Música

Linkin Park mostra novas músicas e agrada fãs no Maximus

Grupo fugiu do peso do metal e criou atmosfera própria para o maior público do evento
-
Linkin Park agrada fãs no Maximus

Não dá para negar, a curiosidade sobre como seria a recepção do Linkin Park em meio a um festival focado no rock pesado, sem dúvida, foi algo que deixou muita gente curiosa após o anúncio da banda como headliner do Maximus em 2017.

No entanto, no final, tudo correu bem. A banda contava com o maior público do festival quando deu seus primeiros acordes e isso, sem dúvida, justificou o porquê do LP ser o headliner da noite. Mas nem só de glórias viveu o grupo, já que no início do show, algo aconteceu com o som e atrapalhou bem toda a experiência auditiva de quem não estava tão perto dos palco.

E lógico, após todos os primeiros detalhes anotados,  assim que a banda iniciou sua apresentação era possível sentir a mudança de atmosfera do festival que saiu de porradas sonoras para músicas mais radiofônicas, com alguns momentos inspirados, mas que em nada remeteu aos shows que antecederam a principal atração da noite. Mas isso não pareceu ser um problema para o público, já que a massa de fãs estava conectada, participando e reagindo a todos os estímulos que vinham do palco.

Após a boa receptividade, Mike Shinoda não fez cerimônia ao afirmar que "Uma das bases de fãs mais loucas que nós temos no mundo é a brasileira". Mas apesar dessa informação, era fácil ver como as pessoas se empolgavam muito com as faixas dos dois primeiros álbum do LP e com os gritos de Chester. Era possível ver risos, pulos e ouvir as vozes a plenos pulmões enquanto as criações mais novas, em vários momentos, pareciam servir apenas como protocolo para a apresentação.

O setlist ganhou pontos estratégicos com faixas como "Breaking the Habit", possivemente o melhor momento do show, ou ainda com "One Step Closer" que levou algumas pessoas da plateia ao delírio. O grupo também apostou em uma versão mais contida de um de seus hits  - "Crawling" ao piano - e até mesmo um acapela do público para "In The End".

Posteriormente, depois de apostarem em faixas mais conhecidas e rápidas como "Numb/Encore" e com o jogo quase ganho, Shinoda pediu licença e disse que iria tocar uma faixa proibida, "Nós não temos permissão para tocar essa" e mandaram "Heavy", um dos novos singles do próximo disco - que chega às lojas na semana que vem - que simplesmente faz com que o grupo não pareça o mesmo e entrega uma sonoridade ideal para as rádios ao redor do mundo.

Fechando o show, sem aviso ou bis,  o LP apresentou "Bleed It Out" e se retirou do palco.  Um show que deve ter agradado bastante o público, mas que não se encaixou de forma coesa como parte do festival e mostrou que possivelmente o Linkin Park - apesar da boa base de fãs - soa de uma forma nas rádios e de outra ao vivo, já que mesmo com músicas presentes nas mais variadas programações ao redor do planeta, eles não conseguem deixar para trás sua fase mais "rebelde".

Leia mais sobre Linkin Park
Leia mais sobre Maximus

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus