Games

Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis

Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis
-
Homens do Amanhã – geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis Gerard Jones (Conrad Editora)
5 ovos!

Nestes tempos em que o cinema tem sido invadido pelos super-heróis com mais força do que nunca, inclusive pelo primeiro e maior deles, o Super-Homem, é bem interessante e oportuno saber como surgiram esses fenômenos da cultura pop. Relatar os acontecimentos por trás das aventuras mirabolantes dos justiceiros coloridos é a proposta do livro Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis, escrito em 2004 por Gerard Jones e lançado recentemente pela Conrad Editora.

A obra, de caráter histórico e investigativo, começa em meio à dramática luta do roteirista Jerry Siegel e do desenhista Joe Shuster em reaver os direitos de sua maior criação, perdida para a DC Comics graças à inexperiência e ingenuidade da dupla ao fechar contratos e acordos. Depois, o autor retrocede até o final do século 19, para retratar a imigração e fixação nos EUA de grandes comunidades judaicas em busca de uma vida melhor, vindas da Europa. A pobreza, a convivência com gangues de delinqüentes, maus tratos e a violência marcaram a vida de muita gente, incluindo aqueles que se tornariam os pioneiros do mercado editorial infanto-juvenil nos EUA.

Conforme a narrativa avança, a história dos imigrantes judeus vai focando a vida de famílias específicas, com jovens que vão se enveredando pelo mundo das contravenções e, mais tarde, pelo emergente e promissor mundo editorial. Inicialmente tomado pelos livrinhos de aventura conhecidos como pulps, o mercado foi cedendo lugar aos quadrinhos, que se tornaram definitivamente um meio de cultura de massa nos anos 1930 e 40, cativando milhões de leitores ávidos por histórias emocionantes que os afastassem da dura realidade.

Lendários criadores de quadrinhos vão aparecendo e suas vidas vão sendo desvendadas de modo inédito e surpreendente, desfazendo muitos mitos sobre suas obras. Também é interessante notar como o mercado de HQs nos EUA era originalmente maior do que o atual, com várias revistas com tiragens de mais de um milhão de exemplares, fato raro em tempos recentes. Também era um mercado mais diversificado, com revistas de aventura, romance, tramas policiais, humor, drama e terror. Vale lembrar que o mercado estadunidense se solidificou com a temática dos super-heróis em infinitas variantes, recuperando alguma diversidade de temas e o público feminino somente com a recente invasão dos mangás.

Importantes autores, como Will Eisner, Bob Kane, Stan Lee, Jack Kirby, Harvey Kurtzman, Steve Ditko, Jerry Robinson, Bill Finger e outros são retratados, com suas importantes contribuições aos quadrinhos. Como Jerry Siegel e Joe Shuster, o perfil de fãs de ficção científica e aventura da maioria desses autores os identificava como geeks ou nerds antes que esses termos fossem rotulados. Bob Kane, criador do Batman, tem um bom destaque na obra, na qual ficamos sabendo que ele não foi o único autor do homem-morcego e foi também um grande oportunista e explorador. Aliás, a história dos quadrinhos nos EUA é repleta de histórias de crimes, trapaças e espertezas cometidas por editores, empresários e até artistas. Mas o grande centro emocional do livro é o longo processo de motivação, criação, perda e redenção dos autores do Super-Homem, que tanto sofreram até serem reconhecidos mundialmente por sua relevância na cultura pop.

Ao final da obra, Jones descreve as fontes bibliográficas e, principalmente, as pessoas que forneceram as saborosas histórias que relata. Com tantas fontes e controvérsias levantadas, a obra rendeu uma bela polêmica com a viúva de Siegel, que contestou muitos fatos contados no livro.

A edição traz ainda interessantes fotos que mostram algumas das pessoas que protagonizaram a origem da indústria dos quadrinhos nos EUA, bem como alguns desenhos que marcaram época. O único senão da edição brasileira é que a apresentação do texto é um pouco descuidada, com alguns erros de digitação e adaptação que deveriam ter sido evitados.

Gerard Jones também escreveu o livro Brincando de matar monstros (Conrad Ed.), que explora as necessidades emocionais de catarse através de violência na mídia. O tema ecoa em várias passagens de Homens do Amanhã, como parte do entendimento das motivações criativas e do sucesso resultante das aventuras de poderosos heróis que lutam contra o mal. Antes de se tornar um escritor e pesquisador renomado, Jones já era velho conhecido dos leitores de quadrinhos. Ao lado de Keith Giffen, na década de 1990, escreveu diversas histórias para a extinta Liga da Justiça Europa, numa fase cômica dos heróis da DC. Para a VIZ Comics, adaptou diálogos para diversos mangás traduzidos para o inglês na década de 1990. Com Homens do Amanhã, o autor atinge um novo patamar entre os teóricos e historiadores da arte seqüencial.

É interessante traçar um paralelo entre essa obra e sua contraparte brasileira, o livro A guerra dos gibis, de Gonçalo Júnior. Tanto Gerard Jones quanto Gonçalo Júnior escreveram obras que descrevem os primórdios das indústrias editoriais e de quadrinhos de seus países. O triste é notar que, enquanto nos EUA a regra era fomentar a criatividade e incentivar a produção local, o que se fez sempre no Brasil foi pegar material estrangeiro pronto (que é mais fácil e barato), sufocando a produção nacional. Ainda assim, aqui chegou apenas a ponta do imenso iceberg que se tornou o mercado estadunidense de quadrinhos. Mercado esse moldado por empresários visionários e garotos sonhadores, vindos de uma época mais ingênua e repleta de horizontes a serem desbravados.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus