Música

A explosão pastoral de Nick Cave em Chicago

Show do doloroso Skeleton Tree acontece em clima de cura catártica
-

Era o final dos anos 80 e eu buscava no dial a mal sintonizada rádio paulistana Brasil 2000. Como um operador de guerra buscando segredos do outro lado do front, eu girava o botão milimetricamente - ela só pegava na casa do meu vizinho e com o auxílio de bombril - em busca de novidade. Entre chiados e microfonia tomei contato com Nick Cave e seus Bad Seeds, que atraíram de cara minha atenção com "Mercy Seat", um mantra despejado a marteladas cadenciadas que durava mais tempo do que a maioria poderia suportar.

Anos (vários) depois, cheguei a usar a música como medida de caráter. Colocava pra tocar pros novatos do Omelete e se alguém fizesse um comentário idiota eu tinha uma boa medida da relação que teria com essa pessoa.

Nesses primeiros anos em que descobri Nick Cave, pré-Internet, comprei alguns vinis que ouvi com frequência. Mas pude realmente explorar sua discografia uns 10 anos depois quando comecei a trabalhar para um selo eletrônico famoso por CDs "do momento" compilados por DJs e cujas capas eu fazia cheias de neon. Por alguma razão, que continuo sem conhecer, os direitos sobre todos os álbuns dos Bad Seeds eram deles - e saí carregado de uma reunião com sua discografia completa, já que ninguém ali sabia direito o que fazer com ela.

Eram uns seis álbuns só, nada comparado aos 16 que Cave tem agora nas costas, além de livros, filmes sobre seu processo criativo e trilhas sonoras. Aos 59, o australiano - que cantou e segue cantando sobre o gótico, o desajustado e o estranho, às vezes romântico, surreal e sempre incisivo - tornou-se um dos mais versáteis artistas em atividade.

Em 2015, a morte do filho por um acidente com LSD, alterou dramaticamente os rumos de seu último trabalho, Skeleton Tree, e adiou sua coletânea celebratória. O enlutado Cave, porém, decidiu que usaria uma turnê como remédio - e anunciou uma extensa série de shows.

Em novembro passado, stalkeando a lista, notei com entusiasmo que o show em Chicago aconteceria apenas dois dias após o fim da E3 2017, em 16 de julho, e garanti meu ingresso.

Meses de espera depois e enfim estou no centenário Auditorium Theatre da Roosevelt University - considerado um marco histórico da orgulhosa cidade e um dos teatros mais acusticamente perfeitos dos EUA. Do meu lugar no balcão no alto, lateral esquerda do palco - único lugar decente disponível lá em novembro - penso em minha própria mortalidade ao observar o público. Vejo cabelos rareando e barbas longas pra compensar. Barrigas que não somem como antes e senhoras tatuadas vestindo preto. Estamos velhos.

As luzes se apagam e a idade desaparece. 3400 pessoas erguem suas vozes para a entrada dos Bad Seeds. Warren Ellis, multi-instrumentista, compositor, lenda, é o mais aclamado. O grupo toca os etéreos acordes de "Anthrocene" para a entrada da vampírica, elegante e longilínea figura de Nick Cave.

Sua esguia figura, projetada por um canhão de luz na parede lateral do teatro como em um musical de Nosferatu, dança controlada por um titereiro invisível. O vozeirão enche o teatro ao som de canções dos dois últimos e formidáveis álbuns, Push the Sky Away e Skeleton Tree, entre clássicos como "Mercy seat" e "Red right hand".

O começo é hipnótico. Cave levanta e senta em seu piano diversas vezes, até abandoná-lo para o centro do palco. Não dura muito, porém, o setup convencional de show. Cave sobe nos subwoofers diante do palco e começa tocar as pessoas. Nas primeiras e mais intimistas canções, carregadas de perda, Cave parece um pastor, chamando para si o público mais próximo. O teatro começa a levantar e pessoas invadem as primeiras fileiras, respondendo aos apelos. "Can you feel my heart beat?" pergunta, colocando as mãos de estranhos em seu peito.

Cave não vai mais embora. Passa mais da metade do show conectado com o público, alimentando-se como bom vampiro de sua energia. Ele se ajoelha, o bom pastor, enquanto canta referências bíblicas, sua dor e o nonsense de "Miley Cyrus na savana africana". Conforme o show se aproxima do fim, porém, ele começa a se lançar sobre os devotos. Semi-carregado, andando sobre as cadeiras, caindo e sendo levantado. Mais de uma vez empurrando alguém meio violento. O punk continua ali, independente do terno slim e da perda. O frenesi religioso ganha contornos ainda mais estranhos quando noto Ellis contorcendo-se de costas para o público e dançando como um possuído em seu terno bem cortado. Cabelo e barba de mendigo louco desgrenhado misturando-se no transe, violino sintetizado em mãos. Larry Mullins acompanha surrando o piano. "Jubilee Street" coloca Cave gritando com os braços abertos “I’m transforming, I’m vibrating, I’m glowing”. Um spot cegante o encontra.

Uma certa redenção chega com "Distant Sky”, acompanhada pela soprano dinamarquesa Else Torp no telão. “They told us our dreams would outlive us … but they lied” retoma a sensação de perda.

Cave encerra o set com "Skeleton Tree", para voltar do backstage minutos depois para mais três músicas. Em tom de catarse coletiva, seus devotos cantam "The Weeping Song". Tomado, ele convida uma mulher ao palco. Depois outra... um homem... e mais de uma centena de pessoas sobe ao seu lado, fazendo desaparecer a banda. "Stagger Lee" é despejada em meio aos caos. Cave mergulha entre as cadeiras, ressurgindo no meio do teatro, em pé mais uma vez nas cadeiras e segurado por um mar de braços esticados. "I am a bad motherfucker, don't you know?" grita.

"Push the Sky Away" termina em coro. O teatro de pé, em reverência, em homenagem e apoio. Parte da jornada de superação. Dividimos sua dor, ouvimos seu lamento. Agonia e êxtase em uma noite perfeita.

Nick Cave em Chicago, 16/06/17, set list:

1. Anthrocene
2. Jesus Alone
3. Magneto
4. Higgs Boson Blues
5. From Her to Eternity
6. Tupelo
7. Jubilee Street
8. The Ship Song
9. Love Letter
10. Girl in Amber
11. I Need You
12. Red Right Hand
13. The Mercy Seat
14. Distant Sky
15. Skeleton Tree

Bis
16. The Weeping Song
17. Stagger Lee
18. Push the Sky Away

Nick Cave
22 de Setembro de 1957 (59 anos),
sobre
Galeria de imagens (1)

DE ARREPIAR! Conheci o som dele apenas ano passado e por "sugestão" do Kojima em seu Twitter (fã assumido do cara), mas desde então já consumi tudo o que encontrei dele pela frente! Espero chegar o dia em que eu tenha a mesma experiência de estar na presença de Nick Cave e suas sementes ruins. Artigo fodástico, Borgo. Parabéns!

Cara, sempre ignorei Nick Cave por preconceito com os VJ da MTV. Me parece que ele ganhou mais um fã...

Maravilha de texto, Borgo.

Nick Cave é um daqueles artistas que dividem a vida de uma pessoa entre a inocência e a maturidade. Lembro-me exatamente do dia que conheci suas músicas e jamais fui o mesmo depois disto! Excelente texto, Borgo... passeia pelo hipnótico, assim como as músicas de Nick Cave & The Bad Seeds, parabéns!

Que texto Érico Borgo, que texto maravilhoso, bem escrito, cheio de sentimentos... Obrigada!

Acho que esse é o melhor texto que já li no Omelete. Nick Cave e seus Bad Seeds deveriam ser considerados patrimônio histórico da humanidade. Depois que Lou Reed, David Bowie e Chris Cornell nos deixaram, ele segue como meu maior ídolo ainda em atividade, e espero que continue nos presenteando com obras magníficas como "Skeleton Tree" foi.

Voltei no tempo, Borgo! Bom saber que outros loucos faziam o mesmo que eu. Sintonizar a BRasil 2000 era quase uma ciência. Sensacional a descrição do show. Me senti como se estivesse lá

Brasil 2000+bombril+nick cave= nostalgia e formação de carater!

Excelente texto!

Conheci Nick Cave em minha adolescência, em 2004, ao ouvir Einstürzende Neubauten e o então membro das duas bandas Blixa Bargeld. Imaginei muita dor com a morte do filho do Nick Cave, é uma dor que eu não espero sentir nunca, pois deve beirar o insuportável. Transformar dor em arte pode parecer clichê, mas isso faz parte da vida do Nick Cave de uma maneira única.

Demais ler essa resenha Borgo, só faltou mais fotos pra tentar ilustrar essa noite fenomenal!

Muito legal, Borgo. Fazia tempo que não lia alguma coisa de verdade, como esta é.

Só digo uma coisa... que inveja!

Comecei a escutar depois que o Érico falou sobre Babe, I'm on fire em algum vídeo. Hoje, é um dos meus artisas preferidos.

Ser fã é uma coisa do caralho! Foda demais!

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus