Assista Agora

Amor | Crítica

O fim segundo Michael Haneke

Érico Borgo
17 de Janeiro de 2013

Amor

Amor

Amour
Áustria , 2012 - 125 min.
Drama

Direção:
Michael Haneke

Roteiro:
Michael Haneke

Elenco:
Emmanuelle Riva, Jean-Louis Trintignant, Isabelle Huppert, Alexandre Tharaud

Excelente
Amor
Amor
Amor

Poucos diretores contemporâneos são capazes de despertar tanta reflexão com tão pouco como o austríaco Michael Haneke (Violência Gratuita, A Fita Branca). Em seu novo filme, Amor (Amour, 2012), o cineasta - cujas duas últimas obras obtiveram o prêmio máximo em Cannes - realiza uma aterradora, dura e emotiva contemplação do fim, que dá ao espectador todo o tempo do mundo para apreciá-lo.

O drama se passa quase que inteiramente dentro de um espaçoso apartamento, cuja mobília e decoração denotam uma vida inteira de bom gosto. Há arte por todos os lados, móveis de madeira pesada e uma preocupação especial com a qualidade da música, a grande paixão do casal idoso que ali vive. O aparelho de som moderno - mas ainda um CD player, físico - destoa sutilmente das cadeiras antigas e das "mantinhas" que aquecem os velhos em seu companheirismo de décadas.

O cenário, porém, aos poucos se transforma - mas apenas em contexto. Sem qualquer mudança além do equipamento hospitalar e dos rostos novos que surgem como apoio à esposa que definha, uma invasão à história gravada ali, o que era uma casa de pessoas cultas de outra época torna-se lentamente um mausoléu. A arte nas paredes vai ficando mais opressiva, os móveis, mais pesados e a habilidade de desfrutar da arte, adquirida com esforço e dedicação e acumulada como um conforto futuro, esvazia-se. Schubert vira "Sur le Pont, d'Avignon", cantiga maternal de crianças francófonas. E no imponente hall de entrada, uma pomba teima em entrar (na cena mais silenciosa e agoniante do filme), como fazem essas aves em monumentos vazios.

Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva, os protagonistas, fazem um trabalho assombroso como Georges e Anne, músicos aposentados que seguem desfrutando a cultura erudita enquanto soam verdadeiramente apaixonados, com uma intimidade adquirida ao longo de uma vida. Até que um dia, sem qualquer aviso, ela sofre um derrame - e começa a lenta descida até o inevitável fim, em que, aos poucos, tudo desaparece, o bom-gosto, a dignidade, a identidade. Só o amor não evanesce - e Georges segue ao pé da cama, cuidando da esposa com devoção pragmática, aferreado a uma promessa.

Haneke é brilhante em suas escolhas, da abertura - que estabelece o que devemos esperar do filme - às cenas cotidianas de tratamento e os pequenos momentos de absurda tensão, que nesse cenário doloroso ganham proporções épicas, como o confronto com a enfermeira ou as discussões com a filha (Isabelle Huppert). A direção de atores é impecável, bem como suas escolhas estéticas e o roteiro incisivo. Como o protagonista, conhecemos o final, sabemos o que esperar da história, mas quando o golpe chega, ele é certeiro e esmagador.

Amor | Cinemas e horários



Vídeos relacionados

Publicidade

Comentários (66)

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar.
Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

sem avatar Elaine (01/08/2014 20:29:50)   0 0
Nossa não desmerecendo as opiniões,pra quem não gostou do filme,eu achei no começo meio chato,mais depois eu fui me envolvendo cada vez com as cenas,enfim pra mim,eles demostraram que existe amor verdadeiro,apesar de poucas pessoas acreditarem,nossa ele ficou com ela até o fim,na parte do travesseiro foi chocante,mais ali eu vi que ele estava acabando com o sofrimento dela de uma vez,eu até então no final não tinha entendido mais ainda bem que eu gravei,vi de novo o final,ai entendi....



sem avatar Relieta (22/03/2014 01:38:52)   0 0
particularmente gosto muito de filmes como amour...que fazem pensar , refletir atitudes da vida.A princípio fiquei chocada coma cena do travesseiro ,como muitos , eu creio...mas aí é que vem a magia do cinema ...A pergunta que fazemos a nós mesmos quando as luzes se acendem...E agora ? O que querem nos dizer com isso???? ...Entendi simplesmente que devemos ter em mente ,que tudo na vida tem limites...até o amor que aquele homem sentia por sua esposa.No princípio ela colaborava com o esforço que ele fazia para mantê-la bem, apesar da doença...Assim como pomba que na primeira vez saiu pela janela , sem precisar que ele fizesse muito esforço...AS coisas só acontecem quando as duas pessoas se esforçam para tal.NO caso ,só ele se esforçava.Ela se mantinha como vítima e simplesmente desistiu de viver e não tinha interesse nenhum em procurar uma saída,assim pomba que na segunda vez deu muito mais trabalho ,precisando que ele repetisse o mesmo gesto do travesseiro,para que pudesse colocar pela janela aquela pomba que dentro do apartamento era um problema para ele.Enfim..."Ele se cansou de lutar por uma causa sozinho , e simbolicamente a matou ,devolvendo a liberdade aos dois ,atitude reforçada quando o casal sai pela porta daquele apartamento que havia se tornado uma prisão , principalmente para ele....



alekis alekis (12/08/2013 04:25:19)   -27 0
Mereceu 5 ovos pela atuação do casal. Sensacional. Mas pelo filme em sua essência, achei muito cheio de simbolismos (como já esperava). Realmente, um filme que é pra poucos. Irei ler mais a respeito para não sair falando mal de um filme tão premiado.



sem avatar Marcelo (22/07/2013 13:15:50)   1 0
lindo filme!



Baxin Baxin (07/06/2013 19:57:24)   246 1
Que filme foda!!!

Esse trecho da crítica diz tudo:
"Até que um dia, sem qualquer aviso, ela sofre um derrame - e começa a lenta descida até o inevitável fim, em que, aos poucos, tudo desaparece, o bom-gosto, a dignidade, a identidade. Só o amor não evanesce - e Georges segue ao pé da cama, cuidando da esposa com devoção pragmática, aferreado a uma promessa."
E o "fim" desse filme é o melhor de tudo!!



sem avatar Sérgio (02/04/2013 02:42:11)   4 0
Prezados,

sugiro o seguinte texto sobre "Amor":

http://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2013/02/23/amor-2012/

Abraço



sem avatar josmar (27/03/2013 20:39:13)   -1 -1
o filme poderia ter cido melhor se não fosse aquele finalzinho chato ... bem a moda filme brasileiro



sem avatar Julio (03/03/2013 09:21:17)   -6 -1
Senti falta do personagem masculino, figura isenta de sentimentos no filme: Não chora, não sente dor...e só se irrita porque já é hábito dele ser irritado.

...E o final, o que dizer?
É um daqueles finais do tipo "a roupa do rei" que só consegue entender quem é "inteligente"!



Zica das Almas Zica das Almas (03/03/2013 08:02:46)   392 0
Na minha cidade o filme entrou em cartaz apenas dia 01/03 e assisti ontem o filme.
Já passei por uma experiência parecida com uma pessoa muito próxima de mim e hoje em dia passo com uma outra pessoa também mais próxima e vejo bem perto de mim como a inevitável velhice é.
Reflexivo como Haneke consegue ser.
Título mais-que-perfeito para a obra.

Recomendo a todos que acham a juventude infinita.



sem avatar Renata (09/02/2013 15:16:42)   6 1
Como escrever tanto e dizer bem pouco. O filme é mto bem cuidado e os atores espetaculares.
Vale a pena para quem ñ esta na deprê e ñ tem vergonha d s emocionar.



Publicidade
sem avatar silvio (31/01/2013 23:56:49)   -3 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.


Marconi Marconi (31/01/2013 11:06:44)   -11 1
Achei o filme incrível. Gostei muito da crítica, mas acho ela um pouco curta demais, como a maioria das críticas aqui do Omelete. Seria interessante ler uma análise mais profunda das escolhas estéticas que vc cita e de outros elementos do filme, que são comentados de forma superficial, na maioria das vezes no site.



sem avatar Patrícia (30/01/2013 19:53:00)   2 2
Excelente filme. De uma sensibilidade pouco vista, o cinema tá precisando mais desses momentos de reflexão.
É óbvio que em alguns momentos pode parecer arrastado, mas essa É a intenção do filme...é o fim de um casal, chegando...mas tentando fazer com que demore o máximo possível pra acontecer.



sem avatar julia (30/01/2013 18:37:34)   -1 -1
Desculpem-me, mas eu realmente não entendi o fim do filme, não me culpem e nem me xinguem, por que eu e metade das pessoas do cinema ficamos confusos. Alguém pode me explicar?



Ewerton Ewerton (29/01/2013 21:33:37)   0 0
Acabei de assistir mui bom mesmo... tocante e sincero... a vida é assim, curta. Maaaas prefiro Violencia Gratuita!



Vitor Vitor (27/01/2013 18:28:31)   13 4
Um filmes simples, lindo, sincero e até um pouco surpreendente. O nome do filme é perfeito, durante o filme todo só é mostrado muito amor.



Malenna Malenna (26/01/2013 18:53:35)   1088 1
achei o filme de uma sensibilidade extraordinária. preciso confessar que em alguns pontos achei muito, muito arrastado, mas chega a determinado momento do filme que nem isso me incomodava mais, só sabia chorar ou então apenas me sentir extremamente triste.
vejo como aquele tipo de filme que você ama ou realmente odeia, fora do que estamos normalmente acostumados, principalmente pelo tempo que a história caminha, por isso que acho compreensível os comentários discordando da nota dada pelo Borgo.



sem avatar Rafaela (25/01/2013 15:26:15)   1 1
Devo ser insensível mesmo, pois não fui tocada por esse filme. Achei chato, lento, arrastado. Segundos que pareciam intermináveis em algumas cenas, como quando ele corta o ramo de flores e quando ele tenta capturar o pombo. Em muitos momentos tive vontade de acelerar o filme, mas assisti a tudo, embora com certa impaciência. O final não me surpreendeu, é o típico final para chocar a audiência. O filme não é emocionante, pelo contrário, o diretor faz questão de dissecar a relação do casal, que vai se deteriorando gradativamente, conforme a doença da mulher se agrava. Não há envolvimento ou sentimento de identificação com os personagens, justamente por conta dessa frieza das cenas. Perdoem-me minha insensibilidade e/ou ignorância, mas não compreendo por que o filme é classificado como excelente.


sem avatar Ryan (25/01/2013 20:18:21)   36 0
Linda Rafaela! Você disse tudo, tudo, tudo o que eu pensei sobre o filme! Embora eu tenha até gostado, mas realmente eu esperava um filme mais tocante, eu esperava me emocionar vendo este filme, mas não... sei lá! O final eu achei justo, pelo menos uma coisa no filme pra você falar: "Carambaaaaaa!!!" rs
E a atuação do casal esta excelente!
Eu daria 4 ovos!

sem avatar Ulisses (08/02/2013 02:23:27)   36 0
Pois é, me identifiquei muito com seu comentário.
Valorizaria essas 5 estrelas do Borgo pro trabalho dos atores. Na relação entre a atuação e a idade deles. Como valorizo o trabalho do Christoper Lee, como Saruman, por exemplo.
Nada contra Haneke, mas ele é um perturbado mental.
Achei de extrema brutalidade dar o nome desse filme de Amor. Não vi o que conheço de amor ali.
Não me acho insensível ao ver tamanha atrocidade e não entender a "mensagem". Só vejo a frieza dos europeus. Arrogância, sei lá.
Como nos fatos, entre o relacionamento com a filha, da vontade de não se tratar no hospital ou ter medo de asilos, por aí,
Fiquei pensando não no filme, mas como iria recuperar minhas 2 horas perdidas.
Aquelas cenas de silêncio eterno, os quadros passando, a ausencia de trilha sonora é muito forçação de barra. No começo é possível sentir certa melancolia e tristeza, mas o andamento do filme e o final são como um vômito pra mim.
Qual a mensagem do Haneke? Alguem me dá uma luz...

Miss Scarlett Miss Scarlett (22/02/2013 11:30:02)   547 -1
Ulisses, na minha opinião o título Amor não poderia ser mais adequado. Onde está o sentido de amor ali? Nas memórias (lembra das cenas que ela pede pra ver o album de fotos?) na dedicação, na devoção do marido pela esposa, aquilo se não for um ato de amor extremo eu não sei mais o que é. Na difícil decisão que ele toma nos momentos finais, muitos vão discordar, mas aquilo é uma prova de amor, o amor está na vida plena que eles viveram até ali).

Amor não é para emocionar, no sentido bom da palavra, tampouco é um filme feito para chocar. É para refletir, sobre a vida.

André Land André Land (24/02/2013 19:06:20)   44 1
esse filme parece que tem 24h de duracao , chato demais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Guilherme Guilherme (25/01/2013 01:11:39)   38 0
Acabo de assistir. O filme é lindo e cruel em seu naturalismo. Atuações contidas e precisas, roteiro simples sem deixar de suscitar dezenas de questões entre as linhas, fotografia impecável.

Emmanuelle Riva deu um show. A atuação de uma vida.


Steven Steven (28/03/2013 18:47:39)   0 0
Às vezes se esquecem do Jean-Louis Trintignant, mas ele está tão bem quanto ela no filme, tropeçando pela casa com fragilidade mas sempre digno. O final me deixou com uma pulga atrás da orelha.


sem avatar hugo (23/01/2013 00:12:26)   1 1
O comentário do Érico Borgo é perfeito, e veadeiro , todos os elementos do filmes estavam em um harmonia quase impossível, fotografia, direção de arte montagem e atuação do elenco, mas quanto a historia eu diria que os primeiros dez minutos do filme já passam toda mensagem, dai em diante nosso caro diretor trabalha para nos tortura minuto a minuto com a rotina escruciante do casal de idosos. gerando uma sensação de agonia que só tem fim ao subir dos créditos. Fazendo um balanço geral ele é um bom filme, mas que dificilmente vais ser lembrando como o filme favorito de alguém, mesmo que essa lista seja sobre drama.

Sobre defesa exagerada do filme: Não existe "cinema arte" ou "cinema comercial". Existe apenas "o cinema" como forma de expressão artística. Assim a expressão "o filmes é para poucos" se torna uma inverdade. a capacidade de aceitação geral de uma obra de arte é que determina, seu valor artístico, qualquer aula de introdução a historia da arte vai nos ensinar isso. Filme bom é bom para todos.



Publicidade
sem avatar Diego (22/01/2013 16:36:03)   -1 0
Nao assisti ainda o filme, mas pelos comentarios é um filme que mostra o quanto é doloroso passar por situações que você no fundo sabe que nao tem solução. Passei por um problema parecido com a minha vó que foi operar o coração e teve um derrame na hora da operação e mesmo a minha familia acreditando e as vezes tendo esperança que ela voltaria para casa isso nao aconteceu nos 10 meses onde ficou internada e faleceu. Histórias como a minha ou a do filme mostra que temos sim que assistir e vê o quanto é ruim passar por esses momentos e refletir no que fazemos e como agimos com tal situação e como vamos pensar em sempre fazer o melhor por quem amamos.



sem avatar Juliana (21/01/2013 17:21:43)   19 0
Bela crítica, Borgo! Assisti ontem e gostei muito, mesmo sendo pesado. Achei comovente, ao mesmo tempo bonito e triste, me lembrou meus avós paternos.

Pra gente refletir por muito tempo ainda.



sem avatar Alvaro (21/01/2013 14:57:10)   -1 0
Assisti esse filme e achei muito horrível.

Quem passou ou passa por essa situação não acha nada de belo ou amoroso.

É triste pessoas terem que pagar para ter esse tipo de sentimento, principalmente quando tem um parente próximo em situações semelhantes e fica anos sem vistita-lo. Pagar 30 reais por 2 horas de sofrimento cru e não passar 1 hora com avós velhinhos é de uma hipocrisia tão grande que me revolta.


sem avatar Juliana (21/01/2013 17:26:14)   19 0
Haneke não faz filmes pra gente se sentir bem, muito pelo contrário. É pra refletir mesmo.

Vi de perto coisa semelhante com meus avós, fiquei triste em alguns momentos do filme ao relembrar de algumas coisas. Mas ao mesmo tempo não deixa de ser uma realidade... Não existe esse negócio de "viveram felizes para sempre" como a gente está acostumado a ver em 90% dos filmes e desenhos animados. Por mais triste que seja, não deixa de ser uma história bonita.

sem avatar Alvaro (21/01/2013 19:26:36)   -1 0
Mas você realmente precisa ir a um cinema para ter esse tipode reflexao? Precisamos pagar 30 reais em um ingresso para sentir o que sentimos, quando nunca longe da gente a realidade igual acontece?

sem avatar Ednardo (22/01/2013 10:54:51)   1 1
Amigo, não querendo ser polêmico, mas não tem nada a ver seu comentário. Assiste o filme quem quer. Você não é obrigado a pagar para ter esse tipo de sofrimento. Tem pessoas que gostam de um filme dessa forma, sem melodrama, sem sentimentalismo, com excelentes atuações, com uma estrutura narrativa ótima.

Rafaela Rafaela (22/01/2013 22:12:45)   16 2
Olha eu queria entender de onde vc tirou esse negocio de "Tem que pagar 30,00 pra ter esse tipo de sentimento" ou "não passa tempo com os próprios avós"..pq sinceramente eu acho q vc ta deduzindo que as pessoas são assim e esse sua dedução não tem fundamento nenhum.
Falei dos seus sentimentos e do que vc pensa, não fique inventando que os outros são assim.


Rafaela Rafaela (20/01/2013 23:17:13)   16 0
Assisti ao filme hoje, ele é de uma emoção incrivel, é muito tocante pois é um momento em que não sabemos oq fazer, acho q por isso é tão forte.
Eu realmente não gosto de filmes tristes, mas mesmo triste, esse filme me deixou pensantiva por muito tempo, vc não sabe se é um fim ruim ou algo bom para os dois.
Borgo, adorei sua crítica, parabéns!



Ðartђ Ѵadęr™ Ðartђ Ѵadęr™ (20/01/2013 16:48:34)   2247 2
Deve ser um bom filme, mas pelo que eu li sobre esse filme, deve se muito triste. Vou falar verdade sem hipocrisia: acho que não aguento ver.


Baxin Baxin (21/01/2013 02:21:55)   246 1
kkk porque Ðartђ Ѵadęr™?

Achei um filme bonzinho,não faz muito meu tipo,mas é legal...


sem avatar daniel (20/01/2013 13:35:56)   9 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.


Bruno Bruno (18/01/2013 11:41:16)   61 2
Ótima crítica, Borgo! Parabéns pela lucidez nos comentários, que acrescentaram bastante minha idéia sobre o filme, mesmo depois de tê-lo visto!
Realmente Amour é um filmaço, a ambientação do apartamento com seus detalhes meticulosamente encaixados, formando um perfeito cenário do caos. E quanto as atuações da dupla de protagonistas, eu não vejo uma entrega igual há muito tempo no cinema! E como o silêncio em um filme me fez tanto refletir...



sem avatar Tiago (18/01/2013 03:35:24)   57 3
Perfeito. Refletir é para os loucos tentando uma cura, e para os bons tentando não sofrer tanto, quando chegar a cada.



sem avatar Marco A (18/01/2013 01:47:47)   708 0
Ótima crítica.....



Abraão Abraão (18/01/2013 01:36:32)   10 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.


Publicidade
Joker Flash Joker Flash (18/01/2013 00:21:08)   1135 2
Não gosto das críticas do Borgo, mas eu estou mesmo interessado em ver esse filme!


Baxin Baxin (18/01/2013 03:49:59)   246 3
após somos dois!


Losovoi Losovoi (17/01/2013 23:40:29)   293 9
Não quero defender os caras do Omelete, mas acho que devemos entender que quando um filmes como os Vingadores ganha 5 ovos isto não quer dizer que necessariamente ele é uma obra-prima, mas sim que dentro do Universo dos Blockbusters ele atingiu o objetivo. Não dá pra comparar um filme como Amor ou Argo com os blockbusters, até porque os filmes de verão são franquias cujos objetivos são divertir e ganhar dinheiro, se der para agregar algum valor artístico é lucro.


Joker Flash Joker Flash (18/01/2013 00:19:02)   1135 3
Positivo.


Rômulo "Sir Rommer" Rômulo "Sir Rommer" (17/01/2013 20:07:00)   14 5
O filme é realmente excelente assim como esse critica super bem escrita pelo Érico Borgo mas acho que essa obra, pelo menos em minha opinião, está atrás de Os Intocáveis falando em produto final mesmo. Para mim o que valeu mesmo nesse filme foi as grandes atuações de Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva que se não ganhar o oscar podemos para de acreditar no conceito do que realmente é brilhante. Também é valido mencionar a maneira de como é tratada às cenas do cotidiano desse lindo casal que nos faz pensar se agiriamos da mesma forma que Georges fez em toda trama.



Cabeça de teia Cabeça de teia (17/01/2013 19:27:54)   2823 -3
Comentário mal avaliado pelos leitores. Clique para ler.

Tyler Durden Tyler Durden (17/01/2013 21:51:45)   2891 4
Pai dos Burros... é como dizem, tal pai tal filho.


Raul Raul (17/01/2013 19:25:25)   1071 1
Quero muito assistir.


sem avatar Francisco (17/01/2013 20:25:33)   309 1
Raul,

A sensação que tive com esse filme indicado ao oscar, foi a mesma de quando o Atom Egoyan teve o seu talento reconhecido por O DOCE AMANHÃ...

Irei assistir esse, também!


Breno Breno (17/01/2013 18:57:06)   604 1
Assisti o filme esses dias. Michael Haneke dá muito o que se pensar neste longa, e utiliza de argumentos e detalhes sutis para simbolizar/expressar circunstâncias (como a doença, o desentediamento e a impotência). O filme em si é bom, porém esperava mais ao assisti-lo.

Não é o tipo de filme feito para todas as pessoas. Por mais que intencional, a uma atmosfera densa e melancólica por volta de tudo envolvendo o casal e isso pode levar muitas pessoas a se afastarem do filme antes mesmo que este chegue a metade. A todo sim um simbolismo e a complexidade (para mim a história de Amor soa cru e direta) por trás das monótonas cenas aonde Georges troca as vestimentas de Anne, ou quando o mesmo vai atrás do pombo... os gemidos da mulher da cama, balbuciando e tentando falar a respeito de sua dor, como se soasse uma "sinfonia desajeitada". Mais é o que eu disse a pouco: não é um filme para todos. Por este motivo, acredito que não vá ganhar de Melhor Filme no Oscar. O que não tirá o fato de que é um belíssimo filme independente da premiação.

Se no roteiro encontrei pontos altos e baixos na atuação não a o que falar: Emmanuelle Riva está fantástica, soberba. Acho que não só ela como todo elenco... enfim. Daria nota 4.


Breno Breno (17/01/2013 19:00:30)   604 0
Ah, e esqueci de comentar: o final deste filme é realmente um golpe arrebatador...


Eduardo Eduardo (17/01/2013 18:20:33)   31 1
Emmanuelle Riva merece ganhar o Oscar sem sombra de dúvidas, a atuação dela é sensacional. O filme é incrívelmente chocante, um tapa na cara.

Excelente critica Borgo.

Galera que fala mal sem nem ter assistido ao filme, seus comentários não merecem atenção. Não se compara dois filmes absurdamente diferentes como Argo e Amour.



Eduardo Eduardo (17/01/2013 21:47:01)   31 2
Não sou puxa saco, só admiro o trabalho dos caras q são mais inteligentes q vc q n consegue fazer um comentário sem ofensas.


Valter Valter (17/01/2013 18:19:16)   44 0
Ansioso para ver o filme, deve ser um filme em que somos guiados pela sensibilidade, ao boa critica mostra o outro lado de uma moeda muito hj desvalorizada pelo grande publico principalmente o mais jovem...
A que pequenos detalhes e boas historias valem mais que muitas explosões.


sem avatar daniel (20/01/2013 13:48:28)   9 0
É aí que mora o perigo... eu caí nessa... esperava um filme 'guiado pela sensibilidade' e assisti uma tortura de duas horas... tortura pura... decepção absoluta!


sem avatar Leonardo (17/01/2013 18:12:36)   5 0
Vocês já olharam o filme? É muito bom e na minha opinião muito superior a Argo e seria um ótimo ganhador do Oscar.



Aline Aline (17/01/2013 18:08:55)   425 3
Tive o prazer de já assistir a esse filme, ele é simplesmente maravilhoso. Haneke talvez não seja para qualquer um, ainda mais para essa geração que só assisti ao cinema de espetáculo, mas para mim, é algo querido. Comecei a gostar do cinema arte por causa dele e o Caché.


Marcelo Marcelo (17/01/2013 18:50:00)   6 1
@Aline, Caché é maravilhoso, você começou muito bem pelo Haneke. Abraço


Publicidade

Omeletop : cinema

Cinema

Os filmes em cartaz, a programação das salas de cinema, bilheterias, trailers, criticas de filmes, cartazes, entrevistas com astros e as novidades de Hollywood.

Séries e TV

As séries de televisão dos EUA, minisséries, os destaques da TV e as novidades na programação.

Música

Os shows que vem por aí no Brasil, os lançamentos musicais, novos álbuns e música grátis para download.

Games

Os novos games, críticas de jogos, trailers, imagens e mais novidades do mundo dos videogames.

Quadrinhos

As novidades das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo, previews de HQs e críticas de lançamentos nas bancas e livrarias.