O Lobo de Wall Street
Filmes - Drama, Biografia
O Lobo de Wall Street (2013)
(The wolf of Wall Street)
  • País: EUA
  • Classificação: 18 anos
  • Estreia: 24 de Janeiro de 2014
  • Duração: 180 min.

O Lobo de Wall Street | Crítica

Martin Scorsese refaz os jogos de perspectivas e ilusões de filmes anteriores, agora em chave francamente cômica

Pelas similaridades da trama, da sedução do crime à traição, a comparação imediata que O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street) gera entre os filmes de Martin Scorsese é com Os Bons Companheiros (1990), mas a adaptação ao cinema do livro homônimo que narra a história de Jordan Belfort tem mais a ver com outro clássico de gângster do cineasta, Cassino (1995).

Ex-corretor da Bolsa de Nova York, Belfort fez fortuna nos anos 1990 explorando a fugacidade do mercado financeiro, um mundo onde se movimentam fortunas sem pudor ou remorso porque elas são, em boa medida, absolutamente imateriais. É o que diz, ainda nos anos 1980, o primeiro patrão de Belfort (Leonardo DiCaprio), interpretado no filme por Matthew McConaughey: o único dinheiro "real" naquele mundo de ações e flutuações é a comissão do corretor.

Mas a moeda também não deixa de ser um meio, uma convenção. Enquanto objeto criado para atribuir valor às coisas, ela não é um fim em si mesma; de que adiantaria ser rico sem gastar um centavo? O poder que o dinheiro tem, então, em última instância, é o de dar forma à realidade. Em Cassino isso é evidente: o filme se passa no meio de um deserto, o de Nevada, e ali o personagem de Robert De Niro molda seus sonhos à base de fichas de plástico, até o momento em que é forçado a dirigir para fora de Las Vegas e desperta: o lugar que ele imaginou para si ainda continua sendo um deserto.

Até perceber que também habita uma miragem, Belfort sem dúvida aproveita como consegue. O Lobo de Wall Street são três horas de drogas, mulheres, bebida, luxo e todo tipo de fantasia (com anões, carros, animais) que o dinheiro pode pagar. Scorsese e o roteirista Terence Winter fazem seu comentário sobre a imoralidade da vocação especulativa de Wall Street como se estivessem realizando um Se Beber, Não Case! ou qualquer outra comédia de ressaca, e testando não necessariamente os limites do bom senso, mas acima de tudo os limites da realidade.

Porque o caso de Belfort aqui, como o de De Niro em Cassino, continua sendo a maneira como esses personagens constroem uma realidade de sonho para si. De Niro tem todas as luzes de Las Vegas e o brilho das joias de Sharon Stone para atordoá-lo, enquanto Belfort vê pelo filtro de estimulantes e sedativos o mundo que seu dinheiro criou. Quando o seu escritório se enche de repente de strippers, bichos e fanfarras em meio aos engravatados, ou quando um avião lotado sacode e fica impossível definir onde termina um corpo e começa o próximo, parece que estamos diante de pinturas de um bacanal renascentista ou mesmo um daqueles quadros de Onde Está Wally?, representações aumentadas da realidade.

É engraçado notar que tanta gente sai do cinema revoltada com os excessos de O Lobo de Wall Street, porque na verdade essas cenas são de certa forma irreais na sua idealização, justamente pelos excessos. O fato de os personagens não enxergarem essa irrealidade é tema central aqui e fonte de uma piada atrás da outra. Belfort evita o quanto pode racionalizar o mundo ao seu redor ("Esquece, você não está prestando atenção mesmo", esquiva-se diante do espectador quando precisa explicar algo) e as consequências têm efeito tragicômico, quando não puramente cômico. "Eu realmente acabei de ver aquele avião explodir na minha frente?", questiona o personagem numa cena.

Entre chroma-keys propositalmente artificiais (Londres e Suíça nunca tiveram aquela paisagem verde-limão) e imagens pensadas para nos revelar a forma distorcida como Belfort vê tudo (o plano em que a mulher dá as costas a ele entre a fumaça e a água turva do vidro do carro é um exemplo), Scorsese nunca deixa de dar pistas de que há algo de errado no olhar, desde o momento em que a Ferrari muda de cor sob o comando do narrador. Não por acaso, a atuação de DiCaprio aqui lembra os estados de transe de seus personagens em O Aviador e Ilha do Medo, dois outros filmes narrados pelo ponto de vista duvidoso dos seus protagonistas, como fluxos de consciência.

Então engana-se quem acha que O Lobo de Wall Street faz o elogio do excesso, embora o filme se divirta bastante com a glória de Belfort. Ao nos impor a perspectiva do personagem sem meios termos - a ponto de o filme abrir não com a vinheta da Paramount e sim com a da firma do corretor - Scorsese desafia o espectador a questionar não só o que vê mas também o que sente.

O Lobo de Wall Street | Cinemas e horários

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

Ótimo mesmo! Impagável e melhor cena qndo a droga de Dicaprio começa a fazer efeito e ele sai se arrastando escada abaixo até o carro! E depois tentando se fazer entender p seu colega de vibe! Eu rolei de tanto rir nessa cena!!! 😂👏😂👏😂👏😂

Basicamente GTA em Live Action kkk ótimo filme.

Ôpa! Pegando essa onda aí : ) ... meu top 10 scorseseano: 1 - Os bons companheiros 2 - Cassino 3 - Os infiltrados 4 - O lobo de Wall Street 5 - Depois de horas 6 - Ilha do Medo 7 - O aviador 8 - Gangues de Nova York 9 - Cabo do medo 10 - aí coloco Taxi Driver ou Touro Indomável (são bons filmes, mas não me "bateram" tanto - ao menos não quanto os outros acima...)

A minha lista ficaria assim: Touro indomável Os bons companheiros Taxi driver Cassino Cabo do medo Os infiltrados O lobo de wall street A última tentação de cristo New York, New York Depois de Horas

melhores filmes do scorsese, na minha opinião. 1- os bons companheiros 2- taxi driver 3- touro indomável 4- cassino 5- o lobo de wall street 6- os infiltrados 7- caminhos perigosos 8- ilha do medo 9- o aviador 10- gangues de nova york

cara quando você me dar uma definição de arte, me deu um toque, blz ? e alem do mais não é necessário um filme ser de arte para ele ser bom, cinema e pra entreter me fazer refletir, chorar, ou rir e esse filme faz muito bem

Sem dúvida o melhor filme do ano em que foi lançado

"É um filme de humor em que NENHUMA piada funciona." Fale por você, eu ri em vários momentos. "As personagens e as situações são caricaturais e absurdas," Sim, e é PROPOSITAL ISSO, Scorsese fez isso de propósito. Transformou esses personagens em caricaturas para nós, público, ver o quanto são ridículos os seus atos. A ideia era justamente ilustrar o quanto eles são desprezíveis. "não há enredo, psicologia ou profundidade alguma" Hmmm.. que tal, uma crítica mordaz à ganância e ao capitalismo??? E, conjuntamente, às pessoas que glorificam esse tipo de vida?! "No final, não acontece nada dramático ou surpreendente," Como se todo filme, para ser bom, precisasse ter um final super climático. De boa, na minha opinião, quem critica um filme desses não tem capacidade de dissecar um filme e interpretá-lo.

Vou perder meu tempo lhe explicando que não sou eu ou você quem afirma que a obra é boa ou não, o valor não está em nós, mas na obra em si. E a "medida" do valor está em milhares de anos de arte humana.

Um pseudo intelectual que acha que entende tudo de cinema e arte. O filme é foda, teve ótima recepção da critica e do publico. Mas é claro que sua opinião tão bem estruturada é uma incontestável verdade. É válido não gostar do filme, mas tentar diminuir quem gostou e inferir sua opinião como verdade absoluta? Bom de qualquer forma amigo abraços.

Eu gosto mesmo é de Sófocles e Virgílio, o resto é meia boca.

Pra você, jogos vorazes e divergente devem ser fodas né.

É um filme de humor em que NENHUMA piada funciona. As personagens e as situações são caricaturais e absurdas, não há enredo, psicologia ou profundidade alguma. No final, não acontece nada dramático ou surpreendente, logo vemos que quem elogia um filme desses não tem um padrão de julgamento, pois não sabe realmente o que é arte.

De todos filmes que assisti do DiCaprio, fiquei um pouco receoso quando vi que o gênero do filme seria bem diferente dos que ele costumava atuar.. A maioria era com um humor cômico, mas ESTE filme, ao meu ver, era mais um filme que deveria ser rotulado como "comedia/humor" mesmo.(Caso alguem discorde, á vontade) De fato, me surpreendi e super indico para que todos assistam.. é longo mas nao é enjoativo.. vale muito a pena ver!

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus