e ovomaltine

"Por que três pessoas não podem ser felizes em um relacionamento?" Ihhhhhh... senti uma apologia a poligamia, ou como os "descolados" gostam de falar hoje em dia: "poliamor". Na boa, isso é ridículo. Até creio que o filme pode ser bom mesmo, mesmo com um elenco tão ruim, assistirei no cinema, mas não venham querer defender bandeira pra cima de mim, não! Monogamia é para poucos, traz junto responsabilidade, compromisso. Cada escolha é uma renúncia, mas os floquinhos de neve dessa nova mentalidade não querem aceitar isso, querer ter tudo e não perder nada pois são criados dessa maneira. Triste caminho o qual a sociedade está tomando.

tem sim

sei la acho exatamente isso, inovador pros padrões brasileiros, mas nada de mais num âmbito internacional kk não é um tropa de elite ou cidade de deus que tem um estilo que não se vê em outros cinemas!!

5 eggs? jabá caro esse, heim!

Uai, mas você não é homem? O correto não seria você querer ver a Juliana Paes nua? Fiquei confuso agora.

Cara assisti "Dois Coelhos" com Caco Ciocler e Alessandra Negrini e achei algo inovador para os padrões do cinema brasileiro.

5 ovos? 5 ovos? Nao acredito que esse filme è tao bom assim! Omelete esta realmente comprado.

por isso é dificil assistir filme nacional . Ingresso caro para ver humor pastelão sem graça com safadeza kkkkkkkk . Queria ver um dia filme nacional , com boa historia que te chama a atenção

05 ovos, agora é para desistir de vez dessa josta

5 ovos pra uma história já saturada de tantos filmes e seriados. Acho difícil. Fora que Leandro Hassum é péssimo.

"O Filme da Minha Vida" do Selton Melo é um belo filme. Vale uma conferida.

Me lembro de ter visto o original de 1976 faz muitos anos, me supreendi, era um filme muito bom, com cuidados evidentes com fotografia, som, direção de arte, qualidades que eram raras no cinema nacional dos anos 1970, além do elenco extremamente competente. Não duvido que essa nova versão seja boa, mas simplesmente não estreou em minha cidade. Viria principalmente pela Juliana Paes.

Que exagero, uma nota 5 significa que o filme é perfeito, do nível de "O Poderoso Chefão", "Taxi Driver", "Pulp Fiction", etc. Só vou ver por causa da Juliana Paes mesmo.

Ai já justificou pelo menos uns 2 ovos...

Não posso deixar de perder esse filme...

Marcelo Faria nu já vale o ingresso, acho q vou ver

Vou assistir, mas acho que perderam a oportunidade de fazer uma adaptação moderna e dar um enfoque diferente a uma trama que já foi tantas vezes disposta em diversas mídias.

Só vou ver pela Juliana Paes, hehe.

"um pouco de safadeza" ok, vou ver.

Ela já se mostrou bastante em outro papel que foi de Sônia Braga de uma história adaptada do Jorge Amado (Gabriela), por que não nesse filme? Aposto que pelo menos os seios e o bumbum dão o ar da graça.

Eu já vi o clássico com a eterna dama da lotação, Sônia Braga e a minisérie da Globo e to na metade do livro. Pelo visto eles acertaram de mão cheia nesse filme, se sobrar dinheiro do décimo e de Star Wars vou conferir com certeza. Só um adendo... "Veterana de novelas, ELE expressa com uma exatidão dolorosa as dúvidas morais de Flor" Não sabia que Juliana Paes era trans... Quanto emponderamento em? KK

interessante...o filme com sonia braga é um classico. Vou conferir

Eu já perdi a conta de quantos remakes em forma de filmes/séries/mini-series que a história dessa tal dona flor já teve. Acho bem saturado.

Cara, leia de novo, não tem nenhuma ideologia aí.

O pessoal fica desconfiado porque os filmes que ganharam ibope esse ano foram produções duvidosas, exceto Bingo, enquanto os bons chegaram aos ouvidos de poucas pessoas. Se acompanhassem o Belotti ou Pablo Villaça...

Pelo menos aqui em São Paulo não é difícil (claro, quando a maior parte deles entrar em cartaz). Mas, não quer dizer que eu priorizo cinema estrangeiro. Tô sempre vendo cinema nacional, mas pelo menos no circuito mainstream são aqueles que já citei rsrs. eu não tenho dinheiro, nem tempo para ir em festivais rsrs, então, por comparativo, é mais fácil ver uma obra boa estrangeira do que nacional ( para você ver como é triste a situação).

Olha, pior que não... esse ano por exemplo tem tantos filmes estrangeiros que eu quero ver que não me parecem repetitivos como Lady Bird, Me Chame Pelo Seu Nome, A Forma da Água, The Post, Trama Fantasma, Três Anuncios Para um Crime... teve Dunkirk também que eu adorei. Dá uma pesquisada... você vai ver que não é bem assim.

Ta ta ta legal, o filme é muito bom e coisa e tal, mas a critica não entrou no cerne da questão, a Juliana Paes aparece pelada ou não?

Claro que tem fórmulas... como blockbusters e filmes de grandes orçamentos direcionados ao grande público, mas é muito mais fácil encontrar obras mais originais. O último filme bom mesmo que vi nacional foi Cidade de Deus, depois disso... se me perguntar sobre outros, mal sei responder.

Vi partes das duas primeiras e não vi nada de diferente das novelas convencionais, a não ser a ambientalização e época. O enredo em si é a mesma formatação que vemos nas novelas. Mas, caso você esteja pensando isso, eu não estou idolatrando as obras americanas e jogando as brasileiras para debaixo do tapete. Mas é inegável que a oferta de conteúdo nacional é muito diminuta se comparada à americana. A Globo em si monopolizou o mercado e, em troca, recebemos essas novelas e filmes repetitivos. No Brasil, infelizmente, ou é novela ou é comédia romântica e drama biográfico. Raras exceções e quando são, acabam puxando muito desses genêros que mencionei.

Um assunto não tem nada a ver com outro... não elogiei sitcom americana nenhuma, nem comparei com as novelas em questão. Cada caso é um caso... e você diz que há novelas que saem dessa fórmula. Ou estou muito desatualizada sobre isso ou realmente não tenho prestado atenção, pois não me recordo de ter visto uma diferente.

Não critico as novelas... só acho que a necessidade desesperada por público e pontos no Ibope acima da casa dos 30 pontos diminui e muito a qualidade artística das tramas. O que não falta no Brasil é bons atores, mas a oferta de papeis e trabalhos é muito pequena. No fim, as novelas são mais do mesmo; temos o casal protagonista, o núcleo com comédia, o vilão/vilã maquiávelico e uma reflexão rasa e hipócrita da sociedade atual. Esse maniqueísmo reduz as chances dos atores se destacarem verdadeiramente...

O cinema nacional não é "maravilhoso", tá muito longe de ser bom porque a cada filme bom tem 10 comédias patéticas que acaba com qualquer expectativa, mas mesmo assim saem uns filmes bons de vez em quando.

Eu tive a mesma ideia quando fui assistir. Apesar de ter gostado do filme, acho que ele foi uma escolha infeliz...

o.O

Cinema nacional é, mas globofilmes não.

É um bom filme... não é um ponto fora da curva do cinema nacional que só vive nesse marasmo da comédia, mas é um ponto acima da média sim. O filme vale pela Juliana Paes mesmo. Ouvi tanto falarem dela essa ano e acho que não foi exagero, ela trabalha bem... só merece uma oportunidade melhor de se içar para longe das novelas na Globo.

Não li o texto e nem vi o filme para julgar a nota, mas um filme que tem Leandro Hassum, na minha opinião, já entra devendo 3 ovos

5 Ovos e Extraordinário só 2? Deve valer o ingresso esse aí então

"Assim como muitas jovens, Flor foi criada para ser uma mulher 'direita' e se deixar levar pelo desejo físico é uma falha em seu caráter". Parabéns ao Omelete. Seus textos ideológicos estão cada vez mais parecidos com o Brasil 247.

Ótimo texto deu vontade de assistir.

5 ovos? Sei.

5 globos de ouro...

era melhor a disney comprar o ovolete. assim saberiamos que as criticas seriam sinceras, já que eles falam bem dos produtos dela por que de fato sao bons.

5 ovos de ouro...

a globo tomou o lugar da warner como principal patrocinador da ccxp desse ano.

Put4 que pariu

Omelete dando infinitos ovos para algo da globo... não me surpreende!!!

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus