Filmes

Severina | Astro de Medianeras, o argentino Javier Drôlas brilha no Festival do Rio

Drama românticos ambientado numa livraria, o longa é dirigido por Felipe Hirsch, um bamba do teatro nacional
-

Com status de galã cult por todos os países latinos por onde o fenômeno de crítica e de público Medianeras (2011) passou, o argentino Javier Drôlas agora volta a arrebatar o circuito brasileiro à frente de uma nova produção (e de DNA nacional), cuja direção é de Felipe Hirsch. Um dos maiores diretores do teatro nacional, Hirsch escalou Drôlas para o papel masculino principal de Severina, um dos filmes mais elogiados do Festival do Rio, com mais uma projeção no evento carioca nesta quinta, 13h45, no Kinoplex São Luiz. Drôlas é um dono de livraria às voltas com um amor proibido.

"Cada livro de sua loja conta uma história que é um pouco desse personagem, um sujeito à deriva na vida como uma água-viva no mar", disse o ator argentino, que filmou com Hirsch a série da MTV A Menina Sem Qualidades, em 2012. "Criamos já uma relação de mútua confiança em que a gente de complementa".

Exibido antes no Festival de Locarno, na Suíça, Severina é um drama de amor, palavras e inquietações existenciais, rodado no Uruguai, com elenco hispânico, sob os cuidados do produtor Rodrigo Teixeira (Tim Maia).

Escrito por Hirsch, o longa tem foco na rotina de um livreiro, aspirante a escritor, cuja rotina é abalada por uma enigmática mulher que rouba em sua loja. o roteiro de Severina é baseado na prosa do escritor guatemalteco Rodrigo Rey Rosa (autor de Os Surdos). Carla Quevedo, também da Argentina, vive o par de Drôlas no projeto, que começou a ser produzido durante a criação de Puzzle, projeto teatral realizado especialmente para a Feira de Livro de Frankfurt (Alemanha), em 2013. No elenco, há ainda atores latinos de peso como Alfredo Castro e Daniel Hendler.

"Tinha um professor na escola com quem aprendi o seguinte: na arte, a atividade de olhar e saber ver é desvalorizada, sobretudo quando o plano mirado se pauta no silêncio", diz Drôlas. "Hisch é um artesão do olhar e do que se passa em cenas onde nada é dito".

Metáfora sobre o poder redentor do perdão, Severina faz a cartografia de um amor obsessivo que se desenha entre papéis e narrativas. No enredo, R. (Drolas), é dono de uma livraria onde uma moça de comportamento incomum, Ana (Carla), atrai sua atenção, e não só pelo hábito de surripiar romances para ler e compartilhar com um suposto avô. “A ternura é a chave para a criação desse homem, que esconde em si algo de nobre", diz Drôlas.

Tem mais uma sessão de Severina neste sábado (14), às 19h20, no Estação Net Ipanema.

Leia mais sobre Severina

Só pra constar, não tem acento circunflexo no espanhol.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus