Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso
Filmes - Suspense, Comédia, Crime
Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso (2017)
(Suburbicon)
  • País: EUA
  • Classificação: Não definido
  • Estreia: 21 de Dezembro de 2017
  • Duração: indisponível

Suburbicon | Crítica

Filme de George Clooney desfaz a santidade hipócrita da classe média branca dos EUA

O sonho americano não é para quem quer, é para quem pode. Em Suburbicon, George Clooney e seus os parceiros de longa data Grant Heslov e Joel e Ethan Coen desfazem a santidade da classe média branca dos EUA em uma história que caminha pacientemente para o caos e debocha da hipocrisia da proclamada terra da liberdade.

No começo havia a perfeição. Suburbicon é a comunidade modelo da década de 1950 com seus terrenos milimetricamente delimitados, casas alinhadas e vizinhos sorridentes e cordiais. Isso até a chegada dos Meyers. Quando a família negra pacificamente se muda para o bairro toda aquela normalidade mostra a suas garras. Uma assembleia se reúne. Aquela abominação era uma violações dos direitos dos moradores! Clooney deixa clara a ironia na câmara que capta de baixo para cima os discursos efusivos sobre aquela ameaça aos valores brancos. Marca o rosto de todos, determinando que a massa descontrolada é formada por indivíduos.

Enquanto a comunidade se dedica à expulsão dos Meyers, a casa dos Lodge vai lentamente ruindo sem chamar atenção. Dizer mais sobre a trama é estragar a lógica de preparação-revelação da narrativa. Clooney não mostra para depois escancarar, da mesma forma como segredos se tornam escândalos. A câmera está quase sempre próxima ao rosto dos personagens, esperando o próximo erro, a próxima mentira, a próxima decepção.

Um movimento sincronizado à trilha de Alexandre Desplat, que no seu timbre Hitchcockiano deixa sempre claro que algo está errado (e que tudo pode ficar pior). O tom caricato é pertinente à sátira e também está nas atuações. Matt Damon, Julianne Moore, Oscar Isaac e o menino Noah Jupe assimilam perfeitamente os exageros propostos culminando para que tudo - câmera, trilha, montagem e atuações - cheguem a exaltação catártica do terceiro ato.

Suburbicon não foge em tema e forma de outras colaborações de Clooney, Heslov e os irmãos Coen, mas usa essa fórmula para compor uma sátira poderosa e apropriada. Se o diálogo perdeu o poder e só restam os gritos, que sejam berros bem-humorados.

 

Leia mais sobre Suburbicon

Nota do crítico (Excelente) críticas de Filmes
 

Pois é, tudo é culpa da classe média branca e blá blá blá...

"... a santidade da classe média americana...hipocrisia..."proclamada terra da liberdade" " Faltou "contradições do capitalismo predatório, machista, racista, homofóbico, gordofóbico e cosplayfóbico" Esquerdismo, Clichês e um Bocejo: tudo o que se espera desses textos de internet sobre arte.

Uau...esquerdista afetado, que novidade...

Valeu pela resposta. Entendi o seu ponto de vista. Como falei não gosto de filmes de heróis e não sou muito fã da maioria dos blockbusters, mas não critico quem vai ao cinema a procura disso, cinema antes de tudo é sinônimo de diversão

E por abobalhados que acham que tudo se resume a política e não tem capacidade intelectual de analisar um filme

Eu assisto mesmo. Mais por ser fã das HQ's do que por achar o padrão da versão cinematográfica boa (com raras exceções). Só critico pelo fato de a maioria dos "haters" do site ser feita de fanboy de DC x Marvel, quando na verdade o universo do cinema é muito mais vasto, o que implica em filmes com visões críticas da sociedade que nem sempre vão de encontro com a sua ideologia, mas que não são necessariamente ruins por isso. As pessoas podem ir ao cinema querendo ter entretenimento despretensioso, com explosões e corridas, mas não critique quem busca por filmes mais introspectivos e sensíveis.

Se não entendeu é porque não conhece a expressão.

George Clooney tá virando "canhoto" ultimamente mesmo. Criticou ferrenhamente o Trump pelas políticas de imigiração, e resolveu se mudar de sua casinha luxuosa na Europa por não estar mais aguentando a crescente violência dos "novos moradores" de lá. Irônico o filme falar justamente sobre isso, nenaum?

Desmond T. Doss estava no meio de uma guerra, mas mesmo assim se negou a matar. Ele contradiz essa lógica apontada por você

Conheço sim, inclusive já tive o prazer de vivenciar o cotidiano de tão atacada cultura... E? O que o cu tem a ver com as calças meu caro?

Cassio provavelmente não conhece expressões tipo 'white people's' problem' ou whitetrash e toda a 'cultura' de brancos classe média americanos. Aí acha melhor repetir discurso de facebook sem contexto nenhum aqui.

... e depois come uma tigela de ração e vai dormir.

Errado. Todos são violentos, desde que o cenário para tanto seja o suficiente para tais atitudes.

Matadores de Velhinhas ... achei ó ... uma bost4

Sei lá, pra mim nota de IMDB e Rotten é formada por fãs do Michael Bay.

Ainda bem que as pessoas podem e tem opiniões contrárias. Alguns se deixam levar pela onda, por ter incapacidade mental de ter seu gosto. Outros tem gosto deturpado, mas pelo menos se dão o trabalho de tentar.

Quando você assistiu, você achou isso?

Para mim, está entre os 5 melhores dele.

Não gosto de filmes de heróis, não lembro o último que vi. Porém, usar essa sua lógica, me parece mais a lógica de quem vê filme de heróis.

Partindo dessa perspectiva, eu poderia afirmar que todas as pessoas são violentas, já que a violência é algo inerente ao ser humano. Só que isso não se confirma na prática, já que nem todas as pessoas apresentam um comportamento agressivo.

Você não precisa conhecer todos os seres humanos do planeta para aplicar uma regra que é inerente a natureza do ser humano.

Preconceito é definido como sendo qualquer opinião ou sentimento concebido sem um exame criterioso. No caso do filme Suburbicon, pelo que consta, os moradores do lugar onde se passa a história, fizeram um pré-julgamento da índole do novos residentes, baseado somente na cor da pele dos integrantes da família Meyers. Isso se configura como preconceito. O preconceito pode se apresentar de diversas maneiras e atingir grupos diferentes de pessoas. Não posso afirmar que todas as pessoas apresentam algum tipo de preconceito, pois isso seria leviano da minha parte, já que não conheço todas as pessoas existentes no planeta Terra. O que eu tenho convicção é que o preconceito não é algo bom e deve ser combatido.

Defina preconceito. Com raça? Nada. Preferência sexual? Não. Religião? Sim. Muito inclusive. Aliás, todos são preconceituosos com alguma coisa.

Como eu disse anteriormente, para você se incomodar com o tema do filme é sinal de que rolou uma identificação com o alvo da crítica. Se você é branco e de classe média, mas não é preconceituoso, então não existem razões para ficar com raiva da temática de Suburbicon.

Você deve ter sérios problemas de interpretação de texto. O que eu quis dizer no meu comentário anterior foi o seguinte: a pessoa só vai se incomodar com a temática do filme se ela enxergar como sendo alguém branco de classe média, que posa como uma pessoa do bem, mas no fundo é preconceituoso e egoísta. Se você não reuni todas essas características, não existem motivos para se irritar com o tema do filme.

Isso mesmo! A Natália está fazendo um excelente trabalho.

Opa, branco de classe média alta total, sou o vilão.

Galera reclamando das notas da Natália nos filmes do TIFF são os mesmos que acham que filmes de heróis são a oitava maravilha do cinema. O que esperar de uma geração inteira que só sabe apreciar explosões cinematográficas e esquece que os filmes são, desde sempre, dependentes de um bom roteiro. O que me pareceu ser o caso da maioria dos filmes que ela assistiu até agora. Só pela crítica dela me interessei por uns 3 filmes. Parabéns pelo bom trabalho!

"todo mundo que não pensa como eu é hitler'. pelo amor hein cidadão....

Como dizia o sábio Leão da Montanha: "Saída... pela ESQUERDA!"

natalia, vai ver disobedience no tiff ou nah?

5 estagios de um click O filme tem uma recepção bem b0sta. Dai eu me impressiono com a nota da crítica. Dai eu olho o subtítulo. Dai a olho o nome da feministeen. Dai eu entendo...

Até hoje não consegui assistir onde os fracos... até o final. Achei muito chato. E o trailer desse filme acima não me animou em nada.

Kkk ja eu nao suporto "Um Home sério" acho horrivel e sem sentido!!! E a critica adorou kkk

Eu não suporto Onde os Fracos Não Tem Vez haha. A história não me prende em momento algum. Prefiro basicamente todo o resto da filmografia deles rs.

A Natália tá gostando dos filmes, em? Deve ter mais filme com 5 ovos nesse festival do que no resto do ano todo haha.

tem muita gente que não gosta do onde Os fracos não tem vez pelo "não final" ala Coen!!!

Em exceção, talvez, por parte dos críticos, de Onde Os Fracos Não Têm Vez.

tipo todos os filmes dos Coen kkk

Lógico !!!!!!!

Amigo,já eu nao ligo a mínima para notas de críticos ou de sites especializados. O que importa é se eu gostarei ou não. Outra, todo filme que trás algum tipo de crítica ao modo de vida estadunidense ou aos seus valores ou que fale sobre um determinado período da história que seja ruim para os americanos será mal recepcionado por eles. Como exemplo cito o filme Tão forte e tão perto, uma obra bem escrita, bem dirigida, com ótimas atuações e a grande maioria dos críticos americanos não o suportaram por ter como plano de fundo um dos momentos mais tenebrosos dos EUA. Enfim, fiquei curioso para ver o filme, sou fã do trabalho do Clooney como diretor, nunca dirigiu filme ruim na minha opinião.

Eu queria muito assistir esse longa.

Pelo que entendi, o filme faz uma crítica em relação a classe média estadunidense nos anos 50, que em boa medida era composta por pessoas que passavam a imagem de serem alegres e bondosas, mas no fundo eram egoístas e preconceituosas. Para você se sentir incomodado com a temática do filme, na certa tu se identificou com o grupo que foi alvo da crítica.

A recepçao desse filme foi bem mista. Parece ser bem ame-o ou odeie-o

Se tem 4,5 no IMDb eu respeito, deve ser fraco

se tem 43% no rotten significa que não foi só ela que gostou

Sem duvida... O grande problema do planeta é a classe média americana branca!

4,5 no imdb 43% no rotten aparentemente só a Natália gostou

"...desfaz a santidade hipócrita da classe média branca dos EUA"... mimimi corretista total heim querida? Fosse filme que demonizasse negro ou falasse de mulher iam criticar até cair. Vão dormir,.

Por essa eu não esperava. Pois o filme está com a nota bem baixa no imdb. Ansioso por Roman J Israel, Esq., The Disaster Artist e Hostiles e pela estreia da Brie Larson na direção.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus