HQ/Livros

J.R.R Tolkien 125 anos | A curiosa trajetória do sucesso tardio de O Senhor dos Anéis

Edição pirata norte-americana e movimento hippie transformaram livro em bestseller quando escritor tinha mais de 60 anos
-

Hoje é 3 de janeiro, o que significa que neste dia, em 1892, nasceu John Ronald Reuel Tolkien. Em 2017, a efeméride fica ainda mais especial, pois Tolkien completa 125 anos. E o ano promete para os fãs do escritor. Em meio a edições comemorativas e livros inéditos, Tolkien segue sendo celebrado como um dos autores mais influentes dentro da literatura mítica moderna. E não é para menos. O garoto nascido em Blumefontaina, na África do Sul e que gostava de inventar novas línguas mudou para sempre o gênero da fantasia ao criar a Terra-Média um mundo complexo e de grande riqueza cultural, linguística e mitológica.

No entanto, o sucesso de O Senhor dos Anéis demorou para acontecer. É estranho pensar nisso hoje em dia, ainda mais após a conquista de uma nova audiência com as adaptações de Peter Jackson para o cinema, mas, uma breve análise da trajetória comercial do livro evidencia que o sucesso global veio muito tarde. Tolkien já passava dos sessenta anos quando O Senhor dos Anéis fez dele um autor best-seller. Apesar do imediato sucesso no Reino Unido, foram necessários dez anos para que editora comprasse os direitos de publicação nos Estados Unidos, em uma história cercada de curiosidades e determinante para a transformação de O Senhor dos Anéis em um fenômeno mundial.

Em 21 de setembro de 1937, Tolkien publicou O Hobbit e imediatamente o trabalho foi bem recebido por crítica e público, com a tiragem de 3.500 exemplares se esgotando de forma rápida. Apenas um mês depois do lançamento, Tolkien e seus editores começaram a conversar sobre uma sequência. O autor então ofereceu à editora O Silmarillion, mas este projeto foi  recusado pelos executivos, que estavam buscado um livro no mesmo tom do O Hobbit. Tolkien percebeu então que o ponto de partida seria o anel recuperado por Bilbo na caverna de Gollum. A história cresceu e o primeiro volume de O Senhor dos Anéis foi publicado na Inglaterra no verão de 1954, quase 16 anos depois de Tolkien ter iniciado o trabalho.

Os três volumes foram publicados entre 54 e 55 na Inglaterra pela Allen & Unwin e importados para o Estados Unidos pela Houghton Mifflin. No início de 1964, Donald Wollhein, funcionário da Ace Books, editora conhecida por publicações em formatos populares e de menor custo, começou a observar o sucesso do O Senhor dos Aneis entre os universitários norte-americanos, especialmente na Califórnia. Empolgado com o potencial da obra, Wollhein ligou para Tolkien e perguntou se o professor  autorizaria a publicação da trilogia em paperbacks. A resposta foi curta e grossa: “Nunca permitirei que meus grandes trabalhos sejam lançados em um formato tão degenerado como paperback”.

Obstinado, Wollhein então pesquisou a situação contratual das obras de Tolkien nos Estados Unidos e descobriu um furo de copyright no contrato com a editora que importava a obra para a América. Se aproveitando da confusa política de copyright nos EUA da época, a Ace publicou em junho de 1965 as edições “degeneradas”, que logo caíram no gosto popular. Pressionado pela editora, Tolkien se viu obrigado a completar uma série de revisões na qual já vinha trabalhando, para que sua editora americana pudesse lançar novas edições tanto de O Senhor dos Anéis quanto de O Hobbit. Vendo o aproveitamento da trilogia da Ace nas vendas, a Houghton & Mifflin decidiu lançar uma versão original sem revisões do autor em uma edição sem muitos atrativos, o que rendeu críticas do próprio Tolkien.

Ainda que as edições da Ballantine viessem com uma declaração de autorização de publicação do autor, a Ace Books vendia os livros com um preço mais barato ($ 0.75 contra $ 0.95 da Ballantine) e capas mais atraentes. Em suas respostas às cartas de fãs norte-americanos, Tolkien contava sobre o aborrecimento que sentia em relação à confusão editorial. O boca-a-boca entre os fãs cresceu com uma velocidade impressionante e, em poucos meses, o imbróglio chegou à imprensa nacional, intrigando pessoas que nunca haviam lido O Senhor dos Aneis a procurar o volume nas livrarias. Durante o ano de 1965, 100 mil exemplares da edição da Ace haviam sido vendidos. Em seis meses do mesmo ano, a edição da Ballantine alcançou a marca de um milhão de exemplares vendidos.

A pressão excercida por grupos de fãs das obras do autor mostrava um pouco das proporções que Tolkien começava a adquirir dentro da cultura popular da época. A publicidade e o envolvimento dos leitores na briga editorial entre a Ace Books e a Ballantine, aliados à significativa marca de um milhão de exemplares vendidos, provocaram o surgimento de um certo culto sobre o autor, que caiu nas graças da juventude norte-americana e encontrou ecos dentro do movimento hippie. Rapidamente, Tolkien se viu no meio de um furacão midiático, sendo transformado em uma espécie de guru e pavimentando seu caminho para se tornar a principal referência dentro da literatura fantástica, praticamente um sinônimo do gênero.

Próximo da aposentadoria e ansioso para dedicar o tempo livre na edição de outros projetos, principalmente O Silmarillion, livro que passou quase quarenta anos escrevendo, J.R.R Tolkien não aproveitou totalmente o sucesso de O Senhor dos Aneis. De personalidade forte, não gostou de ter se tornado uma figura cultuada, não entendendo o porquê das pessoas se interessarem tanto por sua rotina, hábitos ou vida privada. Para Tolkien, só a obra importava. 125 anos depois de seu nascimento, podemos afirmar com segurança de que ele estava certo.

Leia mais sobre O Senhor dos Anéis

Galeria de imagens (5)

Sim, brother, quando falo "famosinho", não é em detrimento à obra dos artistas, quero dizer que caiu no gosto do público e aí um escritor de vida tranquila como Tolkien adquire involuntariamente status de rockstar. Todos que citei (exceto Disney, talvez) estavam mais preocupados em contar uma boa história do que levar uma vida de superstar. Mas, como disse Keith Richards, o final dos anos 50/começo dos 60 juntou liberação feminina, rock, fácil acesso à culturas mundiais e a drogas psicotrópicas, literatura fantástica e aí o circo foi armado!

Ah, claro que não, ele era bem simples, o fato de eu citá-lo como "famosinho" não é por culpa dele, e sim dos fãs que o endeusaram :)

Musashi de Eiji Yoshikawa, um pouquinho maior, rsrsrs..

O Livro dos Cinco Anéis?

O que eu quis dizer é que ele é icônico realmente, a influência dele até hoje é inegável, mas o estilo dele de escrita não é mais tão apreciado hoje em dia e foi isso o que envelheceu mal. Ninguém quer escrever e ler mais como o Tolkien escrevia, com longas e cansativas cenas de descrição de cenários.

E não podemos esquecer do estudo literário que ele fez sobre Beowulf. Outros podem ter redescoberto o poema no século XIX, mas ele é a principal pessoa que temos que agradecer a repopularização do épico poema anglo-saxão.

Os críticos eruditos vão sempre chiar, e ainda mais quando é ficção especulativa (fantasia, ficção científica, terror, distopia, ficção weird, etc) eles vão chiar ainda mais quando o gênero que eles consideram como infantil, amador e insignificante começa a adquirir mais popularidade entre a maioria dos leitores do que o que eles consideram como realmente de valor. Mas eventualmente eles cedem: hoje a Ilha do Tesouro do escocês Robert Louis Stevenson, um romance sobre piratas, papagaios no ombro, pernas de pau e tesouros marcados com um X em ilhas desertas já é até estudado nas escolas americanas em aulas de literatura.

Perfeitamente colocado, em todos os pontos. Da mesma forma, por exemplo, que o próprio Shakespeare não criou originalmente os personagens das fadas e dos sílfides e o personagem do Puck do Sonhos de uma Noite de Verão, eles todos já existiam no folclore britânico há anos, ou não criou os personagens do Rei Lear ou de Hamlet, eles foram baseados em figuras históricas reais da história britânica e dinamarquesa, o que ele fez foi popularizar os personagens e figuras para as grandes massas que poderiam acabar esquecendo as histórias se não tivessem tido uma forma escrita pra lembrar. Sobre o estilo descritivo épico dele eu diria que ele tem uma grande herança no gênero do épico mitológico que o Tolkien estava se inspirando de trabalhos como a Ilíada e a Odisseia, os Eddas, o Mabinogion, o Beowulf, a Canção de Nibelungo, o Kalevala e a Bíblia: em todos esses trabalhos os personagens não são exatamente o grande foco da história, e portanto eles tem um desenvolvimento até fraco, viram arquétipos, como personagens de conto de fadas; o que importa nesse gênero do épico mitológico é a história, as grandes batalhas, as intrigas políticas, o legado do herói, é como um jogo de xadrez em que você não liga para as peças individuais mas para o jogo como um todo. Isso resulta em algo excessivamente descritivo porque você não é esperado imaginar o personagem mas a situação em que o personagem está. Você conhece a autora de ficção científica americana Ursula K. Le Guin, K A? Eu adoro a Ursula, os livros Um Feiticeiro de Terramar e A Mão Esquerda da Escuridão são alguns dos livros mais geniais que eu já li nos últimos anos, mas ela foi direta e extemamente influenciada pelo Tolkien e as vezes ela tem um estilo tão descritivo e maçante que lembra tanto o Tolkien que você quer pular de página logo depois de tanta descrição da paisagem, das montanhas e dos rios que o personagem principal tá desbravando. Alguns momentos da Mão Esquerda e do Feiticeiro de Terramar me lembraram diretamente das cenas intermináveis do Frodo e do Sam viajando até a Montanha da Perdição. Mas novamente, a Ursula pegou o estilo do Tolkien mas acrescentou a própria história e inventou o seu próprio estilo, não dá pra comparar um e outro.

Exatamente. Já na época em que o Ralph Bakshi estava fazendo os seus primeiros filmes animados do Senhor dos Aneis a série de livros já eram um sucesso e um fenômeno. A maioria das pessoas não conseguem olhar muito longe no passado e só conseguem ver o sucesso de Tolkien atrelado aos filmes do Jackson porque ignoram o que aconteceu antes.

Ah, Timothy Hunter, sim. Uma vez o tablóide britânico Daily Mirror fez alegações falsas de que o Neil Gaiman acusou a Rowling de plágio por roubar a ideia do Harry Potter do Timothy Hunter dele, mas numa entrevista o Gaiman negou as acusações de plágio e disse que as semelhanças eram coincidência ou apenas eles dois copiando de arquétipos de fantasia, e disse "And I said to her that I thought we were both just stealing from T.H. White: very straightforward". Aparentemente ambos o Gaiman e a Rowling estavam roubando do White primeiro, porque, convenhamos, quase todos os autores de fantasia infantil britânicos que vieram depois do White roubaram um pouco dele. Até o clássico filme dos anos 90 Convenção de Bruxas (aquele em que bruxas num hotel transformam crianças em ratos e que tem o ator do Mr. Bean), que é baseado num livro do Roald Dahl, tem um arquétipo Rei Artur/Timothy Hunter/Harry Potter: um menino britânico órfão com óculos e cara de nerd descobre a existência de bruxas e magia e luta contra bruxas do mal. No fundo todos eles autores de fantasia infantil britânica, Dahl, Gaiman e Rowling, estavam copiando White, mesmo que inconscientemente. Aqui, a entrevista com o Gaiman em que ele nega o plágio da Rowling: http://www.januarymagazine.com/profiles/gaiman.html

Na verdade le impos que a Disney jamais adaptasse as suas obras, sabe lah Deus por que. A dor de cotovelo foi tanta que adaptaram Cronicas de Narnia, uma historia "rival"

O senhor dos anéis é imortal... Tolkien criou um mundo enorme, calcado na mitologia nórdica e demais mitos e lendas da Europa; que influenciou dezenas de autores posteriormente, de JK Howling a Stephen King (A Torre Negra foi inspirada na trilogia), passando por C.S Lewis. A obra dele deu um gás para o genero fantasia, e até hoje conquista fãs no mundo inteiro. Engraçado saber que a "pirataria" deu uma forcinha pra obra dele; já que graças a ela os hippies tornaram LOTR um icone da contracultura... Queria saber mesmo se é verdade a lenda que diz que os Beatles queriam gravar um filme com o Stanley Kubrick (segundo a historia, McCartney seria Frodo, Ringo seria Sam, John Lennon seria Aragorn e George seria Gandalf)...

Envelheceram mal? Algo que até hoje inspira vários autores no mundo inteiro, não apenas de literatura, mas de games, música e etc... E você diz que envelheceu mal? Ok... XD

"Eu não me lembro de ter lido alguma obra que explore tantos personagens, tantas situações em diferentes momentos e circunstâncias sem se perder como o velho. " Então você não leu nada de Tolkien, que aliás, foi o maior inspirador de Martin. Tem até um Sam gordinho com problemas com o pai e super fiel ao "protagonista". O problema com o Martin é que ele se tornou previsível. Ele mata tantos personagens que você deixa de se importar com eles. E não tem impacto algum quando mais um morre.

Vou sim, vou aproveitar minhas ferias pra adiantar..

Mais ou menos. O harry e muito influenciado no Tim Hunter do gailman (que tb e sensacional ) dos livros da magia que é claramente inspirado no Charles Morgan da diana w Jones, sendo que esta foi aluna do Tolkien em Oxford .

Tira um tempo para ler. Musashi e sensacional.

Nao e bem assim. Ele criou os hobbits, huorns e deu uma roupagem completamente diferente aos elfos, orcs, etc.

Na verdade ele não gostou do sucesso dele, como pessoa, pra ele o sucesso devia ser apenas para sua grandiosa obra.

Tolkien nunca quis ser famoso nem ganhar dinheiro, o cara realmente amava sua obra, e vendeu os direitos para o cinema por apenas dez mil dólares

Quem falou isso tem inveja, na verdade conforme ele foi se tornando popular os críticos ditos eruditos e cheio de mimimi começaram a chiar

Mas o próprio Tolkien gostaria de ver sua obra materializada nas telas, tanto que a primeira adaptação, em desenho animado teve aprovação dele, claro que o resultado depois ficou bem aquém... ele achava que nunca seria possível ver um filme do livro, por isso fico curioso se ele pudesse ver os filmes hoje, ainda que tenham cortado muita coisa acho que ele ia aprovar os filmes pelo tom épico e pela caracterização dos personagens e das sociedades.

A mitologia grega também fala sobre isso (não lembro se em Hesíodo ou Ovídio), sobre os deuses terem criado os humanos perfeitos e pacíficos, depois Eras se sucederam com a primeira Era do Ouro perfeita e utópica se degenerando com a introdução de armas de guerra e ferramentas de trabalho e ciências através de sucessivas Era de Prata, Era do Bronze, Era Heróica e a atual (atual na época dos gregos antigos) Era do Ferro. Acho que tenha sido também daí que o Platão tenha se inspirado pra descrever a degeneração e corrupção dos atlânticos no diálogo Crítias onde ele inventava o mito de Atlântida, embora também seja provável que o Platão tenha se inspirado em alguma memória ancestral dos gregos sobre o surgimento de sua civilização.

Eu disse trama, não a escrita. E, apesar disso, a escrita dele é muito melhor do que boa parte dos escritores atuais. E Paulo Coelho? George Martin consegue empregar naturalidade em um universo fantástico como poucos escritores cultuados conseguiram (sempre deixando as falas caricatas e bregas). Daí, você pega um escritor que desenvolve centenas de personagens multifacetados interagindo simultaneamente com pontos de vista intercalados e sem nenhum protagonista, e vem dizer que é simples? Eu não me lembro de ter lido alguma obra que explore tantos personagens, tantas situações em diferentes momentos e circunstâncias sem se perder como o velho. Desculpe-me peço eu...

C.S Lewis foi ateu durante um bom tempo de sua vida. O Livro Narnia foi a sua obra pós-conversão...

Bem, faz sentido, porque o próprio Tolkien não queria publica-lo e o livro só foi publicado depois da morte dele pelo Christopher Tolkien. Não sei se o Tolkien teria gostado do filho dele ter publicado o Silmarillion.

De fato, eu diria que a influência de Tolkien para a fantasia moderna é igual, por exemplo, a de Lovecraft para o terror moderno: existe um mundo antes dele e um depois dele, porque todo autor que veio depois dele mesmo que inconscientemente copiou alguma coisa dele.

Perfeito!

Desculpa, mas trama complexa em gelo e fogo? Vc quis fazer uma piada, né? Martin é um típico escritor de Best seller, literatura rasa sem complexidade na escrita alguma, construções de frase porcas e simples. Até Paulo Coelho tem mais complexidade na escrita do que Martin. A série consegue ser melhor do q os livros, na boa.

Sem falar da carreira academica do cara que era professor em oxford. Lembremos tambem os 13 volumes de the history of middle earth. Realmente um show.

Tolkien também foi uma influência muito grande para a conversão do C.S. Lewis para o cristianismo, embora Tolkien fosse católico e se sentiu decepcionado pela conversão do Lewis para o anglicanismo.

Respeito sua opinião, mas tolkien tinha uma carreia acadêmica solida e respeitável que vai alem da cultura pop. Nao era mais uma 'famosinho' de sua epoca oq alias as pessoas q vc citou foram impares em competencia a seu modo.

Sim. Muuita coisa mesmo. E chamar o cara de mediano é questinavel pra nao falar outra coisa. Um cara mediano doutor em letras, professor em Oxford e um honoris causa, dentro outros premios de excelencia pela sua trajetoria academica tbem. Queria ser um mediano assim kkk

Obrigada. Gente demais no século XX e XXI esquece que Swift escrevia uma alegoria política e social da sociedade e da política britânica e europeia em As Viagens de Gulliver e sempre escreveu para adultos e nunca para crianças. Até hoje eu nunca entendi porque durante o século XX a percepção do mundo sobre Swift mudou tanto que ele virou um autor infantil. Seria como se daqui a uns três séculos Soren Kierkegaard vire um autor de romances só por causa de seu Diário de um Sedutor.

Kkkkkkkk

As verdadeiras influências de Tolkien foram Homero, a Bíblia, o épico galês Mabinogion, os Eddas nórdicos e principalmente a Canção de Nibelungo (a influência direta para O Senhor dos Aneis), o épico finlandês Kalevala (não só uma das principais influências do Silmarillion mas também Tolkien chegou até a escrever um livro sobre Kullervo, um dos personagens principais do Kalevala) e acima de tudo o poema anglo-saxão Beowulf (este último a influência direta do Hobbit e o poema preferido de Tolkien, que ele até publicou um livro acadêmico sobre o poema). Em momento nenhum eu já ouvi falar sobre Carroll e Swift tendo influenciado o Tolkien. E Swift e Carroll não escreviam contos de fadas, você está confundindo conto de fada com alegoria, que são gêneros completamente diferentes. Charles Perrault, Irmãos Grimm, Hans Christian Andersen, Goethe escreviam contos de fadas, Carroll e Swift escreviam paródias e alegorias cômicas, e no caso de Swift alegorias políticas e sociais (muitas pessoas no século XX e XXI vem As Viagens de Gulliver do Swift como um livro infantil de fantasia, mas nunca foi a intenção do Swift, o livro era uma paródia e alegoria de política europeia e britânica para adultos sem nenhuma conotação infantil). Só porque algo é fantástico e anterior ao século XX não significa que seja um conto de fadas.

Eu acho que os Horchuxes Horcruxes em geral estavam mais relacionados com o mito russo de Koschei o Imortal, um feiticeiro imortal que tinha a sua alma separada do corpo e colocada dentro de uma agulha e assim se tornado imortal (embora eu admita que o Medalhão de Salazar tenha uma semelhante enorme com o Um Anel), enquanto que a própria Rowling declarou em entrevistas que os Dementadores são uma metáfora para depressão, e que ela os criou enquanto estava batalhando contra uma forte depressão. Aqui, eu acho que eu tenho algumas fontes: http://www.accio-quote.org/articles/2000/0600-times-treneman.html e http://a.abcnews.com/m/story?id=8081011&sid=75 Mas em outras entrevistas ela sempre foi vaga sobre a influência de Tolkien no Harry Potter. Ela declara que adora O Hobbit e que o leu depois de começar a escrever os livros do Harry Potter, e que leu Senhor dos Aneis quando adolescente, mas que a influência geral de Tolkien em Harry Potter é superficial. Aqui, uma outra fonte: http://www.hogwartsprofessor.com/tolkien-and-rowling-a-case-for-text-only/

Sim, em alguns momentos o Tolkien demonstrava um influência quase Luddita, com grande amor pelas paisagens bucólicas da Bela Inglaterra e desprezo pelo urbanismo e industrialismo do século XX. Esse é o principal aspecto do Tolkien que o escritor inglês dos anos 60 e 70 Michael Moorcock criticava quando chamava O Hobbit e Senhor dos Aneis de "Ursinho Pooh Épico": para Moorcock isso era uma manifestação do conservador Toryismo do Tolkien, que buscava um saudosismo no passado bucólico inglês em oposição a um progressismo industrial moderno com o qual ele não conseguia se adaptar. Como eu disse o Tolkien era um homem do século XIX vivendo no século XX: enquanto que todos os outros escritores pensavam no futuro, ele queria voltar para o passado, um passado sem máquinas e só com árvores e pastores.

Eu tenho o livro, mas nunca li. Tava pensando em ler o épico finlandês Kalevala antes (que eu também tenho) porque já ouvi falar muito que o Kalevala foi uma grande inspiração para o Tolkien escrever o Silmarillion (da mesma forma que Beowulf foi a inspiração para o Hobbit e A Canção de Nibelungo foi para O Senhor dos Aneis).

Tolkien era um homem do século XIX que escrevia no século XX. O estilo de escrita de ficção dele é comum de escritores britânicos do século XIX, um estilo lento e maçante excessivamente saturado de descrições e com inspirações literárias dos grandes clássicos mitológicos da humanidade como a Bíblia, Homer, Virgílio, os Eddas, o Beowulf, o Mabinogion e o Kalevala, todos os quais inspiraram gigantemente o Tolkien. Os trabalhos do Tolkien envelheceram realmente muito mal porque não foram feitos para uma pessoa do século XXI ou final do século XX lerem. É como querer ler Hesíodo ou Dante atualmente: por mais ethos literário que o livro possa ter ele ainda vai ter entediar violentamente.

É por isso que eu sempre fui mais fã de high fantasy (fantasia que se passa toda dentro de um mundo mágico fictício criado pelo próprio autor, com suas próprias leis e regras) do que de low fantasy (fantasia que se passa no mundo real, no mesmo planeta Terra de nós leitores, em que o aspecto mágico fica a parte e em contraste com a realidade, geralmente escondido). Porque você tem que inventar todo um universo novo do zero high fantasy geralmente cria um universo mais rico, mais detalhado e bem organizado e um universo que ironicamente parece mais real, enquanto que low fantasy tem que jogar magia dentro do mundo real que já existe, e isso acaba criando muitos buracos na história. Por essa razão eu sinto que o mundo de Harry Potter é mais desorganizado e cheio de buracos do que, por exemplo, os mundos das Crônicas de Gelo e Fogo e da Terra-Média.

Não fala besteira, cara.. Conheci LOTR em idos de 1996, e já era muito cultuado, porém, mais no meio nerd. Vc não entende que o público que o Tolkien queria era o que lia, e não o que fica que nem um zumbi vendo filmes? Ele jamais gostou da mídia que a história trouxe, e isso quando era apenas LIVRO. Pra eles, tanto faz o sucesso ou não, mas já que veio, nada mais justo eles lucrarem com SUA OBRA, fruto de seu trabalho, não acha?

ô Imbecil, vai arrumar uma mulher pra ti vai ..... sai do computador seu besta.

Se comprovar algum milagre, Tolkien criou um santo. Eu voto pro Vaticano canonizar Elrond. http://odia.ig.com.br/brasil/2017-01-04/idosa-reza-para-boneco-de-senhor-dos-aneis-pensando-que-e-santo-antonio.html

"As únicas coisas criadas por ele foram a sociedade, geografia e linguística". E essas coisas são muuiita coisa.

Concordo. ontem o Tolkien subiu numa árvore e não queria sair mais lá de cima.

Infelizmente, acho que você está certo, Emerson.

os filhos desse cara ficam de mimimi SURRRANDO OS FILMES DO PETER JACKSON e mais se não fosse pelas obras do peter jackson LOTR não seria 40% do fenomeno que foi em seu lançamentoe ainda e

Amo Tolkien, mas ele fez o mesmo que outros famosinhos da cultura pop, como Shakespeare, Walter Scott, Robert Howard, Disney e George Lucas: criou um cenário bem legal e propício para colocar o que já havia sido criado pela sabedoria popular. Numa época sem Google e acesso fácil à informação isso saciou a mente dos jovens! Rowling e o cara que criou Percy Jackson fizeram o mesmo depois, e só não foram zoados por que as obras são infantis e de pesquisa enfadonha. Minha modesta opinião. Pelo menos as obras estão aí para agradar gregos e troianos.

"trabalho jornalístico mais profissional"? O Omelete? Kkkkk. Brother, pra trabalhar nesse site basta você fazer o símbolo "vida longa e próspera" falar "Bazinga", além de puxar o saco dos donos e pronto! Virou autoridade em cultura pop. Profundidade não é a especialidade aqui, até porque o público maior é constituído por gente que gosta de saber mais que os redatores...

É, originalidade sim. A história de inventar um mundo fantástico pra representar o cristianismo é super interessante. Harry Potter é mais um costurado bem feito de várias idéias já vistas em outros locais. De Senhor dos Anéis, The Books of Magic do Gailman e até The Once and Future King.

O fato de parte da crítica ter torcido o nariz na época também se deve a menosprezarem historias infanto-juvenis, a maioria das críticas negativas que vejo a sua obra é mais pelo gênero que outra coisas. Hoje em dia, depois de Harry Potter livros deste gênero são mais simpáticos aos críticos, muito inclusive devido as tecnologias que o cinema dispõe para materializar estes livros na tela, coisa que Tolkien não teve em sua época.

Além de Tolkien admiro a saga da Torre Negra, quem leu todos os sete livros sabe o quão complexa é a trama, apesar de se perder um pouco a partir do quinto livro. Stephen King tem a humildade de reverenciar Tolkien e fica evidente em toda a obra que tem várias inspirações tiradas do mesmo nesta coleção. Tolkien e C.S Lewis foram os mais originais dentre o que conhecemos, inclusive ambos eram amigos em vida.

Concordo com algumas coisas que disse, contudo Tolkien é sim um dos maiores escritores do século XX e o maior do gênero fantasia épica, claro que ele não inventou o Elfo por exemplo, sei que são lendas que já existiam por lá, dentre muitas outras coisas, contudo ele as lapidou ao seu modo e criou toda uma história por trás muito mais complexa e ampla que a maioria imagina. Se você ler O Silmarillion, O Hobbit, O Senhor dos Anéis e todos apêndices contidos vai verificar que a riqueza de detalhes deste universo é ÍMPAR.

Com certeza, Nárnia nem é um livro grande, mas no quesito originalidade C.S Lewis ganha da lavada.

Orcs, anões, duendes e unicórnios... a parte menos interessante da Caverna a meu ver, que foi criada a partir da fusão de dois gêneros: RPG e Espada&Feitiçaria. Eu gostava e gosto do segundo, o guerreiro esqueleto, os feitiços, a jovem que envelhece em segundos, o menino que vira bebê em seus braços, o Vingador que parece o capeta e o mago que o trai em vão... bons tempos onde desenho animado era coisa de gente grande.

Então, como toda história de magos, duendes e fadas, muito descritivo, várias línguas, raças, divisões, uma organização excessivamente pormenorizada e artificializada com vistas a passar um ar de realidade, mas onde fica o confronto, a dúvida, a imprevisibilidade humana? Bom, cresci com os personagens de Robert Erwin Howard que, precursor de Tolkien, também criou uma realidade à parte, mas confrontando civilização e selvageria, logo talvez encontre algo semelhante no britânico.

Sou um incrível fan de Tolkien e de todas suas obras, mas tem pessoas falando muita abobrinha nos comments e vamos passar algumas coisas a limpo. As únicas coisas criadas por ele foram a sociedade, geografia e linguística. TODAS as raças e seres apresentados em suas obras ou veem do folclore celta ou gales. Toda a ideia de universo fantástico já era usada na Inglaterra a muito tempo, como Shakespeare em Sonhos de uma Noite de verão, ou a lenda do Rei Artur que é datada do Século V (Merlin lembra alguém?). Mas como todo grande artista ele usou de sua licença poética e adaptou o seu universo fantástico e conseguiu um grande sucesso com isso. Por conta da escola literária que Tolkien pertencia, seu textos são extremamente descritivos e rasos (C.S Lewis e Philip Pullman também tem o mesmo estilo, Pullman um pouco menos, mas ainda influenciado) . Suas histórias não tem enfase na construção dos personagens e sim nas sagas dos heróis, e sua história (por motivos pessoais de Tolkien) tem grande influência das cruzadas católicas. A própria academia literária de Londres o qualifica como um escritor mediano. Porem não podemos de qualificar sua obra como a quintessencia da fantasia moderna. Compara-lo com outros escritores não faz algum sentido, visto que por muitas vezes, apos a grande popularização de seu trabalho nos anos 70-80, ele passa a ser uma das grandes influências dos escritores modernos, logo falar de JK ou RR Martin é cometer um pecado mortal com qualquer um dos 3 autores (Todos grandes autores por sinal). TL;DR: Tolkien é bom mas não é bem assim, não comparem ele com os outros que não faz sentido.

é o melhor, mas 17 vezes??? um dia chego ai

Grande Tolkien, a repercussão das suas obras realmente foi tardia, porém de uma intensidade sem par. Hoje em dia poucas coisas podem se dizer que não estão influenciadas por ele. A Terra Média não é só O Senhor dos Anéis e O Hobbit, como muitos pensam devido aos filmes de Jackson. O grande legado que ele deixou foi um universo tão complexo quanto lógico e realista, tão amplo que permite a idealização de milhares de histórias. Suas línguas, até hoje utilizadas, são outro grande legado do Mestre Tolkien. Poucos chegaram no nível dele, podem se contar com os dedos de uma mão só. Pensar que estamos numa época tão vazia de genios (ou melhor dito, tão cheia de idiotas), será que ainda veremos outro "Tolkien" nos próximos cem anos? Na verdade está faltando um genio em cada área do pensamento criativo. Só de ler alguns comentários dá uma mistura de raiva com decepção...

Os livros são incríveis e ele é o grande mestre da fantasia, mas sempre torci o nariz para os livros pelo fato da trama em si ser muito arrastada. O universo é único, mas, na minha opinião, os livros não têm uma trama tão complexa e bem elaborada como a das Crônicas de Gelo e Fogo, por exemplo. Vale pelo o universo, mas eu sempre opto por uma trama melhor.

Eu concordo com você sobre Senhor dos Anéis, mas Harry Potter hoje já é maior e mais complexo que Narnia.

cara aqui tem um vídeo que explica bem: https://www.youtube.com/watch?v=lL-cjXPZIHQ

Lewis Caroll criou um mundo onde todos se deliciaram desde de adultos até crianças Concordo que Tolkien foi o maior autor a influenciar livros medievais mas discordo dele ser o único que criou a fantásia que existe .

Gulliver não era para crianças, amigo. É como a Isabella disse. A história representava uma critica ao comportamento humano, os motivos idiotas das guerras, sua relação com outras culturas. Com desenhos animados e filmes a imagem do personagem ficou muito infantilizada, mas isso não foi a intenção de Swift. Mas concordo que Tolkien trazia aspectos mais complexos, principalmente em termos de linguistica e de construção de um universo.

Na verdades eles foram pioneiros dos contos de fada e inclusive Tolkien teve inspirações neles

Não sabia dessa, vou ver se acho pra ver.

A riqueza de Tolkien está nas raças, nas genealogias, na linguística, é tanto detalhe e criatividade que um acéfalo como você sequer conseguiria ler e entender... se reduza a sua insignificância ou melhor, procure o conhecimento, vá ler todos os livros, ver todos filmes, pesquise sobre o autor e sua vida e etc. e depois de tudo isso talvez sua opinião mereça alguma atenção. EU ME DESPEÇO, tchau

A claro, Harry Potter não tem clichês... sério PARE DE USAR DROGAS

Existe um final alternativo em que Sauron aparece de corpo físico e luta no final, inclusive tem um vídeo mostrando isso no youtube, faz parte dos extras do senhor dos anéis. Aquele Troll que ataca o Aragorn no final era pra ser o próprio Sauron mas no final cortaram e colocaram um Troll nas edições, para não distoar do Livro.

Por esta razão que no filme do Hobbit Sauron luta conta Gandalf e depois contra o Conselho Branco inteiro.Talvez para compensar isso, pois nos livros é apenas mencionado Inclusive no livro quem foi definitivo para expulsar Sauron foi o Saruman, e não a Galadriel como o Peter Jackson fez.

ALVO DUMBLEDORE É GAY meu caro... vai se tratar

Uruk - hai são a cruza de Orcs com homens, e inflados por magia negra feitos pelo SARUMAN. São maiores e mais fortes que os Orcs comuns. Hobbit é um povo pequeno que surgiu na beira do rio, são homens no entanto, ANÕES NA MITOLOGIA de Tolkien são maiores e mais robustos que os Hobbits e são uma terceira raça criada sem autorização e só não foram destruídos por DEUS (ERU ILUVATTAR) porque estes teve pena. Só os homens e elfos foram criados por Eru, os Orcs alias são uma degeneração por magia negra feita dos Elfos por Melkor, primeiro senhor dos escuro antes de Sauron E OLHA SÓ VOLDEMORT teve um predecessor, GRINDELWALD, Sauron também, teve Melkor, kkkkkkkkkkk JK te amo

No caso pra quem não tinha visto o Hobbit antes de Senhor dos Anéis propriamente pelo tinha uma certa expectativa pra ver o cara em forma física e lutando. Ele ser um olho do começo ao fim dá uma sensação de que faltou algo. Tem os que não se importam ou apenas não se incomodam se tem uma ação de duração maior mas há os que gostam de ver tais momentos (ou ler, mas dá pra visualizar de todo modo). Não lembro de muita coisa, mas imagino que tenha uma explicação pro anel ser derretido no vulcão próximo da torre de Sauron, mas de todo modo é um final bem anti climático pra quem esperava algo mais físico e porradaria.

KKKKKKKKKK HATER É POUCO PRA VOCÊ E HARRY POTTER MORREU? NÃO... SENDO QUE A IDEIA INICIAL ERA MATAR O MESMO, MAS JK FICOU COM PENINHA OBS: LI TODOS LIVROS E VI TODOS FILMES.

Dementeador = NAZGUL HORCRUX = O ANEL DO PODER TRASGO NAS MASMORRAS = TROL NAS MONTANHAS PLANO PARALELO EM NARNIA = MUNDO DA MAGIA FLORESTA PROIBIDA = FLORESTA DAS TREVAS ARAGOGUE = LARACNA ....

Ela não precisava LER TODOS, bastou ler a Sociedade do Anel, de lá ela retirou todas as cópias (inspirações), como o trasgo, as horcrux, a Floresta com aranhas gigantes, CARA É MUITA CÓPIA, mas mesmo assim curto esta franquia, só não ouso diminuir sem razão outra que a inspirou e a própria JK já admitiu que é MAIOR que a sua criação. Pegar Nárnia e Senhor dos Aneis, e coloca uma imagem mais pop e acessível, prontos temos Harry Potter.

Os três anões principais morrem no O Hobbit,,,

Na boa, eu nunca esperei ver um Sauron de corpo físico de novo, seria muito forçado e previsível, e diminuiria a importância de se destruir o Anel, que em tese, era a razão para ele não estar em plenos poderes e ter uma forma ainda frágil. Concordaria com você se dissesse que esperava uma luta entre Gandalf e o Rei-Bruxo de Angmar, este sim peitou o mago e representava Sauron na guerra mas Tolkien cortou o momento em que poderia haver um conflito direto entre os dois, e para piora, o Peter Jackson me coloca o mesmo Rei-Bruxo subjugando Gandalf facilmente, o que nunca aconteceria no universo dos livros.

Ri-vo-tril.

Nossa! Mas que perspicácia. Te aconselho a ler sobre história militar antes de sair com seu chororô de menininho que não ganhou seu preisteition no natal. Gente, alguém dá um chá de mercúrio pra esse bebezão.

Tá que tem uma desculpa. Não muda meu comentário.

Boa, garoto.

Alguém dá um leite morno pra essa criança pra ela ir dormir.

E tome buh huh.

Vai pro quarto chorar, vai. E pense no que fez.

kkkkkkkkk

Mais buh huh.

Buh huh.

SOU REALISTA. SÓ ISSO. TAMBÉ CURTO HARRY POTTER, MAS NÃO VOU FICAR CALADO LENDO TANTA ASNEIRA GRATUITA DE UM HATER SOBRE A OBRA QUE É PAI DE HARRY POTTER... ATÉ NARNIA HARRY POTTER SUGOU ... ME POUPE

PEGAR OPINIÕES isoladas e de uma minoria é muito fácil, e outra, normalmente estes caras não curtem o GÊNERO como um todo, incluindo NARNIA, HARRY POTTER, e etc. NÃO COLA

HAHA ele não é dos melhores ? OK, volta a ver Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z e deixe estas obras que prestam para quem aprecia. Se tivesse lido os outros livros saberia o porque de Sauron não se expor fisicamente, ele teria de ser muito BURRO para fazer isso.

Puts, começa exatamente mostrando o Sauron no corpo de um cavaleiro negro, eu esperava o retorno dele em um corpo físico, e imagino que a maioria mas como não aconteceu passaram a aceitar tal coisa no decorrer dos anos. Ah claro, e ver o Golum lutar é bem melhor do que o provável vilão pica da porra toda de armadura negra e com uma altura descomunal... Mas como o Tolkien não é de fazer (e ele não é dos melhores também) lutas, fica por isso mesmo.

Não acredito que tô vendo briga aqui pra saber se Harry Potter é melhor que as obras de Tolkien. Gente, façam o favor de baixar a bola e sair das fraldas. A matéria é uma homenagem, não um palco de exposição de infantilidades medíocres. Eu amo Hogwarts, mas nem se fosse doente compraria essa briga, pois não tem cabimento. Inserir bruxos e magia no mundo real é fantástico, porém construir todo um universo multi facetado é algo único que não veremos mais, em pelo menos 200 anos (que é o tempo de Tolkien reencarnar rsrs). Sério, seja por qual motivo for que não goste de SDA ou Hobbit, respeite.

Você queria que Sauron aparecesse e lutasse com Gandalf e Aragorn né? Lutinha por Lutinha prefiro o simbolismo intimista de Frodo vs Golum

HORCRUX = O ANEL DE SAURON ESTA É TÃO EVIDENTE QUE DA VONTADE DE CHORAR QUANTA FALTA DE CRIATIVIDADE

A CLARO.... CONTA OUTRA COLEGA.... ATÉ OS EFEITOS DO DEMENTEADOR EM TUDO AO SEU REDOR SÃO SEMELHANTES AOS DOS NAZGUL...KKKKK CHORA

MUITO FÁCIL PEGAR UMA OPINIÃO ISOLADA OU DE MINORIA PRA CHEGAR AQUI CHEIO DA RAZÃO... MAS A GRANDE MAIORIA DISCORDA DE VOCÊ, VA SE TRATAR

TOLKIEN era avesso a tecnologia, é amava a natureza e o estilo de vida no interior da Inglaterra em cidades com clima rural, as arvores que você fala são os Ents pastores de arvores, na verdade são espíritos menores que animam as mesmas, mas depois com a Era dos Homens estas e muitas outras criaturas máginas por assim dizer vão desaparecendo e se tornando Lendas.

Aham Cláudia, senta lá

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus