Entre Irmãos (2009)
Filmes - Drama
Entre Irmãos (2009) (2009)
(Brothers)
  • País: EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 5 de Março de 2010
  • Duração: 110 min.

Brothers | Crítica

Brothers

Brothers
Brødre
Dinamarca, 2004
Drama - 110 min

Direção: Susanne Bier
Roteiro: Anders Thomas Jensen, Susanne Bier

Elenco:
Connie Nielsen, Ulrich Thomsen, Nikolaj Lie Kaas, Sarah Juel Werner, Bent Mejding, Solbjorg Hojfeldt, Niels Olsen, Paw Henriksen, André Babikian, Lene Maria Christensen, Tom Mannion, Karzan Sherabayani, William El Gardi

O Dogma 95 deixou muita gente mal acostumada. Quando Festa de família chegou ao Brasil, na metade de 1999, atribuiu-se o tom franco, forte e direto da história à secura formal do manifesto (trilha sonora proibida, câmera na mão, luz só ambiente, etc). Hoje, novos nomes do cinema dinamarquês, como Susanne Bier, provam que não é preciso ser um fundamentalista para contar uma história sem firulas.

Corações livres (2002), o primeiro filme da diretora a chegar por aqui, era franco, forte e direto - e não tinha medo de recorrer ao cinema de gênero, à música incidental, aos efeitos visuais, enfim, esses elementos normalmente associadas a manipulação e que eram proibidos nas diretrizes do Dogma. Susanne reitera seu gosto pelo melodrama sem meias palavras em Brothers (Brødre, 2004).

Ulrich Thomsen (de Festa...) e Nikolaj Lie Kaas (de Corações...) interpretam os irmãos do título, Michael e Jannik. O primeiro é o mais velho, major do exército dinamarquês, pai carinhoso de duas filhas. O outro, problemático como todo bom caçula, acaba de sair da prisão. Michael foi buscar Jannik no término da pena. Age como todo irmão mais velho, protetor, um tanto propenso a aplicar lições. Jannik escuta quieto, mas não sempre.

A reunião acontece nos dias em que Michael se prepara para embarcar ao Afeganistão. Integrante das forças ocidentais de coalização, ele promete à sua bela esposa, Sarah (Connie Nielsen, dinamarquesa que fez nome em produções hollywoodianas como Retratos de uma obsessão), voltar são e salvo. Não é difícil prever o que virá. Quando oficiais batem à porta de Sarah com a má notícia, Jannik desponta como ombro amigo.

Que historinha mais manjada!, você pode legitimamente reclamar. Só falta o cara voltar vivo da guerra e encontrar a mulher na cama com o irmão!, pode legitimamente especular. De fato, Brothers não é um primor de originalidade. Mas aí vem aquela coisa do tom franco, forte e direto. Susanne Bier mergulha na tristeza - quase um melodrama de telefilme - com tanta convicção e sem apelações que não é difícil comprar a idéia dela.

O segredo está no uso do som e na montagem. O violino entra para pontuar o drama, mas entra sempre na nota mais alta, mais aguda, e breve. Não chega a ser uma melodia, é mais como um grito interrompido. É com esse tipo de inserção lacônica, cirúrgica como uma agulhada, que Susanne trabalha. Os planos são curtos, mas não chegam a ser frenéticos. Capta-se um sentimento e é só, sem exagero nem reiteração. O efeito dramático desse tipo de cinema austero é grande. É como se a diretora fixasse a câmera diante dos rostos dos personagens, mas a retirasse antes que pudéssemos vê-los chorando.

Fórmulas à parte, Brothers é um filme bem decente até mais ou menos a metade da projeção, escorado nessa segurança técnica e nas boas atuações dos dois atores protagonistas. O conflito dos irmãos mais tarde se inflama, se inverte, com Michael colocado na posição traumatizante que antes era ocupada por Jannik, agora modelo de prosperidade. E é interessante observar como o confronto escancara as fraquezas do mais velho.

O problema - e que não é um defeitinho, mas um rombo, um problemão - é que da metade ao fim o filme se perde. O que era uma história vira duas, o tom direto e seco se dilui em dilemas paralelos. Enquanto a parte intimista do filme trata de relacionamentos, a outra busca um humanismo meio grosseiro... Não convém explicar aqui, para preservar as surpresas. Interprete esta resenha crítica como o elogio dos primeiros sessenta, setenta minutos de Brothers. E mantenha em mente que Susanne Bier pode fazer melhor.

Nota do crítico (Regular) críticas de Filmes
 

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus