Séries e TV

Riverdale | Vale a pena ver a versão para TV da Turma do Archie?

Com personagens interessantes e inspirações em Twin Peaks, seriado começa bem
-
Elenco de Riverdale

A trajetória da editora Archie Comics é admirável: com a criação da Turma do Archie na década de 1940, os quadrinhos estrelados pelo jovem ruivo foram de importância vital para definir o que significava ser adolescente na cultura norte-americana, com personagens variados e exemplares. Porém, os tempos mudaram e hoje pouco do que os tornavam tão vívidos e interessantes conversa com a nova geração, beirando até mesmo o clichê. Foi preciso uma reinvenção nas HQs em 2015 - de enorme sucesso, inclusive - e agora o primeiro derivado dessa empreitada deu as caras na televisão: Riverdale.

Projeto de Greg Berlanti, nome reconhecido por fãs de Arrow  e The Flash, a trama tem como ponto de partida a estranha morte de Jason Blossom (Trevor Stines) após partir em um passeio com sua irmã gêmea e riquinha local Cheryl Blossom (Madelaine Petsch), impactando toda a pequena cidade em que a família habitava. É um paralelo claro com Twin Peaks, algo que se torna ainda mais presente na estética do seriado. Diferente do clássico cult de David Lynch, contudo, Riverdale utiliza a tragédia como uma sombria abordagem para explorar rostos tão conhecidos sob uma perspectiva moderna.

Tudo é narrado como parte de um romance escrito por Jughead Jones, misterioso personagem de Cole Sprouse (Zack & Cody: Gêmeos em Ação), que utiliza o assassinato como plano de fundo para observar as problemáticas relações que seu melhor amigo Archie (K.J. Appa) se encontra, como sua paixão por música, a necessidade de agradar o pai (Luke Perry, de Barrados no Baile) ou o romance proibido com uma professora (Sarah Habel). Diferente da simplicidade da sua versão original, o Archie da série se torna interessante por esse pelo conflito interno: lidar com suas vontades ou fazer o que é certo.

Elenco de Riverdale

O mesmo pode ser observado tanto em Betty Cooper (Lili Reinhart), a menina de bom coração que se vê estagnada justamente por colocar a vontade dos outros à frente das suas; e Veronica Lodge (Camila Mendes), a novata em busca de um recomeço que constantemente age como a pessoa que deixou no passado. Essas pequenas inconsistências nas atitudes, principalmente quando motivadas pelo clima de luto na pequena cidade, dão vida aos personagens, geram empatia no espectador e trazem um pouco de imprevisibilidade no que, caso contrário, seria uma narrativa bem óbvia e tediosa.

Não que a série não tenha cometido sua boa dose de erros: frequentemente o roteiro se torna muito explicativo, passando largas porções de informações supostamente conhecidas pelos personagens em diálogos que parecem pouco naturais, questionando a inteligência do público. Essa exposição gratuita é algo que pode ser eventualmente reduzida ao ritmo que vamos entendendo o universo que o seriado se desenvolve, mas que representa o ponto mais irritante de seu início.

Riverdale teve um bom começo. O piloto combina bem mistério com personagens interessantes, vívidos e empáticos. Enquanto o gancho para os demais episódios talvez seja raso demais, explorar os traços de personalidade e as relações interpessoais do elenco interessa o suficiente para garantir que o espectador retorne para mais um capítulo.

A partir de 13 de fevereiro, Riverdale é exibida às 21h30 no Brasil pelo canal pago Warner Channel.

Leia mais sobre Riverdale

Galeria de imagens (44)

A série é produzida pela a Warner Bros, tanto que é distribuída pela mesma ao redor do mundo. Freeform apenas tem os direitos de exibição da mesma.

Pretty Little Liars não é da Warner e sim da antiga ABC Family que hoje virou Freeform que pertence a Disney-ABC Television Group que é uma divisão The Walt Disney Company.

Pretty Little Liars não é da Warner e sim da antiga ABC Family que hoje virou Freeform que pertence a Disney-ABC Television Group que é uma divisão The Walt Disney Company.

Mas não modificaram,usaram exatamente a mesma.

É porque as duas séries são da Warner, e eles usam as imagens externas que tem no arquivo do estúdio e modificam pra cada nova série. PLL não foi a primeira a usar essas que aparece em Riverdale, e também não será a última.

Ok

Ok "adultão"

Achei o ruivo muito, muito gostoso. Nota: 5 ovos - 2 dele 2 meu e 1 bem cozitinho. Kkkkkk

A Malhação que vale

O texto foi feito com base no primeiro capítulo - até porque acabou de estrear no Brasil - mas realmente melhora bastante nos dois episódios seguintes!

Olha, eu não assisti Pretty Little Liars mas já vi gente falando a mesma coisa. Bem estranho!

séries da CW, tô fora!

Um dos melhores series teens dos últimos anos.

Já vi três episódios e estou gostando muito da série.

Pow, eu curti a série mano e olha que eu não costumo gostar das produções da CW. É uma série de temática adolescente que eu consigo suportar de boa e tem personagens bem interessantes, além de uma estética que eu gostei muito. Tô no terceiro episódio e acho que a cada capítulo a série vai aprofundando mais esses ganchos e dexando o enredo mais complicado.

é bem teen, bem gossip girl.. gostando até agora,mas espero que o kevin seja mais explorado

série mais cw da cw atuamente

Espero que a ideia de introduzir uma Sabrina gótica/wicca tenha sido abandonada.

Queria uma serie simples com 25 minutos não essas series de misterio de hoje em dia.

Só eu que percebi que as imagens externas da cidade são as mesmas de Rosewood de Pretty Little Liars? Mas emfim..essa série tem que melhorar e muito no roteiro e na história!

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus