Par Perfeito
Filmes - Ação
Par Perfeito (2010)
(Killers)
  • País: EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 27 de Agosto de 2010
  • Duração: 93 min.

Crítica: Par Perfeito

O filme da mulher moderna que fantasia com o perigo mas não larga do conforto

Tem filme que dá pra sacar com cinco minutos. A comédia romântica de ação Par Perfeito (Killers) não leva dois: cena dentro de um avião, a aeromoça oferece drinques, e na terceira fala, mais ou menos, a passageira Katherine Heigl já adianta que tem medo de altura, não pode com altas emoções etc. Já sabemos - quem viu um filme com ela viu todos - que Heigl fará a desperate housewife tirada de sua estreita zona de conforto, mas o diretor Robert Luketic faz questão de repisar o óbvio.

É a típica personagem tarja preta, daquelas viciadas em antidepressivo e remédio para emagrecer, que fala por espasmos e que tem "crise" tatuado nos dedos trêmulos da mão. Katherine Heigl é o quarteto de Sex and the City encarnado em si, é o último refúgio no cinema daquele tipo mais reacionário de machismo, o que enxerga mulheres como bombas-relógios à espera de um príncipe com alicate que saiba a diferença entre cortar o fio azul ou o vermelho.

Então faz todo o sentido, sob a ótica do retrocesso, que Heigl pegue carona nesse filão estilo Sr. e Sra. Smith. Porque quando Ashton Kutcher entra em cena, no papel do assassino poliglota que se apaixona pela mocinha, ele não é apenas o bofe de peito raspado - ele tem licença para matar! É o perigo em pessoa, o sedutor armado, mas que diz que te ama logo na primeira noite (e na segunda pede pra casar). Eis a síntese do que as Katherines Heigls querem da vida: sonhar com o perigo mas ter certeza do conforto.

Em comparação, Cameron Diaz é a Xena. Faz muito bem ao espírito crítico assistir a Encontro Explosivo antes de se submeter a Par Perfeito. Embora machista, o filme de James Mangold estrelado por Diaz e Tom Cruise tem a noção do ridículo que é defender, no século 21, o retrato medieval dos heróis de lança e das donzelas encasteladas. Encontro Explosivo, com o seu Cruise caricato e uma atriz que sabe rir de si mesma, tira sarro desse herói, enquanto Par Perfeito não apenas o idealiza como também o enquadra.

Nem Ashton Kutcher merecia isso. Katherine Heigl é um buraco negro, absorvendo em Par Perfeito tudo o que há de ruim no imaginário americano, da obsessão doentia por armas à mumificação da consciência feminina (a cena no estacionamento em que ela é fotografada com iluminação de Technicolor como uma Grace Kelly pode transformar espectadores em pedra). Evite.

Assista a clipes
Saiba onde Par Perfeito está passando

Nota do crítico (Ruim) críticas de Filmes
 

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus