Um Limite Entre Nós
Filmes - Drama
Um Limite Entre Nós (2016)
(Fences)
  • País: EUA
  • Classificação: 12 anos
  • Estreia: 2 de Março de 2017
  • Duração: 140 min.

Um Limite Entre Nós | Crítica

Denzel Washington estrela, dirige e produz adaptação de peça dos anos 1980

Em meados dos anos 1980 um jovem Denzel Washington foi ao teatro ver James Earl Jones (Star Wars) estrelar a peça Fences, de August Wilson, que acabou ganhando o prêmio Pulitzer de teatro em 1987. Antes de morrer, em 2005, Wilson criou um roteiro que adaptava para o cinema sua peça. Este script rodou Hollywood por um tempo sem sucesso. Dizem que havia um pedido importante feito pelo autor: o diretor atrás das câmeras deveria ser negro. 

Em algum momento, este roteiro chegou às mãos de Denzel Washington. Porém, lembrando de sua experiência no teatro, ele preferiu se manter fiel ao texto original e encenar a peça, ao invés de fazer um filme. Se naquela época Denzel havia se identificado com o filho do protagonista interpretado por James Earl Jones, agora era justamente o papel do pai que lhe cabia. A peça rendeu a Denzel Washington e Viola Davis, que interpreta sua esposa, prêmios de atuação no Tony, o Oscar da Broadway em 2010, além do troféu de Melhor Reencenação. 

Corta para 2013, quando Denzel finalmente revelou que ia encarar o desafio de contar no cinema a história de Troy Maxson, lixeiro da cidade de Pittsburgh nos anos 1950, pai de dois filhos com quem não se dá bem: Lyons Maxson (Russell Hornsby), músico de jazz, e Cory (Jovan Adepo), estudante que sonha em jogar futebol americano. Troy vive achando que os filhos não se esforçam o suficiente e ainda se recente dos dias em que era astro da liga de beisebol para negros, mas sem jamais ter conseguido espaço nos times profissionais. 

Completam o elenco seu colega de trabalho, Bono (Stephen Henderson) e Gabriel (Mykelti Williamson), irmão de Troy, veterano da Segunda Guerra com sequelas graves na cabeça. 

Ainda que relegada ao papel secundário no início, Rose (Viola Davis) vai ganhando em importância na trama, até virar co-protagonista da história no último terço de filme. Seu Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante era dado como certo e foi merecido. Assim como também seria justo o prêmio de Melhor Ator para Denzel Washington, que acabou nas mãos de Casey Affleck (Manchester À Beira-Mar). 

O texto de Wilson continua atual e mostra de forma bastante pessoal e verdadeira o jeito severo como Troy trata os filhos. Da mesma forma que ele se baseia na frustração, acaba criando uma forma dura demais de tentar protegê-los da realidade. A cerca do título original, que protegeria o quintal da família Maxson de estranhos, pode ser também aquilo que separa Troy de uma vida mais feliz com as pessoas que ele ama. 

A grande crítica que o filme vem recebendo é a forma teatral como foi filmado, com longos diálogos e poucos cenários. Esta forma econômica, porém, em nada atrapalha a trama e é fiel ao que foi deixado como testamento por Wilson. É, sim, diferente do que se vê nos cinemas, mas isso não é nada ruim.  

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

Eu tb, kkkk, horrivel, parece que gastaram toda grana pra contratar os atores renomados e não sobrou nada pro resto, sem cenario, sem emoção, sem nada. Aplausos somente para o marketing da industria americana, continuamos consumindo suas porcarias

Filme pra quem curte filme, longas dialogos que parecem mais uma peça e os personagens, principalmente Viola Davis se sentem avontade nas cenas, uma aula de atuação. e Forlani... Isso não é assim que e escreve uma critica.

La La Lande ainda era divertido, mas Manchester não consegui assistir, tentei tres vezes, mas me pegava dormindo de tão monotono que é. Agora Um Limite entre nós, não vi ainda, mas pelo comentarios não vou gostar, mesmo sendo fã de Viola Davis.

A crítica não se aprofundou na análise, mas achei interessante a história que o Forlani resgatou.

melhor do que as do Hessel

quando o filme é chato eu vou passando pra frente só pra ver como vai terminar, esse aí não deu nem vontade de passar pra frente, eu só parei de ver mesmo

filme mais fraco do oscar.

https://medium.com/catacresecc/um-limite-entre-n%C3%B3s-cr%C3%ADtica-7228e96e3b02#.fzkoqky11

meu...você não entendeu. esquece.

Forlani, que crítica chata. Não analisou nada do filme, apenas contou num blogzinho a história que levou ao Denzel a fazer o filme... Cê tem textos melhores. Sobre o filme em si: não assisti e não me chama a atenção.

Fraco, mal dirigido e verborrágico, so se salva a Viola nesse filme

Não é uma peça de teatro filmada, pode ter certeza disso. Procura no YouTube videos de atos da peça do filme. A diferença é gritante nas atuações. Quem entrou com 20 pedras na mão?

Olha, amigo...isso não é uma crítica negativa. Isso aí eu percebi logo no começo do filme. Percebi que era uma peça de teatro...quem tem ou teve costume de frequentar o teatro (não tô tirando uma onda) logo percebe o quão próximo ele chegou de uma adaptação teatral. Tanto é que só depois fui ver que era feito com base em uma peça da Broadway. Filme excelente mesmo. Mas é isso aí...todo mundo entra na internet já com 20 pedras em cada mão. Beleza.

Pra mim, a crítica se resumiu àquilo que precisa ser num site como esse aqui. Pode botar o Marcelo Hessel pra fazer só crítica de filmecos (ele vai dar 4-5 ovos pra todos) e caras como você pra fazer crítica de filme de verdade.

Pô Forlani... "ainda se recente"??? Jornalista não pode cometer esse erro bizarro não. Cadê a revisão? Conserta isso aí.

Não criticaram isso também no Oito Odiados?

Sério que reclamaram que não havia variedades de cenários?! O filme é denso, com um ótimo texto e diálogos. Se tem cenário ou não, passou despercebido.

Então é melhor que BVS

Filmão pra quem curte arte e não só blockbuster americano. Arte concentrada em atuações e não em cenários grandiosos.

Esqueceram de fazer um Filme. ZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Bom filme

Outra crítica sobre o filme: https://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2017/03/03/um-limite-entre-nos-2016/

Além do mais, A Streetcar Named Desire também é uma adaptação de uma peça e é referência até hoje. Fences só é fraco mesmo.

Tinha altas expectativas com relação ao filme e digo que fiquei bem desapontado. Depois de assistir os indicados a melhor filme fiquei me perguntando como que esse filme foi indicado e Jackie não. Achei a direção do Denzel bem fraca, o filme é basicamente uma peça de teatro gravada (para alguns isso pode ser bom) e isso pra mim deixou o filme bem entediante, não há uma variedade de cenários. Além disso, achei os diálogos e os personagens bem chatinhos, principalmente o do Denzel, era dificil conseguir me conectar com eles quando nenhuma fala soava natural. A única coisa que salva são as atuações, realmente são muito boas, em especial da Viola Davis (apesar de que fui bem contra a vitória dela no Oscar já que ela era a principal e não a coadjuvante, achei bem injusto com as outras nomeadas). Ainda assim recomendo o filme apesar de não ter gostado, algumas pessoas podem achar o formato interessante e a história boa, mas pra mim, o filme é realmente fraco.

http://bit.ly/2m5n96w - Fences traz o melhor do talento de Denzel Washington e Viola Davis

O casal vai muito bem!

Meh, filme bem fraco. É aquela coisa, possui praticamente todos discursos de esquerda que Hollywood tanto ama (só faltou os personagens serem imigrantes, aí fechava a cota). Tem o discurso do homem branco rico malvado, o pai ser o malvadão da história, discurso feminista e bla bla bla. Ponto máximo mesmo é quando o personagem do Denzel vai no sindicato reclamar para poder dirigir o caminhão e sequer tem carteira do motorista... No quesito atuação, Denzel e Viola (com a risada mais falsa dos últimos anos, mesma reação sempre) são ótimos atores, mas senti eles fora de lugar aqui. Totalmente overacting, não senti uma naturalidade nas ações e discursos deles (o mesmo vale para o irmão de Troy) . Enquanto temos atores excelentes, entra em cena Jovan Adepo, que deixa MUITO a desejar quando contracenando com os dois principais. E o que dizer do final? (SP0ILERS) Tocar a trombeta e o céu abrir é simplesmente a cena mais ridícula e piegas do filme. Não creio que tenha visto aquilo... (FIM DOS SP0ILERS) Não me incomoda por ser um filme verborrágico, acho A Streetcar Named Desire um filme maravilhoso em todos os sentidos. É que Fences (aliás, mais uma tradução péssima) simplesmente não funcionou pra MIM. Nota 5/10.

Filme pessimo, esqueceram que deviam fazer um FILME (Ambito Cimatografico) e não uma peça de teatro, só recebeu tantas indicações devido o politicamente correto

É até legal porém Denzel simplesmente filmou uma peça sem dar ares de cinema como necessitava, isso é um grande problema, cada meio tem coisas que só funcionam neles (livros, jogos, filmes e peças) para adaptar tem que incluir elementos que se encaixam no meio adaptado (no caso uma peça em filme) e Denzel Washington esqueceu disso.

A Viola é o instrumento fundamental do filme.

Um limite entre nós, La la land e Manchester foram os mais fraquinhos q eu achei dos indicados ao Oscar

É que o Denzel não acrescentou nada de novo na atuação, tá bom mas repetiu as outras atuações. A atuação pausada do Casey foi um diferencial. O ruim do Manchester a beira mar é tô esperando o final até hoje. Rs

O filme é adaptado de uma peça de teatro, então não tinha como fugir disso.

Não, os 2 tão bem entrosados. O problema é q o filme é meio chato. É realmente um drama.

Parei nos primeiros 15 min. O filme é só dialogo. Mas ja deu p ver q o Denzel e a Viola sao msm dois monstros.

também não entendi porque consideram o teor propositadamente teatral do filme ser um defeito. Por mais que o Casey tenha feito um bom trabalho em Manchester, Denzel merecia o Oscar!

As atuações são soberbas e não há como sentir raiva do personagem de Denzel. É um filmaço com atuações magistrais. O jeito teatral de filmar não interfere em nada. É preguiça de quem acha que precisa ter uma explosão a cada 15min e me lembrou muito The Sunset Limited, do Tommy Lee Jones.

ouvi dizer q a Viola carrega sozinha o filme

Já me falaram q só tem verborragia, foi o único dos indicados q não vi e nem to querendo

As atuações são boas, os diálogos são bons, mas o filme em si é bem chato. Denzel falando sem parar... 3 Ovos Aliás, as "produtoras" podiam parar de lançar filme de Oscar nos cinemas no BRASIL depois do Oscar...

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus