Secretária
Filmes - Comédia Dramática
Secretária (2003)
(Secretary)
  • País: EUA
  • Classificação: 16 anos
  • Estreia: 26 de Agosto de 2003
  • Duração: 104 min.

Secretária | Crítica

Secretária

Secretária
Secretary

EUA, 2003 - Drama - 104
min.

Direção: Steven Shainberg
Roteiro: Mary Gaitskill (conto),
Steven Shainberg, Erin Cressida Wilson

Elenco: James Spader, Maggie Gyllenhaal, Jeremy Davies, Lesley Ann Warren, Stephen McHattie, Patrick Bauchau, Jessica Tuck, Oz Perkins, Amy Locane

Secretária (Secretary, de Steven Shainberg, 2002) é para quem está disposto a encarar uma história não-convencional, bastante estranha e, ainda assim, simples e humilde. Não é a história do menino que se apaixona pela menina que se apaixona pelo menino, nem da moça comum que vira princesa, nem de amor proibido, nem de nenhum desses roteiros que o cinema está sempre repetindo. E, pra completar, também não lembra qualquer história de amor real ou normal.

Dito isso, Secretária é um filme do diretor independente Steven Shainberg (do desconhecido Ponto Crítico) adaptado de uma pequena história da escritora americana Mary Gaitskill. Nele, Lee Holloway (Maggie Gyllenhaal), 20 e poucos anos, acaba de receber alta após alguns meses numa clínica psiquiátrica - sua família disfuncional acabou deixando-a maluca. Percebendo que passar o dia em casa só vai fazer o problema voltar, ela consegue emprego como secretária do rico, duro, ríspido, mal-humorado e exigente advogado, E. Edwar... desculpe... Sr. E. Edward Grey (James Spader).

O trabalho tão tão humilhante e depreciativo que o sr. Grey mantém um luminoso com precisa-se de secretária em frente ao escritório, que ele acende sempre que mais uma é despedida. Lee, contudo, esforça-se para agradar. E o que começa como simples (porém pesadas) reclamações verbais a respeito dos erros de datilografia da secretária acaba transformando-se em sessões de palmadas e outros castigos mais perversos...

Sim, é nesse momento que a audiência percebe que está assistindo a uma história de amor sado-masoquista! E mesmo que em alguns momentos isso seja tratado como comédia, ninguém está rindo no filme. Isso é o que causa ao mesmo tempo todo estranhamento com o roteiro, principalmente por ser algo meio alien à cultura brasileira, e o que levantou todas as críticas positivas do público americano - que se esforça, dessa forma bizarra, para ser politicamente correto e aceitar que gosto, principalmente sexual, não se discute.

Pode ser um pouco difícil de digerir, na verdade, pode até ser que você não consiga, mas ainda sim vale conferir o fantástico trabalho dos atores principais. James Spader apenas ressuscita sua personalidade silenciosa e calculista de Sexo, Mentiras e Videotape e Crash - Estranhos Prazeres, mas faz isso de uma maneira que torna seu personagem o mais divertido do filme.

Maggie Gyllenhaal já é outra história. Como toda crítica concordou, em Secretária ela desabrocha como atriz de peso em Hollywood e dá vários passos em direção a mais papéis principais. Sua interpretação da secretária submissa já lhe rendeu meia dúzia de prêmios e centenas de elogios. Só não foi indicada ao Oscar - o que, hoje em dia, só pode ser visto como um bom sinal.

Nota do crítico (Sem nota) críticas de Filmes
 

Quero ver! Só não sei se "guento"

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus