HQ/Livros

Cavaleiro das Trevas III | Crítica

Terceira minissérie do Batman de Frank Miller sacramenta o triunfo da vontade
-

Depois de um começo grandiloquente, que ofereceu espaço para interpretações sobre a islamofobia de Frank Miller, Cavaleiro das Trevas III - A Raça Superior finalmente chegou ao fim, depois de um ano e meio de edições bimestrais. Se o desfecho das nove edições não tem o mesmo gás do princípio, talvez seja porque esta terceira minissérie de O Cavaleiro das Trevas seguiu menos um caminho de enfrentamento e mais de conformação das ideias que Miller faz dos heróis da DC Comics.

Embora a DC tenha colocado Brian Azzarello para escrever a HQ com Miller, num esforço de controle de danos depois da controversa segunda minissérie, de 2001, DK3 transpira Miller, antes de mais nada, pelo volume. A história da invasão kandoriana na Terra, que envolve os nomes principais da Liga da Justiça, permite não apenas uma ação de grande escala - que Andy Kubert desenha com sua habitual competência - como também oferece veículo para o gosto de Miller pela pancadaria.

Esse gosto nunca se perdeu desde a primeira minissérie, de 1986. No miolo de DK3, as edições 5 e 6, o prazer do combate se mistura à catarse de assistir à manifestação do poder de destruição dos deuses - poder que no entendimento de Miller é a primeira coisa que separa os deuses dos mortais. Do Flash com as pernas quebradas ao sadismo de afogar Superman em camadas de coisas, o que temos aqui é uma demonstração da capacidade de Miller para pensar esse tipo de situação sem se repetir demais.

Nos pequenos momentos de triunfos, como a estilingada de kriptonita, e quando vemos o sorriso no rosto de Batman quando ele diz que "demos um belo susto nesses malditos aliens", é que Miller se torna transparente. Seu Batman sempre gostou da briga, vive por ela, e por impor sua autoridade. A população de Gotham se envolve, os recursos de mediação a que a HQ recorre (embora mais no começo: as redes sociais, a TV) implicam que todas as esferas se envolvem também, e isso passa uma impressão de que a HQ está falando de cidadania, mas no fundo o que importa para Miller é ressaltar o orgulho e a força.

Mulher-Maravilha age assim também, diz que as amazonas lutarão até a morte e matarão porque são feitas de vontade pura. Pode soar como uma definição simplista dos motivos do super-heroísmo, mas não deixa de ser uma escolha de impacto. Embora a minissérie tenha transcorrido de uma forma inesperada, dando protagonismo a Lara e Robin/Batgirl e colocando a perspectiva feminina no primeiro plano, essa perspectiva se funde com a masculina quando trata das justificativas do combate. Para Miller é isso que define o american way, independente de gênero.

Nesse sentido, subjugar-se a um deus seria negar que a vontade é o que move o homem (e a mulher). Talvez seja por isso Miller sempre se afeiçoou ao Batman e ao não Superman, mas uma das visíveis concessões que ele faz aqui para tornar essa minissérie menos disruptiva que a anterior é aceitar a trindade como epicentro do Universo DC e tratá-la com reverência (ainda que ao final ele torne Superman um imitador de Batman no combate). Se na cabeça de Miller entender Superman, Batman e Mulher-Maravilha como algo equivalente ao Pai, Filho e Espírito Santo fosse uma relação ruidosa no passado, DK3 desfaz a leitura problematizante e transcorre como uma HQ até bastante fraterna, em que as diferenças entre Batman e Superman são trabalhadas com humor como se eles fossem os Dois Velhos Rabugentos.

O que acontece de mais significativo quando Batman se ausenta - à parte os trechos que servem para manter a trama andando, do lado dos vilões e dos heróis - são os diálogos em que os coadjuvantes discutem os meios de Batman, seu impacto no mundo, sua suposta importância. Dá para dizer muito sobre a forma como Frank Miller enxerga o vigilantismo, e é possível até argumentar que sua visão de mundo é bastante sóbria em relação a isso - entender o vigilantismo como uma conquista pessoal, acima de tudo - mas não dá pra dizer que ele foge do assunto.

Há uma fala da Comissária Yindel que é muito sintomática: ela diz que os heróis não simplesmente inspiram, eles também evidenciam. Que essa conclusão parta da personagem mais cínica da HQ não pode passar em branco. Tudo o que se discute em DK3, mesmo nos instantes de catarse pueril, é o sentido de ser super-herói, que se torna transparente em meio à ação. O fato de Batman terminar a HQ como se encerrasse um ciclo e estabelecesse um novo ponto de partida para si significa que Miller também acredita que sua argumentação é definitiva.

Nota do crítico (Bom) críticas de HQ/Livros

Frank Miller é um gênio e passa toda a paranoia e obsessão do mundo moderno na sua nova forma de desenhar. É nítido nos desenhos a desconstrução das formas, a explosão das cores, traços carregados de sentimentos feitos da forma mais simples possível. Ele não quer nos presentear com uma arte primorosa e sim provocar reações e algum tipo de sentimento. Esses desenhos tem identidade e supera os limites, livre para voar não segue regras nem parâmetros de qualidade, ela é o que é. - Reparem na obra-prima que é a capa da quinta edição em que vimos um Batman cansado, velho, surrado, sangrando, tudo isso desenhados com traços fortes e livres. Nos revela que um homem apesar de todos os desafios da vida continua a sua batalha pois acredita nos seus ideais sem nenhuma rendição. seria. Uma analogia com a batalha de Frank Miller contra a doença que o deixou bastante debilitado um tempo atras, um verdadeiro alto-retrato de esperança quando tudo parece perdido.

Desculpa ai Aistem se senta eu e vc numa mesa vc não me fala a tabuada do 8

Não acho nada. Só escrevo a língua que eu falo corretamente (ao contrário de ti, que acha que ser burro é uma virtude).

olha quem fala. "tu tens"? Vc ta achando que é Machado de Assis, Monteiro Lobato, Bruna Surfistinha? Aqui não é livro não, te orienta sua pessoa tmb.

Pra um cara que nem ao menos sabe escrever direito, até que tu tens uns xingamentos interessantes na hora de julgar os outros...

Caraca! Nota alta! Vou procurar para ler!

Nota 8 sem dúvida.

Qual é a sua nota de 0 a 10?

Nã nã...Quem vai dar é vc, afinal é a mocinha que "despacha". He he he...

Dá pra ele, então !

Se dê uma chance nesse volume III, essa HQ está recheada de poder feminino. Grandes personagens sendo mostradas de maneira grandiosa.

A HQ melhorou demais até a última edição(08), lembro que quando saiu as 3 primeiras edições a crítica caiu em cima, mas agora, putz. A decisão do SUPERMAN e reação do BATMAN na edição 08 é algo que nunca imaginaria ver. Se tratando da LARA, sinceramente não gostei, sua revolta não convence, enquanto a BATGIRL conseguiu pegar o gosto por destruição e aventura, vestiu o uniforme de verdade. Me arrisco a dizer que é a personagem mais corajosa dentro desse arco. Já a MULHER MARAVILHA mostra seu lado visceral, uma versão mais forte e imponente que o habitual, espero que ela tenha um excelente desfecho.

olha, eu tenho curiosidade de ler DK3, mas nem o 2 eu tive estomago pra ler... tô com aquela "edição definitiva" aqui emprestada que compila o 1 e o 2, já terminei a tempos a história clássica, e toda vez que começo a folear as páginas que correspondem ao DK2 eu tenho que segurar o vomito

eu to falando com vc purum acaso? Não puxei papo com vc, vc que veio puxar comigo, veio fala coisa na minha fala. Te orienta, vc tem problema de cabeça, vai procurar uma cabecista, não to puxando dialogo com vc pra vc vir até a minha fala falar jeriquezas, sai dessa vida de jerico, se aposenta.

Toda, e ficou terrível!

Mais quatro meses para...umas 22 páginas.

não li a critica porque estou com preguiça, mas descordo de tudo ai

Hessel o mal compreendido

Se você analisar que não é uma história do Batman e sim da Liga, é uma história legal...

May Godissss!!! Ok...Gosto é um negócio... sério né? he he he...

AHUAHAUHAUHAU sim, não achei essa desgraça que todo mundo acha.

a crítica é do Hessel, o resto vocês já sabem.

A única coisa mais chata que essa mini foi essa crítica do Hessel.

Olha é bem melhor que a de 2001. Na verdade é bem interessante. Poderia dar 4 ovos tranquilo.

Bem o que eu acho. Mas mesmo achando que essa aí vai ser tão tosca quanto, eu acho que esse é o tipo de HQ que PRECISA ser lido. Nem que seja pra falar mal.

A graphic novel de 86 é foda. A de 2001 foi tosca. Pela "evolução", dessa aí eu quero distância.

Normal tem gente que deixa a primeira besteira q pensa escorregar para a boca né. ....

Caramba difícil dialogar com gente q faz questão do baixo nível como meio de comunicação,parece ter 12anos....

Deveriam informar quem fez a crítica já na página inicial para evitar esses inconvenientes.

Alan Moore e Frank Miller, são meras sombras do que foram nos anos 80.

Normal. Tem gente que adora jiló e rabanete.

Tô me segurando tbm, esperando sair a versão encadernada. Antigamente eu comprava as edições e depois tbm comprava a encadernada.

Por pior que fossem minhas HQs, nunca me desfiz delas, exceto em 2 casos: Cavaleiro das Trevas 2 e uma edição de meados de 2006 com Quarteto Fantástico e X-Men.

o Frank miller ja ta caduco, ta véio nessa porra, tem que ir pra Previdência. A DC pega tudo os cara da cracolândia pra fazer as coisa, tava ele é o Snyder na cracolândia e colocaram eles pra dentro.

É... sério?!

O Veinho foi bom (mas de boca meio vazia) até "300".

Poxa...leva mal a não né, mas... Aquela coisa do início dos anos 2000 tá pau a pau com o"Melhor do melhor" do Leifeld.

Rapaz...Esse "filhinho de Big Papai" tem muita "sorte". Num gosto não, mas... tá valendo.

Mas aposto que o Hessel não deu maior nota por motivos ideológicos.

Vai demorar viu , não saiu nem a numeração completa por aqui

Não li a critica do Hessel porque tô com preguiça mas até agora o que eu li é muito bom sim. 4 ovos.

Pra mim, o traço dele só tá bom ali no Cavaleiro das Trevas original. No segundo já tava ruim. E o que vi recente, como capas e cartazes, mostram que tá pior...

A parte 2 foi desenhado por frank Miler?

"ainda que ao final ele torne Superman um imitador de Batman no combate" Acho que vocês não entenderam direito aquela página. O próprio Batman "disse" que se sentia um aluno vendo aquilo.

huahuahauhauhauah

É incrível que eu não manjo nada de Universo DC, e quando eu li o Cavaleiro das Trevas 2 eu gostei. Achei inferior ao primeiro (óbvio), mas não achei uma bost4...

Impossível!!!!!!!!!!!!! Kkkkkk TDK 2 é o cúmulo do l1x0! DK 3 perto daquilo é obra prima! Kkkkkkkkk

Aquele cavaleiro das trevas 2 e terrível que desenhos ridículos kkkkk

por mim podem fazer batman-ocavaleiro das trevas 1.000,o original nao se tornara menos genial por isso.

Essa recente mini série é boa mas não é melhor que o primeiro Cavaleiro das Trevas de 1986 lógico. Mas esse terceiro Cavaleiro das Trevas é bem melhor que o descartável "Cavaleiro das Trevas 2" que convenhamos não é tão difícil de superar.

Uma pena...pois os desenhos do Miller são a única coisa boa q ainda resta vindo dele. Os traços grosseiros e até caricaturados,as mulheres peitudas...eu reconheceria a arte dele em qualquer lugar.

Tô louco pra ler essa HQ, tomara q a Panini lance a edição encadernada logo...

Logo sai o 4

Só um pouco melhor.rss.

deve tar uma bost4 como o 2!

Mas veja pelo lado bom não foi o Frank Miller que desenhou kkkkkkkk

Veja pelo lado bom não foi o Frank Miller que desenhou kkkkk

3 avos? Para mim ainda e muito. A hq nao é boa, pronto falei!

Pela primeira vez concordo com hessel. Alias nao muito ja q ele deu 3 ovos para essa hq eu daria so 1 ovo, porq achei ruim...

Daqui a pouco a "turma do MDM" chega pra detonar o pobre do Hessel he he he...

Putz...!!! Caraio!!! Que crítica sublime!!! Hessel é muuuuitooo f...na hora de falar de Hqs. Uau!!! Num deixou nada para Eu apontar e abriu os olhos (como toda boa crítica deve SEMPRE fazer) sobre aspectos que passaram despercebidos. Clap, clap, clap...Sim...a crítica é melhor do que a HQ.

Islamofobia de C'v é rol@!

o Hessel é o hipster mais chatoh de todos os tempos.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus