Séries e TV

Fugitivos | Primeiros episódios de série da Marvel adaptam bem quadrinhos e expandem história

Nossas primeiras impressões da série sobre adolescentes que descobrem que os pais são supervilões
-

Os seis adolescentes de Fugitivos, a nova adaptação televisiva da Marvel no Hulu, estreou em 21 de novembro, já estão na ativa lutando contra os próprios pais, membros da organização macabra intitulada Orgulho. A série estreou em 21 de novembro - os quatro primeiros episódios já foram lançados, material suficiente para ter uma boa ideia do que é o novo programa. Apesar de ser baseada nos quadrinhos homônimos criados em 2003 por Brian K. Vaughan e Adrian Alphona, que também assinam a adaptação para a série de TV, os primeiros capítulos deixam claro que a trama original foi expandida para vários lados - e isso é uma coisa boa.

Fugitivos conta a história de Chase Stein (Gregg Sulkin), Alex Wilder (Rhenzy Feliz), Nico Minoru (Lyrica Okano), Karolina Dean (Virginia Gardner), Gert Yorkes (Ariela Barer) e Molly Hernandez (Allegra Acosta), conectados pela descoberta de que seus pais fazem parte de uma seita chamada Orgulho, que controla clandestinamente a cidade de Brentwood. A forma como eles descobrem isso é a mais desconfortável possível: os seis, escondidos, acabam sendo testemunha ocular da morte de uma adolescente, a jovem Destiny Gonzalez (Nicole Wolf), pelas mãos de seus genitores em um ritual assustador. A partir daí, os adolescentes fogem e passam a buscar justiça para as ações de seus parentes.

Entre as mudanças do original está o maior destaque para os pais: enquanto o primeiro episódio segue o ponto de vista dos jovens, como nos quadrinhos, o segundo dá um passo para trás na história e coloca a perspectiva dos pais em primeiro plano. Isso dá margem para que esses personagens sejam mais bem explorados em suas singularidades. Além das relações problemáticas entre pais e filhos, como é o caso de Nico e sua mãe controladora Tina (Brittany Ishibashi) ou de Chase e seu pai abusivo Victor (James Marsters), a série inclui dinâmicas próprias dentro do grupo de adultos como crises conjugais, infidelidade, disputa de poder.

Ainda que a série explore com mais afinco determinados estereótipos de high school entre os adolescentes, o roteiro inteligente faz com que isso seja mais uma carta na manga divertida que um problema. O mesmo acontece com os pais que, apesar de claramente estarem ocupando o posto de supergrupo vilão, não são ditados por uma lógica maniqueísta o tempo todo. Há momentos em que eles próprios questionam suas ações e a adição de background para Geoffrey (Ryan Sands) torna o personagem infinitamente menos unidimensional - seria interessante ver o mesmo acontecendo com os demais pais. Entre os jovens, pelo que os primeiros episódios entregaram, a principal diversão estará em conciliar a adolescência com a descoberta de que têm habilidades especiais e do que exatamente são elas - algo que a Marvel sempre soube fazer muito bem nos quadrinhos.

Ainda sobre o roteiro, há um bom esforço em fazê-lo parecer atual. Frequentemente os jovens soltam alguma piadas ou trocadilho envolvendo cultura pop - quando o grupo de jovens descobre a passagem secreta na casa de Alex, ele mesmo brinca com a hipótese de ser um portal para Nárnia; Gert chama Chase de Doc Brown quando o rapaz cogita que o experimento do Orgulho envolvesse a descoberta de como viajar no tempo; o agente do pai de Karolina menciona Fuller House e Tina faz uma referência à Dakota Johnson em 50 Tons de Cinza.

Os primeiros episódios de Fugitivos foram uma surpresa agradável para os fãs dos quadrinhos, mesmo que determinadas modificações tenham soado estranhas em um primeiro momento - todas elas são interessantes do ponto de vista de serem portas abertas para boas subtramas, além de, vias de fato, não interferirem diretamente na espinha dorsal da história. Para quem não conhece o material original, a série vale tanto quanto a pena por apresentar uma trama fresca, entregando a história na velocidade certa e encabeçada por personagens extremamente carismáticos. A primeira temporada terá dez episódios, exibidos semanalmente nos Estados Unidos pelo Hulu - ainda não há, infelizmente, previsão de chegada da plataforma no Brasil, mas a série será exibida por aqui pelo Canal Sony.

Confira uma lista com as principais diferenças entre os primeiros episódios da série e o material dos quadrinhos:

MAIS LISTAS

Realmente em relação ao medo de apostar nos efeitos vide o Vagalume de Ferro na Netflix

Runaways parece estar acertando a mão. Além de estar bem próximo da visão das HQs, a produção parede não estar com medo de apostar nos efeitos e de explorar os poderes, algo que fica bem contido em outras produções (orçamento?). Só quero ver se vai ficar meio que auto contida ou se vai fazer parte do Universo Marvel como um todo. Já está passando da hora de as séries começarem a se cruzar. As séries da DC podem ter os mais diversos defeitos, mas eles já estão em um nível de interação bem maior que as séries da Marvel.

Não. É q eu tenho enchecaodesacofobia e frescurofobia.

...

E aparece muito no 4.

Dormi nas três vezes que tentei assistir ao piloto. Desisto.

E o que tem a ver uma coisa com outra?

Efebofobia?

ALEX FALSIANE *ALERTA*

O Brian.

Parei quando lí "adolescentes".

Bem melhor que a fotografia das séries da Netflix

Ela aparece no final do episódio 3

Tem ou vai ter a Alfazema? Novo video no canal: https://www.youtube.com/watch?v=ruU_gUU7pwk

Os quadrinhos. =D

Ela ressuscita 2 anos depois, fica sussa.

Inumanos tinha que ter virado filme e não série. A Marvel comeu bola.

Que alívio ler isso.

Sem sp0iler, cara!!! Pelo amor de Deus!!! Coisa chata!

O primeiro episódio é um pouco chato até os últimos 15 min(mais ou menos). Mas quando se mostra de quem eles vão ter que fugir a coisa fica interessante. Já vi 3 episódios e vou continuar. Com relação aos Inhumanos, eu me decepcionei com a qualidade da produção(cenografia e ambientação), mas quando deixei de reparar nisso os últimos 3 episódios ficaram interessantes. Parei de ver The Flash no terceiro episódio da atual temporada. Tá ruim demais.

QUEM DISSE QUE A GERT MORRE?

E tome mais Marvel.

Assisti 3 episódios e é muito boa. Uma série adolescente que não é idiota. Personagens muito bem desenvolvidos e a química entre eles funciona por enquanto. Cada núcleo familiar com sua dinâmica e tramas próprias. Se continuar assim tem tudo para ser uma ótima temporada.

Gostei do Dentinho.

Vi 2 episódios, muito boa. Espero que seja fiel às hqs. O Alex trai o grupo e vai pro lado dos pais e a Gert morre e passa a ligação com o dinossauro pro Chase. Não percam, uma das melhores que vi até agora 9/10.

O desenvolvimento dos personagens e a interação entres eles está 10/10 até agora, mesmo com as alterações que fizeram (que foram até benéficas) eu consigo enxergar claramente os personagens dos quadrinhos ali. Espero que tenha algum easter egg sobre o Victor Mancha e também sobre ''Lucy in the Sky With Diamonds''

Já vi 3 episódios. Muito boa.

A série foi uma das mais fiéis adaptações da Marvel que já vi. A fotografia é belíssima também. Recomendo demais! E sim, Inumanos foi ruim.

A série tá sensacional!

Animei de assistir

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus