Música

Noel Gallagher’s High Flying Birds – Who Built The Moon? | Crítica

Na batalha entre quem faz o melhor álbum pós-Oasis, Noel deixa Liam no chinelo
-

Afastar-se da sonoridade do Oasis; esta foi a ideia que Noel Gallagher colocou em prática em Who Built The Moon?, terceiro álbum de sua banda “solo”, High Flying Birds. Lançado poucas semanas após o álbum de seu inegável rival Liam Gallagher, o novo álbum do irmão mais velho é um trabalho à parte de tudo que os dois fizeram desde o fim da banda que acabou em 2009.

Em entrevista à Rolling Stone, o compositor disse que o mérito do disco está, em grande parte, em seu produtor. David Holmes, nome pouco conhecido no mundo da produção, acompanhou o processo de composição desde o começo. Segundo Gallagher, toda vez que o músico tocava algo que parecia Oasis, Holmes mandava recomeçar: “Você já fez isso. Você é o melhor do mundo nisso. Por que não tenta fazer outra coisa?”.

E foi isso que Noel fez. Logo na primeira faixa do álbum ele deixa claro que o disco será singular. Abrindo com o single "Fort Knox", Noel Gallagher solta algo completamente inesperado: delays, distorções, efeitos sonoros e instrumentos flutuam em uma atmosfera completamente recheada, e o pouco vocal que a música tem acrescenta para a brisa que o compositor estabelece. São 13 faixas que inovam em todos os sentidos. Com exceção da voz, que é inconfundivelmente Gallagher e por isso remete a Oasis, o disco lembra muito mais Radiohead, Flaming Lips e Beck.

A animada “Holy Mountain”, segunda faixa do disco e primeiro single lançado, é como um rockabilly moderno. Com estilo de Chuck Berry, Noel Gallagher canta um refrão cativante que parece anos 50 mas está envolvido pela modernidade. Os backing vocals, um dos pontos fortes do disco, preenchem o fundo muito bem. O disco segue com “Keep On Reaching”, com uma batida marcada e sopros grandiosos ao fundo, e depois “It’s A Beautiful World”, uma faixa absorvente, mais lenta e sedutora.

As influências de Radiohead ficam mais óbvias nas instrumentais “Wednesday” parte um e dois, e antes da faixa bônus ao vivo o disco fecha com a faixa-título, uma viagem mais pesada e intensa marcada por sons graves.

O disco funciona muito bem, do começo ao fim. Arriscar é difícil, principalmente para um compositor que dominou o mundo do Rock por anos com o Oasis. Não é à toa que os álbuns lançados pelos irmãos Gallagher desde o fim da banda sempre remeteram ao passado. Mas Noel Gallagher acertou em cheio em deixar a sonoridade do grupo para trás e criar um novo som: sua inovação resultou em um álbum que é certamente um dos melhores do ano. 

Leia mais sobre Noel Gallagher

Nota do crítico (Excelente) críticas de Música

Ouvi os 2 albuns,ouvi o do Liam umas 2x e do Noel idem,enquanto o do Liam só sabia o riff inicial da gaita de Wall of glass e Chinatown,o do Noel ja lembrava a maioria das músicas. O Noel não inovou (em relacao aos albuns anteriores) mais trouxe o mais do mesmo com uma pegada diferenciada,enquanto o album do Liam soou mais do mesmo de forma bastante genérica,desde o fim do Oasis e os albuns com o Beady Eye o Liam parece que não evoluiu em nada fez um álbum para os fãs do Oasis e não do Liam,ficou completamente na zona de conforto e particularmente isso me tira a emoção. Para mim esses dois albums mostraram bem sobre quem é o melhor músico. *Ah essa é a opinião de Lucas,esteja livre para discordar em seu próprio tópico*

Escute, débil mental: a) não sou seu amigo; b) se você surtou por ler uma opinião divergente da sua, vá dar a b..., que pelo visto é sua praia, já que adora um 'rosqueiro' como escreveu. Funciona assim, mongolóide: quer debater, debata com educação. Quer atacar, fique de 4. Não me dirigi a você e não troco comentários sérios com vagabundo que não aceita opinião divergente e sai ofendendo.

Carlos, você é educado e argumenta com propriedade. Por que o atacaria? Chamei o palhaço acima de "mocinha" porque ele me agrediu gratuitamente pelo 'pecado' de divergir dele. Cara não sabe debater, sem ataque pessoal. Por que devo me portar como monge? De fato, o álbum atual me parece medíocre e não tem nada de experimental, tem de colagem, o que é outra coisa. Tem Quadrophenia, Coldplay, U2, The Police (Sincronicity). Não creio que sejam "coincidências", não no caso de Noel Gallagher, um conhecido ladrão de riffs e linhas melódicas, como ele mesmo já confessou em outros carnavais. Independente disso, podia ser uma colagem boa -Villa Lobos cansou de fazer isso, mas de maneira declarada. Só que não é. Enfim, é só minha opinião. Pra mim, o disco de Noel bom continua sendo o 1o pós-Oasis. Ali ele encontrou o tom dele mesmo. Quanto ao Foo Fighters, conheço claramente as limitações da banda, mas gosto muito da pegada. Meu antigo avatar era outro. Abraço!

Tantos álbuns melhores esse ano que merecem mais destaque...

Sério que você quer cagar regra sobre música tendo "Foo Fighters" no nome? É tipo o Rafael Ilha fazendo uma campanha anti drogas. Meu amigo, entenda uma coisa: o Noel é um gênio. Tão gênio que o *ACLAMADÍSSIMO* álbum enlatado de rockzinhos Oasis wannabe feito por produtores copia na caruda um estilo de som que foi criado por quem? Ah, mas que surpresa, O NOEL! Noel é tão gênio que não sente a necessidade idiota de ficar na bolhinha do ROQUE. A música do cara transcende gêneros, afinal ele preza mais pela criatividade e pela inventividade do que pelo estilo ou por quantas guitarras vai ter. Foda-se as guitarras. E como diz o velho ditado: quem se define se limita. E outra que Noel não precisa provar nada pra ninguém, muito menos pra um zé ruela que tem a banda mais genérica e cópia de si mesma de todas no nickname. Agora vai lá ouvir o enlatadinho do Liam e tocar sua guitarrinha imaginária de rosqueiro.

Virou Blur Gorillaz!

Achei diferente, mais pop do que de costume. Em comparação ao "As you were" de Liam, é bastante inferior, com músicas genéricas e indiferentes que, se não fosse a fama do nome Noel Gallagher, passariam despercebidas e seriam esquecidas em poucos dias. Tirando "dead in the water'', a última faixa, o disco não é nem um pouco memorável.

Não curti muito, mas me parece um álbum "grower", tem que esperar amadurecer um pouco e escutar mais vezes para digerir o som diferente do que é esperado dele.Gostei muito mais do álbum do Liam

É um álbum excelente. Estou feliz com o resultado. Junto com Prisoner, de Ryan Adams, lançado em fevereiro, será um dos meus grandes favoritos deste ano!

Passei o final de semana todo ouvindo. Curti! Era isso que Noel queria fazer quando saiu do Oasis, ok. Se fosse pra fazer outro disco parecido com os dois primeiros da carreira solo...era melhor voltar pro Oasis....inclusive essa formação atual da banda do Noel seria perfeita pro Oasis.....só chamaria o Liam de volta é claro. Prefiro esse baixista que o Andy Bell. Não sou expert no assunto....mas curti a linha de baixo do album. Ambos os discos ficaram legais....tanto do Liam como do Noel.....mas por favor, fazem as pazes e voltem com Oasis huahahuhuauaa!!!

Era esperado que o disco do Noel fosse mal recebido no Brasil. Enquanto a maioria das pessoas lá fora foram surpreendidas positivamente, aqui o público permanece fazendo comparações sem sentido com o Oasis. O disco é mais experimental sim, comparado à coisas que o Noel sempre fez na carreira. Porém, pra mim a experimentação acaba no lado A, pois o lado B é puramente Noel Gallagher, com uma produção um pouco mais diferenciada. Quanto à postura do Noel ter sido infantil, me parece que sua interpretação é proveniente de alguma tradução onde a resposta dele deve ter sido retirada de contexto. O que David Holmes disse foi: "Vc é o melhor do mundo nisso" (música estilo Noel), e não "Vc é o melhor do mundo". São coisas completamente diferentes. É como se ele estivesse dizendo: "Vc é o melhor do mundo em ser vc mesmo. Tente algo diferente. Saia de sua zona de conforto". Mas, como sempre, tudo o que o Noel diz ou faz é motivo para chamá-lo de arrogante, imbecil, superestimado, etc. Isso sempre foi um comportamento recorrente na mídia brasileira, que tem em seus artistas o perfeito exemplo da hipocrisia, onde todos respeitam e amam uns aos outros e evitam falar a verdade ou expor suas opiniões em público. Em relação às questões de plágio, Quadrophenia é um dos meus discos favoritos e, sinceramente, não consegui perceber nenhuma semelhança melódica absurda. No entanto, é possível que exista sim, uma vez que Noel sempre se beneficiou desse seu "dom" para desenvolver suas canções. Nenhuma novidade aqui: Os Beatles já faziam isso com seus artistas favoritos. Led Zeppelin fez isso com inúmeras de suas músicas, muitas delas chegando a ser quase 100% similares as originais. Discos renomados pela crítica, como Dark Side Of The Moon, por exemplo, tem trechos diretamente chupados do White Album dos Beatles. A indústria do pop sobrevive dessa maneira há décadas. Sugiro assistir à um documentário do Kirby Ferguson chamado "Everything Is A Remix". De qualquer forma, gostar ou não de seu disco (ou de qualquer disco de qualquer artista) é sempre uma opinião pessoal. Pra mim fica muito óbvio pelo que já li outras pessoas escreverem por aqui ("o disco não tem peso", "precisa de mais guitarras", "tá muito dançante"), que falta diversidade sonora na molecada. Até me surpreende bastante o amigo aí falando de música com tanta propriedade e com o avatar do Foo Fighters: Uma banda ruim, estilo mais-do-mesmo e altamente previsível. Mas... Essa é minha opinião. É bom deixar isso claro antes de ser chamado de "mocinha" ou "menininha contrariada". O debate saudável nunca foi o forte aqui nos comentários. Abraços.

ótimo disco de noel, talvez o melhor do ano mesmo...

concordo

Verdade, para o que se propõe é um bom álbum. Mas não curti não. Acho que quem defende que está um baita álbum e que ele é genial, está se baseando na carreira já consolidada, e não no álbum em si. Apenas minha opinião.

Mais ou menos,Oasis variou bem na sua discografia.

Eu achei um disco bem feito pro que se propõe,mas esse estilo não me agrada. O do Liam dá uma surra de pau mole nesse do Noel.

Wall of glass chega a ser melhor que muitas do Oasis, por exemplo. Eu entendo quem gostou do álbum do Noel, apenas particularmente achei ruim, decepcionante, esperava algo próximo dos dois primeiros....

As You Were tem mais energia , o Liam é um dos melhores vocalistas do rock , fica difícil competir com aquela voz.

Eu gostei do álbum , o do Liam foi muito bom também , claro que faltou mais musicas , achei curto demais , mas acho que ele esta no caminho certo , tem musicas aqui que com certeza não seriam aceitas pelo Oasis , com o High Flying Birds ele pode explorar sons novos .

Do artigo de O Globo: "O que ele chama de disco de “pop cósmico”, na verdade é desculpa para reunir um punhado de composições preguiçosas, pouco buriladas e com letras que são nada mais que um apanhado de clichês. Louvável a escolha do DJ David Holmes, norte-irlandês que enveredou pelo mundo das trilhas de Hollywood, para produzir o trabalho. Mas nem ele consegue fazer com que a desconjuntada coleção de faixas soe como uma possível trilha para um filme ainda não feito (e que dirá um álbum!).

Que tal uma resenha mais inteligente que essa aqui do Omelete? Aliás, me pergunto se algo tão acrítico assim não está regado a um jabazinho. Como disse o amigo Douglas mais abaixo, duvido que se esse discozinho aí fosse lançado por um anônimo qualquer, fosse considerado sequer ruim. Cairia no ostracismo direto. Pra quem gosta do Noel Gallagher de qualidade -e não essa caricatura de si mesmo, pois isso aí não tem nada de experimental; é apenas uma colagem mal feita de diversas outras músicas e compositores-, o artigo de O Globo sobre WBTM. Óbvio que o articulista sacou todas as chupações de Gallagher nesse seu disco 'GENIAL' (KKKKKKKK). Cotação.? RUIM! https://oglobo.globo.com/cultura/musica/critica-who-built-the-moon-de-noel-gallagher-uma-coletanea-desconjuntada-generica-22112547

Como fã do cara desde os anos 90, vou desabafar... Fodam-se guris! Vocês não tem bandas legais pra curtir em vossa geração? Que peninha... kkkkkkkkkkkk Esse álbum do Noel é G E N I A L ! ! !

Exatamente..... e eu achava que o álbum dele daria uma goleada no do Liam quando anunciaram as datas próximas de lançamento,,,, aconteceu o que eu não esperava, mas que gostei muito.... o do Liam que é disparado melhor.... esse do Noel é.... só porque é Noel mesmo.... em termos musicais,,,,, ruim!

Eu gostei mais do segundo, muito experimental esse, mas noel sempre foi o gênio

Matéria horrorosa,deixou o álbum do Liam no chinelo? Não pode estar falando sério,um álbum experimental, que se fosse lançado por alguém menos famoso não teria metade da repercussão. Álbum bem fraco isso sim,só muito fã vai escutar.

Duro é que nessas de "gosto é gosto" os fanáticos se seguram e defendem até a morte o que pra eles mesmos é uma evidente porcaria. Mas problema deles. Disco é ruim mesmo. Noel se jogando no l i x o em nome da fantasia de uma pseudo originalidade ou experimentalismo, porque arrumou um panaca que o convenceu de que ele, Noel, é o melhor do mundo. Ora, ainda que fosse... Aí vêm uns bocós que gostam de Noel pelo que ele já fez, ouvem essa d r o g a aí e dizem "UAU, que diferente! Que texturas! Que sonoridade!". Patético. Mas o cara compõe o que quiser. Já tá rico, não precisa mais dos fãs, de nada.

Who built the moon é horrível para um nível Noel Gallagher, lógico que gosto é gosto, mas o álbum é ruim... pelo menos no que conhecemos dele.... se fosse um artista "não conhecido" todos reviews seriam ruins, como a maioria tem sido, mas por já ser o Noel o povo tá dizendo que pode ser um bom álbum, um novo caminho, um trabalho diferente, blah... blah... blah.... tomara que traga os resultados que ele espera, mas como fã do Oasis e do próprio Noel (e Liam), esse álbum é bem inferior ao As You Were.... No fim das contas,,,,, quem gostou, gostou.... quem não gostou ouça outra coisa... desde que seja boa música, rsrs

"Nova"? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK "Evoluir"? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Infantil é não evoluir. Prefiro ele fazendo coisa nova que vê-lo se tornar uma sombra distante do que um dia ele foi. Só for pra ouvir emulação, prefiro escutar os álbuns do Oasis.

Eles recebem o disco antes.

Nah. Disco enjoado e previsível.

Ah, mocinha, uma coisa: pra mim, experimental é Stockhausen, Kollroiter (foi professor do meu tio), Anton von Webern, Frank Zappa, Lou Reed, David Bowie, Beatles e uns poucos mais, belê? Pastiche não tem nada de experimental. Se você é só um fanático sem senso crítico, pnsc!

KKKKKKKKKK, você parece uma menininha contrariada porque disseram que seu sorvete não é cor de rosa kkkkk. Você é tão medíocre que não consegue nem ler o que os outros escrevem, e prefere atacar a partir de seus próprios preconceitos : a) não me dirigi a você, portanto, o incomodado com meu comentário foi você, não eu; b) não vem ao caso se um disco é experimental ou não, e sim se ele é bom ou não. Esse disco de Noel não é. Só isso. Mas de repente ele acha que está fazendo sons experimentais, quando na verdade está apenas rebootando sons de outros músicos/compositores; c) Reproduzo trecho de meu comentário mais abaixo: "O que aí está não é nada de nada: nem de Gallagher, nem de novo. Uma colcha de retalho, quando muito. Se é pra inventar e torrar dinheiro, ora, faça como Frank Zappa fazia, ou Lou Reed ou mesmo nosso Hermeto Paschoal, que criavam sonoridades muitas vezes insuportáveis em nome de experimentação e transcendência do próprio som"; d) Que bom que você conhece Quadrophenia! Incrível que conheça de 'cabo a rabo' o som da banda e não tenha notado que tem passagens inteiras copiadas. e) Ué, citar Stone Roses, que foi banda modelo pra Noel nos tempos de Oasis? Mas se ele é o melhor do mundo, como o produtor afirmou, iria aceitar copiar essa época também? kkkkkkkkkk; Cara, você é muito medíocre, e falará qualquer coisa apenas pra achar que está "vencendo" o debate. Vai ler Escuta Zé Ninguem, de Reich. vai, mocinha! Ego é ego. O de Noel, o seu, o meu. Quando sai o ego, entra o senso crítico, o debate positivo e propositivo. Demais pra vc, né, mocinha? Tchau, menina! Cuida bem do sorvetinho, tá?

Produtores bons, tipo Brian Eno, George Martin, Markus Dravs, Nigel Goldrich, que cagam pra tendências de mercado, o que toca no rádio e para o que o povão gosta e já está estabelecido (que parece ser seu caso), tem que estimular os artistas a saírem da zona de conforto e fazerem coisas diferentes, não necessariamente experimentais, inovadoras ou que ninguém fez antes. Quanto a "experimental", você deve entender isto como algo que nunca foi feito por ninguém, o que não é o caso. Pode sim, ser experimental para os padrões do Noel, se considerarmos o som que ele estava fazendo antes, esta agregando coisas que já foram feitas pelo U2 durante todo os anos 90, Bowie, New Order, Charlatans, Primal Scream, Radiohead... mas eu chutaria que a principal influência do Noel para este disco foi o Stone Roses, banda que faz um som bem parecido com o do disco novo, e da qual Noel é fã declarado e influenciou o próprio Oasis. Não preciso ouvir Quadrophenia pra saber, já conheço a discografia do Who de cabo a rabo. Mas acho que você que deve mesmo é estar p#tinh0 pois achou que iria encontrar mais do mesmo ouvindo o disco novo (se é que ouviu). Como diz o velho ditado, quando muda a cor da grama fode tudo.

O último foi mais ou menos

É... Os dois primeiros álbuns são mesmo melhores!!! O primeiro é sensacional... Nem ligo se há um "quê" de OASIS nele!!! E EVERYBODY IS ON THE RUN continua excelente!!!

De fato o Liam acertou muito no ultimo trabalho, bem mais que seu maninho.

Colega, não precisa vestir a carapuça hehe. A postura de Noel foi infantil, pois se deixou levar por uma observação de ego para justificar seu trabalho. Mas se vc não tem cultura, nem conhecimento de psicologia, nem maturidade pra entender algo tão óbvio, só lhe resta fazer ataques pessoais contra quem pensa diferente de você, e aí só me cabe dar muitas risadas, o que é bom demais haha. Ah, não citei o nome do produtor. Não tem nada a ver, no caso, quem ele é ou deixa de ser. E sim a infantlidade de Noel em usar um argumento tão tolo pra justificar seu "experimentalismo". Mas talvez vc não saiba ler. Quanto ao novo disco, é fraco, uma chupinhação de diversos compositores do pop rock. Escute Quadrophenia, do The Who, e vai encontrar nosso Noel lá. Não tem nada de "experimental". O cara compõe o que quiser. Isso é problema dele. Ocorre, apenas, que se trata de um trabalho aquém do que ele mesmo estava fazendo, cuja sonoridade não tem nada de "experimental". Só na sua cabeça e possivelmente de fan-áticos hehe.. Simples assim. Entendeu? Não? Ah, dá pra entender, no seu caso.

Queens pegada eletrônica?

Omelete sempre foi uma lástima em termos de música. Desconsidera. David Holmes é excelente, já manda bem faz tempo, inclusive na trilogia 11 Homens.

Infantil é quem acha que um artista tem que fazer o mesmo tipo de música a carreira inteira sem experimentar nada só pra agradar fãs quadrados. Achei o play novo excelente. Ah, e David Holmes é uma excelente músico e produtor sim, desde os anos 90.

até ia ler a matéria... mas a manchete que fala que o disco do Noel deixa o do Lian nochinelo (bem dificil!?) me desanimou.. melhor escutar primeiro para ter minhas próprias conclusões.

Mas já resenharam o disco lançado hoje? Kkkkk. A pressa é realmente inimiga da perfeição por isso temos coisas como "deixa Liam no chinelo". É um bom álbum pop, mas não me disse muita coisa e não é isso que esperamos ou queremos quando ouvimos o Noel. Mil vezes o disco do Liam do que essa Coldplaylização do Noel. Nesse passo, no próximo disco teremos feats com Katy Perry e Rihanna...

Ué eu não falei isso, falei que essas bandas Queens é mais ou menos numa pegada eletrônica

Colega, se alguém tem algo a lamentar é o próprio Noel, que deixa para trás um belo legado em carreira de banda (Oasis) e solo (os dois ótimos discos anteriores), por conta de aceitar o afago no ego de seu produtor. A aventura é só dele. Os fãs continuarão gostando dele, e se ele fizer porcarias daqui pra frente, o mundo não vai parar por isso hahaha. Ninguém realmente sério se inflaria com uma bobagem do tipo "Você é o melhor do mundo", como pateticamente o próprio Noel Gallagher contou em sua entrevista recente à Rolling Stone, ao relatar as 'dicas' de seu produtor. Isso prova que, pra um homem de 50 anos, ele ainda é bem infantil. Aliás como o disco corrente, medíocre, uma chupação descarada com trechos copiados de Quadrophenia do The Who (anos 70), Coldplay, U2 e Kraftwerk. As linhas melódicas são tão parecidas, que ele poderia ser processado por plágio se alguma das bandas quisesse. Quem conhece música mesmo, quem tem repertório de pop e rock n roll, vai sacar o que estou falando. Vida longa pra Noel Gallagher!

Vc nem leu direito o o cara escreveu.... ô geração

Noel é brilhante e isso é inegável! mas tenho que discordar do '' deixa Liam no chinelo''... Na minha opinião esse álbum parece não ter nada do Noel, não parece que ele colocou o toque dele nisso tudo, sem sombra de dúvidas deve estar a cara do David Holmes ( que eu não conheço). Os dois primeiros álbuns dele são ótimos, de fazer você querer ouvir o tempo todo, sinto que o Noel se perdeu em wbtm. Mas sou só uma leiga no quesito música, não tenho conhecido para uma crítica mais profunda! de qualquer forma da pra salvar algumas poucas músicas nele e vale a experiência. Ahhh e o Liam não ta no chinelo não, ele acertou em cheio em As you were! Eu trabalho o dia todo ouvindo e não me canso ;) abraços e espero que vocês consigam um entrevista com o Liam quando ele vier para o Brasil ano que vem.

QOSA é mais ou menos? Mds é cada coisa que leio por aqui

Noel virou a Madonna. Tomar no c*

Fazer o quê? Tem que dar o braço a torcer mesmo. O cara é um gênio.

Nao há discussão que o Noel é melhor compositor/músico que o Liam, mas, assim como muitos, também preferi o album do Liam. Pode até ser menos complexo, um rock/pop mais puro, sem tantos efeitos, sem correr tantos riscos, sem sair da zona de conforto do Liam, etc e etc...mas é muito bem feito no que se propõe e veio em um bom momento onde esse tipo de som está em extinção...não é a toa que ficou em primeiro lugar de vendas no Reino Unido. Esse album do Noel tá meio intragável...soando parecido com alguns sons atuais, e, nesse estilo, tem gente fazendo som melhor...Enfim, só uma opinião mesmo...e é bom lembrar: música não é competição...

Achei o disco incrível. O Noel me surpreendeu! Não esperava isso... sou fã da banda desde 1995 e era algo que esperado. E para que está achando ruim, só lamento porque vai piorar: “Eu devo dizer (para os fãs que não gostaram de WBTM), se você está de alguma maneira desapontado com este disco, então os próximo anos não serão divertidos para você… porque é um caminho sem volta pra mim, entende?" Noel em entrevista (track by track de WBTM) na Radio X.

O cd do Liam é muito melhor. A maior parte desse cd do Noel é música para consultório médico.

Ficaram impressionado com o álbum metido a conceitual do Noel... É muito bom, mas só para por ai... Liam convence mais, até por que a pegada é mais agressiva...

Cdzaçoooo

é um album bem experimental ... Liam é mais Rock and Roll ! Eu gostei mais do disco do LIam na moral!

Não curti, prefiro Noel Gallagher’s High Flying Birds de 2011...

Muito fraco

David Holmes poderia ter sido melhor lembrado pelo Omelete como compositor das trilhas sonoras da série Ocean's Eleven, que trazem um clima marcante à trilogia. Ficou parecendo que o cara é um zé ninguém...

Comecei a ouvir o álbum com a mente aberta, porque já ouvi falar que o disco tá com uma pegada mais experimental, até aí tudo bem, mas durante a audição já deu pra perceber que o este novo álbum é o ponto mais baixo da carreira solo do Noel (na minha opinião), e eu gosto do trabalho dele, porém tenho que ser sincero comigo mesmo em confessar que não tá legal. Mas enfim, opinião é pessoal. E sou insistente, tentarei ouvir mais vezes pra ver se desce.

Achei bem genérico, não gosto muito dessas bandas de rock muito eletrônico. Mas até o Queens of Stone age que é mais ou menos assim faz álbuns muito melhores

Já havia ouvido algumas das faixas lançadas por Noel, e sinceramente são medíocres quando não chupação de músicos e bandas como The Who (Quadrophenia). Acabei de ouvir as novas e sou obrigado a discordar da repórter/articulista. O disco me parece -ainda vou ouvi-lo outras vezes para não ser injusto comigo mesmo (rs)- um pastiche de diversos sucessos e músicos (até traços de Coldplay se ouve...), sem qualquer resquício de originalidade ou mesmo de Noel Gallagher. Se Gallagher entrou na onda do produtor, que insuflou seu ego para tentar compor algo novo, errou feio. O que aí está não é nada de nada: nem de Gallagher, nem de novo. Uma colcha de retalho, quando muito. Se é pra inventar e torrar dinheiro, ora, faça como Frank Zappa fazia, ou Lou Reed ou mesmo nosso Hermeto Paschoal, que criavam sonoridades muitas vezes insuportáveis em nome de experimentação e transcendência do próprio som. Desculpe informar, mas o disco solo de Liam -que é mediano- dá de 10 nisso aí. Em tempo: sou fãzaço de carteirinha de Noel Gallagher desde sempre, e considero-o o melhor compositor do pop-rock dos anos 90 pra cá. Mas nesse disco ele falhou feio. Até aqui, o que de melhor ele produziu (solo) foi seu álbum de estréia pós-Oasis com High Flying Birds. Aquele sim é um belíssimo álbum, com sonoridade própria, clipes muito legais (como o de AKA...what a life) e músicas excelentes.

Ouvi as faixas que haviam sido divulgadas ''Fort Knox'' ''Holy Mountain'' '' She Taught Me How To Fly'' nenhuma dessas empolga, o que salva o disco é a faixa título, olha que sou fã do cara, mas esse disco não dá pra engolir, talvez alguém que não conheça o trabalho do Gallagher consiga gostar.

God is back

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus