Filmes

Andy e Lana Wachowski detonam filmes de super-heróis e desmentem rumores sobre a volta de Matrix

Diretores falam ao Omelete sobre o declínio da cultura e seu novo filme, O Destino de Júpiter
-

 

Em um quarto de hotel em Los Angeles encontrei-me pela primeira vez com Andy e Lana Wachowski, criadores da trilogia Matrix. Na tarde chuvosa, algo pouco comum na cidade, os cineastas, irmão e irmã, estavam cansados, algo fruto de anos trabalhando sem parar, engatando projetos como A Viagem, Sense8 e o novo O Destino de Júpiter.

Andy, mais calado, de olhar intenso sob um lenço preto escondendo a cabeça raspada. Lana, por sua vez, disposta a falar, sempre gesticulando e fazendo vozes, as mãos cruzadas sob o colo enquanto ouvia minhas perguntas e os dreadlocks pink agitando-se nas respostas.

Mais do que o cansaço físico, é perceptível o descontentamento dos Wachowski com o estado da cultura. O desgosto com os filmes de super-heróis e os blockbusters - que ambos consideram vazios -, e o desprezo pelo cinema-produto de hoje, tiram dos fãs qualquer esperança de sequência à sua trilogia-fenômeno Matrix - projeto que juram não passar de boato e que sequer ouviram falar. A conversa explica também os motivos de ambos, donos de uma excepcional relação com a Warner Bros., nunca terem desejado criar um filme baseado nos heróis da DC Comics. O interesse dos Wachowski é em ideias novas. Assim como em parar de dirigir.

O Destino de Jupiter

Eu lembro de sentar no cinema pra assistir ao primeiro Matrix, bem antes da internet existir e arruinar os filmes pra todo mundo. Um cara atrás de mim, no primeiro chute da Trinity, falou alto "isso não existe! Que absurdo!". Ele estava verdadeiramente muito nervoso. E eu, na hora, pensei "uau, eu tenho que prestar atenção nesse filme". Vocês têm a noção real do impacto que ele causou? Como ele mudou tudo?

LANA - É muito interessante como essa história contém a essência total da nossa relação com o público. Ahahahaha. Normalmente há um ódio mortal por nós no começo. Ligadas Pelo Desejo teve críticas dizendo que era o pior filme de todos os tempos. The Matrix teve uma sessão-teste desastrosa, do tipo que o estúdio queria nos fazer mudar tudo. V de Vingança levou as pessoas a nos chamarem de anti-americanos. Ficaram muito nervosas com o filme. Speed Racer foi o único que foi o oposto... teve uma das melhores sessões-testes da história da Warner Bros. e a pior abertura de todos os tempos pro estúdio. A Viagem estreou no Festival de Toronto com uma ovação em pé que não parava - e na sequência as mesmas pessoas criticaram o filme dizendo que era lixo pretensioso.

Essa é a história das nossas carreiras! Quando você diz que Matrix teve um impacto no público, isso é verdade também para todos os nossos filmes. Eles sempre mexeram com determinado público. Esse impacto às vezes é negativo. Ligadas Pelo Desejo é nosso filme favorito para muita gente. Há uma base de fãs hardcore em San Francisco dele na comunidade lésbica. E de todos os nossos filmes, A Viagem é o que mais tocou pessoas - de uma maneira que filmes deveriam tocá-las.

ANDY - A Viagem tem a história mais intimista de nossas carreiras. Speed Racer é o filme da vida do filho de um crítico famoso. Esse tipo de coisa te dá a energia que você precisa para continuar. Mas quando você diz que Matrix causou impacto, eu te pergunto... A indústria hoje está vivendo da criação de produtos, não de arte. Matrix não era um produto. Era um filme de ação com elementos filosóficos e ideias sobre humanidade e nossa tendência política pelo imperialismo. Onde está ESSE impacto nos filmes que estão sendo feitos hoje? É como uma corda de fumaça. Ela está lá, mas você não consegue segurá-la. O resultado é muito dúbio. O que deveria ter entrado na cabeça das pessoas, não entrou. Não há ideias nos filmes de grande orçamento hoje. A indústria está tendendo apenas para o produto. O impacto dos nossos filmes tem sido estético apenas. Ou talvez não. Quem sabe?

Há pelo menos três pessoas no meu escritório que fizeram cinema por causa de Matrix. E são pessoas bem interessantes e politizadas. Entendo o que você está dizendo. Trabalho com internet há 15 anos. Haters... haters... haters... mas algumas vezes você encontra pessoas que te mostram que há esperança. Que tudo vale a pena. Você fica energizado. Enfim, não concordo com o que você está dizendo, Andy.

ANDY - Certo. Estou muito pessimista mesmo. Mas eu sempre tento ser otimista no início de um projeto. Mas às vezes a sensação que vem é a vontade de se render. Se render para sua própria mortalidade. Fazer cinema é difícil demais. É trabalho pra gente jovem. Você entra nele já sabendo que tem data de validade. Requer energia demais fazer filmes.

LANA - Especialmente fazer filmes originais, como O Destino de Júpiter. Imagine a criação de tudo isso, desse mundo colossal... todo o design de tudo, as criaturas, os figurinos, naves, cenários... nós amamos essa parte. Começamos o filme quando estávamos fazendo A Viagem. Somos motivamos pelo desejo de criar imagens originais, sempre. Por exemplo, levamos [o diretor de fotografia] John Toll ao topo de um arranha-céu em Chicago para que ele visse a cor de índigo que o céu fica ao nascer do sol, com a bela reflexão do lago de Chicago ao fundo. É lindo! E ele perguntou "ok, vocês querem filmar o quê aqui? Uma cena de beijo?" e nós respondemos "a maior cena de ação do filme", ahahahaha.

O Destino de Jupiter

Ele está acostumado. Já trabalhou com o Terrence Malick...

ANDY - Ahahaha, ele está. Mas não em uma cena de ação assim. Com o Malick não tem ninguém voando...

LANA - ... nada dessa maluquice... penduramos dublês em cabos e os balançamos pelos céus, com centenas de assistentes nas ruas, para que ninguém ficasse embaixo, pelo perigo. Não queríamos usar dublês digitais pois o nosso estômago de alguma maneira sabe que não é gente ali. Não dá o mesmo arrepio ver computação gráfica. Então imagine o quanto de trabalho dá fazer algo assim. O nível de comprometimento.

ANDY - Esforço demais. É tudo temporário. Passageiro.

E o que você quer fazer? Se aposentar?

ANDY - Dar um passo pro lado e deixar o próximo jovem cheio de ideias empurrar as rochas morro acima, por que não? Nós as empurramos por um tempo. Acho que está na hora de dar um tempo.

LANA - Nossos filmes são loucos demais.

São muito loucos - e O Destino de Júpiter não é diferente. O tamanho desse mundo... riquíssimo, cheio de mitologia. É possível perceber o quanto trabalho há nele. Quantas ideias. E quantas ideias que se conectam de certa maneira com Matrix. A visão de mundo de que todos somos gado, fonte de energia para algo maior.

LANA - Isso é o que acontece quando você lê Karl Marx jovem demais. Ahahahaha. David Mitchell [autor de Cloud Atlas] fala sempre sobre a natureza do mal, a essência dos conflitos. Para muita gente hoje em dia basta você dizer que há um vilão terrível vindo de outra galáxia e eles compram o filme.

ANDY - "Um tirano, regente de outra dimensão, vindo à Terra com um exército".

LANA - Esse tipo de simplicidade é suficiente para gente demais. Mas não é suficiente para nós. Queríamos que o nosso vilão refletisse o que há de pior da nossa própria personalidade, forjada pela sociedade. A obsessão de todos sobre dinheiro, poder e status. Especialmente nessa era de redes sociais, com todo mundo louco por likes, shares... você tem um site. Deve checar essas coisas o tempo todo.

O tempo todo.

LANA - Então, quisemos usar isso como uma maneira de explorar a relação do público com esse vilão. Como é se tornar aquilo que você mais preza e ao mesmo tempo um item de consumo? Se o que você mais preza é o dinheiro, então é impossível fazer os nossos filmes. Todas as vezes que começamos um filme é a mesma coisa. "Vocês são loucos, isso nunca vai vender". Então se você só tenta valorizar o dinheiro jamais terá uma carreira como a nossa. Vai se tornar o Balem [Eddie Redmayne], nosso vilão. Note como é muito mais fácil se relacionar com ele do que com a nossa heroína, Júpiter [Mila Kunis]. Muitos dos nossos haters e gente especialista em bilheteria são o reflexo perfeito dele. E provavelmente são incapazes de se ver como o vilão. Quando você valoriza demais isso, desvaloriza, desumaniza todo o resto. A arte também, obviamente. E tudo que realmente importa. Julgar se torna maior do que entender o outro. Estar acima não deveria ser maior do que estar ao lado. Essa hierarquia deturpada indica tanta coisa que está errada no nosso mundo. Balem é isso.

O Destino de Jupiter

Você não acha que esse nível de mensagem está além da maioria do público hoje? As pessoas vão ao cinema no fim de semana querendo se divertir, esfriar a cabeça, sentar lá e digerir uma espécie de papinha. Semana após semana vendo isso, ninguém está sequer esperando ideias sobre o mundo no seu filmão de domingo. Sejamos honestos, o pensamento crítico está acabando. Não dá pra ser muito crítico com uma foto no Facebook ou em 140 caracteres. Vocês querem que as pessoas se preocupem com coisas profundas, mas vocês mesmos só estão colocando filmes assim nas telas a cada 3, 4 anos. Nunca vai mudar nada.

LANA - Hum. Nós temos uma conversa frequente sobre a mudança do mundo em relação à originalidade e ao pensamento crítico. Você se lembra do mundo pré-11 de Setembro. O cinema tinha uma relação completamente diferente com a critividade. Ele a procurava! Quando alguém dizia que ia sair um filme baseado num livro a maioria torcia o nariz. "Eu li esse livro, eu sei o que acontece". Pegue o Indiana Jones, por exemplo. Caçadores da Arca Perdida é maravilhoso por ser original. Na originalidade reside a incerteza. Você não sabe o que vai acontecer com ele, como ele reagirá. Você sabe como o Superman vai reagir. Ele é um símbolo, como a Coca-Cola é um símbolo. Você sabe que a Coca-Cola sempre vai cuidar da sua marca. Então nossa relação com esse tipo de conteúdo - o original contra o produto - mudou, literalmente do dia pra noite. Star Wars, Indiana Jones, Alieno próprio Matrix... todos filmes originais que aconteceram todos antes de 11 de Setembro. Só existe um grande filme original depois disso. Avatar. A tendência é adaptar, de entregar o que o público já conhece, pois ele teme o desconhecido agora. Voltamos a ser crianças que querem a mesma história de ninar todos os dias, de novo e de novo.

Eu chamo isso de Efeito Teletubbie.

ANDY - Teletubbies, ahahahaha. Perfeito.

LANA - As pessoas amam filmes baseados em livros porque sabem exatamente como eles vão terminar. Por que eu deveria ver isso? Eu sei como vai terminar. E pior... ficaram intolerantes com a própria adaptação. Se você tira um pedaço, é um pandemônio.

ANDY - Ou se transformaram algum personagem em negro. Teve um rebuliço por causa disso em um dos Jogo Vorazes, coisa assim. "Vocês trocaram!"

LANA - Outro dia um amigo me encarregou de contar a mesma história de ninar para sua filha, que quer ouvir todas as vezes a mesma. Eu fui, mas lá pela metade comecei a inventar, no mesmo tom, uma variação da história. E a menina começou a chorar muito "o que você está fazendo???" Nós viramos essa menina. É onde estamos hoje enquanto cultura. Um medo terrível emana de mudanças nessa supervalorizada narrativa derivativa que estamos ouvindo toda semana no cinema.

ANDY - Mas pode mudar. As coisas mudam. Pode ser que não estejamos mais aqui, mas vai mudar. Eventualmente.

LANA - Sabe quando fizemos pela última vez tantos filmes casca-grossa sobre a América Bélica? Na era McCarthy. Outro período social em que os EUA estavam sob o signo do medo. Outro exemplo: note como os musicais são idênticos aos filmes de super-herói. Tão essencialmente a mesma coisa. Um bando de personagens meio-vazios reunidos para justificar uma cena épica, cinética, maravilhosa de ver. Divida-os, reúna-os de novo. Mesma coisa.

É assim mesmo. É o mesmo filme. Sempre. Mas não posso negar, eu adoro. Cresci com eles.

ANDY - Nós também crescemos. Adoramos eles. Mas são histórias para crianças. São incrivelmente reducionistas. Elas são sobre bem versus mal. Não há profundidade nos personagens. Thor é bidimensional. Você olha de lado e é achatado. Não tem nada.

O Destino de Jupiter

Concordo totalmente. São para crianças, sim. Mas eu adoro vê-los nesse espírito. Para mim, o problema é quando filmes de super-heróis tentam se levar a sério demais - e as pessoas realmente acreditam que isso as define enquanto adultas.

LANA - Super-heróis pra mim são divertidos como musicais são divertidos. Eu adoro musicais! Sou louca por Bollywood e uma colecionadora! A sequência de perseguição do caçadores de recompensa a Chase em O Destino de Jupiter foi inspirada totalmente neles. Mas o que devemos fazer é sempre procurar significado nas coisas. Mesmo em filmes de super-heróis. Todos os nossos filmes são reflexo da nossa luta por significado. O que eu gostaria de ver em um filme assim é algo que fosse relativo às minhas próprias experiências humanas. Nada contra o espetáculo e a diversão, mas eu preciso mesmo disso. Buscamos muito significado em Matrix e nos nossos outros filmes. Até mesmo Speed Racer é sobre as nossas lutas diárias e frustrações com a Warner Bros enquanto fazíamos Matrix! Ahahahaha.

ANDY - Queremos que nossos filmes sempre digam algo que se relacione com as pessoas enquanto parte de um todo. O Mágico de Oz é sobre identidade e o conceito do lar. Qualquer pessoa consegue se conectar a isso.

LANA - Qualquer um consegue entender a ideia de um lar. Esse conceito. O que o lar significa. E esse conceito muda também conforme as pessoas mudam. Isso é perceptível em Matrix. Passamos 10 anos fazendo a trilogia. Os conceitos mudaram. Foi um período muito emotivo e eu mudei muito. Nossa dinâmica evoluiu. Quem nós éramos no primeiro filme era algo diferente de quem nos tornamos no último. Lar tornou-se um conceito que desejamos explorar. Se alguém fizesse um filme de super-herói que tivesse esse tipo de conceito, com sentimentos normais humanos, eu o amaria. Muito mais do que esses Imperadores Ming vindo do Planeta Zod, essas coisas para destruir a Terra pela destruição, com uma desculpa esfarrapada.

ANDY - Isso é a premissa. Não é sobre o que o filme É. Eles são sobre NADA. Não tem nada lá. Essa é a história e ela é assim. MAS SOBRE O QUE ELE É?

LANA - Eu tenho certeza que esse filme existirá um dia. Você deveria escrevê-lo!

ANDY - Sim, é você!

Eu? Eu acho é que vocês que deveriam fazê-lo. Eu quero ver isso também!

ANDY - Nada! É você que tem que empurrar as rochas morro acima agora, cara. Outra pessoa! Eu não. Quero ajuda!

LANA - E eu quero um filme de super-herói honesto sobre identidade! Que conversa adorável que tivemos! Muito obrigada!

Conheça - ou reveja - alguns destaques da carreira dos irmãos na nossa galeria:

Leia mais sobre O Destino de Júpiter

O Destino de Júpiter
(Jupiter Ascending) Direção: Andy Wachowski Estreia em 05/02/15
sobre o filme
Galeria de imagens (7)

Gostei muito do Destino de Júpiter, mas eu só tenho uma palavra para esses dois, e que não entender, paciência: DUNA!

o problema é que se o último filme deles for um fracasso de bilheteria, eles não terão recur$o$ para se arriscarem em um projeto original, então terão de fazer algo mais comercial... e aí acabarão entrando no mesmo ciclo de falta de criatividade de que eles mesmos reclamam! é foda isso :/

Verdade, estoria antiga. Mas o MEU entender foi que Avatar nos pôs contra nossa própria raça, o q somos. E ele engloba princípios e até religião. É evidente que os Na'Vi são muito mais "ser humanos" que nós mesmos. Também não acho espetacular, mas é um filme que vai contra a correnteza.

Exatamente, a unica coisa que prestou foi o visual, mas o roteiro foi um falta de criatividade sem tamanho.

Claro que da pra fazer um filme foda, mas nunca sera um blockbuster,... as pessoas vão ao cinema pelo galã, pelor diretor hypado,.. pelos efeitos visuais gratuitos,..... um blockbuster nao quer dizer que o filme é bom, só quer dizer que a massa foi ver,.....

Eu acredito que precisamos dos dois tipos de arte e cultura: o erudito e o pop, o filosófico e o entretenimento. É muito saudável gostar de um bom espetáculo, de um filme, livro ou HQ só por diversão e em outros momentos buscar material mais denso e construtivo. Eu mesmo adoro os filmes de Ingmar Bergman, mas também curto os bons blockbusters que saem por aí. Afinal, não somos apenas uma coisa ou outra. O problema, penso eu, é que nossa geração vem sendo unilateral, só quer a coisa rápida, mastigada, repetida, que não exige esforço pra pensar. Essa dinâmica é ainda mais visível nas redes sociais, onde uma foto ganha mais curtidas que um texto reflexivo. A imagem está valendo mais que o conteúdo hoje em dia. Talvez, em partes, seja por causa das próprias redes sociais. E a arte e a cultura, infelizmente, estão acompanhando esse ritmo.

Mas dá pra fazer uns sci-fi foda sem gastar muito. Esses dois gastam muito dinheiro. Po! Pega um ator de teatro, usa efeitos de computador.... Se quer mesmo que sua história original seja aceita utilize outros meios (torrent, youtube). Fico admirado que eles ainda ganhem grana da Warner. Não to dizendo que é errado, mas eles são sonhadores demais.

Só me empolguei pelo 3D porque era novidade. A história todo mundo sabe que é chupada de Pocahontas.

Esse Guest escondido em contas anônimas e reclamando. Patético.

Érico Borgo quase batendo boca com os Wathcoxoviski! Entrevista épica!

Estranho... ao invés de ficarem somente reclamando, deveriam fazer como Stanley Kubrick fez: deu um chute no traseiro de Hollywood e fez os filmes a seu modo, com total controle sobre eles depois da 'briga' com o então amigo Kirk Douglas em Spartacus. Quem está no meio cinematográfico americano, estará sujeito a imposições dos produtores e do estúdio. E nem adianta 'empurrar as rochas morro acima', é fácil colocar a culpa no público. Deu a impressão que os irmãos vivem numa bolha... querem mudanças? façam!

Destino de Júpiter: bilheteria fraquíssima nos EUA e um um pouco menos pior. Assisti ao filme.

#sddmatrix

Afe.... eu vi o ultimo filme deles,..... sessão da tarde,..tipo Vingadores.... quero meu dinheiro de volta,... acho que eles foram afetados pela falta de criatividade que eles reclamam na entrevista!!!

Ja que nossos filmes ngm liga, vou criticar os de super heróis kkkkkk O jeito pra eles é justamente assumir filme de super heróis pra salvar a carreira, nem duvido isso em breve! E a entrevista em si foi muito boa, parecem amigos batendo papo no dia a dia!

Parabéns pela entrevista.Muito bacana.

Só rindo mesmo.

Voce ja viu algum filme , do mesmo jeito de AVATAR?Exatamente do mesmo jeito?Nao , logo foi original sim.

e eu não vejo da forma que muita gente vê de que o Omelete puxa a brasa pro lado da Marvel Entao vc é cego , no minimo.

Eu tinha até me esquecido disso, o homem aranha pra mim é o herói mais humano, o Peter Parker tem vários dilemas, como fazer o que é certo não o que é fácil.

''A Viagem estreou no Festival de Toronto com uma ovação em pé que não parava - e na sequência as mesmas pessoas criticaram o filme dizendo que era lixo pretensioso.'' Hahahahahah esse é o Festival de Toronto, sempre com hipócritas. Gostei bastante da entrevista, gostei do Érico indo além de uma entrevista normal e os questionando, como quando falou ''Vocês querem que as pessoas se preocupem com coisas profundas, mas vocês mesmos só estão colocando filmes assim nas telas a cada 3, 4 anos. Nunca vai mudar nada.'' No mais, não sei quem está mais em declínio: se os Wachowski, ou as críticas do Omelete (hahahah, sorry, não tive como segurar). Pô, se os caras querem filmes originais, por que não fazem filmes menores com grande teor filosófico? Tem vários por aí, só dar uma olhada nos indicados à Palma de Ouro todo ano. Filmes menores, mas gigantes. Desde Matrix só vem fazendo porcarias, então por que não tentam fazer um filme assim ao invés de reclamar da grandiosidade de dirigir um blockbuster e do ''tempo perdido''? E também achei meio estranho eles falarem que queriam um filme de super-herói que falasse sobre identidade. Pô, praticamente todo filme de super-herói fala sobre isso - principalmente o Homem-Aranha do Sam Raimi e a trilogia TDK.

Eu também torci o nariz quando os Wachowsky disseram isso. Fiquei admirado com os efeitos gráficos de Avatar, mas saí do cinema sem nenhuma empolgação ou vontade de vê-lo novamente. Um filme muito aquém do esperado.

acho q foi vc quem não compreendeu muito bem o q disse Existe o Clichê mas de uma forma ou de outra sempre Existirá ele não disse hora nenhuma q isso acaba com o filme so disse q nós e os motivos q citei q são problemas Universais intocaveis pois segue a linha normal da raça humana e da historia do cinema

Então Hara, vc não tendeu ou não quis entender o q escrevi. Não "acabei" com o Cameron pq afinal, quem sou eu?? Mas vc está esquecendo q não é pq é a maior bilheteria da história ou q eu tenha visto Avatar 2 vezes no Cinema, não possa apontar o MONTE DE CLICHÊS Q tem e este tem uma tonelada !! E vc se enganou 2 vezes pois se tem alguém q tem liberdade para ser original não somente na forma, como é Avatar, mas no conteúdo nessa massificada Hollywood, este é James Cameron e ele escolheu não fazê-lo.

vc sabe que os irmãos W não dirigiram V né?

Como o Omelebosta vem decaído com o tempo pqp.

Esse Érico Borgo falando mal de quem usa rede sociais é esse nerd patético fica o dia inteiro com o rabo no Twitter.

Outra coisa.... Avatar um filme original? perae.... Avatar pode ser lindo visualmente e o diretor inovou muito nos trazendo o 3D para o cinema,...assim como os irmão fizeram com Matrix, mas a história é a mais clichê impossível, onde o bem e o mau estão claramente divididos,.... colonizadores querendo explorar os nativos,... essa é a história mais antiga da civilização....

cita um diretor bom ai ?

Boa conversa, mas não concordo com tudo, de qualquer forma filmes de Super Heróis para a maioria tem que ser mais próximo possível do original, principalmente pelo fato de que estamos vivendo um momento que é a primeira vez que estamos vendo nossos herois dos quadrinhos, então a gente quer ver o mais original possivel, sem grandes criações em cima deles, .... Batman por exemplo já estamos indo para a terceira geração de filmes, acredito que somos um pouco mais maleáveis aos diretores criarem em cima dele... do original.... enfim, .... de qualquer forma tem espaço pra todos, filmes originais e filmes menos originais,... o que temos que pensar é que Blockbusters estão comprometidos com orçamentos altos,...a conta é simples,... quanto menos dinheiro envolvido, mais original o filme vai ser,.... quanto mais dinheiro, menos original.... ;)

Eu odeio estereótipos, com todas as minhas forças, logo julgar que tem mais de 30 anos e nunca beijou ninguém. Cara, eu assisti esse filme e ele não entrega nada do que os irmão prometeram, na boa é cansativo. É mais do mesmo trabalho. Não vou entrar em detalhes porque estou me colando pra dar spoiler, mas eu não achei o filme grande coisa não. Não é original, não é diferente, não faz você pensar, não te põe mais do lado "a", ou do lado "b". O filme é super simples.

Só pq VC não entendeu nada não quer dizer q ele "não diz nada".... Tem o livro,ou escuta um podcast sobre q VC entende a mensagem ..os filmes de Heróis são vazios sim,são entretenimento e só...não acrescenta em nada...

Aaah q saudade disso tudo cara... https://m.youtube.com/watch?v=j8izckwgGQU

"todos filmes originais que aconteceram todos antes de 11 de Setembro. Só existe um grande filme original depois disso. Avatar." wachowski me decepcionaram... Mas muito bom o entrevistador

Também procurei a entrevista com o Santoro. Tava ansioso pra ver o que o Hessel ia inventar! O que aconteceu? Alguém sabe?

#PullitzerNerd

Em par com os demais, parabenizo o Omelete pela entrevista e o entrevistador por ter coragem de contrapor os entrevistados quando achou necessário e daí resultaram grandes trechos da entrevista. As respostas acabaram revelando como pensam os entrevistados.

Excelente entrevista. Parabéns. Bom Trabalho!!!

Realmente hoje em dia, o cinema não tem toda aquela escência de mostrar histórias que tenham aquela carga filosófica e idéias realmente criativas de como era a alguns anos atrás, hoje a maioria do público quer histórias fáceis de entender e personagens simples. O cinema acostumou o público a essa idéia de franquias blockbusters e sempre fazer o que já se conhece que agora tem medo de ser original.

Tudo bem que os filmes indies, com roteiros originais, estão por ai de prontidão, mas quando um filme é bem divulgado ele é bem patrocinado. E convenhamos que em questão de cinema quanto mais grana, maior a produção, que na maioria das vezes não é indicativo de qualidade, porém proporciona um suporte para a produção. Mesmo gostando de ver o cenário indie em seu espaço fora dos holofotes, também quero ver grandes produções que tenham um conteúdo não tão previsível quanto esse pão com ovo que vemos muito por aí. Concordo com a última parte, acho que não tinha como ter expressado melhor, mas os Wachowski também capricham no visual, a parte artística impressiona muito.

O problema de fanboy, e que eles tem o chamado "Complexo de Politico", e espera ver aquele mínimo deslize, ignorando ate mesmo a explicação que eh dada posteriormente, e ignora todo o texto. A maioria ai que ver os desenhos e os gibis deles, e acham que o gosto deles eh absoluto e que ninguém pode criticar essas obras. Os Cinéfilos mesmo, entenderam a mensagem, e concordam com boa parte do que eles disseram, mas de que vale a opinião de alguém que praticamente soh vai aos cinemas para assistir filmes de super-heróis de HQ ? Vamos curtir as boas obras e deixar esse pessoal pra la, pois a maioria tem mais de 30, nunca beijaram na vida, e permanecem sedentários a defender "com unhas e dentes" seus desenhos que consomem "todo o seu dia" ou que os vicia.

Eu não acho que são os cineastas que não esta se esforçando, é sim os estúdios, nos próximos anos acontecerão mais de 40 filmes de super-heróis, e quantos deles tem diretores com capacidade de elevar o nível dos filmes? na minha opinião quase nenhum, o único que eu tenho duvidas são os Russo, que apesar de virem de comedias, faziam comedias muito inteligentes como Arrested Developmente, então quem não estão se esforçando são os estúdios , que contratam diretores como Whedon e Snayder, que farão no máximo filmes bons de ação, mas sem nada de mais, por isso que o Nolan faz falta no gênero, apesar de não ser o gênio que muitos acham ele e um cara acima da media que fez um filme que não e bom só no gênero de super-heróis, mas um filme bom no contexto geral. Concluindo, faltam aos estúdios apostarem em diretores de alto nível, afim de melhorar o nível dos filmes do gênero, aos invés de se preocupar somente com bilheteria, o que infelizmente eu acho muito difícil.

Felipe, concordo com você. Eles só fizeram um filme bom na vida (e nem a sequências desse filme bom mantiveram o nível). Contudo, a crítica deles é útil, sim. Os filmes podem melhorar mas os cineastas não estão se esforçando muito para isso. Embora você não tenha sentido nenhuma crítica a Warner, eu achei que teve críticas, sim. Especialmente quando a Lana diz: "Muito mais do que esses Imperadores Ming vindo do Planeta Zod, essas coisas para destruir a Terra pela destruição, com uma desculpa esfarrapada". Ela fala "planeta" Zod, mas a gente sabe de quem ela está falando, né? rsrsrs

Eu não disse que quem assiste filme de super-herói é bobo e infantilizado. Disse que Vingadores é bobo e infantilizado. Eu gosto de filmes de super-heróis. Meus favoritos são Batman - Cavaleiro das Trevas e Capitão América 2. São filmes com plano de fundo mais sério e complexo.

A historia de Vingadores e realmente fraca, agora os Wachowski que fizeram um único bom filme na carreira e que nem original é, vim com essa historia de que filmes de super-heróis são todos ruins e para piorar citaram somente a Marvel, porque será que não citaram filmes da Warner? deve ser porque ela banca os projetos absurdamente ruins e caros que os irmãos produzem, e uma grande hipocrisia, se fossem cineastas como os irmãos Cohen, PTA, Wes Anderson, David Fincher, eu poderia levar a serio essa entrevista, mas como e dos Wachowski eu não ligo a mínima.

Como é agradável uma entrevista intimista . Discordâncias com conteúdo e exposição sincera , sem devaneios . Quanto à questão a ser sempre debatida " originalidade " escrevo isso : O cinema . A arte audiovisual que conhecemos é baseada , salvo raríssimas exceções é baseada em um " certo " conceito de realidade . Toda o Cinema Americano é assim , seja pré ou pós 9/11 !!! O " que " de fato aconteceu é que temos um retorno à sacralidade do trágico - Pense na avant premiere de King Kong em 1933 - o período era de caos total , nada se sabia sobre o dia seguinte e o cinema vendia o quê ? Um inimigo que é visível e PODE ser vencido ! A era pós 9/11 volta à isso !!! Toda e qualquer tentativa de "subverter " a´barbárie a que estamos submetidos com a pressão por idiotização parecer ser sempre crescente é bem vinda . Os irmãos fazem isso e sou grato por isso . Outra questão sobre Originalidade : O que buscar ? Será que vale a pena buscar , esse original ? Vale . Estou pesquisador e hoje tendo um papo com um entrevistado que " parou " no tempo , aceitando a derivação pelo menos disse de forma a que me entendesse . Pois o que sei , sei mas o que você entende é o que me interessa ! O cara é taxista mas queria ser advogado , disse : Você ouve radio , não ? - Ele muito ! Conheçe um programa de esportes chamado pop bola ? Já teve outro nome e passou por várias rádios . Ele : sim , conheço e ouço . Disse : Esses caras tiveram altos e baixos e estão aí . Bato palmas para eles...mas é só isso ? E eu? O que fez nesse período ? O cara entendeu ! Falei : volte a estudar , faça por você , pois não há certeza de nada , apenas que se busque essa idéia , essa originalidade . Dá certo? Quem sabe.... Pensar é complicado , nem sempre dá resultados mas vale a pena . No final gostei da entrevista por nada haver de pretensão dos irmãos com a originalidade : não a perseguem de fato . Querem e muito expressar um ponto de vista com exatidão , sem devaneios da pasteurização a que somos submetidos de tempos em tempos . Excelente entrevista !

Cara, concordo em partes. Vingadores é um filme feito pra divertir e empolgar, não pra fazer alguém pensar em algum significado por trás dele. É um filme pelo filme. SIMPLES! Agora, não foi isso que eu falei! O que eu disse é que os personagens do filme têm sim sua complexidade. Não são unidimensionais como dizem lá! E um personagem ser raso é um problema de qualidade do filme até quanto entretenimento.

Felipe, os Wachowski podem criticar o que quiserem. Matrix já é um clássico do cinema. Tanto que já passou 15 anos desde o seu lançamento e ele ainda é lembrado como um excelente filme. Talvez seja até considerado um filme cult daqui alguns anos. Agora os Vingadores será lembrado, no máximo, quando passar na Sessão da Tarde. E não estou criticando os filmes Marvel como um todo. Gosto muito do Capitão América 2, por exemplo. Acontece que pessoas como o Borgo não reconhecem que Vingadores é um filme idiota cujo único mérito são os efeitos especiais. Não conseguem reconhecer que a história contada em Vingadores é fraca. O vilão é uma criança agindo como Pink e Cérebro. Não tem profundidade nenhuma. Simples assim. O único mérito do filme são os efeitos especiais.

sim?

e com certeza Borgo leu tudo isso que falei. é mesmo uma desgraça de birra mesmo. eu não vou querer ser sério, então vou citar a filósofa Valeska Popusuda: "beijnho no ombro!"

sabe pq borgo está assim? pq sabe que o destino da disney com a marvel é esse casamento sem sal mesmo de piadas de ferro coroadas com vilões inexistentes. para crianças mesmo. ele teve que aceitar goela abaixo que não vai ter volta, cada novo filme disney/marvel será sempre a piscina da criançada. recalque.

Vingadores é um algodão doce e uma piscina infantil. veja cara a maioria do público que vai assistir. é filme pipoca mesmo. não tem profundidade. no cinema, personagem de hq de super-heróis que se elevaram a um nível mais alto foi tudo, nesse momento, através de Snyder (Watchmen, MoS) e Nolan (Batman). o resto é clichê e vontade de crescer não realizada.

Achei interessante em algumas fotos do filme, que onde parece ser um espaço alienigena, há uma arquitetura muito forte de coisas que presenciamos no dia a dia, tipo, deuses egípcios em monumentos dourados, portais com arcos de decoração estilo indiano e tals. Será que justificarão isso no filme?

Em minha opinião eles estão certos, mas acho que muitos aqui não entenderam o que eles queriam dizer, e pararam de prestar atenção a quando lerão o "filmes de super-heróis" e "vazios", e que eles muitos deles são vazios sim, mas o foco deles, eh a falta de criatividade que paira há anos em Hollywood, com inúmeros reboots, remakes e adaptações, que chega a ser boa parte dos filmes anuais lançados, e de resto, uma obra ou outra eh boa, e enxurradas de comédias enjoativas. Caras cinema eh entretenimento, e eh feito visando o grande publico, que concerteza não são os fanboys dos personagens ou da obra. Eu curto muito assistir filmes, mesmo os mais fraquinhos, e vocês sabem como o cinema eh visado em minha opinião? Eh feito para aquela pessoa que trabalha ou estuda a semana toda, e no fim de semana vai no shopping para sair com família, amigos ou namorada(o) e assiste a algum filme para se divertir, e relaxar de todo o cansaço semanal. Eu mesmo não tenho saco pra assistir series ou desenhos pelo computador, muito menos aqueles desenhos asiáticos ( os animes são obras que vem do Japão ou da Coreia do Sul, caso os otakus que estão lendo, fiquem de mimimi por isso), então fora aqueles assistidas de consultório claro, e por isso tenho preferência por filmes de cinema. Filmes de heróis, em grande maioria são fracos e vazios, mas isso não os torna menos divertidos para dar uma assistida, e por favor, não coloquem os exemplos desses filmes que já sei quais são, mas sua totalidade eh de 20% dos filmes de heróis.

Concordando ou não com os Wachowski, não tem como deixar de admirar a coragem dos caras ao falar da industria. São poucos hoje, e loucos, os que ainda preservam essa diatribe. Os Irmãos podem ter se equivocado com os exemplos nas suas opiniões, até porque como Borgo disse, eles estavam cansados. Mas tirando isso, os caras desnudaram a Industria do cinema.

A mas isso foi agora, na época foi revolucionário... as câmeras lentas etc! Mas de resto não consigo gostar desse filme.

É que eles entraram num acordo de ganhos e perdas com a Warner. Que nem o Neo fez com Deus Ex Machina.

Quanto aos efeitos especiais, só o primeiro filme, Rogério. Os dois filmes seguintes? Nem isso. Lembra daquela cena do Neo lutando contra milhares de Smiths entre aqueles prédios no Matrix Reloaded? Quando saiu o blu-ray do filme teve gente reparando as falhas na animação do rosto do Neo e dos Smiths nas tomadas só de pancadaria, sem diálogo, já que era tudo animação. Não filmaram Keanu Reeves nem Hugo Weaving para essas tomadas.

Apareceu alguém super sensato e embasado neste fórum. Parabéns. Não vi todos os filmes dos "achoviski" depois da trilogia Matrix, mas dos que vi já comentei sobre o Speed Racer (que me decepcionou muito) e não comentei ainda sobre o V. O filme é bom. Embora os antigos fãs do personagem antes mesmo do filme tenham reclamado que mudaram muito o protagonista. E é aquilo: os "achoviski" são talentosos e tudo mais. Mas subiram a cabeça depois do Matrix de 1999. Acham serem mais do que são. Eles são bons diretores de cinema de entretenimento e diretores acima da média, mas são de entretenimento e pretensiosos. Nada mais. Quem nasce "achoviski" jamais chegará a Kubrick.

Tem uma turma que gosta de baixar porrete só no subgênero de super-heróis não porque haja filmes medianos ou ruins no subgênero (há vários deles), mas por ter alguma treta com a Marvel ou com a DC ou com ambas, e treta com personagens dela(s). Essa mesma turma não baixa porrete em trocentos filmes medianos ou ruins lançados aos montes todo ano e que não trazem nenhum personagem da Marvel ou da DC. Mas casa um com sua treta. Paciência.

Boa entrevista, parabéns Omelete. Adorei a consciência de finitude dos Wachowski. Eles não pensam que serão eles os responsáveis por mudanças radicais no mundo do entretenimento, eles estão fazendo a parte deles, e cabe a outros empurrar a pedra para cima do morro também. É um trabalho de formiga. Felizmente os irmãos não se deixaram ser tragados pelos próprios umbigos, ou por adulação da mídia, necessidade de exposição, etc., o que os torna ainda mais dignos de admiração. Uma dúvida que me ocorreu enquanto lia a entrevista: quando o Borgo afirma que "o pensamento crítico está acabando", em que ponta do chicote ele pensa que está? Sem ser troll, na boa mesmo, leiam as entrevistas de dois ou três anos atrás aqui no próprio Omelete para ver se elas não eram mais longas, elaboradas e profundas. E sinceramente galera, falo isso como quem tem aprendido muita coisa aqui nesses anos que os acompanho (ainda me lembro do Borgo e Forlani todo tímidos no vídeo que seria o embrião do OmeleTV). Ser o site mainstream de cultura pop em nosso país deve ser muito bom, aumenta as possibilidades de cobertura de eventos (certamente possibilitou a Comic-Con), mas lembrem do que disseram os irmãos Wachowski, façam a pedra subir. "Se o que você mais preza é o dinheiro, então é impossível fazer os nossos filmes". Inté.

Acho V. bem meia boca, só vale pela mascara.

CACILDA, só mesmo esses pirados para surtar uma entrevista mthfckr como essa! Se concordo ou não com eles é outro assunto inteiramente distinto - claro que há divergências... Mas isso não tira nenhum mérito dos Wachovski ou do entrevistador - Borgo? is this really you? Todos digníssimos de muito mais que um olhar crítico e reflexões sociais que só poderiam vir de Alan Moore ou outra mente perturbada de verdade! PARABÉNS! Indicado desde já ao Pullitzer NERD das entrevistas do Omelete. Agora cadê a entrevista do Hessel com o Santoro.........?

V. de Vingança é um bom filme, que popularizou a mascará do personagem. Na verdade qualquer um aqui sabe de que mascará eu estou falando.

Não consegui terminar de ver Cloud Atlas, não estava com muito "saco", mas parece ser um bom filme. Qualquer dia me disporei. u.u Tem filme que é engraçado, pois mesmo sendo enfadonho, no final vai compensar muito ter assistido.

Gostei muito da entrevista, e tb da postura deles em serem verdadeiros, mas não concordo com a "martelação" encima dos filmes de super heróis. Fica parecendo que é jogar pedra em quem está encima. O cinema não é preconceituoso, é uma arte, tudo cabe! Também não sou fã de filmes que não dizem nada, e não acho que todos os filmes de super heróis se enquadram nessa classe. O que torna os "filmes vazios" mais comerciais do que os outros é o abraço a superficialidade que a maior parte das pessoas vivem hj, mas a arte é apenas reflexo. Sem mencionar que ultimamente não são apenas filmes de super heróis que estão se demonstrando sem profundidade, quase todos os gêneros estão nessa queda, justamente como reflexo da realidade que o mundo vive. Para mudar isso, é preciso mudar o mundo primeiro. ^^

Ótima entrevista! Parabéns ao Borgo! AGORA, quem lê essa conversa ser ter visto "A viagem", "Speed Racer" , V, ou dois últimos "Matrix", deve achar que os irmãos são gênios, não? Que os filmes deles devem ser super cabeças e revolucionários e que todos os personagens deles são bem profundos e nada planos. BULLSHIT! Pretensiosos* esses dois... já fizeram muito filme reciclando ideias, colocando mocinhos x vilões ou com um montão de furos... Agora, sinceramente, se alguém me disser que Tony Stark, Bruce Wayne,Peter Parker, Barry Allen, Natasha Romanov e Steve Rogers, por exemplo, são "Vazios" vai ter que argumentar muito bem pra me convencer! Discordo TOTALMENTE dessa visão! Claro que há vários "Thors-com-a-profundidade-de-uma-poça-d'agua" por aí, mas dizer que Vingadores, por exemplo, é uma reunião de personagens "meio vazios" pra mim é tão absurdo como dizer que Jean Valjean o é! ENFIM, sobre as pessoas quererem cada vez mais a mesma coisa eu não poderia concordar mais. Qualquer mudança em relação a um livro que está sendo adaptado e o filme é vista como um pecado mortal. Mesmo que seja boa e/ou tendo sido feita com aval do próprio autor ou PIOR, do Próprio estúdio! (A DC não pode mudar um personagem que ela mesma criou e popularizou!). Bom, bora crescer, gente. *Cabe um adendo maior que os 140 caracteres: Matrix é um dos filmes mais importantes da história do cinema! Não há como discordar! AGORA, na minha visão de cinema depois dele os irmãos em várias oportunidades tentam criar algo mega revolucionário que seja do mesmo nível e muitas vezes ultrapassando alguns limites do bom senso! E muita coisa dita nessa entrevista só parece reforçar a ideia que eles tem de si mesmo: GÊNIOS, que só fazem filmes cheios de conteúdo e que boa parte do resto é inferior. E não é assim que funcionam as coisas. Pretensiosos SIM, por achar que são diretores de cinema muito melhores do que de fato são. ADORO Matrix, V e até Speed Racer, mas achar que são os últimos dos criativos de Hollywood e que todo mundo deveria os seguir é SIM, a meu ver, pretensão (a qual não é necessariamente ruim! Sem ela talvez Matrix não teria sido feito).

Eu acho que o Nolan segue o mesmo caminho deles, eles gosta de criar coisas novas. Mas ao meu ver Nolan é mais bem sucedido. O ultimo bom filme deles foi o V.

Muito boa essa entrevista. Pessoalmente não sou fã deles mas são bem inteligentes pelo visto

Como se ele não falasse isso quase todo omeletv

E Matrix é um recorte de filosofias e estáticas de outros... nada original tbem, revolucionário em efeitos especiais e só.

Matéria caça click / caça hater ahuahuuhauhahua Super certo os caras conhecido por um filme que é um recorte de filosofias e estéticas dos outros... Só pra rir mesmo... Fora o fato de chamarem os filmes de herois de vazios... isso que eles tem um filme (bacaninha) chamado Cloud Atlas... que tenta muito, mas não diz nada.

" Star Wars, Indiana Jones,Alien, o próprio Matrix... todos filmes originais que aconteceram todos antes de 11 de Setembro. Só existe um grande filme original depois disso. Avatar." AVATAR? A copia com grife de dançando com lobos?? Ah ta. Eles não fizeram nada digno depois de matrix. É tudo meio boca.

Ótima entrevista. plus.: Nela o Borgo explica pq é um hater da Warner/DC.

Winchester Grimes Kent?

Speed Racer é uma metáfora das nossas relações com a Warner. Eu não sei o que é pior, essa frase ou Matrix Revolutions.

Eu assisti e queria muito gostar. O visual é lindíssimo porem a historia parece ser corrida opinião minha, cada um tira sua conclusão ao ver o filme. A Mila Kunis ta linda como sempre mas não convence. O Vilão parece ser forçado porpurinado e parece que pode cair com um peteleco.Sean Bean não acrescenta nada ele ainda busca uma nova franquia de sucesso, não foi dessa vez., Sou fã dele. O Filme começa como termina com uma privada a ser limpa.Nos três primeiros momentos do filme a gente pensa que vai ser bom e ai é um festival de salada mista com visual lindo e sensação de vazio. Na minha sessão tinha gente indo embora no meio do filme. Eu adorei o trailer.......ficou nisso desculpem foi só minha opinião humilde.

Agora imagina você se os escritores seguissem esse pensamento idiota: Teríamos aquele batman cômico daquela série doida, Não teríamos histórias como Cavaleiros das trevas, Watchmen, Reino do amanhâ, O desenho da liga da justiça que é o melhor desenho de super heróis pra mim...Gosto do site, mas filtro muita coisa.

Tá confundindo jornalista com repórter de novo. O repórter é quem tem que ser imparcial para noticiar os fatos. Não precisa nem se matricular na faculdade, cara, é só pensar um tiquinho. E já que eu tô pedindo pra usar sua cota diária de neurônios, aproveite o embalo e me diga um jornalista IMparcial, já que existem tantos por aí e o Borgo é uma criança mimada.

Verdade né "meu chapa", pra ser jornalista tem que ser parcialzão fala opinião passa a noticia com o seu ponto de vista, falar sobre o que pensa e deixar passar algum fato por que não foi do seu agrado. Ou até mesmo zombar de alguma empresa por que quando criancinha você só lia da mesma... Poxa, você me fez repensar sobre o que é ser jornalista de verdade. Provavelmente eu me matricule na UBJP (universidade Borgo de jornalistas parcialzões), vlw mesmo "meu Chapa"! ¬¬

Espera, desde quando pra ser jornalista tem que ser imparcial? Tá confundindo jornalista com repórter, meu chapa.

Se estou aqui no site é pq gosto dele, se assisto o Omeletv é pq gosto de ouvir a opinião de todos. Fato é, todos tinham uma opinião que foi mudando incrivelmente de dois anos pra cá. O propio Borgo não falava do Jeito que fala, enfim o cara ta um mala (M-I-N-H-A---O-P-I-N-I-Ã-O). Quanto ao "mercado cinematográfico", quem está em alta e quem está em baixa, não foi em nenhum momento o meu ponto. Afinal, eu (como ja dito antes) que sou fã das duas empresas, quero mais é que tenham concorrencia para sairem melhores produtos finais. Agora tem famboy de redator de cultura pop e youtuber meia-tigela? Essa é nova pra mim...

Caramba, eu tava esperando ver o Destino de Júpiter para ler essa entrevista, mas não me contive de curiosidade e li antes. E que entrevista!! Leve, descontraída, e com várias reflexões e idéias realmente humanas e profundas, não apenas um apanhado de perguntas e respostas rasas e pré-escritas sobre o filme. Adorei... E quero mais entrevistas desse jeito! Parabéns, Borgo!!

" Star Wars, Indiana Jones,Alien, o próprio Matrix... todos filmes originais que aconteceram todos antes de 11 de Setembro. Só existe um grande filme original depois disso. Avatar." Concordo plenamente.

Pois então, eu infelizmente discordo de vc, eu acompanho o Omelete a muito tempo e sempre gostei muito do trabalho deles, o crescimento que eles tiveram nos últimos anos (acredito que por mérito) eu acompanho com felicidade, mas é normal que tenham pessoas que não gostem do trabalho deles, mas dai vai de cada um procurar o que lhe convém, sites de entretenimentos é o que não falta... Leio as matérias do Omelete pq gosto de ouvir a opinião deles, concordando ou discordando das idéias... Quanto ao fato Marvel e DC, olha eu sou fã de quadrinhos das antigas, tenho uma penca de revistas de ambas editoras, e eu não vejo da forma que muita gente vê de que o Omelete puxa a brasa pro lado da Marvel, é muita paranoia pra mim, eu não tenho essa frescura de Marvete e DCnauta. Mas não da pra negar que no mercado cinematográfico a Marvel ta em vantagem por enquanto, porém a DC está mais avançada na TV, então é normal que a Marvel tenha uma repercussão maior no momento, tudo é $$$$... Mas não te preocupa, tenho certeza que o BvS vai ser um sucesso, e espero que a MCU continue no mesmo embalo, dai todos os fãs, de ambos os lados serão Felizes...

Até 2020 é uma criança LoL

Normal uai, tem momento pra tudo.

Pra mim sequencias de Matrix sempre serão bem vindas, tem história pra contar ainda, se Exterminador pode ter 5, Matrix mais ainda.

Pois é! estranho né?? acho que é birra mesmo. Os caras levam as coisas pro lado pessoal, Paul W. S. Anderson por exemplo só faz filme merda, os caras do Omelete adoram ele, dão sempre bom pra ótimo nos filmes dele... O Erico babava maior ovo do Snyder, depois de umas tiradas o cara só fala mal agora hahaha Acham o Nolan nariz empinado, como se o cara não pudesse ser, dai falam mal de alguma forma ou de outra tsc tsc tsc

Se você viu o filme e ele é assim mesmo, isso joga por terra todo esse discurso hipócrita dos "achoviski" em toda esta entrevista. Além de não enxergar o que acontece na própria Warner/DC, eles não enxergam nem os filmes deles próprios. Quem se "achoviski" muito jamais chegará a Kubrick. Que era da Warner, também.

Faz parte da pauta, depois procura o vídeo deles sobre os novos 52, não tem um!!! falando bem,

Achei apenas pessimista, mas avisaram antes que o aspecto dos dois era de muito cansaço... é notável o desgaste na entrevista, extremismo não vi, só um pouco de decepção talvez.

Acontece! hehehe

Ih, amigo. Os caras que dizem que a América Latina está falida costumam ser chamados de coxinhas. Daqui a pouco aparecerá a corja para fazer isso contigo. Com relação ao "Depois eles criam a já famosa “politica do medo” com o adversario inventado “oterrorista”, a “coreia do norte” eles aprovam leis de restrição de liberdade civil e espionam todo mundo", concordo com sua análise. Essa tática apontada é exatamente a da Hydra, retratada nas histórias da Warner/DC... OH, WAIT!

O sucesso de Matrix agora está distante no passado, Rodrigo. Antes os "achoviski" se achavam mais do que eram. Não davam entrevista nem pros extras dos DVDs de Matrix. Agora os irmãos tem que se virar nos 30.

O Borgo superou e muito os irmãos "achoviski".

O pessoal não gostou do Homem de Ferro 3 por causa de outras incongruências. O Mandarim de verdade ficou de fora do filme. Sabe como é, a Marvel não quer encrenca com os chineses. Então botaram dois Mandarins de mentira: Aldrich Killian e Trevor Slattery. Explosões o filme tem até demais.

Falaram tanto dos filmes de super-heróis serem vazios com personagens bidimensionais, que o Destino de Júpiter saiu exatamente isso! =/ infelizmente

Concordo com você, como eles disseram de Thor, mas pegando o personagem do lado, Loki é um dos vilões mais interessantes dos filmes de heróis, porque muitas vezes ele encobre quem ele é com as ilusões (o poder dele.. sei la), depois de ter perdido a identidade (descobrir não ser asgardiano), sua relação com o pai e a clara preferência pela mãe, mas como você disse, não vai ficar apontando com neon as subtramas, mas poderiam mudar um pouco o foco, só pra dar mais profundidade, um filme odiado por muitos mas que até que é interessante é Homem de Ferro 3, que mostra a fragilidade do próprio herói, mas todo mundo odiou porque não tinha tantas explosões quanto o 2.

Troll óbvio.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus