Séries e TV

Buffy: A Caça-Vampiros completa 20 anos sem perder a força

Criação de Joss Whedon está pronta para voltar à TV
-

A garota caminha por um beco pouco iluminado. O som de seus passos preenche o vazio, anunciando o perigo iminente. O monstro surge, bem como a trilha sonora, a menina solta um grito estridente, prestes a ser estraçalhada pela criatura. Filho e neto de roteiristas, Joss Whedon conhecia bem a cena padrão dos filmes de terror e resolveu criar sua própria versão dela, uma em que a garota executa uma perfeita voadora e o monstro é quem leva a pior. Nascia ali Buffy: A Caça-Vampiros, 20 anos depois ainda foco da paixão dos fãs e um dos programas de TV mais exaustivamente discutidos do meio acadêmico como representante do novo feminismo.

A história seria diferente se a personagem se resumisse ao longa de 1992 com Kristi Swanson e um ainda desconhecido Ben Affleck como figurante (saiba mais). Whedon por diversas vezes apontou que a produção se distanciou de seu roteiro, transformando-se numa comédia em lugar da história de uma garota poderosa lutando contra forças do mal. Transferida para a TV, Buffy reassumiu as características determinadas por seu criador, embora mantenha a conexão com o longa. Segundo a “bíblia” da série, após os eventos do filme, Buffy (agora vivida por Sarah Michele Gellar) muda-se com a mãe para a pequena Sunnydale em busca de uma vida normal. Ironicamente, acaba na cidade localizada sobre a Boca do Inferno, um ponto de conexão entre dimensões que atrai todo o tipo de criatura demoníaca. No universo criado por Whedon, desde os tempos antigos uma garota é destinada a ser a Escolhida, a Caçadora responsável por defender a humanidade matando os monstros. Buffy é a predestinada da vez e uma nova Caçadora só será ativada quando ela morrer. A missão é supervisionada por um Guardião, no caso de Buffy o britânico Giles (Anthony Head), subordinado ao Conselho de Guardiões, grupo formado há séculos para comandar a luta contra os seres do mal.

Kristy Swanson como Buffy no filme de 1992


Embora ansiosa por uma vida de adolescente comum, Buffy assume a responsabilidade que lhe foi destinada, e apesar de contar com a ajuda de seus amigos Willow (Alyson Hannigan) e Xander (Nicholas Brendon), deixa claro que a carga lhe pertence. Sua posição de heroína defensora da humanidade a alinha com a figura da dama/donzela guerreira que surge em momentos excepcionais em oposição à figura tradicional do herói masculino o que a posicionou como ícone feminista. Ao mesmo tempo, seu visual de menina bonita é fonte de críticas por atender às exigências tradicionais da indústria da TV, análise que deixa de lado a gênese da personagem: uma garota que visualmente seria escalada como vítima é transformada em matadora de monstros.

Misto de ação, fantasia, horror e aventura, a série explora as dores e dramas da passagem para a vida adulta pela metáfora. O colégio fica sobre a Boca do Inferno porque infernal é a experiência do ensino médio, ou assim foi para Joss Whedon, a mãe de Buffy ignora a vida dupla da filha num retrato da incapacidade dos adultos de saber ou entender o que se passa com seus filhos adolescentes, o Conselho de Guardiões seguro em seu gabinete enquanto a caçadora arrisca a vida reflete os comandos militares enviando soldados para batalhas sob falsa motivação. Em seu romance, Buffy inicia um relacionamento com o vampiro Angel (David Boreanaz) como tantas outras garotas e mulheres já o fizeram, sabendo que aquele é o homem errado. Mas Buffy é capaz de afastar-se de Angel quando ele deixa de ser o homem pelo qual ela se apaixonou e na segunda temporada ela o despacha para o inferno para proteger a humanidade, reforçando sua posição de exemplo feminino positivo.

Outro elemento subversivo da série é a importância dada à pesquisa e ao conhecimento como atos de igual valor à força e habilidade física. Longe de um lugar esquecido, a biblioteca é um dos principais cenários da série e a busca por informações é crucial para o sucesso da equipe. Conhecimento é também essencial para usufruir do fluxo constante de citações e referências à cultura pop que vão do bordão do robô de Perdidos no Espaço numa luta a comparações com Clark Kent quando o assunto é a vida dupla de Buffy, passando por Spike, o vampiro de visual roqueiro dizendo que não quer o fim do mundo porque os humanos são para ele “McLanches Felizes com pernas”. Jornadas nas Estrelas, As Panteras, James Bond, Star Wars, nenhuma série, filme, livro ou elemento cultural está fora dos limites para Whedon e sua equipe de roteiristas.

Nem a gramática, que inclui neologismos, inversões e trocas de categorias das palavras numa linguagem específica da série, o Buffyverso . Nela, Buffy ironiza o politicamente correto perguntando se deve chamar Angel de “Americano morto-vivo” no lugar de vampiro e adverte Giles para que não tente “Scully me”, uma referência à personagem de Arquivo X conhecida por seu ceticismo e ao mesmo tempo o uso de um substantivo como verbo. Criativa e rápida, a linguagem da série embrulha os temas dramáticos e agrega mais um nível de interesse ao programa que nasceu direcionado ao público adolescente, mas conseguiu não apenas apelar a outras faixas etárias, mas também manter-se ponto de discussão mais de uma década após deixar de ser produzido, com planos para ser ressuscitado.

Todas as sete temporadas de Buffy: A Caça-Vampiros estão disponíveis na Netflix. 

Excelente matéria. Essa série marcou minha época, e a série spin-off do Angel era melhor ainda. Ambas deixaram um final meio em aberto.

Omelete, sou um dos grandes fãs de Buffy! Gostei bastante do artigo publicado, mas seria ainda melhor se um vídeo também fosse feito, não tem como entrar em contato direto com vcs, mas o vídeo pode ser feito só pela Aline e um outro membro da equipe que tbm tenha visto a série. Fico no aguardo, até + !!!

Tanta série tendo novas temporadas... bem q poderia acontecer com Buffy. Primeira série q assisti de verdade e como faz falta..

Nao senhor, isso é boato! Ela sempre foi muito amiga dele, e sempre preferiu o Angel acima de todos.

Esse série causou um impacto muito grande na minha vida. Ainda to pra descobrir outro trabalho de ficçao com o qual eu me identifique tanto. Pena que no Brasil ela nao recebe o reconhecimento que deveria.

Desde o ano passado que estou revendo a série.Assistia quando mais novo, mas não acompanhava de forma linear. Finalizando a segunda temporada hehe

Uma das melhores séries!

E convenhamos... a serie só não foi mais pesada porque não era da HBO. A partir da segunda temporada, temas como sexo já começam a ser abordados e da quarta em frente parece até faixa adulta do Multishow e Max Prime.

É uma serie que faz uma grande analogia a transição da adolescencia para a vida adulta. Alias, tudo o que você precisa saber sobre a vida na faculdade está no primeiro episodio da quarta temporada. Uma lagrima saiu dos meus olhos na final season da segunda temporada ( e no episodio 1x08 I Remeber You de Angel) Alguns episódios eram bem viajados como o da cerveja adulterada e do marionete matador de demônios. Restless – 4x22 parece ter sido escrito pelo David Lynch

Em tempo: #BuffyNaCCXP2017

Putz, assisti quando era bem menor. Não lembro de muita coisa, só lembro que ela fazia par romântico com o cara do Bones não é?

Antigamente a figura da mulher era fragilizada demais, hj em dia acontece o contrario, é empoderada demais

Série espetacular. Lembro que quando vi a série na tv pela 1a vez, eu desdenhei. Pq o filme era bobo. Ai comecei a acompanhar os episódios e tive uma grata surpresa. Quando veio a 2a temporada com toda a sua beleza, inocência e metáforas sobre crescimento, aí mesmo que eu fiquei fã.

Cara, Anjos da Noite 1 e 2 até que são bons filmes.

Uma das séries "Base" para o novo modo de se fazer TV.

Lembro quando assisiti ao filme em VHS e a Kristy Swanson era deliciosa. Uma coisa que não disseram é que a Sarah Michele nunca se deu bem com o Boreanaz e os dois tiveram sérias discussões durante o seriado.

Uma das minhas séries favoritas...e Sarah Michelle Gellar tava uma graça na primeira temporada. Bela matéria, por sinal.

irineu!

Bela matéria, Omelete! Essa série é atemporal. Realmente mudou a forma como se fazia televisão na época e sempre será uma das minhas favoritas <3

Pra onde você está indo?

Série fantástica! Um dos melhores de gênero de vampiros e sobrenaturais da TV!

Prefiro Angel

Seria mais ou menos isso rsrsrs

Hoje em dia a Buff se vestiria de preto colado estilo Trinity, teria duas armas escondidas atrás e que ninguém veria, uma espada ninja e teria superpoderes de vampiros modernos que são mais poderosos que vampiros tradicionais... ah, e lutaria contra alguma irmandade de lobisomens, sendo que ela teria um romance mal entendido com um deles, um lobisomem galã e bonzinho...

Ótima matéria!!!

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus