Música

Star Wars | A origem de uma das maiores trilhas sonoras do cinema

As influências de John Williams passam pela música clássica e a era de ouro de Hollywood
-
 -

Dizer que John Williams criou uma das maiores trilhas sonoras do cinema em Star Wars até parece pouco. O que o compositor criou para a saga de George Lucas é um dos principais motivos da grandiosidade da franquia, afinal, assim como qualquer fã de cinema sabe citar "que a Força esteja com você", é difícil achar alguém que não saiba cantarolar os temas da trilha. 

Foi anunciado esta semana que Williams está confirmado nos créditos do Episódio IX, esperado para 2019. Desde 1977, o compositor esteve envolvido em todos os filmes das três trilogias – e apesar de não ser o responsável da trilha no derivado Rogue One, diversos trechos das suas composições foram incluídas no longa.  

O que pouca gente sabe é que George Lucas não queria um compositor original para Star Wars. Ele imaginava um filme trilhado por músicas clássicas, assim como Stanley Kubrick tinha feito em 2001: Uma Odisseia no Espaço. O mérito da introdução de John Williams ao projeto veio de Steven Spielberg, que usou o trabalho de Williams em Tubarão, no ano anterior, e recebeu o Oscar por melhor trilha sonora. E apesar da história deixar parecer que sem Spielberg a trilha de Star Wars perderia força, a visão de George Lucas teve tanto peso quanto; quando John Williams entrou para o projeto, a direção artística do criador da saga teve peso, e muito do que se ouve na trilogia original é baseada enormemente em músicas clássicas.

Ao contratar Williams para Star Wars, George Lucas foi claro ao explicar porque a trilha precisava ser grandiosa e ocupar espaço na narrativa: "Eu disse, estou basicamente fazendo um filme mudo e preciso que tenha a disciplina do jeito que a música de filme mudo é criada". Ele explica: "É feito de um jeito bem antiquado, como filmes mudos, de maneira que a trilha quase que conta a história. Muito do conteúdo emocional do filme é carregado pela música, quase tanto quanto as cenas” [via FMS]. 

Com o direcionamento de se inspirar nos clássicos e nas trilhas da era de ouro de Hollywood (com compositores como Erich Korngold e Max Steiner, maiores nomes das trilhas nos anos 40 e 50), Williams combinou o estilo com trabalhos clássicos de compositores renomados, principalmente Gustav Holst, Igor Stravinsky e Richard Wagner. Se você já parou para ouvir as influências de Williams, chega a ser até bizarro quanto o compositor pegou emprestado.  

A influência de Wagner em Williams é mais metódica, por trazer um elemento específico para a composição; a criação de leitmotifs. A técnica de composição que foi introduzida por Wagner no ciclo de óperas O Anel do Nibelungo, consiste em criar pequenos temas que são recorrentes em uma narrativa, que remetem a personagens ou sentimentos. E apesar de existir no cinema desde 1940, Williams popularizou a técnica ao reintroduzi-la em Star Wars de forma clara e abrangente. Cada um dos personagens ou cenários tem um tema próprio e marcante: é por causa de Wagner que Darth Vader tem o seu histórico e inconfundível tema, por exemplo. Sabendo disso, faz sentido que Solo – A Star Wars Story tenha como compositor John Powell mas tenha escalado John Williams para criar o tema do personagem principal.

Williams usa referências musicais visíveis em praticamente todas as trilhas. A mais recente notada, por exemplo, foi a inclusão de um trecho de Aquarela do Brasil no meio de Os Últimos Jedi. Mas o compositor fez isso desde o primeiro filme e de forma evidente em temas históricos. Neste sentido, a primeira influência musical clássica que vem à mente é de Gustav Holst, o compositor inglês que criou The Planets, uma suíte orquestral de sete movimentos dedicados aos planetas do sistema solar. A referência para a Marcha Imperial de Star Wars fica bem clara no movimento de Marte. Ouça a comparação:

A homenagem de Williams a Erich Korngold também é bem perceptível. O tema principal de Star Wars, logo de cara, traz um trecho emprestado da trilha de Em Cada Coração um Pecado, filme de 1942. Este vídeo de comparação deixa as faixas lado a lado para entender bem:

Estes são apenas alguns exemplos. As trilhas de Star Wars trazem referências a Mozart, Tchaikovsky e Stravinsky. Se você buscar pelo YouTube, inúmeros vídeos surgem comparando o trabalho de John Williams com suas próprias referências, mostrando de onde vieram cada um dos trechos usados pelo compositor.

Claro que as homenagens não são acidentais. Dizer que John Williams tem menos mérito por ter baseado temas em músicas clássicas não se sustenta; grande parte do seu crédito vai da seleção ao desenvolvimento e é claro, à criação, e capacidade de entender as referências e trabalhar em cima delas de um jeito inovador. O que John Williams fez é tanto um aceno aos clássicos quanto uma homenagem a uma era de cinema, e a combinação dos dois foi o que resultou em uma das trilhas sonoras mais aclamadas da história.

Leia mais sobre Star Wars

John Williams
8 de Fevereiro de 1932 (85 anos), Floral Park, Nova York, Estados Unidos
sobre

John Williams é realmente um grande compositor apesar de que faz referências evidentemente em diversas trilhas a composições anteriores.É uma técnica Wagneriana fazer esse tipo de referência como bem citado no artigo. Mas o mais interessante na composição de John Williams é a riqueza orquestral que ele dá em tom de toda pompa e que difere de estilos minimalistas. Compor para uma orquesta e estar atendo a todos os possíveis recursos é cada vez mais raro.

Excelente texto!

Mais ele já está velho. E já fez muitas trilhas boas.

A nova trilogia ainda não trouxe nenhum clássico.

ué, cadê menção à Sinfonia nº 9 do Dvořák?

Ótimo artigo. Se tivesse escrito apenas Star Wars, isso já bastaria pra qualificar o John Williams como um dos maiores compositores de cinema da história, porém o currículo dele também inclui trilhas memoráveis como: Tubarão, Superman: O Filme, Indiana Jones, E.T., Contatos Imediatos de Terceiro Grau, Esqueceram de Mim, Jurassic Park, A Lista de Schindler, Harry Potter... Qualquer pessoa que tenha assistido a esses filmes consegue lembrar de seus temas, tamanha a sua importância histórica.

BLASFÊMIA o/ hehe

Só gênios envolvidos desde o início. Não tinha como dar errado.

Star Wars episodio 3 pra min e o filme que melhor junta os temas da franquia pra cada cena.

Tá explicado porque a trilha de John Willians não está funcionando nos novos filmes. Falta George Lucas no pé

Isso é que é matéria de verdade!

Essa aqui é claramente a inspiração de Duel of the Fates: https://www.youtube.com/watch?v=-pLIBWyFBIg Ambas, magnificas, diga-se de passagem

Belo texto. John Williams é um dos maiores mestres das trilhas sonoras do cinema. E nem precisa recorrer aos seus temas mais famosos. Há diversos filmes com trilhas excelentes dele. A trilha de "Memórias de uma Gueixa" é lindíssima, nem precisa gostar do filme. Já ouvi a trilha de "Sete Anos no Tibet" várias vezes, é linda, melhor que o próprio filme, que não é lá essas coisas. Suas trilhas podem ser apreciadas sozinhas, sem a necessidade de ver o filme. Mesmo a trilha do excelente mas pouco visto "Munique" do Spielberg é belíssima.

Gosto, admiro, respeito...mas ja to tão cansado de ouvir esses temas. Quando vou assistir algum dos filmes, eu simplesmente pulo a introdução.

Fato que é um mestre, mas não foi muito inspirado na trilha do Episódio VIII, infelizmente. Ainda assim, tem mérito de sobra.

John Williams é um mestre

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus