Jim & Andy: The Great Beyond
Filmes - Documentário
Jim & Andy: The Great Beyond (2017)
(Jim & Andy: The Great Beyond)
  • País: EUA, Canadá
  • Classificação: Não definido
  • Estreia: None
  • Duração: indisponível

Jim & Andy | Crítica

Documentário é um estudo sobre a força criativa que é Jim Carrey ao mesmo tempo que revela seu lado sombrio

Jim Carrey é um dos grandes atores de sua geração e Jim & Andy: The Great Beyond é uma das provas disso. No final dos anos 90, quando estava no auge de sua carreira, ele abandonou qualquer tipo de ego e fez um teste para conseguir o papel de Andy Kaufman em O Mundo de Andy. Sua performance na frente das câmeras foi fantástica e, inclusive, merecia mais reconhecimento. Ao assistir ao documentário é possível entender melhor a grandeza de seu trabalho e os bastidores são o verdadeiro tributo à obra de Kaufman.

Uma das pessoas mais surreais de todos os tempos, Andy Kaufman não era apenas um comediante. Ele trabalhava com as emoções da sua plateia e para ele não interessava se seu público estava rindo ou xingando. O importante era extrair uma reação. Até os dias de hoje, suas performances estão à frente do nosso tempo e ele não acabava quando as câmeras desligavam. Ele continuava a “piada” para quem estivesse ao seu redor e, com isso, constantemente confundia as pessoas, que se perguntavam: estaria ele brincando ou falando sério?

Por conta disso, ao assistir os bastidores, vemos que esse é o filme que Kaufman teria feito. Carrey estudou muito a persona de Andy. Entrevistou familiares, amigos, viu vídeos e conseguiu compreender o quebra-cabeça que era o artista. Sendo assim, tomou a decisão ousada de nunca sair do personagem e, com isso, criou momentos que somente o verdadeiro Kaufman seria capaz de criar.

Existem dois momentos que comprovam isso. O primeiro é quando ele se veste pela primeira vez como Tony Clifton – um personagem criado por Kaufmann que era um cantor de Las Vegas arrogante, prepotente e que tinha como objetivo irritar todos ao seu redor. Totalmente no personagem, ele decide invadir o escritório de Steven Spielberg para falar pro diretor que ele nunca fez nada de bom desde Tubarão (ele não consegue encontra-lo, mas dá um show para todas as pessoas do local).

Em outro, decide irritar o lutador Jerry Lawler, que estava interpretando a si mesmo. Na vida real, Lawler e Kaufman eram amigos, mas na frente do público eram rivais ferrenhos. Carrey entendeu que seria melhor para o clima do filme se ele mantivesse a rivalidade o tempo todo e Lawler em diversos momentos perdeu a cabeça, chegando até a “lesionar” Carey – onde ele conseguiu reproduzir na vida real um dos momentos clássicos de Kaufman.

Em nenhum momento, Carey saia do personagem e, com isso, acabou criando um vórtex que levou todos os outros atores, a produção junto com ele. Não era mais possível saber onde o personagem começava e onde o Jim Carrey terminava. Ele realmente se jogou no personagem e isso afetou profundamente não somente o longa, mas toda a sua vida.

O ator explica que sofreu para relembrar quem era. Voltar aos seus problemas e deixar "o mundo de Andy" para trás foi um processo longo e complicado que causou um efeito borboleta culminando na pessoa que ele é hoje. 

Acima de tudo, o filme é um estudo sobre quem é o verdadeiro Jim Carrey. Ao ver as declarações recentes de que ele tem feito, muitas pessoas se assustaram e chegaram a dizer que o comediante havia ficado “louco”. Porém, ao ver o documentário, fica claro quais foram suas escolhas e a pessoa que ele é hoje está muito mais próxima de sua persona real.

A carreira toda, Carrey sempre se mostrou bem humorado. Seja em seus filmes, seja no tapete vermelho. Mas isso tudo fazia parte do “monstro” criado pelo humorista. Um monstro que fazia os outros sentirem-se bem e que, não necessariamente, mostrava quem ele era de verdade. Jim sempre pegou momentos sombrios de sua vida – como dramas familiares, profissionais e pessoais – e transformou em comédia. Ao mesmo tempo em que fala sobre as grandes tristezas do início de vida, o documentário imediatamente mostra um stand-up antigo onde ele brinca com isso e arranca risadas do público.

Especialmente após viver Andy, ele começou a quebrar essa máscara e o ser humano que mostra ao público hoje está muito mais próximo de quem ele verdadeiramente é. Atualmente, Jim Carrey tem uma visão mais pessimista do mundo e não tenta mais ser o que não é e muito é reflexo de sua carreira, pois diz “o que você faz quando realiza todos os seus sonhos e continua infeliz?”.

O documentário é um verdadeiro tributo a Andy Kaufman e, também, um estudo sobre quem é o verdadeiro Jim Carrey. Uma obra alucinada e, ao mesmo tempo, cheia de sentimento que o torna um dos grandes documentários do ano. 

Leia mais sobre Jim & Andy

Nota do crítico (Excelente) críticas de Filmes
 

sim, ela se suicidou.

Ator incrível! Sempre fui fã e ainda serei de sua obra. Mas achei que ele exagerou um pouco nos bastidores, não gostei da postura, mesmo que seja para encarnar o personagem. Ao meu entender, realmente ele trouxe uma ideia interessante no documentário. Depois de muito tempo como figura pública que não pode errar ou será julgado impiedosamente, ele escolheu entre sua real personalidade e aquela que a mídia nos apresentou. Existia o Jim Carrey público e palhaço que queria alegrar a todos e o James Eugene Carrey que pouco conhecemos. Por fim, ele decidiu "matar ideologicamente" Jim Carey e assumir James Eugene Carrey, sendo este ultimo quem fala ao longo do documentário.

É um belo documentário, vale a pena assistir - Jim consegue tecer alguns comentários profundos e bem interessantes sobre a vida, sucesso e destino.

O doc. é legalzinho. Aí vc vai procurar o filme no Netflix e cadê??? NADA! Palhaçada.

Há quem diga que ele está acordando de anos de controle mental da iluminatti, kkkk...

Realmente o doc. é muito bom!

ótimo documentário assistia uma semana emocionante

A esposa dele morreu? team, q barra cara.

Aquele ano era do Edward Norton por A Outra História Americana, uma pena. E o Jim deveria mesmo ter sido indicado.

Me explique direito essas tradições espirituais do oriente, fiquei curioso.

"Confusa pra car#lho, sombria demais, me senti mal vendo, resumindo uma das melhores séries que ja vi" kkk se não assim a critica então nem quero kkk

Sim...sim...Lembro de ler "Símbolos da Transformação", "Psicologia Oriental" e outra obras do suíço.

Aposto que o Jim Carrey e o Jerry Lawler combinaram toda a performance (briga) deles, no melhor estilo Andy.

Antigas tradições espirituais (e religiões inclusive) orientais, hoje ja bastante difundidas por aqui. Enorme parte da obra de Jung foi baseada nelas.

Boa crítica mesmo. Estou muito afim de ver esse doc.

Discordo, hoje ninguém lembra daquele filme e dessa interpretação, a do Stallone além de lembrada foi histórica, pelo personagem.

Ótima crítica,agora quero saber quando sai a crítica de DARK

Jesus não ama Jim Carrey. Inté.

Também quando vi o filme no cinema estava vazio. Passou batido nos cinemas do RJ.

Obras do Netflix geralmente tem um grande preconceito em premiações, o Emmy ainda dá umas indicações para algumas séries e etc, mas de resto...

5 Ovos para esta Crítica bem escrita!!!

Jim Carrey foi injustiçado por não ter sido indicado por Truman e Andy, pelo isso merecia, agora Stallone jamais ia ter ganho aquele Oscar do Mark Rylance.

Acabei de assistir, um documentário sensacional, Jim Carrey é simplesmente espeteacular, junto com o Daniel Day eles possuem um método de atuação bem diferente.

Um dos filmes mais memoráveis que já vi.

Pena que ele não atua mais, não tem cabeça pra isso. Mas foi brilhante por uma década pelo menos, o que ele fez entre 94 e 2004 é difícil de ser repetido.

Mas o documentário é Jim e Andy, não Andy e Jim, logo já deve se esperar de tratar mais do Jim e menos do Andy. Não acho que seja tudo tão "montado", ensaiado ou farsante como você levou a crer. Vejo um cara meio perturbado e desafiado pelos próprios problemas (alguns que ele mesmo criou) e que se perdeu nisso.

Todas quais? Kevin Spacey estava excelente em Beleza Americana. Harvey Einstein nunca foi ator. A Paltrow pelo que eu saiba foi uma vitima.

O blog perspectivas.life está precisando de novos escritores, então caso vc escreva sobre alguma coisa e queria fazer parte do time, entre em contato para ter seus textos publicados na perspectivas, através do email: paginaperspectivas@gmail.com

Não precisava dessa verborragia toda para dizer que não gosta do Jim Carrey.

A "Jornada do Herói" ? A "Sombra" junguiana?

Que vocabulário, Jesus! Muito bem escrito.

Mas o documentário também é sobre o Jim Carrey, então é mais do que natural vê-lo sendo o protagonista e ao mesmo tempo apresentando a vida do Andy. Nunca foi um documentário só sobre o Andy, mas Jim e Andy.

Mundo de Andy, The Majestic (outro filme subestimado), Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, Show de Truman... Por diversas vezes ele exercitou o drama e sempre se saiu muito bem.

Qualquer indivíduo quando decide se conhecer, se aprofundar na própria realidade tem que lidar com aspectos pessoais não muito “aceitáveis” tanto pra própria moral quanto pra sociedade, acaba potencialmente passando por períodos de grande dificuldade, mas quando passam esses períodos, a clareza é muito maior do que a se tinha quando você era só um zumbi moldável pelo meio.

Pelo menos ganhou o globo de ouro né?

O Mundo de Andy é um dos meus filmes favoritos. Infelizmente, à época, ele foi bastante ignorado pelo público e pela crítica. Lembro de ir ao cinema e só ter 10 pessoas assistindo ao filme.

Tive a oportunidade de assistir em primeira mão ao documentário "Jim & Andy: The Great Beyond", mediante pagamento de recorrente mensalidade à Netflix. Teoricamente seria um filme sobre a realização de "O Mundo de Andy", cinebiografia de 1998 do humorista Andy Kaufman, dirigida por Milos Forman e protagonizada por Jim Carrey. Não compre gato por lebre: trata-se apenas de uma desgostosa visita ao combalido ego do eterno Ace Ventura. As imagens de bastidores do filme, quando Carrey teria sido "possuído" pela personalidade caótica de Andy Kaufman, azucrinando tudo e todos, na verdade servem como um sutil fio condutor para que o ator possa fazer algumas considerações a respeito da própria trajetória. Com o olhar perdido e alguma melancolia ensaiada, o eterno Máskara parece acreditar que a longa barba grisalha concede alguma profundidade às questões filosóficas juvenis que verbaliza ao longo de 1h30 de duração. Seria de bom alvitre ocupar esse tempo revendo o excelente filme de Milos Forman. A menos que você tenha interesse em acompanhar uma curiosa autobiografia de Jim Carrey onde o único entrevistado é ele mesmo, o eterno Lóide. Por mim, tudo bem.

Você termina de assistir esse Filme/Documentário com lagrimas nos olhos, pois não há palavras que descrevam o que Jim Carrey é para o mundo...

Com o Robin foi diferente. Ele tinha uma doença degenerativa muito forte. Ele estava "apagando" e isso o estava enlouquecendo (é por isso que eu jamais vou julgá-lo pelo que ele fez, só ele sabia o quanto estava sofrendo), por isso ele quis pegar um atalho. O Jim não tem esse problema, foi puro abuso de drogas e depressão. Com o tratamento certo, e as pessoas certas ao redor dele, ele vai se recuperar com certeza.

Hum... Pode ser... não sou entendido, entretanto prefiro me ater ao diagnóstico que o próprio Carrey deu numa entrevista ao Jimmy Kimmel. Lá, dentre outras coisas, ele afirma se tratar desde 2004 e agora sente-se curado. Não acho que chegue a loucura, mas quase toda grande alma possui aspectos..." difíceis" donde a melancolia ou um período de trevas foi parte constituinte da persona. Curiosamente Carrey é "só" mais um grande comediante a integrar a turma dos amargurados. Sellers, Chaplin, Pryor, Belushi, Williams...a lista é grande...

Impressiona o fato já muito difundido de grandes comediantes serem tão tristes, perturbados e quase esquizofrênicos na vida real. Vou assistir quando tiver um tempinho, mas certamente essa obra vai alimentar essa argumentação.

Atualmente tem uma visão pessimista da vida?! O cara simplesmente entrou em processo de despertar muito conhecido por antigas tradições espirituais do oriente e que aqui no ocidente as pessoas teimam em achar que é algum tipo de depressão ou loucura, simpesmente por serem ignorantes.

Vdd. Twmo por isso tambem

Concordo, melhor filme dele junto com Brilho Eterno, infelizmente ele é subestimado e mal interpretado como comediante, tenho fé que ele ainda vai ganhar um Oscar se fizer um filme bom tipo um drama ou um filme que exija mais dele.

Odeio esse oscar até hoje.

Só peço a Deus que ele não se mate. Tá numa bad vibe no estilo Robin Williams nos últimos anos

Cara, assista esse filme, é uma Obra Prima, além de ser a melhor atuação da carreira dele.

Jim Carry é muito diferenciado dos demais atores de comédia, Ace Ventura, O Mascara, o cara era troll demais, fariam até o Deadpool chorar. Mas após a morte de sua esposa ele esta em um momento Darkness, pelas entrevistas e comentários na net que ele faz, espero que não cometa suicídio.

Tem quem assiste o filme, compreende quem era Kaufmann e acha sensacional. O problema é que muitos esperavam "mais um filme de comédia do Jim Carrey". Quem não entendeu ou acha que o filme não era tudo isso PRECISA assistir esse documentario. É transformador.

Uma vergonha ele não ter sido indicado ao Oscar por esse papel. Tem atores que não importa o papel que façam, nunca ganharão o Oscar, e quando tem performances épicas e arrebatadoras, o máximo que conseguem é uma indicação e nunca ganham nada. Jim Carrey é um deles, junto com Eddie Murphy (Dreamgirls), Stallone (Creed), dentre outros.

Um de meus filmes favoritos! Subestimadíssimo!!!!!

Ele tbm merecia por o Show de Truman e Brilho Eterno Mas antigamente so a penalinha da academia ganhava, hoje as panelinhas estão sendo todas acussadas de assédio

E pensar que o Jim Carrey nunca foi nem se quer indicado ao Oscar. E no mesmo ano tivemos aquele debil mental do Roberto Benigni ganhando o Oscar de melhor ator. Essa foi mais uma prova que esse prêmio e mediocre.

Impressionante o que Jim Carrey fez neste filme, já assisti 2 vezes, aquele personagem caricato, o monstro, escondia um ator fenomenal mas de índole depressiva.

Jim Carrey é f0d4

Melhor que ace ventura?

Meu Jim Carrey tá vivoooo! Vem Oscar hihihi

Eu acho o Show de Truman o melhor filme dele.

Jim Carrey é mais que um simples comediante. É um ator. E com um método todo próprio. Incomparável!

Jim carrey é um gênio , não assisti ainda esse filme mas a atuação dele em o Show de Truman é brilhante e digna de oscar , ele consegue entregar comédia e drama de forma convincente , sair de um momento engraçado e entrar em um triste rapidamente e convencer nos dois de uma forma que poucas vezes se vê.

Será que ganha o Oscar de melhor documentário ? Jim Carrey é fod4, o cara deveria ter feito mais papeis dramaticos

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus