Oz - Mágico e Poderoso
Filmes - Aventura, Fantasia
Oz - Mágico e Poderoso (2013)
(Oz the Great and Powerful (3D))
  • País: EUA
  • Classificação: livre
  • Estreia: 8 de Março de 2013
  • Duração: 127 min.

Oz - Mágico e Poderoso | Crítica

Colagem de referências, Oz - Mágico e Poderoso não se compromete

Para um filme que, contratualmente, não poderia mencionar O Mágico de Oz do cinema - o livro de L. Frank Baum está em domínio público mas o longa de 1939 é de propriedade da Warner - até que Oz - Mágico e Poderoso (The Great and Powerful) da Disney faz referências consideráveis ao clássico do Technicolor.

O prelúdio não se limita a estabelecer a história de Oscar Diggs (James Franco), o mágico charlatão de circo do Kansas que é transportado para a Terra de Oz. O que o diretor Sam Raimi e a Disney fazem é transitar nos limites da lei para associar os dois filmes, mas sem configurar quebra de direitos. Então o espectador não verá os sapatinhos de rubi, por exemplo, que no livro de Baum eram de prata, mas a bruxa com o rosto verde, queixo e chapéu pontudos - que o filme de 1939 inventou - aparece aqui. Como bruxas pontudas e verdes já viraram parte do imaginário do século 20, a questão judicial se dilui (ou pelo menos a Disney torce por isso).

A questão é que Oz - Mágico e Poderoso parece muito mais um filme calculado para juntar pedaços bem-sucedidos de outros filmes do que, propriamente, um exércício autoral. Dos cavalos de diferentes cores ao visual da Cidade das Esmeraldas, tudo lembra vagamente O Mágico de Oz de 1939, mas há elementos também de Alice no País das Maravilhas de Tim Burton - que fez US$ 1 bilhão para a Disney em 2010 -, como sugerir um filme de guerra dentro de uma fantasia 3D, e até um elogio às origens do cinema, igual a Hugo Cabret.

Em meio às colagens, Oz - Mágico e Poderoso soa como um retrocesso, um filme que se esforça demais para ser deslumbrante o tempo todo, mas que não aproveita a profundidade que a estereoscopia oferece. É como se fosse um filme antigo usando a tecnologia de hoje, como se Avatar não tivesse existido para mostrar o beabá do novo 3D.

Talvez exista aí, nessa opção por um teatrinho de chroma-key, um componente de nostalgia, e Oz - Mágico e Poderoso, filme que já tem seus defensores, certamente pode ser visto sob esse viés. Mas a impressão que fica, pelo menos para este fã de Sam Raimi, é que o potencial do diretor foi mal aproveitado.

Porque não há nada mais oposto ao impulso frenético do cineasta do que esse cinema de câmeras aéreas e panorâmicas que a Disney usa para encher os olhos do seu público. No limite, são estilos incompatíveis: os planos-sequências de deslumbramento não combinam com os zooms nervosos e a montagem rápida de Raimi. Temos aqui um cineasta que sempre usou a câmera objetiva da forma mais subjetiva possível, como um olho tenso, que não permite perspectivas isentas, e ao mesmo tempo a fantasia Disney exige aquela câmera que passeia, aquela câmera turista.

Nas cenas de ação, nas escolhas de maquiagem, Sam Raimi coloca o seu dedo monstruoso no caldo, mas de resto, infelizmente, Oz - Mágico e Poderoso é um filme que não suja a mão, que não se compromete.

Nota do crítico (Regular) críticas de Filmes
 

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus