Vade Retro
Séries e TV - Comedy
Vade Retro (2017)
  • País: Brasil
  • Classificação: Não definido
  • Estreia: None
  • Duração: indisponível

Vade Retro - 1ª Temporada | Crítica

Série dos criadores de Os Normais tenta falar do mal em essência, mas termina sendo essencialmente ruim

Em um dos episódios finais de Vade Retro, criação de Alexandre Machado e Fernanda Young, o afetado personagem de Tony Ramos, chamado de Abel Zebu, dá um de seus tradicionais monólogos iniciais sobre a natureza do mal que está velada na maioria das engrenagens sociais. Ele conta a história do milagre da transformação da água para o vinho de uma maneira lógica e convenientemente cética. A perspectiva que ele apresenta é simples, mas exerce um papel devastador naqueles que estão abertos ao questionamento: o bem, o milagre, o mal, todos esses impulsos elusivos são dependentes da crença, da fé.

Estão nesses monólogos de início de episódio as maiores qualidades dessa que já parece ser outra série global fadada a terminar com apenas uma temporada. O inégavel talento de Tony encontra, nesses momentos, um texto sagaz que é característico da obra de Fernanda Young, embora sozinho não consiga desviar o show de outros grandes problemas que o constituem. É como se toda semana Vade Retro flertasse com analogias provocativas sobre o que existe de mais impulsivo e egoísta na natureza humana. Mas, deixando a importância perder-se no caminho, em nome de decisões estilísticas equivocadas.

Baseado nisso, o que a série propõe é um flerte constante entre a ideia de que aquele homem é apenas um lunático corrupto que gosta de brincar de ser o capeta e a possibilidade real de que ele o seja, já que diante do nosso cenário político, não seria surpreendente se o capiroto em pessoa decidisse dar as caras em terrenos brasileiros. A série faz um investimento covarde nessa ambiguidade, tomando decisões fáceis e que enfraquecem a emissão de expectativas. O trabalho de Fernanda e Alexandre raramente foi sutil (Os Aspones talvez tenha sido a coisa mais minimalista que já fizeram), mas a sutileza é importante em um produto que tem as dinâmicas entre bem e mal tão essenciais para o texto.

Maniqueísmos

A trama de Vade Retro começa quando o namorado de Celeste (Monica Iozzi), que é vivido por Juliano Cazarré, conta ao tal Abel Zebu, no final de uma palestra, que ela é a criança que foi tocada pelo Papa em sua visita ao Brasil. Abel imediatamente decide usar Celeste para – através de uma forte manipulação – conseguir que ela abrace seus planos. É aí, então, que a série começa a deixar turvos seus objetivos, já que o começa como uma maneira de demonizar os corruptos profissionais, logo em seguida se transforma em um jogo de mistérios sobre aquele homem ser ou não o diabo. Vade Retro não se decide se vai ser metafórica ou literal.

Até a metade da temporada, parece que tudo que Abel quer é exercer seu charme transgressor contra uma advogada falida que fica deslumbrada com essa atenção. O texto fala em planos para fazê-la de laranja e para usá-la para lavagem de dinheiro. Até aí podemos elogiar a alegoria diabólica proposta pelo texto e que é jogada toda em cima da imagem do político e grande empresário típico do nosso país. Até mesmo o característico humor escatalógico dos criadores funciona quando eles fazem com que Abel esconda um rubi “dentro” da bunda de Celeste sem que ela saiba. Se um dos plots é o divórcio entre e ela a mulher Luci (Maria Luísa Mendonça, afetadíssima), faz sentido que ele encontre formas absurdas de ocultar bens.

O problema é que nos episódios finais, a série abandona a metáfora capitalista que é tão bem defendida nos monólogos iniciais e passa a ser uma piada longa e sem graça sobre Abel ser o líder de um culto satânico e querer engravidar Celeste para gerar um anticristo. A partir dai é “mestre” pra lá e “mestre” pra cá, rituais e uma progressão estranha da Celeste seduzida para a Celeste consciente. O texto continua insinuando que talvez Abel seja só um lunático, mas abandona essa interessante possibilidade de devaneio super produzido na última cena, quando o final do personagem é colocado em dúvida. De fato, a série não completa seu ciclo nem quando era metáfora e nem quando passa a ser literal.

Há bons momentos de riso, um elenco afiado e Monica e Tony cheios de boa química. Luciana Paes e Nathalia Falcão roubam quase todas as cenas em que aparecem, mas o maior problema de Vade Retro é a redundância constante de imagens maléficas unidas a tons de voz maléficos, atuações arregaladas e absolutamente nenhuma sutileza. Nesses tempos em que vivemos, narrativas sobre o mal essencial precisam se esforçar mais para serem acessíveis, justamente porque como Abel mesmo diz em dos monólogos iniciais, a mentira e a maldade são naturais e inerentes e não necessariamente refletem a imagem do diabo. Vade Retro falha em toda sua incursão antimaniqueísta e termina diabolicamente irrelevante. O pacto de sangue para o sucesso nesse caso, não funcionou.

Nota do crítico (Regular) críticas de Séries e TV
 

Por causa da preferencia pelos atores em fazer novela, a serie "Dupla identidade" não teve uma segunda temporada. As séries são um formato de potencial. Ainda não temos os melhores autores da TV... mas podendo ser um produto tão atraente quanto a novela, vai ser gostoso de acompanhar e a possibilidade de uma renovação vai ser possível.

A emissora (Record, Band, Record, Globo, SBT, Rede TV, Brasil TV, etc) devia criar uma política para a produção de séries como o compromisso dos atores em permanecer no elenco para possíveis futuras temporadas... além de ser mais ágil na renovação de séries.

A tempos não se via uma série com humor tão cínico e intrigante. Vade Retro é o tipo de série que sabe mesclar o típico humor caricato (aqueles com silêncio e expressão dos atores) até o humor inteligente (uma sacada normalmente através da fala ou ato de um personagem). A série tem ótimo enredo, um pouco batido sim, mas ainda é uma coisa pouco vista no Brasil. Os atores estão Incríveis. A Fotografia e a Direção merecem aplausos, diferente e bonito. A tempos não se gargalhava tão abertamente em frente a TV.

Vale conferir: - o clima de humor está recheado de situações sinistras; - o tema é demoníaco mas o elenco é pura tentação; - Tony Ramos como o carismático Abel Zebu, um empresário mal caráter, - As cenas de Tony Ramos são hilárias; - o texto é afiadíssimo e promete chamar a atenção com graça; Cinismo, humor e grande elenco . Exemplo, quando Celeste elogia o “carrão” de Abel, ele responde: “Carro grande? Eu queria mesmo aumentar meu pênis, mas nunca recebi um e-mail me oferecendo isso”. Por aí. kkkkk

Cinismo, humor e grande elenco em 'Vade Retro'. Tudo leva a clara assinatura dos autores. Quem acompanha o trabalho deles desde a vitoriosa “Os normais” reconhecerá a mesma verve. Aqui, de novo, a narrativa é esticada até o nonsense, e o humor, cínico, é produzido de surpresa e sempre fora do território do histrionismo. Por isso, por exemplo, quando Celeste elogia o “carrão” de Abel, ele responde: “Carro grande? Eu queria mesmo aumentar meu pênis, mas nunca recebi um e-mail me oferecendo isso”. Por aí vai. A direção de Mauro Mendonça está em sintonia com o texto, colaborando para a construção de um ambiente imaginário. O primeiro episódio atrai e diverte e o trabalho dos atores merece todos os elogios. Tem é uma certa oscilação do ritmo. Alguns trechos se arrastam um pouco, talvez pelo contraste com todo o resto, que corre com tanta agilidade.

Faltou o essencial para se fazer uma boa série cômica, pois humor precisa de ritmo/timing, somada a um ruim texto e uma insignificante direção, fazem mal. Faltou aos diálogos a afiação às falas de humor de Abel (interpretação contida e forte) e Celeste (com falas divertidas).Nisso mostra o destaque no currículo do casal de roteiristas. Discordo do sentido de falha pois a série mistura comédia e terror, demonstra que os dois autores finalmente acertaram o tom após diversos projetos que decepcionaram, como a criticada O Dentista Mascarado. Vale lembrar que outras series como A Cura, A Teia, Dupla Identidade também foram projetos que tinham brilho para continuar. Como eles, Vade Retro merecia a 2a chance de aprender com os erros para ampliar as produções de seriado nas emissoras do país, não é?

Quem deu uma chance à comédia não se arrependeu. Vade Retro cumpriu a sua principal missão, que é fazer rir. Afinal, não é todo dia que a TV coloca no ar um produto que faz chacota com elementos sacros e coloca o próprio diabo como herói. Vade Retro divertiu, sobretudo, com as brincadeiras constantes aos filmes de terror. O erro da série, foi a falta de uma trama mais coesa. A história andou quase como numa sucessão de cenas cômicas que foram focados em situações um tanto despropositadas. Isso passou a sensação de não contar história nenhuma. E talvez o principal motivo para fazer decolar em uma 2a temporada, será consertar esses erros.

Os diálogos afiados, que ora faziam uma crítica contundente aos excessos do poder em qualquer esfera, e ora descambava para o nonsense e a escatologia, também arrancaram risos. Vade Retro usou todos estes elementos com inteligência.

As premissas dessas séries chega até a ser aceitáveis, mas acredito que pecam em colocar rostos conhecidos... Coloquem atores novos, mas talentosos, fazendo essas séries. Fica difícil ser verossímil quando se tem Tony Ramos que sai de um projeto pro outro e Monica Iozzi que como atriz é uma boa repórter do CQC...

To na metade da tem 01 e não to conseguindo engrenar, melhora? ou se eu nao curti até agora não muda muito?

O que dá errado nas séries ficcionais brasileiras? A ideia geralmente é muito legal, até no visual se puxam às vezes, mas parece que alguma coisa não encaixa no andamento desses projetos. Talvez isso se deva ao fato da nossa dramaturgia ser muito cotidiana, especializada nisso. Quem sabe no futuro a parte de ficção melhore, que continuem tentando, mas com mais empenho e menos excesso de referências. Essa série força a barra nisso, não é aquela coisa que você constata, é jogado na cara e perde a graça.

Ui, quanta agressividade, querida. Que foi? Problemas com seu bandidinho de estimação?

Até porque foi ela que roteirizou e dirigiu a série, né, retardado? A burrice das pessoas me comove.

<em

Espero que sua gíria faça parte da ironia.

... enquanto isso a melhor série de ficção cientifica talvez desde Battlestar Galactica e Fringe ... é rarissimamente citada....The Expanse.

Disse isso pra minha noiva e ela disse q era bobagem minha. Taí a prova. Tava estourando no Video Show, com uma base de fans e tudo mais

Mano do Ceu, esse Henrique faz reviews de The Leftovers que são verdadeiras obras-primas. O cara é um monstro escrevendo

Pelo contrário. Um dos maiores pontos fortes da Globo são as séries.

Caraca! Criticas de series chulas da Globo?? Cade a critica de Suits?? Tem 6 temporadas na Netflix..

Se tivessem usado essa premissa do diabo em uma série escrita pro João Emanuel Carneiro (do ótimo A Cura) ou com o pessoal que fez Justiça e com Tony Ramos interpretando o personagem teria saído algo bem melhor. O personagem até ficou legal com o ator, mas interação dele com os outros personagens da série dava vergonha alheia!

Fazem crítica de séries medíocres da Globo, enquanto tem séries muitos melhores que nunca sequer mencionaram aqui.

$$$pagando bem que mal tem! fale bem fale mal mas fale!

Legal o Omelete fazer críticas de séries brasileiras. Espero que continuem.

Close errado da emponderada Monica Iozzi?

Ela é boa, o que estraga ela é a Globo. É tipo a Tatá. No Multshow manda bem, na novela das 21h é meia boca total.

Nova fase.

Ruim... :\

kkkk

É legal ver o Tony Ramos atuando fora do registro habitual dele. Mas o texto não ajuda.

Mônica Iozzi não me desce. Acho ela tão sem graça, desde os tempos de CQC.

Concordo plenamente, Eu. Você disse tudo. Falta alguém mais criativo no ramo da tv/cinema brasileiro. Mas é preciso apoio do público. Quando surgi algo diferente do comum, tipo "Supermax", o povo, em sua maioria, rejeita, como eu disse antes.

Prefiro a Monica calada, depois que ela virou ativista extrema da esquerda, caiu no meu quesito.

Dupla Identidade e Dois irmãos tb foram interessantes.

Omelete fazendo crítica de séries da Globo? Olha só...

Vi um dia, não desceu. O único que se salva é o Tony Ramos

Não vai vender nada pra Netflix, ela tem o Globo Play. A emissora não faz negociação com streaming.

Justiça, Amores Roubados, Dupla Identidade são ótimas.

Justiça e Amores Roubados, mandaram lembranças.

Pé na Cova.

Ela não dá liga com o Tony Ramos. Dá pra ver que ela só estrela essa série porque é casada com um grande diretor da emissora. Péssima atriz....

Parei de assistir depois da Cena da Monica com as crianças caindo no jardim, lamentável péssima atuação, fiquei cm pena , grande "comediante" rsrs

Merece 1 ovo só, única coisa boa foi a atuação do Tony Ramos, personagem certo na série errada... lamentável

Também tem um cara chamado Henrique Haddefinir que comenta no série maníacos....

Nunca devia ter saído de lá...

Assisti uns episódios...série besta da porra.

A Globo não sabe fazer séries que não sejam de comédia, porque no fim o resultado final é uma porcaria, ela e a Record ficam pau a pau para vê quem é a pior nessa questão.

Aê, Omelete! Que bom! Tem que parar mesmo de ficar só no mundinho das séries americanas e começar a olhar pras produções nacionais! Afinal, o pessoal aqui também consome a cultura pop nacional, e não apenas a importada.

Pqp omelete, pqp...

Nessas horas, eu ainda quero saber como ela ganhou aquele concurso do CQC.

Prefiro a Mônica apresentando o Vídeo Show.

O maior problema das series ou minisseries da Grobo, é essa falta de ousar mais, tudo acaba simplista demais, em novela ate da pra relevar, mas em outras produções eles precisam ousar mais, isso implica na falta de bons roteiristas

Isso é verdade... acho que as pessoas ligam esses gêneros a mega produções com efeitos visuais que aqui não se pudesse fazer igual... mas na boa, nem sempre é necessário extravagância em estrutura para se fazer filmes de ficção, fantasia e tal... enfim, falta alguém criativo suficiente tentar e mostrar que é capaz... tipo 2 Coelhos, um bom filme de ação

Olha acho que o critico está procurando demais em uma obra com a proposta justamente sacanear todas as expectativas das pessoas em torno de temas religiosos. Acredito que a lógica maniqueísta da produção está justamente no fato de afrontar quem assisti, com a hipocrisia em acreditar em coisas banais, e nesse caso nem falo da religião, por que isso é muito particular, mais da expectativa de bem contra o mal. O rótulo de produção com uma pegada mais cômica que mistura tudo que assistimos em outras produções e que são intocáveis, aqui se torna gancho para a zoeira. Não existe a mocinha virginal que não aparenta desejo, nem um vilão que é só um cara ruim e carrancudo. Todos esses clichês são trazidos de forma deturpada, afim de causas um certo desconforto nas bases morais, de um publica acostumado a vitimismos.

Crítica muito boa. Eu assisti a série, embora mais pro final (perdi boa parte), e falha na própria ambição e como um todo não é engraçada. Tony Ramos carregou nas costas essa minissérie.

Netflix? HBO? Esquece, pra isso eles tão criando o streaming próprio.

Gabriela era legal, altas putari4, parecia série da HBO, e tinha aquele cara que falo pra da licença que ele ia cagar, melhor novela. Mas teve uma série realmente boa, tão boa que o publico da Globo não gostou ja que ta acostumado com o padrão ruim e duro uma temporada, aquela Clandestinos

Hahahahahahaha é mesmo. Mas eu curtia Grande Família

Concordo plenamente, Eu. A própria Globo se acomodou em uma zona de conforto. Porém, há um grande problema: O PÚBLICO! Veja, a maioria de nós curte sci-fi, aventura, fantasia. Mas, a maioria desses produtos vem de fora. Quando surgi algo em terras brasilis que fuja do padrão já estabelecido aqui, a maioria torce a boca. É uma pena.

Nem perdi meu tempo assistindo essa merdo ! Uma pena, pois Tony ramos já provou que é um ótimo ator de comédia.

Confesso que nunca assisti essa minissérie. Sempre pensei que ela tivesse um ar de "Vamp" e "O beijo do vampiro". Que pena! Algo que poderia tirar a programação aberta brasileira do "mais do mesmo" e que acaba apresentando problemas roteirísticos. Tomara que surja algo novo na televisão brasileira que divirja da maioria das novelas e séries que aqui existem (não que haja problemas com elas, porém, a TV nacional precisa de algo, um tanto, diferente).

Olha, confesso que a Globo é merecedora da imponência que tem, até porque ela construiu seu popularismo e tal... mas de boa, eu acho que a Record, a Band e o SBT só não tiram audiência da Globo por falta de gente criativa e ideias igualmente inovadoras... porque convenhamos que a maior audiência da Globo vem de telenovelas e futebol... sei lá, tem tanto moleque bom em roteiro e em direção por aí em escolas de cinema e agências de publicidades, porque diabos essas emissoras não contratam essa galera mais nova e boa em roteiros e direção e colocam uma estrutura nas mãos deles para que eles produzam curtas, filmes pra TV e seriados com 5 episódios como a HBO e demais emissoras gringas fazem ? Cara, no próprio YOU TUBE vc encontra web séries melhores escritas e desenvolvidas que um capítulo de novela... Sei lá, acho que muitas vezes as pessoas assistem e escolhem a Globo por falta de coragem das outras emissoras

Kkk verdade

Acho que existe uma competição entre os críticos do site para ver quem escreve mais....

Virou vítima do gigantismo....

Na boa... na minha opinião dificilmente as séries da Tv aberta vão se equiparar com Tv a cabo e streaming. A Tv aberta tem que dar ibope para se sustentar, grande parte do público é noveleiro.. difícil inovar assim. As vezes a premissa é boa... e a ideia vai mudando conforme o ibope da série ou novela. A saída para Globo é fazer produções independentes e vender para a Netflix ou lançar através de uma plataforma própria. Aliás, com tanta série boa para acompanhar que o público pode escolher seja Netflix, HBO, outros canais e tem tb através dos torrents da vida... o produto tem que ser muito bom para assistir..

Eu cansei de ler.

Já vi um monte de gente endeusando ela, tem louco pra tudo mesmo. Também acho ela sem graça e sem carisma nenhum.

Algumas sim,mas não todas tem muita série bacana como Justiça por exemplo,o problema da globo é não sair da zona de conforto,as vezes eles pegam uma premissa f0da com essa dos Dias Eram Assim(Ditadura),mas ao invés de explorar esse cenário,apenas o usam como pano de fundo para um romance besta e sem sal

Os que acham ela a rainha do twitter, sim. Ela tem que cobrir aqueles R$30.000,00 Kkkkkkkkkk

Monica Iozzi saiu do Videoshow pra virar ''atriz'' de sucesso,agora ela vai ladeira abaixo pq atua pior que criança de 8 anos

Ela interpreta mal pra caramba. Sério, de dar dó.

Monica lozzi sem graca, sem carisma e ta mascarada demais

antes havia sim séries e novelas boas na Globo Grande Família, Os Normais, Faça sua História, Carga Pesada O problema é que depois dessa onda da Globo de tentar se tornar moderna acabou fazendo tudo errado, estereotipando os jovens e acabou cagando tudo

Regular ? Pqp Essa série é uma tosqueira só, a Mônica Iozzi não tem a menor graça ou carisma, o Tony Ramos já foi melhor. Era pra dar 0 Ovos pra essa porcaria

Novela e série na Globo é tudo a mesma coisa

Sério mesmo que tem gente que espera alguma coisa boa vindo de um seriado que tem Monica Iozzi como protagonista?

Nem sabia que existia essa serie !

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus