Elenco / Direção

(Regular)

Drama, Comédia

  • Estréia: 6 de Dezembro de 2013
  • País / Ano de Produção: EUA / 2013
  • Duração: 90 minutos
Publicidade

Como Não Perder Essa Mulher | Crítica

Joseph Gordon-Levitt estreia na direção em longa desencontrado

06/09/2013 - 0:44 - Érico Borgo

Como Não Perder Essa Mulher (Don Jon) é o primeiro longa-metragem escrito e dirigido por Joseph Gordon-Levitt. Para sua estreia como cineasta, o ator parece inspirado em uma mistura de Os Sopranos (pela ambientação em Nova Jersey, aqui ainda mais caricata) com Os Embalos de Sábado à Noite (pelo charme e o personagem).

Gordon-Levitt também protagoniza o filme. É ele o personagem título, Johnny, um Don Juan incurável, habituado com festas, obcecado com o corpo, seu apartamento, sua família e seu carro. Todas as noites ele farreia e leva uma mulher diferente para casa - que categoriza de zero a "dice".

O problema é que Johnny é também viciado em pornografia na Internet - mesmo que não saiba disso. Os anos de "abuso" do gênero o levaram a perseguir a mulher perfeita, uma que fará com ele tudo o que as mulheres dos vídeos fazem. Mas a realidade é muito mais parecida com a manipuladora garota - dez perfeito - vivida por Scarlett Johansson, que arrebata sua vida e começa a controlá-la em poucas semanas. E Johnny continua infeliz.

Sempre competente como ator e aqui em sua melhor persona macarrônica, Gordon-Levitt cercou-se de talentos para sua estreia na direção. Julianne Moore vive uma mulher mais velha que desenvolve uma inusitada relação com o seu personagem, mas é no núcleo familiar que o filme se mantém realmente divertido. Tony Danza e Glenne Headly estão impagáveis como o pai e a mãe italo-americanos que infernizam a vida do filho.

Mas apenas do bom elenco e de algumas piadas interessantes, O cineasta novato não consegue transformar Don Jon em algo realmente memorável. A trama desequilibra-se entre o drama e a comédia com mão pesada - e a edição ora modernosa, ora convencional, resulta igualmente desencontrada. Também não há muito estofo na história e sobram situações repetitivas, o que faz com que o filme se arraste especialmente do meio para o fim.

Salva-se a intenção. Gordon-Levitt tem uma intenção clara de discutir a torrente de sensualidade gratuita que é frequente nas mídias, de questionar seu impacto nas pessoas e nas relações. Mas talvez tenha tentado voar alto demais enquanto ainda não domina todas as ferramentas de um bom diretor.

Acompanhe as críticas do Festival do Rio 2013

Acompanhe as críticas do Festival de Toronto

Trailers em destaque

Publicidade
Publicidade

Comentários

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus
Publicidade
Publicidade
Publicidade