Elenco / Direção

A Caça

Jagten
(Regular)

Drama

  • Estréia: 22 de Março de 2013
  • País / Ano de Produção: Alemanha / 2012
  • Duração: 115 minutos
Publicidade

A Caça | Crítica

Dignidade em meio à histeria coletiva

19/10/2012 - 11:03 - Érico Borgo

O dinamarquês Thomas Vinterberg (Submarino, Querida Wendy), um dos criadores do movimento Dogma 95, retorna ao tema de seu primeiro filme, Festa de Família (1998) em A Caça (Jagen, 2012).

É o melhor filme do diretor desde seu elogiado debute e, apesar da palavra "pedófilo" estar presente em ambas as sinopses, o tema é tratado de forma muito diferente 14 anos depois. Vinterberg deixa de lado o humor negro satírico do original para realizar um filme sutil, centrado e emocionalmente contido.

Na trama, um professor de jardim da infância (Mads Mikkelsen) é adorado pela população da pequena cidade em que vive. Participa dos grupos de caça (uma tradição local), é apoiado durante seu divórcio e tem amigos leais. Mas quando Klara (Annika Wedderkopp), uma menina de 8 anos, filha de seu melhor amigo, confunde seus sentimentos pelo professor e tenta beijar-lhe, o homem pacientemente explica que isso só se faz entre "mamães e papais" e que ela deveria dar atenção aos meninos de sua idade. Mas Klara, confusa, resolve repetir à diretora da escolinha uma frase que ouviu dos irmãos - algo que coloca a cidade inteira contra o professor, que é acusado gravamente de ter abusado sexualmente da menininha.

A edição primorosa não deixa um grama sequer de gordura no filme, que conta com a belíssima fotografia de Charlotte Bruus Cristensen (mais quente no início e menos acolhedora quando as coisas começam a degringolar). Vinterberg, sabiamente, evita todos os clichês possíveis desse tipo de filme, concentrando sua história nos espaços vazios, em que pouco acontece, favorecendo a introspecção, a sutileza e valorizando a catarse. E Mikkelsen, melhor ator em Cannes pelo papel, tem aqui também seu melhor trabalho - enchendo a tela com uma presença poderosa, que irradia dignidade e descrença pelo que está acontecendo (como os bons episódios de Além da Imaginação, em que o chão desaparece sob os pés dos protagonistas).

Ao final, quando toda a concentração enfim dá lugar aos sentimentos represados, A Caça simplesmente explode em uma espécie de crítica social que não demoniza ninguém e nunca dá lugar ao fatalismo que acometeu alguns dos filmes anteriores de Vinterberg. A cena derradeira é o único ponto negativo de todo o filme, que já havia sido bem resolvido, mas parece ter sido uma pequena concessão do diretor ao grande público - um lembrete de que quando a histeria se estabelece, nem toda a história é escrita pelos vencedores.

Leia mais críticas da Mostra 2012

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade