X-Men - Origens: Wolverine
Filmes - Ação, Aventura
X-Men - Origens: Wolverine (2008)
(X-Men Origins: Wolverine)
  • País: EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 30 de Abril de 2009
  • Duração: 109 min.

Crítica: X-Men Origens: Wolverine

Filme é exemplo da arte perdida do diálogo

A franquia X-Men no cinema começou bem. Sob o comando de Bryan Singer, um cineasta bem acima da média, ela deu aos filmes baseados nas histórias em quadrinhos o fôlego que precisavam para frutificar - culminando em um dos gêneros mais lucrativos da história recente do cinema. O terceiro longa, porém, X-Men: O Confronto Final, dividiu opiniões e pediu um caminho diferente para as continuações.

A solução encontrada pelo estúdio foi criar filmes solo de personagens. O primeiro deles é X-Men Origens: Wolverine (X-Men Origins: Wolverine), aventura que retoma a série contando a história do mutante mais popular do grupo. Infelizmente, trata-se do pior exemplar da tetralogia e o roteiro de David Benioff (Tróia) e Skip Woods (Hitman) é um exemplar perfeito da arte perdida do diálogo: metade dos confrontos do filme poderiam ter sido evitados se os personagens simplesmente se dessem ao trabalho de trocar algumas palavras antes de cair na pancada.

A primeira cena é prova incontestável disso. Uma equipe de supercaras do governo invade uma instalação africana clandestina onde se negociam diamantes. Uma centena de corpos e explosões depois, o líder da equipe, William Stryker (Danny Huston), pede que o chefão mafioso africano entregue seu... peso de papel. Sim, um peso de papel. Será que não dava para oferecer 10 reais pro cara pela pedra antes de gastar milhões de dólares em uma força invasora?

Essa incapacidade de dialogar segue tresloucada por toda a projeção. Todos os encontros de Logan/Wolverine (Hugh Jackman, pela quarta vez) com seus antagonistas ou futuros aliados começam com um quebra-pau e terminam com uma aliança ou as informações extraídas. Esse é um dos piores vícios dos quadrinhos de super-heróis, mais especificamente o dos encontros de personagens de universos distintos. No mundo das HQs, personagens batem primeiro e perguntam depois. E não adianta argumentar que Wolverine é assim nos quadrinhos, pois sua construção no cinema tem muito pouco do "carcaju enfurecido" dos primórdios das aventuras impressas dos X-Men.

X-Men Origens: Wolverine é assim um filme que parece saído do fim dos anos 1990, quando Hollywood ainda não havia percebido que efeitos especiais sozinhos não sustentam filme nenhum. Que quando o público se acostuma com eles começa a olhar para outras coisas, como história e personagens. Mas não consigo deixar de pensar que o diretor Gavin Hood talvez não seja o "culpado" pelos erros do filme. Ele é um cineasta de pouca expressão (ainda que tenha um Oscar de filme estrangeiro) - e certamente foi contratado pelo estúdio por ser um talentoso novato naquele meio, portanto, mais maleável aos seus desejos. Vale lembrar que no começo do ano foi muito alardeado que a 20th Century Fox realizou refilmagens por não ter gostado do longa que Hood entregou e dá pra arriscar quais pedaços foram criados por ele e quais têm o dedo dos produtores.

A primeira metade do filme flui bem. A origem de Wolverine e Dentes de Sabre (Liev Schreiber, muito bom) é bem contada e as recriações de épocas distintas empolgam na sequência pré-créditos. Ainda que discutível, a sequência de ação inicial é pelo menos bem coreografada e divertida. O embate de Logan com o Agente Zero (Daniel Henney) é outro bom momento. Mas daí em diante, especialmente no ato final, a coisa muda. Personagens demais em cena - desesperadamente buscando novos capítulos para a franquia, alguns absurdamente desnecessários, repetem os erros do terceiro X-Men, quando o volume de focos acaba numa autossabotagem da trama. Pra completar, a pirotecnia fala mais alto que as vozes dos personagens - e quando isso acontece, só nos resta cobrir os ouvidos pra escapar da barulheira.

Nota do crítico (Regular) críticas de Filmes
 

Concorco, muito nada a ver

Muito bom.

Dois viadinhos.

Apesar do Deadpool ser bem diferente dos gibis, e estar la só por estar, e ser bem inútil na cronologia do filme, ele ate q ficou legal... e trágico, era só uma questão de dar outro nome pro personagem. Mas o que era bosta mesmo eram os os efeitos visuais, a pior coisa do filme foi o Gamet, ele só ta no filme pra levar o Wolverine até a ilha, o Gordão e o cara do Black Eyed Peas poderiam ter levado ele pra e depois some, que merda. Mas poderia ter sido 10 vezes mais foda se tivesse aquele ar meio filme de terror em relação a base militar na qual injetaram adamantium no Wolverine. Mas o problema real do filme é que se trata apenas de um romance clichê, o Wolverine queria vingança do Dentes de Sabre por ter matado a mulher dele, muito parecido com o justiceiro, poderiam ter dado uma trama central bem melhor.

Tirando a parte do deadpool até que é assistivo.

Eu n te xinguei em momento algum, o mais próximo q cheguei foi "zé ruela" rsrsrs, mas tranquilo cara. Não vamos esquentar cabeça com discussões não, tava só de zoera mesmo. Flws...

Bom, só falei isso pq não acho legal xingar o outro por causa da opinião dele (que nem ofensiva foi). Nem ligo sobre passar natal com família ou não, às vezes é até melhor passar sem mesmo. Desculpa aê se falei demais..

Eu já passei dois dias anteriores ao Natal com todos os meus parentes e já to de saco cheio, simples assim. O Natal é uma mera convenção, o dia 25 é como qualquer outro. Eu só tava enchendo o teu saco, man, relaxa. Abraços :)

É Natal, vc tá precisando mais de demonstração de afeto, vai passar com sua família! :) E eu não curti esse filme, só disse que a segunda parte é melhor, vc é burro?

e vc então, q responde meu comentário em menos de uma hora?? Sai desse pc aí lek, aproveita a vida. E vc n tem o menor critério pra falar de algum filme, afinal curtiu esse lixo kkkkkkkkkkkkk

E ninguém liga pra vc, já que fica respondendo coisa de 5 meses atrás (???). É Natal, seria bom se arrumasse o que fazer, ou alguém pra te mostrar um pouco mais de afeto, parece que tá precisando

ninguém liga para o q tu acha, zé ruela.

Completamente contrária minha opinião, pra mim a primeira metade é muita enrolação e chata, a segunda boa.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus