Kong: A Ilha da Caveira
Filmes - Aventura
Kong: A Ilha da Caveira (2017)
(Kong: Skull Island)
  • País: EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 9 de Março de 2017
  • Duração: 120 min.

Kong: A Ilha da Caveira | Crítica

Franquia volta pop em queima de energia rápida, intensa e superficial

Diz a lenda que o diretor Jordan Vogt-Roberts, então com apenas um longa no currículo, convenceu a Warner Bros. de que ele era o homem certo para fazer Kong: A Ilha da Caveira quando mostrou ao estúdio uma versão preliminar da cena que abre o filme. Nela, a paz de uma praia paradisíaca no Pacífico Sul é quebrada com a queda de dois aviões da Segunda Guerra: de um piloto aliado e de um japonês. Se o espaço já tem cores chamativas que lembram os desenhos animados, o duelo que se encena em seguida reforça essa noção, porque os dois personagens - um americano fotogênico de olhos azuis e um japonês endemoniado com sua espada - estão mais próximos dos cartuns do que se esperaria de um filme de guerra.

Essa cena é certeira como síntese e dá o tom de todo o King Kong que Vogt-Roberts se propõe fazer: menos uma obra de reverência à franquia (o que já o distancia do Kong de Peter Jackson) e mais uma obra que reverencia todo o pop, seus potenciais e suas vocações. Produto de uma geração que aprendeu a crescer sem abrir mão de gostos da infância, o diretor se revela em A Ilha da Caveira uma versão light de Zack Snyder. Mistura e estetiza games, quadrinhos e temas orientais com a cinefilia obrigatória pós-Nova Hollywood, de Spielberg a Coppola. O resultado é um filme que fetichiza o imaginário de seu tempo mas não com a mesma carga erótica de Snyder, e sim com uma pulsão pelo colecionismo.

Os personagens de Kong: A Ilha da Caveira são, a exemplo dos dois combatentes daquela primeira cena, pouco mais do que arquétipos cartunescos do filme de aventura: o galã meio Indiana Jones vivido por Tom Hiddleston, a fotógrafa sensível (Brie Larson), o militar enlouquecido pela guerra (Samuel L. Jackson), os cientistas de óculos e caderninho, o pelotão formado por buchas-de-canhão. De alguns desses personagens não esperamos, mesmo, que sejam nada além do arquétipo, e no fim os militares - que parecem mais saídos de Trovão Tropical do que necessariamente de Apocalipse Now - roubam a cena com diálogos espirituosos. Já os dois protagonistas, que deveriam transcender e consumar jornadas, ou pelo menos servir melhor de intérpretes no vínculo que estabelecem com o espectador, ficam devendo: Hiddleston e Larson, subdesenvolvidos desde o começo do filme.

Vogt-Roberts logo demonstra que sua especialidade aqui não é a dramaturgia, quando Kong começa a patinar lá pela metade, em meio a várias cenas-montagens com canções pop que aceleram a narrativa mas não a aprofundam. Em termos de aproveitamento rápido de set pieces bem pensados, porém, ele se esmera. Assim como o boneco bobble head de Richard Nixon que surge em cena para sublinhar um eventual caráter político do filme, tudo em Kong se torna objeto prontamente descartável. E como Vogt-Roberts queima munição com gosto: os primeiros 40 ou 50 minutos são incríveis, até o desfecho da entrada dos helicópteros na ilha, uma festa caótica de montagem clipada, com mudanças de pontos de vista de câmera e soluções visuais frequentemente baseadas no calor das cores (a hora em que Jackson fica soturno no seu escritório, resolvida na iluminação, é anime puro).

Como a premissa se presta ao consumo rápido e à descartabilidade (dos muitos gêneros com que o filme flerta o principal é o da aventura de travessia, organizada sempre de desafio em desafio, como fases de um game) e o roteiro se estrutura de forma a permitir a narrativa ágil (ora seguimos os mocinhos, ora os "malvados", intercalados, como se revisitassem a busca ao tesouro de Os Goonies substituindo os mafiosos por militares), os defeitos de Kong não terminam minando tanto esse prazer e a visível facilidade com que o filme se filia ao pop e lhe presta tributo, tratando a violência de forma caricata com um humor que tornou-se raro nos marrentos blockbusters americanos.

E o King Kong? Bem, criado com esmero pela equipe de efeitos visuais, com ajuda do ator Toby Kebbell em close-ups que exigiam uma captura de movimento facial mais pontual, o belo gorila é a imagem que perdura, em meio a tanta combustão instantânea. De resto, é um filme sobre filmes, sobre acúmulos de referências, transpiradas com urgência.

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

A discussão está muito polarizada: ou o filme é assim mesmo e tudo bem não ter personagens desenvolvidos nem uma história ótima, ou é imprestável e sem nenhuma qualidade. Parece para mim que, nesse tipo de filme, quando capricham nos efeitos e nos cenários, acham que não é preciso se preocupar com os personagens. E o fator humano vai por água abaixo, porque se não gostamos e não ligamos pra eles, não importam as mortes; são como as de Homem de Aço e Jurassic World, só pra encher tempo em tela. Quando alguém morria, a gente ficava só "puxa que chato, quem será o próximo, hein?" Só os militares se destacam, funcionam só em conjunto, não individualmente. O resto é tudo desenvolvimento burocrático. Antes que alguém diga que Blockbuster é assim e que não precisa de personagens super complexos, eu digo que nunca exigi isso, só queria ver pessoas minimamente desenvolvidas por quem sentisse empatia... Tubarão tinha personagens simples, mas com quem nos importávamos. Jurassic Park tinha personagens simples, que são inesquecíveis. Star Wars, idem. E o novo Power Rangers, que parece um caso oposto ao de Kong? Como não tinha verba para efeitos incríveis como os da Ilha da Caveira, eles procuraram desenvolver personagens críveis e empáticos. O que está faltando em alguns filmes, onde os produtores só ligam pros efeitos, e nada mais.

Genial. Simplesmente uma aula de narrativa visual. Melhor filme "pipoca" do ano. Sem mais.

Assisti hoje <b>Kong: A Ilha da Caveira</b> e nossa... fiquei bastante decepcionado com o filme. Tem momentos que me lembraram de Esquadrão Suicida de tantos amadorismos desse diretor Jordan Vogt-Roberts. Colocaram músicas fora de hora durante o filme inteiro! É uma salada mista de ação, comédia e soft-drama. Toda hora os personagens falando: "Vocês não vão comentar nada sobre o que viram/aconteceu hoje?" pra criar aquele efeito falso de grandiosidade. Tem vários momentos forçadassos, do nada os personagens principais morrem de algum jeito idiota, personagens desinteressantes, cena durante os créditos sem peso dramático nenhum. O filme de 2005 apesar de ser longo demais é MUITO superior a esse. Posso afirmar com tranquilidade que o Godzilla de 2014 (dirigido pelo mesmo diretor de Rogue One) continua sendo o melhor filme desse universo de monstros, lá pelo menos tinha uma história interessante e uma carga dramática ao qual você podia se conectar. Não vou jogar a toalha ainda pra essa franquia porque eu gostei do filme do lagartão. Mas, Kong... ficou devendo e muito! Merecia 2-3 ovos no máximo.

filme bosta não perca seu tempo, é pra rir esses 4 ovos kkkk

Gostei. Passou rápido de tão bom que foi assistir. A ILM caprichou nos efeitos visuais, até pensei que fosse a WETA que tinha feito. Agora só no aguardo do confronto com o Godzilla.

Excelente crítica , o diretor tem soluções visuais muito interessantes para o filme , realmente o Hiddleston e a Larson foram pouco explorados ,e a dramaturgia fica devendo também , mas é filme muito bem resolvido.

assisti ontem é beeeeem fraco ñ chega a ser ruim mas ta loco. é aqueles filmes que se assiste uma vez e ta otimo. ñ chega nem aos calcanhar do de 2005.

filme diverte e ponto. 3 ovetas.

Faz melhor.

Por incrível que pareça, gostei do filme. Apesar de ter problemas, o filme não é daqueles que escondem as criaturas, ele mostra mesmo é mostra muito bem, com uma fotografia incrível. Outra coisa que gostei foi que tiraram a romantização ridícula entre a mocinha e o gorila. Kong está defendendo seu território, e julga os humanos tão insignificantes que nem da bola pra eles. Ele ainda salva a mocinha mas, não dá forma como como nós outros filmes. Eu curti e recomendo.

Né isso!

Nossa. Estou perplexo que omelete deu 4 de 5. Ah o dinheiro...

Adoro filme ruim, é o meu lance. Mas esse é do pior tipo de ruim: ele não tem motivo de existir. Tudo é tão artificial, desde o design das criaturas (que parecem impossíveis, anatomicamente falando), até os próprios atores, que estão sempre perdidos em cena e às vezes até são esquecidos (quem são aquelas pessoas de jaqueta azul mesmo?). Não é nem fanfarrão, ao contrário, se leva a sério. Aí dói, que arrependimento...fujam para as colinas!

Esse filme é uma desgraça. Que me desculpe quem vai ao cinema pra ver filme ruim, não é meu caso.

Perfeito. Saí do cinema incomodado com o dinheiro jogado fora. Mas a vida tem dessas coisas né

Exata e precisa sua análise!

Não, senhor! Se você gosta de cinema, vai lá assiste ao filme, curte o que é apresentado, mas sem deixar de pensar sobre o que está bom, o que está ok e o que está péssimo. Ou então você vira um daqueles espectadores que assiste qualquer porcaria e acha que está ótimo. Por fim, tem muitos filmes sem "coesão narrativa ou lógica" que são muito bons, mas não é o caso de Kong.

Que filme terrível. Pena que nenhum amigo me avisou que era pegadinha. O que mais me incomodou foi a incapacidade do diretor e dos produtores. Misturam cenas, misturam roteiros (fica claro que foram vários contratados, cada um jogando suas ideias tolas no bolo), misturam ideias. O filme é uma salada de coisas mal feitas e mal planejadas. Depois sobrou pro Editor juntar a palhaçada toda, em montagens que 90% do tempo não fazem nem sentido. Até as atuações foram ruins... conseguiram pegar atores de nível Oscar e fazê-los atuar como se estivessem em "Malhação". É de dar vergonha. Cenas com atores do nível de Jackson e Larson feitas às pressas, sem nenhuma pretensão de funcionar, em tom infantil mesmo. Só queriam abusar do CGI e da marca mesmo, o que não salva o filme, mas ao menos é algo para ver. O resto todo é muito ruim, parece filme amador mesmo. Produção de nível B. * Adoro ficção científica e tolero filmes "bestas" e blockbusters. Esse é porque realmente tenta lhe tirar do sério. Vale o aviso pra quem está na dúvida em assistir ou não. Poderiam ter feito algo razoável, mas preferirem a mediocridade. Nível Suicide Squad.

Nossa, achei o filme ruim.... esperava muito mais. Roteiro ruim. Só a fotografia e os efeitos especiais que prestam.

Exato!

Não é questão de pedir um "contexto intelectual ou profundo", o filme é o que é, ninguém faz uma análise para desejar que a obra analisada fosse outra. Penso que uma postura interessante para assistir filmes é aproveitar a projeção, mas também observar o que está bom, o que é regular e o que é muito ruim. Uma visão crítica, ou você vira uma dessas pessoas que assiste qualquer m**** e acha que está ótimo.

acho que é assim: https://www.youtube.com/watch?v=4lVljQUzLoM&t=112s

Mas o roteiro de Kong é voltado pra Godzilla e Kong vs Godzilla. Por mais q tenha o que vc falou, o filme de Peter é aquela história e o roteiro segue 3x diferente.

O que mais me irritou é que a ideia é sensacional, podia reaproveitar os dinossauros da trama de Peter para criar uma ambientação fodastica, e com artilharia militar, criar algo magnifico na tela. Mas ele preferiu encaixar piada o tempo todo no filme e nao alivio comico. Não cria uma tensão e nem carisma pelas personagens. Você não se apega, nao sente nada. Nem pelo Kong, nem pelos militares, unica coisa que voce quer é que o filme acabe. Infelizmente, foi fraco demais.

Mas o Kong sempre foi da relação de romance entre a bela e a fera. E se voce parar para ver, isso ocorre também, ou o diretor tenta criar essa relação, mas de forma superficial nesse filme novo. Tanto que o Kong salva a mocinha e a defende. A diferença é que Peter constroi uma relação entre a loira e o monstro desde a metade do filme para no final justificar o fascinio e a morte do Kong por causa da garota.

Concordo com voce

Acho o mesmo, cara deram otimo pra um filme que o trailer vendeu como sério e foi piada o tempo todo. Os 40 minutos do filme foram bons, mas do nada começa a correr com a história, entra um moradores da ilha que não falam nada e uma batalha final sem pé nem cabeça. Filme deveu e muito...

As pessoas que não gostaram do filme estão exagerando, tem que ver o filme como uma diversão despretensiosa sem buscar coesão narrativa ou lógica. Até a mitologia do macacão foi alterada, eu fui ao cinema pra ver um macaco de 30 metros, e ainda tem gente que pede um contexto intelectual ou profundo nisso! kkkk

voces estão exagerando, tem que ver o filme como uma diversão despretensiosa sem buscar coesão narrativa ou lógica. Até a mitologia do macacão foi alterada, eu fui ao cinema pra ver um macaco de 30 metros, e ainda tem gente que pede um contexto intelectual ou profundo nisso! kkkk

concordo plenamente!

Pois é, mas o mundo tem como referência a monstros gigantes o Japão, nem sempre quem cria é quem ganha o feedback.

pelo que me consta, foram os japas que copiaram dos USA a técnica e o estilo de narrativa dos filmes de monstros gigantes.

Vocês se vendem, só pode.

Divertido, mas não merece 4 ovos. 3 já seriam mais que adequados.

Seu argumento é tão bom (sem ironia) que posso usá-lo contra você também.

O Hessel acertou nessa crítica. O filme é exatamente assim, superficial na sua premissa, com montagem acelerada, mas muito carismático e com ótima produção. A Warner pode não fazer uma obra-prima, mas que investe pra caramba na produção e no design do filme, isso é inegável. E as cores ácidas e calorosas do filme são estupendas, a fotografia e os efeitos visuais ótimos, sem contar com a baita ambientação, modesta, curta e muito bem dosada. É um pipocão decente e sem pretensões maiores. Eu gostei.

Depois de todo o crédito, haja paciência. :V

Deu carteirada, perdeu. Chora pra alguém que se importe.

Tenho duas formações superiores, duas pós graduações, estou fazendo mestrado e pretendo partir para o doutorado, tenho que ler centenas de páginas de textos científicos alemães da década de 1950, faça tudo isso de boa e acho as críticas do Hessel chatas também.

Eu como médico, como advogado, como engenheiro, como salmão, como chocolate e como suas mães.

O povo pega no pé do Hessel desde que ele deu nota 2/5 pra O Regresso e 5/5 pra Magic Mike XXL

Em Luta de monstros Japão é referência e nesse filme em específico elas estão de montes... Tirando que eles querem ligar essa nova franquia ao Godzilla.

Outra crítica sobre o filme: https://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2017/03/17/kong-a-ilha-da-caveira-2017/

É o estilo do cara, porra! Nego chora, pq tem vocabulário limitado e tem dificuldade com o texto. Onde existe dificuldade, existe oportunidade de crescimento. u_u

Sou vegano.

Eu adorei o filme... para mim foi o dos melhores do Kong... mas vai entender cabeça de critico de cinema... reclama de tudo e no final da ótimo kkkkkkkkkkkkkk é por isso que eu sempre digo à mim mesma: assista e tire suas próprias conclusões!

Pessoal!! Tem cena após os créditos iniciais do final do filme ou depois de todos os créditos ????

Nossa! você além´fortinho é inteligente, bonitão, e quase deus... parabéns agora pode voltar a beber seu Toddynho ta!

Tiago, presta só a atenção. Não é o gostar ou não que está em questionamento, mais que isso, é o linguajar aristocrático usado por Sir Hessel, que parece querer aparecer ao invés de informar. ESTAMOS FALANDO DE SIMPLICIDADE PORRA!!!

Kkkkkkkkk

Gostei do filme, divertido e o Kong ficou muito bacana. Acertaram em cheio usando o pós-vietnã, essa cara de Apocalipse Now, Platoon e as músicas são as melhores coisas do filme. De ruim achei o casal protagonista, bem subutilizado e a pressa em contar a história. O final é muito corrido e tem umas cenas bem sem noção. No último terço do filme faltou o mesmo capricho que tiveram no começo, uma pena!

Ótimo do omelete? Tipo...levava na brincadeira 4 ovos do Hessel pro 51 tons de silva e magic mike 2000 mas 4 ovos nisso? Não tinha vontade de sair do cinema assim desde que fui assistir O SEGREdo ENGANADO PELO COMERCIA ACHANDO QUE ERA DE SUSPENSE QUE NEM O CÓDIGO DA VINCE...

Aí em Transformers que tem demais reclamam!

Kong, é um personagem criado por um estadunidense , 99% das produções relacionadas a ele são estadunidenses. Me explica o que ele tem a ver com a cultura tokusatsu.

O pessoal que mete o pau em filmes assim, é muito novo e não corre a trás em entender a cultura tokusatsu. Daí ficam procurando uma coisa onde não vão achar.

Não entendo a tara da galera de querer ver desenvolvimento nos personagens humanos ou algum roteiro mirabolante, cheio de plot twists num filme de monstros gigantes. Pera aí, né..

O final então...não sabiam nem como terminar a "maravilha" que fizeram, parecia redação de ensino básico

2* pra esse filme talvez fosse muito

Concordo,o roteiro se perde e há personagens muito mal trabalhados como o povo nativo por ex

Na cena pós credito eles apresentam varias fotos de kaijus em estilo pinturas de parede, um deles se não me engano é o mothra. A última é do godzilla enfrentando o king ghidorah e finaliza com o rugido foda do godzilla... se marca melhor que o filme inteiro auehauheuahue

Horrível. Um filme que não fala nada com nada. Ação, aventura, romance, nenhum elemento dele se sustenta. Chega a ser uma ofensa ao trabalho do Peter Jackson que projetou um King Kong bastante interessante naquele trabalho lá dos 2.000. Penso que quando um filme se assume "pipoca" e decide realmente não investir em contar uma história, nem em construir personagens minimamente interessantes ele deve se esforçar pelo menos para concatenar logicamente os elementos de diversão da projeção, a colocação da trilha, as explosões, as lutas, o sangue na tela, os aspectos mais sensoriais de um filme. Kong não tem nada disso. Um desperdício de tempo e dinheiro, meu que fui ao cinema ver isso e do estúdio que se propôs a fazer algo tão ruim.

Cara, o filme de 2005 não tem nada haver com esse de 2017. São totalmente diferentes de situações, épocas (os filmes). A direção desse Kong de 2017 é voltado pra Godzilla. O de 2005 era o de ''romance'' e morre no final.

e interpretação tbm.

Em nenhum momento nesta crítica parece que o crítico está descendo o pau no filme, e sim constatando a superficialidade do mesmo, mas falando como é divertido. Faltou leitura, heheheheh

Não entendo esses "críticos" metidos a sabichões aqui do Omelete... O sujeito desce a lenha no filme inteiro pra depois dar 4 ovos??? É muita maconha envolvida na alma, só pode. Saudade de quando o Omelete se prestava a ser decente. Indo agora para o Adoro Cinema e Cinema com Rapadura ler uma crítica de verdade.

Muito divertido!! Aventura pura! O bicho aparece (não fica aquela munha do Godzilla), trilha só com clássico!! Melhor que os filmes de DC e Marvel tudo junto!!! Falhas no roteiro, atuações inexpressivas, não desmerecem a Luta do Kong no final!! Samuel L Jackson o cara!!!!! Fora as referencias ao Apocalipse Now!! FODA!! TEm seus defeitos, mas é bem divertido!!!!

Durante o filme: Um dos caras da equipe é membro da organização que aparece no filme do Godzilla pra caçar os monstros. Pós-créditos: Aparecem a imagem de alguns kaijus numa apresentação. Tá mais pra propaganda pra Godzilla 2.

Pütz Cara! O Kong dos anos 30 é infinitamente melhor do que o de 76, melhor do que a refilmagem de Jackson e melhor finque este também. Mas, este tem uma vantagem sobre as refilmagens... Este não é uma refilmagem... É uma outra história com a presença de Kong. Isso faz o filme muito legal.

AMEI! Nunca gostei do final da versão clássica (a morte de Kong) sempre ficava mal! Parabéns ao criador dessa versão fantástica, me senti realizada, foi tudo o que eu sonhava em ver!

King Kong verdadeiro é o de 76 (mesmo sendo uma refilmagem) , apesar dos efeitos desse estarem ultrapassados foi mais interessante do que o do Peter Jackson que parecia mais um Jurassic Park com o Kong bem menos ameaçador.

Gostei do filme. É uma outra pegada, bem diferente da ótima versão do Peter Jackson mas me agradou. Nada do tipo sensacional, tirando os efeitos, mas é um bom filme e vale a pena assistir. O legal é que não tem muita frescura nem demora pro Kong aparecer e ele logo chega "chegando", hahahaha. Pela cena pós créditos, parece que vem algo muito maior por aí, hehehehe. O único ponto negativo, pra mim, talvez nem seja tão negativo assim mas apenas um "choro" meu. Gostaria de ter visto mais diversidade de criaturas na ilha, já que o filme inteiro é lá. Acho que a versão do Peter Jackson mostrou bem mais criaturas do que essa, mas enfim...assistam!

Puxa, você foi MUITO generoso com esse amontoado de cenas coladas por estagiários de cinema. Nota 4 de 10 é o máximo de boa vontade que um pipocão desse vale.

Concordo com tudo, à exceção da expectativa, que estava bem baixa. É um daqueles filmes que os trailers contam quase tudo. Em momento nenhum fui surpreendido pelo roteiro de sessão da tarde.

Divertidissimo!! Trilha sonora excelente, efeitos bacanas e uma direção diferenciada!! Não tem q comparar com o do P Jackson, estilos diferentes.

Achei esse filmes muito, mas muito inferior ao King Kong do Peter Jackson. Sei que é outro tom, outro tipo de filme, mas não tem como não comparar, no de 2005 fiquei sem fôlego, deslumbrado com a história, os efeitos e roteiro, o filme até hoje ainda é fantástico, um dos melhores de fantasia que já vi. O que vi ontem é totalmente sessão da tarde, não decola em momento nenhum, roteiro ridículo, personagens sem carisma nenhum, se resume apenas a monstros brigando e nada mais, totalmente eaquecível. Como passatempo até funciona, mas esperava muito mais.

ah, sim. eu acredito que possa ser mesmo.

Tá vendo?Soube explicar melhor que eu.

O personagem do Jackson tá frustrado porque os EUA se retiraram da Guerra.Quando Kong mata quase todo pelotão dele,ele surta e quer descontar no macaco.

Amigo,apenas listei o que gostei e não gostei e sobre os pontos negativos,há várias críticas na internet que tiveram a mesma impressão que eu.Se for relevar as falhas em todo filme em nome de 'diversão',não existirá filme ruim.

Os efeitos visuais são excelentes.

Eu estava com as expectativas bem baixas pro filme, por causa do tom dos trailers. Mas o filme me surpreendeu demais, foi umas das maiores experiências que eu já tive, assistir com o meu irmão de 12 anos e ele também adorou. Tomara que concorra ao oscar de melhor efeitos visuais. Recomendo a todos a assistirem

Contrariando um "pouco" a opinião abaixo do Rollins, o filme é MUITO BOM! Não vou comentar sobre cenas, pontos Bons ou ruins...se faltou alguma coisa, apenas digo valeu a pena ter assistido! Ação, monstros, boas musicas, risadas e a promessa de um retorno! Ao contrario do Sr. abaixo eu nem percebi esses 40 mins que ele menciona, pois da aquela sensação que alguma coisa vai ocorrer e isso te deixa ligado e por tudo isso tem uma nota 9.0 PS: Não que "faltou alguma coisa" e SIM iniciou "alguma coisa" assistam que vocês vão entender.

Nenhuma, o Kong ainda está "crescendo" então não é possível no filme fazer essa comparação de porte. Agora o Kong é muito mais "presente" no filme que o Godzilla foi isso é fato! O Filme é muito bom e te prende a atenção, pois você fica sempre imaginando que vai acontecer alguma coisa.

kkk...na verdade isso não me incomodou, achei até "divertido" o jeito que ele "qualificou" o filme. Mas acredito que ele dormiu por isso colocou 40 min de "barriga" kkk...e discordo da nota.

40 min? Você dormiu?rsrs..."Diálogos ruins"? tipo...a parte da tribo que "não fala"?rsrs..."Alívios cômicos desnecessários" se é mala hein...rsrs. Essa parte está "na moda" quase todos os filmes tem (Marvel, DC e por ai vai) não acho isso um ponto negativo...ou você reclamou quando disso também no filme dos Avengers, por exemplo? o Filme tem nota 9.99

Não vejo a questão pela quantidade de soldados.O cara é um fanático de guerra,que vê sempre o outro como um inimigo a ser combatido.Ele não queria perder mais uma.As mortes de soldados são apenas "baixas necessárias".Isso ficou bem claro pra mim na conversa que ele tem com a Brie Larson,quando diz que "vocês pacifistas estragaram tudo".E mesmo com todo mundo argumentando que o outro soldado já estava morto por causa dos lagartos,que o Kong só se defendeu,ele achava que tinha que combater o inimigo,mesmo que esse inimigo fosse o protetor da ilha.Se ferrou bonito.

Minha é nota é baseada nas minhas opiniões pessoais.

Sua nota foi injusta e desnecessariamente baixa. Concordo mais com a avaliação de 4 ovos do Hessel.

Eu ponho minha cara a tapa. Se eu falo algo estúpido, me diga onde e a gente discute. Agora quem fala que não achou sentido em algo que tem sentido é admitir a propria incapacidade de entender algo.

Acabei de voltar do cinema. POSSÍVEIS SP0ILERS!!!!!!!!!! Olha,é bom,diverte e tal.Maas,fica a sensação de que faltou algo,de que poderia ser melhor.A ambientação em meio ao fim da Guerra do Vietnã é bem interessante e são visíveis as homenagens a 'Apocalypse Now'.O personagem do Samuca mesmo tem uma vibe Coronel Kurtz.O cara tá puto porque o EUA abandonou a guerra,surta depois que o Kong mata quase todo pelotão e tenta descontar matando um macaco do tamanho de um prédio e quase consegue. PONTOS POSITIVOS: - Ao contrário do Godzilla,o King Kong aparece bastante e sempre roubando a cena; - Bela fotografia; - Efeitos visuais excelentes.Sério candidato a ser um dos 5 indicados ao Oscar ano que vem; - Trilha sonora bacanuda (CCR,David Bowie,Black Sabbath,Jefferson Airplane,Jorge Ben Jor); - Samuel L. Jackson e John C. Reilly; - Brie Larson gata demais; PONTOS NEGATIVOS: - Há pelos menos uns 40 minutos de filme onde praticamente nada acontece.A famosa barriga; - Diálogos ruins; - Vários bons atores desperdiçados em personagens inúteis(Richard Jenkins,John Goodman,o cara do TWD,a chinesinha); - Alívios cômicos desnecessários; Nota 6.25/10

Eu não odeio a forma que o Hessel escreve, gosto da construção lógico-comparativa dele...mas não da pra usar um mesmo parâmetro para analisar elementos diferentes. Kong é um blockbuster e pronto. E como blockbuster ele merece 5 ovos!

Melhor comentário mano kkkkkkkkkkk

Parabéns, Tiago, só você sabe das coisas. Agora já pode ir malhar.

O filme é muito bom, mas não tem nada a ver com a crítica.

Uma coisa é ser burro, outra é ser burro e querer parecer inteligente. Como me parece ser o caso de alguns aqui.

Mas qual é a necessidade de teorizar política, sociológica e antropologicamente uma porra de um blockbuster?

Filme excelente, com bastante ação, fotografia linda, efeitos fodas e o roteiro como se espera de um filme assim: simples, direto. Adorei!

O problema não é o texto ser intelectual. Até porque ele não é intelectual, é só pseudocult mesmo.

Eu assisti Kong e recomendo. Muita ação, aventura, com cenário lindos, é divertido, sinceramente me surpreendeu...

Vi hoje o filme. O personagem do SLJ ficou "P" dos 7 colegas terem sido mortos pelo Kong. Morreram 58.000 americanos na selva do Vietnã e ele encarou numa boa. Ilógico, como diria o Spock.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus