Filmes

Lady Vingança

Um novo capítulo na Trilogia da Vingança de Park Chan-wook
-

Quando qualquer integrante do Omelete está fazendo coberturas internacionais, sempre que falamos que somos brasileiros o assunto é um só: Cidade de Deus. Todo mundo viu, todo mundo gosta e Fernando Meirelles é nossa bandeira da Sétima Arte lá fora. Mas com o tempo esses papos começaram até a parecer um pouco repetitivos e restritos... como devem parecer para os sul-coreanos as nossas insistentes conversas com eles sobre Oldboy (2003), do genial Park Chan-Wook.

Capítulo central da Trilogia da Vingança do cineasta, o filme ganha agora companhia no Brasil, com o lançamento de Lady Vingança (Chinjeolhan geumjassi, 2005), fecho da série iniciada por Sympathy for Mr. Vengeance (2002). Finalmente teremos mais assunto com os colegas sul-coreanos...

O drama segue a estilosa e frenética cartilha de Oldboy, integrando-se plástica e tematicamente à cultuada série, incluindo aí a ausência de linearidade, com a trama avançando e retrocedendo a todo momento, conforme os planos da personagem principal se apresentam. Mas o diretor também adiciona um elemento inédito à trilogia: a sensibilidade feminina. A belíssima abertura, toda em tons claros e com muito branco - algo extremamente significativo para a história - é deslumbrante, incluindo a bela música tema de Cho Young-wuk (também de Oldboy), e já dá indícios do que esperar: Na pele alva de uma bela mulher, grafismos vermelhos como sangue. Esse contraste visual é recorrente no filme, especialmente no visual de Lee Geum-ja, a personagem principal, vivida pela popular atriz coreana Lee Young-ae.

Geum-ja passou os últimos treze anos na cadeia, pagando seu débito para com a sociedade devido ao cruel assassinato de um garoto de 7 anos. Mas o crime não é tão simples quanto parece - e a angelical detenta aguarda 13 anos planejando pacientemente sua vingança contra o responsável pela sua prisão.

Acontece que Geum-ja não é o atormentado brutamontes Oh-Dae Su de Oldboy (interpretado por Choi Min-sik, que também tem papel fundamental - e atuação maravilhosa - em Lady Vingança). Wook-Park brinca com as expectativas do público, acostumado a ver machões vingativos (ou mesmo "machonas", feito a Noiva de Tarantino), apresentando uma protagonista diferente.

Ela quer vingança, sim. Mas também, na evoluída ótica das mulheres, busca redenção. É justamente nesse ponto que Lady Vingança torna-se um filme tão excepcional quanto Oldboy - na virada não do roteiro, mas da personagem.

Não é a compreensão da situação pelo público que muda, mas a percepção da personagem principal. E o resultado dessa mudança é memorável e, curiosamente, de uma violência psicológica como poucas. Dá vontade de virar o rosto em determinados momentos, apenas para não ter que dividi-los com os envolvidos. E não se tratam de línguas cortadas ou polvos mascados, mas viscerais debates sobre responsabilidade, ética e justiça e decisões que pesam sobre os ombros de pessoas tão normais quanto cada um de nós. A violência em Lady Vingança é social e política, além de tóxica.

Lady Vingança
(Chinjeolhan geumjassi) Direção: Chan-wook Park Estreia em 11/05/07
sobre o filme

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus