A Nona Vida de Louis Drax
Filmes - Suspense
A Nona Vida de Louis Drax (2015)
(The 9th Life of Louis Drax)
  • País: Canadá, Reino Unido, EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 20 de Outubro de 2016
  • Duração: 109 min.

A Nona Vida de Louis Drax | Crítica

História de formação juvenil recua até Vertigo para investigar o mundo de perversões dos adultos

Típico filme que se revela melhor do que o trailer, A Nona Vida de Louis Drax (The 9th Life of Louis Drax, 2015), suspense baseado no livro homônimo de Liz Jensen, tem muito mais o perfil de uma fábula de formação do que mistério e conspiração, como davam a entender as prévias, concentradas do triângulo amoroso adulto que orbita o jovem narrador do filme.

A trama acompanha Louis Drax (Aiden Longworth), menino de nove anos que nos reconta, com graça, já nos minutos iniciais, como sua vida sempre foi marcada por acidentes. Quando no seu aniversário de nove anos ele cai de um penhasco e entra em coma - incidente difuso que envolve seus pais e alimenta o mistério central do filme - Louis passa a nos narrar a sua história com as cores e as formas de um sonho, enquanto um médico, o Dr. Allan Pascal (Jamie Dornan), especialista em teorias de comunicação com crianças em estado de sono profundo, tenta salvar Louis e entender o que aconteceu.

Conhecido pelos filmes de terror, o diretor Alexandre Aja constrói a partir dessa estrutura de whodunit (que culpa tem o pai de Louis? Que segredo esconde a mãe?) um misto de noir e conto de fadas que envolve o espectador pela harmonia com que combina esses gêneros, com um elenco bem escalado de atores-tipos. Jamie Dornan nunca poderia se sair melhor no papel do idiota charmoso que se apaixona pela loira insuspeita, função que Sarah Gadon exerce muito bem (e na qual sempre encontra algum tipo de variação discreta, como David Cronenberg bem sabe e valoriza). Vem da dinâmica dos dois o lado noir de Louis Drax, com a mãe fragilizada tragando o respeitado médico para um mundo de perversões sobre o qual nenhum dos dois tem muito controle.

De perversões, no mais, se faz o mundo dos adultos, e é a partir da consciência desse fato que o filme começa a se diferenciar. A criança em coma assiste à distância a uma espécie de Um Corpo que Cai (o clássico de Hitchcock que também envolve quedas livres e se passa em San Francisco, o que talvez não seja uma coincidência) cuja estética enevoada de sonho (também presente no filme de 1958) se justifica pela condição de Louis. A luz da cidade californiana banha os personagens como miragens, projeções de si mesmos, e ao adotar o viés das fábulas (com direito a criaturas do mar), Aja acondiciona seu filme dentro de certos limites, e não deixa que a adaptação se torne um exercício macabro de voyeurismo, como Vertigo.

As perversões estão lá, porém, e são importantes dentro do filme para que a história de formação juvenil se consuma. Tudo se resume à perda da inocência; a criança em coma no fundo está decidindo se desperta ou não para se tornar um desses adultos cheios de problemas, desejos, censuras e remorsos. Vemos em A Nona Vida de Louis Drax como o mundo dos adultos pode ser vertiginoso de fato, com suas trocas e suas consequências, e o clímax do filme não seria outro senão a ponte entre um extremo e outro, o menino falando através do homem formado, personagem que no fundo preserva os mesmos intintos primários de um filho que se apaixona incondicionalmente pela própria mãe.

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

Excelente....

Adorei como o filme aborda a dualidade dos sentimentos utilizando a metáfora da incondicionalidade do amor. A linha é tão tênue que facilmente somos capazes de nos perdemos nos nossos próprios medos.

Sim, só você.

O filme é de muito bom nível, sim, extremamente interessante e original, se superando ao explorar o universo onírico do garoto e a sua dúvida entre superar ou não o trauma e, enfim, partir para a sua "nona vida", que será explicada no filme, ou não ! O filme aborda com intensidade nuances psicológicas de alguns personagens que, conforme conferi, já foram estudados pela Psicologia e encontram paralelos. Muito interessante também o filme transitar entre o drama, romance, suspense e, até mesmo o terror, de forma sempre convincente. E, ao contrário de outras obras deste tipo que se perdem na conclusão final, neste filme ela coroa, de forma bela e emocionante, a história. Acho que vale a penar ver !

Sério, como eu acho P E D A N T E os estrangerismos (whodunit) em textos em português, ainda mais quando existem expressões em nossa língua, e pior que tem gente que acha o máximo usar esse tipo de recurso tanto na escrita quanto na fala. Marcelo Hessel que o diga.

Pra variar, 1 crítica bem difusa do Hessel... Mas o filme é 1 PÉROLA!! Que otimo, que sutileza! Como emociona, principalmente no final!! Estreou junto com O Contador que é blockbuster e vou assistir hj! Mas como seria bom se todos nós nos esforçacemos para ver 1 filme como esse! Muito recomendado!! ASSISTAM!!

Parece bem interessante.

hahahaha! se você citar o nome do crítico, cai no automaticamente aguardando aprovação! Tá serto...

Só eu tive a impressão que a crítica falou demais?

Não conhecia esse filme, parece ser bom.

SEM COMENTÁRIO NENHUM? Que vergonha! Se fosse algo de Marvel e DC teria no mínimo mil comentários... O filme parece ser ótimo, infelizmente o cinema aqui da minha cidade prefere dar prioridade pra filmes como É Fada, queria muito ver.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus